Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Novo estudo compara prós e contras da cesariana e do parto normal

    O mais importante, dizem os especialistas, é que a paciente se mantenha informada na hora de escolher o tipo que deseja.

    Placeholder - loading - Mulher grávida (Foto: Pixabay)
    Mulher grávida (Foto: Pixabay)

    Publicada em  

    A cesariana planejada pode ser a opção mais segura para mulheres que já fizeram cesariana no passado, de acordo com uma nova pesquisa da PLoS Medicine. A tentativa de um parto normal foi associada a uma chance pequena, porém maior, de complicações para mãe e bebê. As descobertas vêm da análise de mais de 74 mil nascimentos na Escócia.

    Especialistas dizem que as futuras mamães devem ter a opção de dar à luz da forma que desejarem (e que for melhor para elas) sempre que possível. As cesarianas são quando um bebê é entregue fazendo um corte cirúrgico no abdômen e no útero.

    Eles podem ser:

    • Eletiva ou planejada - a pedido da mãe ou por razões médicas, como quando o bebê está na posição errada ou muito grande.
    • Emergência - geralmente devido a complicações durante o parto

    Mais de um em cada quatro nascimentos no Reino Unido é por cesariana. Metade deles é planejada ou eletiva e metade é de emergência.

    Mas, afinal, o que é mais seguro? A pesquisa realizada na Escócia comparou os riscos de uma cesariana planejada ou eletiva com o parto normal (em mulheres que tiveram cesariana no passado) e descobriu:

    45.579 mulheres deram à luz por cesariana planejada e 28.464 tentaram parto normal; 28,4% das pessoas que tentaram um parto normal tiveram uma cesariana de emergência; a tentativa de parto normal foi associada a um risco aumentado de a mãe ter problemas sérios de nascimento e pós-parto, em comparação com a cesariana; 1,8% das pessoas que tentaram um parto normal e 0,8% das que tiveram uma cesariana planejada tiveram sérias complicações maternas, como ruptura do útero, sangramento ou infecção; complicações para o bebê ocorreram em 8% das gestações com tentativa de parto normal e em 6,4% das cesarianas planejadas.

    De acordo com o Royal College of Obstetricians and Gynecologists, na maioria dos casos, é possível oferecer às mulheres a opção de escolher com segurança, pois os riscos associados serão baixos.

    Geralmente, após uma cesariana, cerca de três em cada quatro mulheres que entram em trabalho de parto dão à luz naturalmente por via vaginal, enquanto uma em cada quatro acaba precisando de uma cesariana de emergência. E uma cesariana de emergência tem mais riscos do que a planejada, dos quais as mulheres precisam ser conscientizadas.

    Prós e contras

    A recuperação de uma cesariana pode levar mais tempo e existe o risco de infecção e sangramento na operação. Mais tecido cicatricial ocorre em cada cesariana, o que aumenta a chance da placenta crescer na cicatriz durante futuras gestações e causar complicações.

    Também existem pequenos riscos para o bebê com cesariana, que incluem dificuldades respiratórias temporárias e corte acidental (o que ocorre em torno de dois em cada 100 bebês, mas geralmente não causa maiores danos).

    Um parto normal pode significar uma estadia mais curta no hospital, uma recuperação mais rápida e um retorno às atividades diárias e evitar os riscos de uma operação. Mas às vezes pode levar a uma ruptura do períneo - a pele entre a vagina e o ânus.

    Mas, para mulheres que tiveram cesariana anterior, um parto vaginal pode sobrecarregar a cicatriz de cesariana, que pode se separar ou romper. Isso acontece com cerca de uma em cada 200 mulheres. Além disso, o risco grave para o bebê, como lesão cerebral ou natimorto, é maior no parto normal do que em uma cesariana planejada.

    Por isso, um parto normal não é aconselhável se uma mulher teve três ou mais cesarianas anteriores, dizem as orientações.

    Pat O'Brien, consultor obstetra e porta-voz do Royal College of Obstetricians and Gynecologists, disse que a nova pesquisa fornece dados úteis para informar mulheres e médicos quando discutem e tomam decisões sobre planos de parto.

    "Uma conversa detalhada da paciente e seu obstetra deve ocorrer para que ela possa fazer uma escolha informada sobre a maneira mais segura de planejar o parto e ser apoiada por uma equipe de especialistas".

    As informações são da BBC News.

    Últimas Notícias

    Placeholder - loading - Imagem da notícia 6 músicas internacionais que têm samples de outras canções

    6 músicas internacionais que têm samples de outras canções

    Sample é um termo bastante conhecido no mundo da música, especialmente por compositores, cantores e gravadoras. Mas a verdade é que isso talvez seja algo que esteja guardado apenas para os profissionais da área. Sendo assim, esta matéria foi preparada para informar o leitor, com uma linguagem fácil para todos tenham conhecimento.

    A criação de uma música é muito mais complicada e detalhada do que o ouvinte comum acha. O glamour para os cantores e bandas, como premiações, discos de ouro e platina são apenas o final de um trabalho longo e extenso. Como, sabemos que para uma produção de música, uma equipe com vários profissionais é acionada.

    Para entender o sample, devemos voltar lá na origem do artificio, que teve notoriedade na década de 80, justamente com o crescimento das músicas eletrônicas e os arranjos, em versões de remix.

    Por mais moderno que possa parecer, uma técnica de samplear as faixas musicais são muito mais antigas do que pensamos. As primeira tentativas e estudos originaram o termo, surgiram na década de 40.

    Os franceses teóricos da música Pierre Schaefer e Pierry Henry, foram os pioneiros na preparação da chamada Musique Concrèt, que em resumo é arte de modificar um som.

    Como o próprio diz, o significado de Sample, do inglês para o português é basicamente “amostra”, e essa amostra é uma forma utilizada pelos produtores, em uma criação musical. Diferente do remix, o sample é uma base de um faixa já existente. Para deixar mais fácil para o entendimento.

    Quando um musico pega um violão para compor as primeiras notas de uma obra, ele levará para uma gravadora e produtor musical, e incluir aquele curto trecho instrumental na canção. Essa gravação do violão é uma amostra fica gravada, para o inicio da criação.

    O Sample não está limitado apenas nas gravações instrumentais, mas as vozes são muito presentes também. Muitos produtores usam de uma musica já existente para a elaboração de uma nova.

    Por isso, em algumas situações, é notório quando o ouvinte aprecia uma canção, e assemelha a mesma com outra. Assim, ‘samplear’ pode ser considerado uma forma de homenagear o criador.

    Músicas que utilizam sample

    Madonna - 'Hung Up'

    Do ritmo conhecido e apreciado por muitos, o single ‘Gimme ,Gimme, Gimme’ da banda aclamada ABBA, a diva Madonna, não economizou na homenagem ao grupo sueco. ‘Hung Up’ virou de fato um sucesso em 2005, e talvez poucos sabiam dessa similaridade.



    Confira a versão do ABBA:



    Beyoncé - 'All Night'

    A base feita pela estrela Beyoncé em ‘All Night’ foi de fato uma bela combinação com ‘Spottieottiedopaliscious’. A canção original veio da dupla de rappers americanos, Outkast.



    Confira a versão da dupla Outkast:



    Jennifer Lopez - 'Jenny From The Block'

    O grupo americano de hip hop, The Beatnuts, emprestou um de seus exemplares, ‘Watch Out Now’, para a cantora, compositora e atriz Jennifer Lopez. A batida presente na canção da J.Lo é mais um exemplo da utilização do sample. E vale ressaltar que isso não falta de criatividade, e sim uma admiração e homenagem.



    Confira a versão do grupo The Beatnuts:



    Ariana Grande - '7 Rings'

    Ariana Grande voltou ao passado e utilizou 'My Favorite Things', do clássico 'A Noviça Rebelde' em sua música "7 Rings".    

    22 H
    1. Home
    2. noticias
    3. novo estudo compara pros e …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.