alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE cemig

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia ANÁLISE-Grandes elétricas miram ativos de Cemig e CEEE enquanto sonham com privatizações

    ANÁLISE-Grandes elétricas miram ativos de Cemig e CEEE enquanto sonham com privatizações

    Por Luciano Costa

    SÃO PAULO (Reuters) - Gigantes globais têm apresentado forte apetite por ativos das elétricas estaduais Cemig e CEEE, com expectativas de que as combalidas finanças de Minas Gerais e Rio Grande do Sul levem seus governadores a seguir processos de desinvestimentos já ensaiados pelas empresas.

    Falas e passos iniciais dos novos governos estaduais já até levam alguns consultores a apostar em cenário mais agressivo, no qual ao menos uma das companhias poderia ser inteiramente privatizada ainda em 2019 ou mais possivelmente em 2020, embora os processos possam ser politicamente desafiadores.

    O movimento anima o setor dado o grande porte dos negócios --a Cemig possui ativos de geração, transmissão, distribuição e gás natural, enquanto a CEEE opera a distribuição em parte do Rio Grande do Sul, incluindo a capital, e tem ainda uma unidade de geração e transmissão.

    A Cemig é avaliada em 35 bilhões de reais, incluindo dívidas, enquanto a CEEE vale cerca de 3,4 bilhões de reais, sendo 2,3 bilhões de sua unidade de geração e transmissão, segundo dados da Refinitiv.

    'Essas grandes empresas que ainda estão sob controle governamental interessam a uma quantidade grande de empresas, tanto as que estão posicionadas no Brasil quanto as que estão olhando para vir. Hoje temos as principais empresas mundiais no Brasil e elas veem o país como uma fonte de crescimento', disse o sócio da Strategy&, da PwC, Ricardo Pierozzi.

    'O mercado está ávido pelos ativos da Cemig, não dá para negar. É um ativo que chama bastante a atenção, e acho que essa situação fiscal dos Estados acaba acelerando um pouco essa pauta das privatizações. Sem contar que é a pauta também da maioria dos governadores', disse a sócia da KPMG, Franceli Jodas.

    O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse em evento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) neste mês que Estados em dificuldades poderão obter recursos ao entregar ativos para serem desestatizados com apoio do banco.

    O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo) já disse que pode privatizar a Cemig em sua gestão, embora tenha sinalizado que a empresa também poderia vender ativos, como sua fatia na transmissora Taesa, uma vez que a desestatização exigiria plebiscito, pela lei estadual.

    A regra de votação popular também existe no Rio Grande do Sul, onde o governador Eduardo Leite (PSDB) enviou à Assembleia Legislativa neste mês projeto que visa retirar a exigência.

    O consultor jurídico da FGV Energia, Gustavo De Marchi, avalia que as leis estaduais exigirão um convencimento político que pode desacelerar os processos e incentivar algumas vendas isoladas de ativos pelas elétricas nesse meio tempo.

    'Pela minha experiência, é algo para se avançar em 2020. De repente o terreno seria preparado neste ano. É um dever de casa extenso', afirmou ele, que vê a venda da CEEE como mais ágil que a da Cemig, que poderia enfrentar alguma resistência popular.

    'A Cemig tem uma representatividade para Minas que talvez seja equivalente ao que a Petrobras representa para o país.'

    Por outro lado, indicações do governo mineiro para a nova composição do conselho de administração da companhia, como a do ex-analista do BTG Pactual Antonio Junqueira, também podem favorecer o movimento de privatização, acrescentou De Marchi.

    GIGANTES DE OLHO

    Os especialistas apontam que Cemig e CEEE podem atrair chinesas como a State Grid, dona da CPFL Energia, elétricas europeias, como Iberdrola e EDP, e até investidores como o fundo de pensão canadense CPPIB, que se juntou à Votorantim para comprar a fatia do governo paulista na geradora Cesp em 2018.

    O sócio da EY, José Ricardo Oliveira, vê potencial para uma forte disputa, uma vez que o grande porte das empresas funcionaria mais como um atrativo.

    Ele lembrou o caso da venda da distribuidora paulista Eletropaulo --a empresa foi negociada com a italiana Enel em 2018 por 5,5 bilhões de reais, a um preço por ação 133 por cento superior a uma oferta inicial da brasileira Energisa. Também entrou no páreo a Neoenergia, da Iberdrola.

    'Vimos na disputa pela Eletropaulo o tamanho do apetite e da disponibilidade de capital que há no mundo para essas empresas adquirirem esses ativos. Tamanho não é um impedimento', afirmou.

    Vendas de ativos de forma isolada também atraem. A CPFL, por exemplo, já disse que pode avaliar a unidade de distribuição da CEEE, bem como ativos de geração nos quais é sócia da empresa.

    A francesa Engie admitiu que pode avaliar a Taesa se a Cemig decidir vender sua fatia. O negócio também pode atrair a indiana Sterlite, que tem investido pesado em transmissão no Brasil, e a colombiana Isa, que já é sócia dos mineiros na elétrica.

    'O setor elétrico é de extremo interesse do investidor. Temos hoje grandes grupos no Brasil com apetite de crescer cada vez mais', disse o sócio da Deloitte, Guilherme Lockmann.

    No caso da Eletrobras, embora o governo Bolsonaro sinalize que também pode levar adiante uma desestatização da estatal federal, a operação ainda está em avaliação e não envolveria a venda do controle da companhia a um único grupo, atraindo assim outro tipo de investidor, como fundos.

    'CHEQUE ENORME'

    O interesse das gigantes elétricas pelo Brasil é tal que o Itaú BBA avalia que o governo Bolsonaro poderia obter bilhões ao cobrar outorgas em troca da renovação antecipada de contratos de concessão de hidrelétricas que vencem no médio prazo.

    O banco apresentou em relatório na semana passada a sugestão de uma cobrança para renovar por 30 anos contratos de hidrelétricas, o que poderia render 34 bilhões de reais, ou 21 bilhões se aplicada somente aos operadores privados.

    'Tem aí um 'cheque gigante', as empresas teriam interesse, elas querem estender ao máximo a vida útil delas no Brasil. Tem empresas que adorariam', disse à Reuters o analista-chefe do banco para o setor de Utilities, Pedro Manfredini.

    Os analistas do banco afirmam que a prorrogação poderia ser opcional e não haveria impacto sobre as tarifas.

    (Por Luciano Costa)

    0

    1

    36

    3 S

    Placeholder - loading - Imagem da notícia ENTREVISTA-Cemig reduz custo e alonga prazo de dívida com emissão no exterior

    ENTREVISTA-Cemig reduz custo e alonga prazo de dívida com emissão no exterior

    Por Luciano Costa

    SÃO PAULO (Reuters) - A elétrica Cemig prevê alongar prazos de vencimento de sua dívida e reduzir custos com uma captação de 500 milhões de dólares no exterior por meio da reabertura de eurobonds lançados no ano passado pela companhia com vencimento em 2024, disse à Reuters o superintendente de Relações com Investidores da empresa, Antonio Carlos Vélez Braga.

    A estatal mineira estima que o custo final da operação de captação, incluindo operações de hedge cambial, deverá ser de entre 120 e 130 por cento do CDI, abaixo do visto em uma emissão recente de notas promissórias da subsidiária Cemig Distribuição e do registrado numa captação de 1 bilhão de dólares com eurobonds no ano passado.

    O custo final só vamos saber no dia da liquidação financeira dos bonds, quando vamos fazer o hedge, dia 18 de julho, mas estimamos que vai ficar em entre 120 por cento e 130 por cento do CDI. É um prazo bem alongado e um custo da dívida inferior ao das outras oportunidades no mercado local , explicou o executivo.

    Os recursos obtidos com a operação envolvendo os bonds serão utilizados pela Cemig para quitar dívidas, muitas delas com vencimento no curto prazo, aliviando a situação de liquidez da companhia.

    É uma dívida com vencimento em média em dois anos que vai ser trocada por seis anos e meio. Vamos alongar o perfil da dívida e com isso ficamos bem mais tranquilos do ponto de vista financeiro , afirmou Vélez.

    A companhia controlada pelo governo de Minas Gerais fechou o primeiro trimestre com dívida líquida de 12,8 bilhões de reais, dos quais 1,75 bilhão com vencimento em 2018 e cerca de 1,7 bilhão em 2019. A alavancagem medida pela relação entre a dívida líquida e a geração de caixa foi de 3,56 vezes.

    Para reduzir essa alavancagem, ainda elevada, a empresa conta com ganhos de receita decorrentes de uma recente revisão tarifária de sua unidade de distribuição de energia Cemig-D.

    A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou no final de maio uma alta de em média 23 por cento nas tarifas da Cemig em meio ao processo de revisão tarifária da companhia, que acontece em média a cada quatro anos.

    Só em 2018 e 2019, com a revisão tarifária da Cemig-D, a Cemig consolidada deve gerar um caixa depois do pagamento de dividendos por volta de 2 bilhões de reais, e isso depois de fazer os investimentos na rede que precisamos para manter os ativos... Esse recurso vai ser direcionado para reduzir dívida também , apontou Vélez.

    Com isso, o superintendente avalia que a Cemig conseguiria reduzir a alavancagem para cerca de 2,5 vezes até o final de 2019 mesmo em um cenário conservador em relação ao andamento do plano de desinvestimentos da companhia, que tem como principal foco a obtenção de recursos para diminuir a dívida.

    DESINVESTIMENTOS

    A visão da Cemig é de que essa meta de desalavancagem até 2019 poderia ser alcançada apenas com a venda de seus ativos de telecomunicações (ex-Cemig Telecom), cujo leilão está agendado para 9 de agosto. A empresa espera obter ao menos 367 milhões de reais com o negócio.

    Mas, além desse desinvestimento, a companhia busca realizar ainda neste ano vendas também de sua fatia na hidrelétrica de Santo Antônio, em Rondônia, e de sua participação total na Light, que atua em geração e é responsável pela distribuição de eletricidade na região metropolitana do Rio de Janeiro.

    Estamos com grandes chances de vender esses três ativos neste ano. A gente atribui uma probabilidade de mais de 50 por cento. Estão mais avançados, e justamente por isso estamos focando mais nossos esforços neles , disse Vélez.

    O plano de desinvestimentos da Cemig ainda conta com outros ativos, incluindo a participação da companhia e da controlada Light na hidrelétrica de Belo Monte --uma das maiores usinas do mundo, que já está em operação no Pará, mas cujas obras devem seguir até 2019 ou 2020.

    Mas a Cemig deve focar os esforços de curto prazo na alienação dos ativos de telecom, da Light e de Santo Antônio, enquanto Belo Monte, possivelmente, poderá ser negociada mais à frente, talvez após a conclusão da construção, quando a redução dos riscos associados à obra pode aumentar o interesse de investidores, segundo o executivo.

    O andamento dos desinvestimentos da Cemig tem sido atentamente acompanhado pelo mercado. Ao avaliar a reabertura dos eurobonds da companhia, a agência de risco Fitch Ratings afirmou que atrasos na conclusão da estratégia de se desfazer de ativos estão tendo um impacto negativo na capacidade do grupo de melhorar suas métricas financeiras de forma sustentável.

    (Por Luciano Costa)

    0

    0

    24

    8 M

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. cemig

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.