Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Especialista diz que cura para Alzheimer já foi encontrada

    À Time, a médica Maria C. Carrillo falou sobre os avanços no tratamento da demência.

    Placeholder - loading - news single img
    Remédios diversos sobre mesa (Foto: Pixabay)

    Publicada em  

    Nessa semana, um remédio inovador veio dar esperanças para aqueles que sofrem com o Alzheimer – e também aos seus amigos e familiares. Trata-se do aducanumab. Mesmo sendo muito elogiado, o medicamento foi interrompido após três testes simultâneos, todos mostrando que ele era ineficaz.

    Mas em outubro, uma surpresa bastante positiva: uma análise mais aprofundada de um dos ensaios revelou que a droga poderia realmente ser eficaz - pelo menos em doses mais altas. Então o aducanumab está de volta ao jogo - e com ele vem uma nova esperança. É o que conta a médica Maria C. Carrillo, diretora científica da Associação de Alzheimer, em reportagem à revista norte-americana Time.

    Passei toda a minha carreira interessada nos mistérios do cérebro: como é, como funciona e o que acontece quando não funciona. A doença de Alzheimer tem sido o foco principal da minha vida profissional, começando como uma jovem pesquisadora que examina as varreduras do cérebro e, até agora, como chefe do programa de pesquisa da Associação de Alzheimer.

    Também me afetou pessoalmente. Minha família percebeu gradualmente a memória em declínio, a divagação e a confusão de minha sogra no final dos anos 2000 e, em 2009, ela foi diagnosticada com Alzheimer. Como especialista na doença, pude responder à maioria das perguntas de meus filhos sobre o que a avó estava passando. Mas uma pergunta importante que não pude responder diretamente foi: "O que podemos fazer sobre isso?"

    Os estudos sobre o Alzheimer e demência são um campo relativamente jovem. Embora essas enfermidades tenham sido identificadas pela primeira vez há um século, por décadas permaneceram como uma incógnita. Então, 40 anos atrás, os cientistas descobriram a beta-amilóide, uma proteína que eles suspeitavam estar contribuindo para a morte de células cerebrais na doença de Alzheimer. Uma vez que essa conexão em potencial foi encontrada, os pesquisadores pelo menos tinham uma direção para o seu trabalho, e o financiamento para a pesquisa da doença começou de verdade.

    Pesquisas focadas em beta-amilóide, no entanto, não deram certo da maneira que muitos esperavam. Muitos dos ensaios clínicos em estágio avançado que relataram resultados negativos nos últimos anos foram testes de tratamentos direcionados à proteína. No entanto, há um lado positivo: grande parte do conhecimento que adquirimos sobre outros tratamentos em potencial e sobre como conduzir adequadamente ensaios clínicos.

    Os pesquisadores ainda estão tentando entender o papel do beta-amilóide na doença de Alzheimer, mas também estão explorando novos alvos potenciais de tratamento, que variam desde inflamação no cérebro até o microbioma intestinal. Verificou-se que as células-tronco da medula óssea são eficazes no combate à inflamação - e agora há pesquisas em andamento para verificar se elas poderiam fazer o mesmo se introduzidas no cérebro.

    Nosso entendimento do papel do microbioma intestinal na doença de Alzheimer está em sua infância, mas, graças às primeiras pesquisas focadas em beta-amilóide, agora sabemos que lipídios e outros produtos químicos digestivos acabam no cérebro, o que significa que eles podem ser manipulados microbiana como uma abordagem de tratamento,
    disse Carrillo.

    Pesquisas iniciais também levaram a novas tecnologias para o diagnóstico precoce. Há dez anos, um exame de sangue para Alzheimer era uma ilusão. Hoje, sabemos que existem mais de uma dúzia de tipos diferentes de marcadores sanguíneos para a doença de Alzheimer que podem ser detectados no sangue. O diagnóstico precoce pode significar tratamento precoce - pelo menos quando tratamentos eficazes estiverem disponíveis. Mesmo antes disso, a detecção precoce pode significar um início precoce de mudanças no estilo de vida que podem retardar o aparecimento dos sintomas. Esses são apenas alguns elementos do vasto espectro de pesquisas em andamento. Alguns meses atrás, quase 6.000 pesquisadores de demência apresentaram um número recorde de estudos científicos na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer.

    Historicamente, um enorme desafio para a pesquisa de doenças complicadas como a doença de Alzheimer tem sido o fato de que os esforços de pesquisa potencialmente promissores de alto risco e alto rendimento geralmente são interrompidos porque são muito novos ou muito arriscados para o governo ou as empresas farmacêuticas apoiarem. O financiamento do setor privado e sem fins lucrativos pode e deve desempenhar um papel vital no preenchimento da lacuna atual.

    A terapia com CAR-T, que usa um receptor de células T geneticamente modificado para ajudar a combater o linfoma não-Hodgkin, é um exemplo de tratamento que realmente saiu do vale da morte, graças ao financiamento sem fins lucrativos/do setor privado.

    Trabalhando com o filantropo Mikey Hoag, de São Francisco, criamos o programa de bolsas de pesquisa Part the Cloud da Associação de Alzheimer. Em apenas sete anos, essa iniciativa concedeu US$ 30 milhões em doações para 39 projetos de pesquisa de ponta, abrindo novos caminhos de descoberta em tudo, desde a neuroinflamação à energia e metabolismo do cérebro. Ainda mais importante, nossos recebedores de subsídios puderam obter financiamento adicional totalizando mais de US$ 259 milhões dos Institutos Nacionais de Saúde, Instituto Nacional de Envelhecimento, empresas de capital de risco e outras fontes. Tudo isso é um ganho financeiro inesperado em um campo de pesquisa que tem sido subfinanciado por muito tempo.

    Quando investimentos ousados em pesquisa foram feitos em outras doenças - como o CAR-T ou, mais famoso, em medicamentos anti-retrovirais para a infecção pelo HIV - as portas terapêuticas se abriram e as vidas foram salvas. Em agosto de 2019, o FDA ficou impressionado com os resultados do CAR-T que concedeu ao procedimento o que é conhecido como status de terapia inovadora, destinado a acelerar o desenvolvimento de medicamentos ou tratamentos que mostram uma promessa específica. Um subsídio de pesquisa de US$ 9 milhões do Instituto de Medicina Regenerativa da Califórnia foi apenas um dos resultados positivos do novo status do tratamento.

    Estamos à beira de algo verdadeiramente transformacional. O primeiro sobrevivente da doença de Alzheimer pode estar lendo esta história agora. Não é questão de encontrarmos uma resposta; é uma questão de quando.

    1. Home
    2. noticias
    3. especialista diz que cura …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.