alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Estudo americano indicou que o estresse pode causar demência mais tarde

    O estudo foi feito com voluntários norte-americanos e relacionou o alto nível de cortisol a mudanças na estrutura cerebral.

    Placeholder - loading - news single img

    1542

    Publicada em  

    Um novo estudo norte-americano, publicado na revista Neurology, mostrou que o estresse pode fazer mal ao cérebro.

    O hormônio cortisol está envolvido em uma série de processos corporais normais, incluindo metabolismo, imunidade e formação de memória. Mas o cortisol extra também é liberado em resposta ao estresse, levando a níveis mais altos no geral.

    Embora o estudo não siga as pessoas para ver se alguém desenvolveu demência, esses efeitos podem ser um precursor do declínio cognitivo mais tarde na vida, diz o co-autor do estudo Dr. Sudha Seshadri, professor de neurologia da UT Health San Antonio. "Nós já mostramos anteriormente que mudanças dessa magnitude podem predizer o nível de demência mental, até mesmo a lesão cerebral vascular, duas ou três décadas depois", diz Seshadri.

    O estudo envolveu mais de 2.200 adultos participantes do Framingham Heart Study, com uma idade média de 48 anos. Cada pessoa passou por um exame psicológico, que testou habilidades de memória e pensamento, no início do estudo e novamente cerca de oito anos depois. Eles também deram amostras de sangue, que os pesquisadores usaram para medir os níveis de cortisol, e a maioria tinha exames de ressonância magnética para medir o volume do cérebro.

    Depois de analisar os resultados dessas avaliações e contabilizar informações demográficas e de saúde, os pesquisadores descobriram uma conexão entre níveis elevados de cortisol e menor volume total do cérebro e menores pontuações nos testes de memória e cognição - embora nenhum dos participantes do estudo tenha apresentado sintomas de demência.

    A pesquisa tem algumas limitações, já que o estudo foi observacional, o que significa que olhou apenas para relacionamentos e não pode provar causa e efeito. E os pesquisadores mediram apenas os níveis de cortisol no sangue uma vez durante o período do estudo, de modo que não puderam avaliar as mudanças ao longo do tempo, ou mesmo os níveis médios de cortisol de cada participante. Além disso, a maioria dos participantes do estudo eram brancos e viviam na mesma geral, portanto, não são representativos da população total dos EUA.

    Ainda assim, diz Seshadri, a associação sugere que o estresse pode estar por trás de mudanças cerebrais preocupantes.

    Por isso, Seshadri recomenda o relaxamento. Atividades que demonstraram reduzir o estresse incluem meditação, exercícios, ioga, dormir adequadamente e manter uma vida social robusta. "Estamos expandindo nossa compreensão da ligação entre essas intervenções no estilo de vida e seu efeito no declínio cognitivo e na demência", disse o especialista.

    Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

    1. Home
    2. noticias
    3. estudo americano indicou que …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.