alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Os riscos que os cigarros eletrônicos oferecem à saúde

    Alguns especialistas foram ouvidos pela revista Time para falar sobre os benefícios e malefícios do produto.

    Por Letícia Furlan

    Placeholder - loading - news single img

    Os cigarros eletrônicos, que se tornaram cada vez mais populares nos últimos cinco anos, foram projetados como uma ferramenta para ajudar as pessoas a parar de fumar - e, ao fazê-lo, deveriam reduzir drasticamente as taxas de câncer de pulmão e outras doenças. No entanto, ainda não há um consenso entre os especialistas da saúde sobre seus benefícios.

    Os cigarros tradicionais funcionam por combustão simples: quando o tabaco é aceso, combina com o oxigênio e cria uma fumaça inalável. Já os cigarros eletrônicos aquecem um líquido químico que normalmente contém nicotina e muitas vezes um agente aromatizante, criando um aerossol. Ao fornecer nicotina sem alcatrão e outros subprodutos desagradáveis ??da combustão, eles supostamente oferecem aos fumantes uma alternativa mais saudável aos cigarros convencionais, enquanto ainda satisfazem os desejos.

    Os cigarros eletrônicos contêm menos substâncias químicas causadoras de câncer encontradas nos cigarros tradicionais (como arsênico, benzeno e formaldeído), mas há poucos dados de longo prazo sobre seus efeitos na saúde - e a ciência preliminar sugere que eles podem prejudicar os pulmões e coração. Além disso, embora estes produtos sejam feitos e estejam legalmente disponíveis apenas para adultos, eles são populares entre os adolescentes - potencialmente preparando uma nova geração para o vício da nicotina e o uso do tabaco, dizem os especialistas.

    Embora as autoridades de saúde pública em alguns lugares, como o Reino Unido, sejam fortemente favoráveis ??aos cigarros eletrônicos, a Organização Mundial de Saúde é mais cautelosa. Nos Estados Unidos, o Dr. Scott Gottlieb, comissário da Food and Drug Administration (FDA), que regulamenta os dispositivos, diz acreditar que estes produtos são bons para a saúde pública, apesar das incógnitas. Os “e-cigs” não são “isentos de riscos”, diz Gottlieb, mas as possibilidades que eles têm para fumantes adultos tentando parar, como taxas reduzidas de câncer de pulmão e melhor saúde respiratória geral, são importantes.

    Mas alguns pesquisadores que estudam seus efeitos não estão convencidos. Eles acreditam que não há evidências suficientes mostrando que os cigarros eletrônicos ajudam os adultos a parar de fumar para compensar um número crescente de estudos que sugerem que eles vêm com danos à saúde, incluindo um maior risco de doenças cardíacas e aumento das taxas de doenças respiratórias. "Quais são os efeitos deles quando um usuário toma 200 tragadas por dia durante 20 anos?", Pergunta Thomas Eissenberg, diretor do Centro para o Estudo de Produtos de Tabaco da Virginia Commonwealth University. "Qualquer um que diga que sabe a resposta para essa pergunta precisa apresentar alguns dados."

    Alguns estudos descobriram que os cigarros eletrônicos podem facilitar a cessação do tabagismo. Mas outros descobriram o contrário: eles tornam os fumantes mais propensos a continuar usando cigarros, potencialmente porque eles mantêm um hábito de nicotina. E-cigarros não são aprovados pela FDA como dispositivos de cessação do tabagismo, e os fabricantes costumam chamá-los de alternativas de cigarro para fumantes adultos.

    De acordo com dados recentes dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a Juul – marca mais popular deste tipo de produto – vendeu 16,2 milhões de aparelhos inteligentes em 2017, 641 por cento a mais do que no ano anterior. A empresa diz que está realizando estudos sobre cessação do tabagismo, toxicologia e muito mais. "Queremos entender tudo e queremos compartilhar todos esses dados, porque, em última análise, isso vai agitar a conversa sobre saúde pública", diz Ashley Gould, diretor administrativo de Juul. Gould também enfatiza que a Juul foi fundada “para fornecer uma alternativa satisfatória aos cigarros, com o objetivo de eliminar completamente os cigarros”.

    Mas muitos fumantes que recorrem ao e-cigarros não estão fazendo a mudança completamente. Pesquisa do Centro de Controle e Prevenção de Doenças, dos EUA, descobriu que, em 2015, cerca de 59 por cento dos adultos que usaram e-cigarros também fumaram. Enquanto alguns especialistas acreditam que substituir qualquer quantidade de cigarro pelo produto eletrônico é uma coisa boa, algumas pesquisas sugerem que o uso duplo pode ser mais arriscado do utilizar apenas um deles. Um estudo de agosto publicado no American Journal of Preventive Medicine descobriu que fumar o cigarro convencional ou eletrônico diariamente pode aumentar o risco maior de ataque cardíaco.

    E os cigarros eletrônicos também podem ter um grande impacto no câncer de pulmão. Em comparação com os cigarros, eles contêm muito menos dos ingredientes conhecidos por causar câncer, e os que eles contêm estão presentes em níveis mais baixos. Também não há evidências que comprovem que os cigarros eletrônicos causam câncer. Dado que o tabagismo é o principal fator de risco para esta doença, a suposição é que, se os fumantes mudassem de cigarros convencionais para os eletrônicos, as taxas de câncer de pulmão poderiam despencar.

    Mas os cientistas ainda não sabem como o uso prolongado dos cigarros eletrônicos afeta a saúde, em parte porque os dispositivos não existem há tempo suficiente para que a pesquisa rigorosa necessária tenha sido feita.

    Algumas pesquisas sugerem que os e-cigs podem acarretar riscos à saúde. Em um pequeno estudo deste ano, Silvia Balbo, professora assistente de ciências da saúde ambiental da Escola de Saúde Pública da Universidade de Minnesota, descobriu que fumar um cigarro eletrônico por 15 minutos produz compostos que podem danificar o DNA na boca dos usuários. O estudo envolveu apenas cinco pessoas e não acompanhou sua saúde ao longo do tempo. Mas Balbo diz que o tipo de alterações de DNA que eles observaram pode estar relacionado a vários tipos de câncer, incluindo oral e pulmonar.

    Outros estudos iniciais chegaram a conclusões semelhantes. Um deles, publicado este ano na revista PNAS, descobriu que o aerossol do e-cigarro causa danos no DNA de camundongos. Outro, publicado na Scientific Reports em maio, descobriu que os cigarros eletrônicos contêm mais do potencial carcinógeno formaldeído do que o estimado anteriormente.

    Existem outras possíveis preocupações pulmonares. Diacetil, um produto químico comumente encontrado em e-líquidos com sabor, tem sido associado a doenças respiratórias. E a pesquisa apresentada em maio na conferência internacional da American Thoracic Society descobriu que o uso de cigarros eletrônicos pode estar associado ao desenvolvimento de doenças respiratórias como a DPOC e bronquite. Esses resultados são motivo de cautela - mas permitir que riscos desconhecidos à saúde acabem com os cigarros eletrônicos seria “jogar o bebê para fora com a água do banho”, diz Dr. Michael Siegel, professor de saúde comunitária da Escola de Saúde Pública da Universidade de Boston.

    Siegel dedicou sua carreira a reduzir o consumo de tabaco - e é por isso que ele acredita que os cigarros eletrônicos são uma coisa boa. "Não devemos deixar que o fato de que há alguns riscos desconhecidos nos ceguem para o fato de que fumar está matando pessoas".

    Em um mundo ideal, claro, um fumante que quer parar largaria a nicotina completamente. Mas isso é difícil de fazer, e Siegel diz que os cigarros eletrônicos podem oferecer uma ponte valiosa para os fumantes que não podem ou não desistem por outros meios. "Qualquer coisa que eles possam fazer para se aproximar da cessação do tabagismo é uma grande coisa", diz ele.

    Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

    1. Home
    2. noticias
    3. os riscos que os cigarros …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.