alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Saiba mais sobre a síndrome de Ehlers-Danlos, doença da cantora Sia

    A maioria das formas da doença afeta pelo menos 1 em 5 mil pessoas em todo o mundo, de acordo com a Rede CNN.

    Placeholder - loading - news single img
    Cantora Sia (Foto: Getty Images)

    Publicada em  

    Sia revelou algo profundamente pessoal no Twitter na sexta-feira. A cantora twittou que tem uma doença neurológica e está "sofrendo com dor crônica" devido à síndrome de Ehlers-Danlos.

    "Eu só queria dizer para aqueles que sofrem de dor, seja física ou emocional, eu amo vocês, continuem", escreveu Sia.

    Sobre a doença

    A síndrome de Ehlers-Danlos é um grupo de distúrbios que afetam os tecidos conjuntivos que sustentam a pele, ossos, vasos sanguíneos e outros órgãos e tecidos, de acordo com a Biblioteca de Medicina do Instituto Nacional de Saúde. Muitas pessoas com a doença têm pele e frágil e dificuldade de cicatrização.

    A EDS, como também é conhecida, segundo o Hospital Infantil Sabará, geralmente causa articulações muito flexíveis, excessivamente elásticas, fibroses atróficas e tecidos frágeis.

    A causa da doença é genética, sendo causada por defeitos nos genes que controlam a formação do tecido conjuntivo. A falta de colágeno é geralmente a causa do problema.

    Em geral, o diagnóstico é feito apenas com um questionário aplicado por um médico especialista sobre os sintomas e histórico médico do paciente, além de um exame físico. Se houver dúvidas, uma biópsia de pele pode ser feita, além da detecção de defeitos bioquímicos específicos.

    Apesar de não ter cura, o tratamento pode amenizar os sintomas e evitar maiores complicações. Isso inclui: suplementos de vitamina C; cuidado especial ao reparar feridas para evitar cicatrizes; monitoramento e tratamento de complicações; medicamentos para ajudar a controlar a dor musculoesquelética; cirurgia para reparar articulações e transfusões de sangue para hemorragia grave.

    A maioria das formas da doença afeta pelo menos 1 em 5 mil pessoas em todo o mundo, de acordo com a Rede CNN. Sia salientou que a doença é bastante dolorida, mas que quem sofre com ela “não está sozinho”.

     

    1. Home
    2. noticias
    3. saiba mais sobre a sindrome …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.