alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Estudo comprova que painéis fotovoltaicos flutuantes são ainda mais eficientes

    Por aqui, no início do mês, foi inaugurada a primeira etapa da usina solar fotovoltaica flutuante no Rio São Francisco.

    Placeholder - loading - news single img
    Instalação de painel solar (Foto: Pixabay)

    3127

    Publicada em  

    Mais um passo rumo à energia limpa e renovável: o governo federal inaugurou neste mês a primeira etapa da usina solar fotovoltaica flutuante. Ela transformará a luz solar em energia elétrica e foi instalada na Usina Hidrelétrica de Sobradinho, na Bahia. O empreendimento aproveita a área represada do Rio São Francisco e tem capacidade de gerar 1 megawatt-pico (MWp) de energia.

    E a ideia é ampliar essa experiência. Instalar painéis solares em espelhos d’água atrairiam investimentos privados e promoveriam leilões de geração de energia renovável na área de transposição do Rio São Francisco.

    Segundo os ministérios de Minas e Energia e do Desenvolvimento Regional, seria possível garantir recursos para o bombeamento das águas do rio, que hoje custam R$ 300 milhões por ano.

    “Esse solo escaldante e esse calor abundante é o que vão gerar energia para que os motores funcionem e irriguem o nosso sertão de verdade”, disse o presidente Jair Boslonaro, durante a inauguração da usina da Companhia Hidrelétrica do São Francisco. “Essa nova forma de buscar energia com placas fotovoltaicas em cima de um lago como esse aqui é bem-vindo ao Brasil”, completou.

    O uso de placas solares flutuantes traz vários benefícios. Entre eles, a redução da evaporação da água e a possibilidade de utilizar áreas não ocupadas, não havendo necessidade de desapropriação de terras.

    Para a construção da usina, foram avaliados a radiação solar incidente no local; a produção e transporte de energia; a instalação e fixação no fundo dos reservatórios; a complementariedade da energia gerada; e o escoamento desta energia.

    Segundo Rodrigo Sauaia, diretor executivo da Associação Brasileira da Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), a energia solar pode ser um complemento a outras fontes de eletricidade exatamente por isso. Placas flutuantes podem gerar energia nas superfícies de represas das hidrelétricas. Ou seja, a mesma estrutura já serve para uma segunda e simultânea geração.

    “Quando há mais abundância de água, prevalece a geração hidrelétrica. Quando há estiagem, há mais sol, existe mais potencial de geração complementar por energia solar”, afirma Sauaia.

    Estudos

    Segundo estudos feitos em usinas solares flutuantes da Europa e Ásia, locais onde o nível de irradiação é bem menor do que no território brasileiro, a tecnologia gera aproximadamente 14% a mais de eletricidade do que o sistema em terra ou no telhado.

    A pesquisa, realizada pela fabricante francesa Ciel & Terre International, detentora do Hidrélio®, tecnologia aplicada de estruturas plásticas flutuantes e utilizada em mais 60 usinas no mundo, apontou que o aumento de geração de energia se deve em função do resfriamento da temperatura dos painéis fotovoltaicos instalados sobre a água.

    1. Home
    2. noticias
    3. estudo comprova que paineis …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.