alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Bolsonaro reduz tensão com partidos, mas não garante apoio formal ao governo

    Placeholder - loading - news single img

    1535

    Publicada em  

    Atualizada em  

    Por Lisandra Paraguassu

    BRASÍLIA (Reuters) - Depois de reuniões com seis presidentes de partidos nesta quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro conseguiu diminuir a tensão, mas não obteve dos líderes partidários a promessa de apoio incondicional à proposta de reforma da Previdência e nem de participarem da base de apoio do governo.

    Ao deixar o encontro com Bolsonaro, os presidentes defenderam a reforma, mas apontaram pontos que desejam ver alterados --em especial as já conhecidas questões das mudanças no Benefício de Prestação Continuada (BPC) e na aposentadoria rural.

    'O PSDB tem uma postura de independência em relação ao governo, não há nenhum tipo de troca, não participaremos do governo, não aceitamos cargos no governo', disse o presidente do PSDB, Geraldo Alckmin, ao sair do encontro no Palácio do Planalto.

    O ex-governador de São Paulo disse ainda que o partido irá defender a reforma, mas não irá fechar questão. Votará pela proposta desde que alguns ajustes sejam feitos. Além do BPC e da aposentadoria rural, Alckmin afirmou que o PSDB não dará seu voto para aprovar nenhum benefício que fique abaixo do salário mínimo.

    'O PSDB tem compromisso com a reforma, mas dentro desses parâmetros”, afirmou.

    Primeiro a ser recebido, o presidente do PRB, Marcos Pereira (SP), disse à Reuters que o partido se manterá independente, mas irá colaborar quando necessário, como na reforma da Previdência.

    'Eu não quero cargo, o partido não quer cargo. Eu quero é ser atendido. Não é questão de velha ou nova política, é uma questão de política. Os deputados vão levar demandas legítimas, precisamos de respostas, nem que sejam um não', disse.

    Pereira, que também é vice-presidente da Câmara, contou que a conversa foi boa e que Bolsonaro elogiou sua honestidade e disse que gosta de quem não vem com 'blá blá blá'. Perguntado se as conversas irão ajudar o governo a resolver o problema de articulação, disse que depende da atitude do governo.

    'Vai depender se eles atenderem as demandas legítimas dos parlamentares', afirmou.

    Também sobre a reforma, Pereira afirmou que o partido defende a proposta, acha necessária, mas que alguns temas --como BPC e Aposentadoria rural-- não podem ser votados como estão.

    Segundo presidente partidário a ser recebido por Bolsonaro, Gilberto Kassab, do PSD, também disse que o partido não fechará questão, em respeito à posição pessoal de seus parlamentares e à tradição da sigla, mas apoiará o texto porque a reforma faz parte do programa do PSD.

    'O partido tem uma posição muito clara com a sua independência em relação ao governo, essa posição continuará', disse Kassab.

    O líder do partido no Senado, Otto Alencar (BA), explicou que o PSD também espera mudanças em relação ao BPC, aposentadoria rural e em relação a outra questão, a capitalização, ponto-chave da reforma para a equipe econômica liderada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

    'A capitalização tem que ser um piso, e não pode ter capitalização sem contribuição patronal, não tem como', defendeu o senador.

    O DEM, que hoje já tem três ministros no governo --Casa Civil, Saúde e Agricultura--, mesmo sem uma adesão formal, foi o que chegou mais perto de admitir que poderá fazer parte da base, posição defendida pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado, que participou de um almoço com Bolsonaro e o presidente do partido, ACM Neto.

    'Ser base, formalmente ou não, é algo que pode acontecer, com absoluta naturalidade, no momento que houver uma deliberação da Executiva do partido. Mas eu entendo que a preocupação maior tanto do Democratas como do presidente Jair Bolsonaro não está na formalidade, em dizer 'é base ou não é base', e sim em garantir que esse diálogo possa ser produtivo e facilite o andamento da agenda de reformas', afirmou Neto.

    Presidente do MDB, Romero Jucá, também afirmou que o partido não quer ser parte da base.

    'O MDB veio propor ao governo uma agenda econômica e social. O MDB não quer cargo e ministério', afirmou. 'O MDB não quer ser base, quer ter uma agenda.'

    Também sobre Previdência, Jucá afirmou que o partido não planeja fechar questão em nenhuma votação, mas terá 'posições firmes', na Câmara e no Senado. Alguns pontos da reforma precisam ser mais discutidas, como as mudanças nas regras do BPC, aposentadoria rural e o sistema de capitalização.

    Os presidentes foram unânimes em dizer que Bolsonaro não fez convites formais de adesão. As conversas se concentraram mais sobre o apoio à reforma da Previdência, mas portas foram abertas, disseram os líderes partidários.

    A líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), afirmou que não é um problema nesse momento os partidos não fazerem parte da base do governo, mas sim o compromisso com a reforma da Previdência.

    'Temos mais tempo para fechamento da base em outras questões. Nesse momento temos que fazer duas contas: uma que é a aprovação da nova Previdência, e aí vale qualquer partido, inclusive da oposição. E uma outra conta é a formação de uma base para aprovação de outras questões', disse a líder do governo.

    Já à noite, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que participou dos encontros, disse que os presidentes e líderes de partidos foram convidados a participarem de um futuro conselho de governo, cuja ideia inicial é que se reúna a cada 30 dias.

    Onyx disse que todos concordaram 'que é o momento da gente passar por cima das nossas diferenças, passar por cima do que aconteceu no período eleitoral' e relatou que Bolsonaro se desculpou por eventuais erros.

    'O presidente, com a sua humildade, se desculpou de uma canelada aqui, uma canelada acolá, e a gente vai construir sim uma coisa que é muito importante: unir todos os que são verde e amarelos a favor do Brasil”, disse o ministro a jornalistas.

    Também à noite, Bolsonaro, em uma transmissão em uma rede social, agradeceu os líderes partidários pelos encontros e ressaltou mais uma vez que não houve negociação de cargos.

    'Eu quero agradecer fervorosamente essas lideranças político-partidárias por esse momento que tivemos hoje', disse Bolsonaro. 'Nada foi tratado sobre cargos, nem por parte deles, nem por minha parte.'

    Segundo o presidente, os líderes partidários 'têm o perfeito discernimento de que querem colaborar, não com o governo, mas com o Brasil'.

    Escrito por Thomson Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. bolsonaro reduz tensao com …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.