Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Estudo revela que possível amianto presente em talco causa câncer

    A Johnson & Johnson está sendo criticada há anos no tribunal.

    Placeholder - loading - news single img
    Mão com talco (Foto: Getty Images/Time)

    Publicada em  

    Um novo estudo fornece fortes evidências de que a exposição ao pó de talco contaminado com amianto pode causar mesotelioma maligno, um câncer raro e mortal que afeta os tecidos que revestem os órgãos internos. Os pesquisadores levaram em conta casos de 33 pacientes e os resultados foram publicados no Journal of Occupational and Environmental Medicine.

    Essa não é apenas uma descoberta científica importante - ela também pode dar novas munições a autores nos milhares de casos movidos contra marcas que vendem produtos à base de talco que supostamente causam câncer, o produto fabricado pela Johnson & Johnson.

    "É muito, muito difícil, em geral, provar exatamente o que causou seu caso específico de doença", diz Steve Gold, professor da Faculdade de Direito de Rutgers, especializado em substâncias tóxicas e perigosas. "Se um médico e pesquisador credível está disposto a testemunhar e publicou que esses cânceres individuais parecem ser causados pela exposição ao amianto do pó de talco, essa é uma evidência que geralmente não está disponível para os autores. Isso é muito poderoso."

    Uso do amianto

    O amianto é um grupo de minerais fibrosos de ocorrência natural que é considerado cancerígeno humano pela Organização Mundial da Saúde e por outros grupos de saúde pública. Está ligado ao mesotelioma, câncer de ovário e câncer de pulmão. Entre outros lugares, é encontrado em materiais de construção, isolamento, algumas peças de automóveis – e, por vezes, no talco. (que também está presente em cosméticos, como maquiagem).

    Desde os anos 1970, os fabricantes se comprometeram a usar talco isento de níveis detectáveis de amianto, mas ainda há pouca regulamentação sobre a indústria de cosméticos e as preocupações com a contaminação pelo amianto persistem. Um relatório divulgado pela Reuters em 2018 também constatou que a J&J sabia há décadas que parte de seu pó de bebê estava contaminado pelo amianto, mas não informou isso publicamente ou aos órgãos reguladores federais.

    A J&J também está sendo criticada há anos no tribunal. Em março, por exemplo, um júri da Califórnia concedeu mais de US$ 29 milhões a uma mulher que alegou que os produtos da empresa à base de talco contribuíram para o mesotelioma. No ano anterior, um júri ordenou que a J&J pagasse mais de US$ 4 bilhões em danos a um grupo de mulheres que alegou que seus produtos os levaram a desenvolver câncer de ovário. E em 2016, a gigante de produtos de consumo foi condenada a pagar US$ 55 milhões a uma mulher que disse que o produto contribuía para o câncer de ovário.

    A J&J refutou e, em muitos casos, recorreu dessas decisões, citando evidências conflitantes sobre se o pó de talco pode causar câncer. Em uma declaração fornecida à TIME após a publicação do novo estudo, a empresa afirmou que o seu talco para bebês é seguro:

    “Nos solidarizamos com quem sofre de câncer e entendemos que os pacientes e suas famílias estão procurando respostas. Os fatos são claros - o pó de bebê da Johnson é seguro, não contém amianto nem causa câncer, como refletido em mais de 40 anos de evidências científicas”, diz o comunicado. "Também houve muitos vereditos do júri a favor da empresa sobre essas questões, incluindo dois na última semana." Em 9 e 11 de outubro, júris separados da Califórnia tomaram o partido da J&J em casos alegando que seus produtos causaram mesotelioma. Em 15 de outubro, um tribunal de apelações do Missouri anulou um veredicto de US$ 110 milhões contra a empresa, proferido em 2017 depois que uma mulher alegou que os produtos da J&J causavam câncer de ovário.

    Peter Bicks, consultor externo da J&J em litígios sobre talco, também observou que a coautora do estudo Jacqueline Moline, professora de medicina do trabalho, epidemiologia e prevenção nos Institutos de Pesquisa Médica Feinstein da Northwell Health, serviu como testemunha paga em processos por amianto e, no estudo, se baseou nos casos a que ela se referia pelos advogados das demandantes.

    Moline enfatizou a importância do estudo. “É a primeira vez que alguém diz: 'Deixe-me olhar para todos esses casos, juntar tudo e identificar aqueles em que o talco é a única exposição'”, diz Moline. "As pessoas nem sabem que o pó de talco cosmético pode ter amianto".

    O estudo

    No artigo, Moline e seus colegas apresentam estudos de caso de 33 pessoas, a maioria mulheres, que foram confirmadas como portadoras de mesotelioma maligno e cuja única exposição substancial ao amianto foi por meio do uso de talco - teoricamente descartando outras causas da doença, já que a exposição ao amianto é o principal fator de risco para o tumor.

    Os autores descreveram em detalhes os casos de seis indivíduos, todos submetidos a testes de tecidos que mostraram evidências consistentes com o tipo de amianto encontrado no talco cosmético, mas não em coisas como materiais de construção e isolamento. Algumas dessas pessoas usavam produtos contendo pó de talco diariamente por décadas.

    "Tudo indica que o talco cosmético é a causa", diz Moline.

    Philip Landrigan, médico do Boston College, chama as evidências de "convincentes" e "credíveis", acrescentando que se baseia em décadas de pesquisas sobre amianto e mesotelioma. "A conexão tem sido motivo de preocupação por várias décadas", diz ele.

    Do ponto de vista científico, 33 estudos de caso são convincentes. Mas Gold adverte que eles podem ser menos persuasivos no tribunal.

    "Em geral, os tribunais têm sido um pouco céticos em relação aos estudos de caso como prova de causalidade", diz Gold, já que pode ser difícil aplicar os detalhes do caso de uma pessoa a uma população maior de pacientes. O estudo “deveria ser [visto como] basicamente um tijolo na parede. Não está nem perto de uma parede, mas é um tijolo. "

    Independentemente do que acontece no tribunal, Moline diz que espera que o estudo sensibilize aqueles que usaram talco cosmético no passado e aqueles que continuam a fazê-lo até hoje.

    "Qualquer coisa que você usa no seu corpo ou no seu corpo, você quer ter cuidado [com]", diz Moline. “Eu diria às pessoas que não há regulamentação para o talco e que, se houver uma alternativa mais segura, eu as aconselharia a fazer isso. Eu não recomendaria que as pessoas usassem talco. ”

    1. Home
    2. noticias
    3. estudo revela que possivel …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.