alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE apoio

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia EXCLUSIVO - Trump mantém apoio a príncipe herdeiro saudita apesar de apelos do Senado

    EXCLUSIVO - Trump mantém apoio a príncipe herdeiro saudita apesar de apelos do Senado

    Por Steve Holland e Roberta Rampton

    WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na terça-feira que continua apoiando o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, apesar da avaliação da CIA de que ele ordenou o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi e de apelos de senadores para que o presidente repreenda o governante de fato do reino.

    Trump se recusou a comentar se o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman foi cúmplice do assassinato, mas deu talvez sua demonstração mais explícita de apoio ao príncipe desde a morte de Khashoggi, quase dois meses atrás.

    'Ele é o líder da Arábia Saudita. Eles têm sido ótimos aliados', disse Trump em entrevista no Salão Oval da Casa Branca.

    Questionado pela Reuters se apoiar o reino significa apoiar o príncipe, conhecido como MbS, Trump respondeu: 'Bem, neste momento, certamente sim'.

    Alguns membros da família governante saudita estão se mobilizando para impedir que MbS se torne rei, disseram à Reuters fontes próximas à corte real, e acreditam que os Estados Unidos e Trump podem desempenhar um papel decisivo nesta questão.

    'Eu simplesmente não ouvi nada sobre isso', disse Trump. 'Honestamente, não posso comentar porque não ouvi nada sobre isso. Na verdade, se ouvi algo é que ele está muito estável no poder'.

    Embora Trump tenha repudiado o assassinato de Khashoggi, morador dos Estados Unidos e colunista do jornal Washington Post que muitas vezes criticava MbS, o presidente norte-americano deu o benefício da dúvida ao príncipe, com quem tem cultivado um relacionamento próximo.

    Na terça-feira Trump voltou a reiterar que o 'príncipe herdeiro nega veementemente' ter envolvimento com o crime que provocou revolta em todo o mundo.

    Trump tem sido fortemente criticado por colegas republicanos no Senado, especialmente depois que Gina Haspel, diretora da CIA, se reuniu com eles. No mês passado a CIA avaliou que MbS ordenou o assassinato, em uma conclusão que Trump classificou como 'muito prematura'.

    'Você tem que estar intencionalmente cego para não chegar à conclusão de que isto foi orquestrado e organizado por pessoas sob o comando de MbS', afirmou o senador republicano Lindsey Graham, aliado de Trump, na semana passada.

    0

    0

    4

    6 D

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Em meio a ceticismo, Bolsonaro articula inédito apoio temático para avançar com agenda econômica

    Em meio a ceticismo, Bolsonaro articula inédito apoio temático para avançar com agenda econômica

    Por Ricardo Brito e Lisandra Paraguassu

    BRASÍLIA (Reuters) - O presidente eleito Jair Bolsonaro decidiu abrir mão, ao menos por ora, de um apoio formal de partidos e começou a fechar a composição do seu ministério atendendo a um inédito apoio temático de frentes parlamentares para garantir uma base no Congresso capaz de aprovar promessas de campanha, inclusive a agenda econômica que tem a reforma da Previdência como carro-chefe, uma articulação cujo sucesso é visto com ceticismo por lideranças partidárias ouvidas pela Reuters.

    Até o momento, Bolsonaro já escolheu 13 ministros contando, em parte deles, com a indicação ou respaldo de quatro importantes frentes parlamentares: a da agricultura, da segurança pública (popularmente chamada da bala), dos evangélicos e da saúde.

    É com base nessa fórmula de governabilidade --que se vale principalmente do apoio suprapartidário de parlamentares-- que a equipe acredita que vai garantir ao menos 308 votos para fazer uma mudança na Constituição que mexa em regras de aposentadoria e pagamento de pensões no país, liderada pelo futuro superministro da Economia, Paulo Guedes.

    'Já dialogamos com seis partidos nas últimas semanas para mostrar como será interlocução com Congresso. Vai ser feito por bancadas por frentes, por regiões', disse o coordenador da equipe de transição e futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, em entrevista na quinta-feira em Brasília, dando o tom das negociações, e sem citar os dirigentes das legendas como alvo das conversas.

    A aposta do futuro governo é que contará com o respaldo das bancadas, aliada à renovação das urnas em outubro, para avançar na agenda econômica em 2019. Nesta semana, a frente evangélica demonstrou sua força com o futuro governo ao vetar a eventual escolha do diretor do Instituto Ayrton Senna Mozart Ramos para o cargo de ministro da Educação por ser considerado sem afinidade ideológica com a nova gestão, disse uma fonte envolvida nas negociações.

    O grupo chegou a apresentar o nome do procurador regional da República Guilherme Schelb ao cargo, mas Bolsonaro preferiu optar pelo professor emérito da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército Ricardo Vélez Rodríguez, escolhido na quinta-feira.

    'De 0 a 100, 100 para a escolha do Ricardo', disse o presidente da Frente Evangélica, deputado Takayama (PSC-PR), para quem o novo ministro não vai sofrer as resistências que Schelb passaria por não ser da área da educação.

    'Não o conheço, mas são pessoas que estão identificadas com a nossa ideologia. Nós temos que torcer no mundo cristão, rezar para ele dar certo, o fracasso dele é de toda uma mudança ideológica', completou.

    Takayama afirmou que não há 'moeda de troca' para o apoio da frente evangélica a uma eventual reforma da Previdência o fato de Bolsonaro nomear um ministro com afinidade ideológica para a Educação. Mas ele disse que há 'vinculação de propósito' em apoiar o futuro governo nessa reforma porque uma derrota dessa agenda poderá significar um retorno de uma gestão petista.

    'A reforma vai ser amplamente discutida no plenário, mas nós sabemos que o fracasso dessa reforma será o fracasso econômico Bolsonaro', disse ele, ao admitir que não é fácil votar a Previdência porque é um assunto não simpático ao povo.

    Mesmo antes de tomar posse, o presidente eleito já passou por dois sobressaltos na negociação com o Congresso num sinal das dificuldades que pode enfrentar no próximo ano. Uma delas foi a aprovação de um reajuste de 16,38 por cento dos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) pouco depois do próprio Bolsonaro ter dito que não era momento. Outro foi não ter conseguido avançar ainda este ano na votação da proposta de reforma da Previdência do governo Michel Temer que está parada na Câmara.

    INEXPERIÊNCIA E ALERTA

    Um importante dirigente partidário, que conversou com a Reuters sob a condição do anonimato, destacou que Bolsonaro está levando adiante o seu discurso político-eleitoral, de deixar de conversar com partidos e lideranças para tratar com grupos parlamentares, mas que, ao contrário do discurso do presidente eleito, ele tem dado cargos a esses grupos em troca de apoio político.

    A ressalva dessa fonte --a quem Bolsonaro ainda não procurou para conversar-- é que essas frentes parlamentares têm interesse de votar apenas projetos relativos a esses grupos, o que não significa um apoio automático à agenda de reformas.

    'Não tem bancada ou frente da Previdência. Ele (Bolsonaro) vai se deparar com o mundo real', disse esse dirigente, ao lembrar que um partido tem como pressionar ou até mesmo obrigar um parlamentar a apoiar determinada proposta sob pena de ser punido --o chamado fechamento de questão. Esse tipo de prerrogativa uma frente parlamentar não detém, citou.

    Fontes disseram ainda à Reuters que o futuro chefe da Casa Civil não têm experiência comprovada para essa função -- deputados eleitos pelo próprio partido do Bolsonaro, o PSL, reuniram-se na quarta-feira e chegaram a demonstrar descontentamento com a falta de acesso a Onyx.

    Em outra linha, dizem fontes, mesmo Paulo Guedes, apesar da elogiada equipe que tem montado, não tem vivência da burocracia e da política de Brasília. Parlamentares reagiram à fala dele de dar uma 'prensa' no Congresso para aprovar a reforma da Previdência do governo Temer.

    Um deputado simpático a Bolsonaro disse reservadamente à Reuters que, embora aquela relação de trocar ministérios por votos no Congresso não vá mais existir, o presidente eleito terá de ter alguém para conversar com os partidos em cima de uma futura reforma da Previdência.

    'Se ele (Bolsonaro) retomar aquele toma lá, dá cá que se tinha, a população que o elegeu vai cobrar', disse, ao completar em tom de alerta. 'Mas não acho que vai dar para não conversar com os partidos. Eu não acho saudável esse desdém aos partidos. Sem os partidos não se consegue fazer tudo.'

    O presidente de um dos poucos partidos a anunciar apoio a Bolsonaro a partir do segundo turno, Roberto Jefferson, do PTB, disse à Reuters que se deve dar um 'voto de confiança' à nova gestão e que o povo quer uma mudança de costumes na forma de governar, um apoio independente do tradicional 'toma lá, dá cá'.

    Para Jefferson, os partidos sabem que, sem a aprovação da reforma da Previdência, a economia do país vai desandar. 'Vamos testar, não sei (se vai dar certo). Pode ter um governo de coalizão sem fisiologismo', disse ele, para quem Paulo Guedes -- mesmo não tendo vivência de Brasília-- é um 'quadro técnico altamente qualificado' e que 'pega logo' a forma da burocracia funcionar.

    O presidente do PTB --que ainda não conversou com Bolsonaro ou nenhum integrante do governo de transição até o momento-- chamou de 'inusitada' a anunciada forma de governança que prescinde do tratamento com as cúpulas partidárias.

    'A forma é inusitada, vamos ver se dá certo', concluiu.

    1

    0

    20

    3 S

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Haddad diz que se reuniu com integrantes do PSDB que ofereceram apoio

    Haddad diz que se reuniu com integrantes do PSDB que ofereceram apoio

    SÃO PAULO (Reuters) - O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, afirmou nesta quarta-feira que recebeu integrantes do PSDB que lhe entregaram uma carta de apoio, mas não quis revelar por enquanto os nomes.

    Haddad ressaltou que não se trata de representantes do partido como um todo, mas tucanos que estariam preocupados com a escalada de violência nessa eleição.

    'Parte significativa do PSDB está muito preocupada com o que está acontecendo no país. Ficamos de nos encontrar amanhã e vamos prosseguir no sentido de estabelecer uma proposta de civilidade', contou Haddad.

    'Foi uma carta de apreço e apoio de alguns integrantes, mas não posso anunciar aqui porque temos que conversar amanhã para fazer uma coisa formal e pública nos próximos dias.'

    Haddad foi perguntado sobre o apoio do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e sobre quando iria ligar para o tucano, mas mais uma vez não respondeu. Disse apenas que iria conversar com 'todas as forças que queiram conter a barbárie'.

    FHC disse nesta quarta-feira ao jornal Folha de S.Paulo que ainda não foi procurado, mas que conversa 'com o maior prazer' com todos que o procurarem.

    O ex-presidente disse ainda que 'precisa esperar que os outros queiram alguma coisa' e não poderia anunciar nada antes.

    Há alguns dias, FHC chegou a tuitar que não poderia apoiar Jair Bolsonaro de nenhuma forma e criticou o candidato do PSL, mas também disse que 'não tinha vontade de engordar o caudal petista'.

    Haddad, no entanto, tem um bom relacionamento com FHC e no primeiro semestre deste ano chegou a procurar o ex-presidente para conversar sobre a conjuntura política nessas eleições. Mas, desde o início da campanha política, os dois não conversaram.

    Recém integrado à coordenação da campanha, o senador eleito pela Bahia Jaques Wagner foi encarregado de fazer as pontes com o PSDB e outros partidos na tentativa de obter apoios individuais.

    (Reportagem de Lisandra Paraguassu)

    0

    0

    9

    2 M

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. apoio

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.