alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    O câncer de pâncreas neuroendócrino é silencioso, mas há tratamento

    Apesar de evoluir de forma lenta, o diagnóstico é mais difícil porque os sintomas são pouco específicos.

    Por Letícia Furlan

    Placeholder - loading - news single img

    Nesta semana, a cantora Aretha Frankling morreu por conta de um câncer de pâncreas neuroendócrino em estágio avançado. A doença, rara e de difícil diagnóstico, também acometeu Steve Jobs.  

    Este tipo de tumor maligno surge em um dos principais tipos de células do pâncreas: as ilhotas pancreáticas. Elas são responsáveis pela produção de hormônios como a insulina e glucagon (que atuam no metabolismo do açúcar no organismo e regulam seus níveis no sangue) e a gastrina, que estimula a secreção de ácido clorídrico e enzimas pelo estômago.  

    Segundo a American Cancer Society, organização americana sem fins lucrativos dedicada ao combate do câncer, os tumores neuroendócrinos representam apenas 5 por cento dos casos de câncer no pâncreas. A doença acomete cerca de 1 em cada 100 mil pessoas por ano.  

    No caso do tumor classificado como “funcionante”, níveis baixos de açúcar no sangue, diabetes e úlceras podem ser sintomas, já que a doença faz com que sejam produzidas quantidades anormais de hormônios. Já os “não funcionantes” não desregulam a produção hormonal, e os sintomas são diarreia, indigestão, protuberância e dor abdominal e icterícia na pele e nos olhos, que surgem conforme o tumor cresce e se espalha.  

    O câncer pode ser identificado através de exames físicos, laboratoriais e de imagem e biópsia – mas o diagnóstico não é fácil, já que a doença é rara e apresenta sintomas pouco específicos, e costuma ser feito de cinco a dez anos após o surgimento do tumor.  

    A boa notícia é que há tratamento, e o tipo dele vai depender da possibilidade do tumor ser totalmente removido cirurgicamente ou não. A extração basta na maioria dos casos, de acordo com a Cancer Society, exigindo um monitoramento para verificar sinais de que o câncer possa ter voltado ou se espalhado. Se a remoção total não for possível, são indicadas a quimioterapia e outras drogas específicas. 

    Ele é raro, mas evolui de forma lenta, o que permite um tempo maior de sobrevida dos pacientes em comparação com o câncer de pâncreas mais comum. 

    Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

     

    1. Home
    2. noticias
    3. o cancer de pancreas …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.