alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE coletiva

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Previsões do BB para 2019 animam e ações sobem; sinaliza venda de fatias em bancos

    Previsões do BB para 2019 animam e ações sobem; sinaliza venda de fatias em bancos

    Por Aluisio Alves

    SÃO PAULO (Reuters) - As ações do Banco do Brasil subiam nesta quinta-feira a reboque de resultados trimestrais animadores e de indicações da administração de que vai perseguir rentabilidade crescente neste ano e que prepara as primeiras vendas de ativos.

    Às 13:50, a ação do BB tinha alta de 2 por cento, na contramão do setor. O Ibovespa tinha oscilação positiva de 0,04 por cento.

    Mais cedo, a instituição anunciou que seu lucro ajustado no quarto trimestre atingiu 3,845 bilhões de reais, alta de 20,6 por cento ano a ano, o que levou o retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) a 16,3 por cento, o pico em 5 anos.

    Falando a jornalistas, Rubem Novaes, que assumiu a presidência-executiva do BB no mês passado, sinalizou que manterá as linhas gerais da administração recente, com foco no controle de despesas e na ampliação das receitas com tarifas.

    'Podemos alcançar a rentabilidade dos bancos privados ou até superar', disse Novaes. Rivais como Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil tiveram índices acima de 20 por cento no fim de 2018.

    O centro da faixa estimativa de lucro de 2019, de 14,5 bilhões a 17,5 bilhões de reais, divulgada junto com o balanço, implica um aumento de quase 19 por cento sobre o registrado no ano passado, o que nos cálculos do Credit Suisse devem elevar o ROE para 17,1 por cento.

    A combinação dos resultados trimestrais com as estimativas para este ano foi celebrada por analistas, que reforçaram recomendação de compra para os papéis do BB.

    'A mensagem do 'guidance' é definitivamente positiva, com o BB indicando que pretende elevar sua rentabilidade e posição de capital', afirmou a equipe do BTG Pactual chefiada por Eduardo Rosman.

    VENDAS DE ATIVOS

    Na entrevista coletiva com a imprensa, Novaes indicou também que as participações no Banco Votorantim e no Banco Patagonia estão na lista de ativos que pretende desinvestir por considerá-los que não têm sinergia com o BB.

    O banco inclusive já está contratando uma consultoria para avaliar estratégias para o Banco Votorantim, do qual divide o controle com o Grupo Votorantim.

    'Estamos avaliando alternativas para esse investimento', disse Novaes a jornalistas, adiantando que uma hipótese já descartada é de comprar a metade detida pelo sócio.

    Na terça-feira, o Banco Votorantim anunciou que teve lucro de 282 milhões de reais no quarto trimestre, também atingindo a maior rentabilidade em vários anos, mas ainda inferior à do BB.

    Novaes afirmou ainda que avalia opções para a fatia controladora que tem no argentino Banco Patagônia. No caso da Cielo, empresa de meios de pagamentos que vem perdendo mercado e rentabilidade há anos, e da qual divide o controle com o Bradesco, não há planos de fechamento de capital, disse.

    O executivo reforçou também estratégia de parcerias em segmentos de negócios como banco de investimentos e gestão de recursos de terceiros. Novaes, porém, não detalhou prazos para essas transações, especialmente nos casos de desinvestimentos.

    'Não temos pressa para vender ativos', disse Novaes.

    (Com reportagem adicional de Paula Laier e Carolina Mandl)

    0

    0

    29

    6 D

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Bolsonaro e ministros cancelam entrevista coletiva em Davos

    Bolsonaro e ministros cancelam entrevista coletiva em Davos

    DAVOS, Suíça (Reuters) - A entrevista coletiva que estava prevista para as 13h (horário de Brasília) desta quarta-feira do presidente Jair Bolsonaro e ministros, em Davos, durante o Fórum Econômico Mundial, foi cancelada.

    Inicialmente, foi informado aos jornalistas em Davos que Bolsonaro não participaria mais da entrevista com os ministros Paulo Guedes (Economia) e Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública). Posteriormente, no entanto, a coletiva de todos foi cancelada.

    Questionada, a assessoria da Presidência afirmou que a decisão de Bolsonaro deu-se por conta do cansaço após a maratona de compromissos no Fórum Econômico Mundial, conforme explicado pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno.

    À imprensa, Heleno justificou que Bolsonaro voltou para o hotel para descansar e lembrou que ele será operado no retorno ao Brasil. O presidente deve passar por cirurgia para reversão da colostomia na próxima segunda-feira. [nL1N1ZL0Q5]

    'Ele já não dorme muito bem, de muito tempo, não é de hoje. Então ele está sempre, se dá uma chancezinha ele dorme dentro do carro, porque é cansativo, a programação é cansativa. Então ele veio dar uma descansadinha, já que o próximo encontro é no hotel, vai aproveitar para dar uma descansada. Nada além disso. Os encontros têm sido ótimos', disse Heleno a jornalistas em Davos.

    'Ele está com uma bolsa ainda, próximo de uma operação. Então, não é recomendável, e o médico está junto dele e volta e meia aconselha 'presidente, dá uma descansada'. Isso é normal na situação que ele está vivendo, não houve nada de estranho', acrescentou.

    A assessoria de imprensa da Presidência, contudo, não explicou imediatamente a razão pela qual os ministros também cancelaram sua participação. A assessoria de imprensa do Ministério da Economia também disse não ter posição imediata.

    0

    0

    34

    4 S

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Procurador do RJ nega que MP priorize investigação sobre Flávio Bolsonaro

    Procurador do RJ nega que MP priorize investigação sobre Flávio Bolsonaro

    RIO DE JANEIRO (Reuters) - O procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, Eduardo Gussem, confirmou nessa segunda que o deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) está sendo investigado na esfera cível por movimentações financeiras atípicas detectadas pelo Coaf, e negou que o Ministério Público esteja priorizando e acelerando as apurações contra o parlamentar por ele ser filho do presidente Jair Bolsonaro.

    “Na área cível está sendo investigado porque na área cível os deputados não tem foro por prerrogativa. Esses expedientes já tinham sido distribuídos para as promotorias de tutela coletiva e cidadania no início do ano e prosseguem normalmente”, disse a jornalistas Gussem.

    Ele destacou que além de Flávio Bolsonaro outros 26 parlamentares da Alerj, também estão sendo investigações na área cível. O procurador não detalhou o teor da investigação na esfera cível contra o filho do presidente da República.

    “Qualquer questão envolvendo o deputado Flávio Bolsonaro estou impedido de falar no momento por conta do procedimento no Supremo Tribunal Federal”, disse Gussem, ao se referir à decisão do presidente em exercício do STF, Luiz Fux, de suspender a investigação do MP do Rio de Janeiro, até que o ministro Marco Aurélio Mello, determine qual a instância adequada para apurar o caso.

    Gussem lembrou que as informações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras chegaram ao conhecimento do MP em janeiro do ano passado com mais de 400 pessoas citadas, mas os 22 núcleos de investigação só foram instalados em meados de 2018 após a análise do dados que vieram do órgão federal.

    Os relatórios do Coaf embasaram a operação Furna da Onça, que levou deputados da Alerj à prisão por favorecimento de grupos em troca de propina.

    “Ao receber a vasta informação começamos a explorar cuidadosamente', disse o procurador. 'Seria leviano já de cara indicar o nome dos deputados até por que movimentações atípicas não são obrigatoriamente suspeitas. Se logo investigássemos diriam que seria uma investigação temerária e inconsequente.”

    O procurador lembrou que quatro deputados da Alerj já abriram voluntariamente seus sigilos ao MP, ao passo que Flávio Bolsonaro e seu ex-assessor Fabrício Queiroz sequer compareceram as convocações para apresentação de suas versões para a movimentação financeira atípica.

    Em alusão a acusações feitas por Flávio em entrevistas no fim de semana, Gussem negou que o MP do Rio tenha quebrado o sigilo do parlamentar.

    “Se alguém cometeu alguma quebra de sigilo, irregularidade não foi definitivamente o MP do Rio de Janeiro”, disse. “Se queremos um país limpo, íntegro e diferente temos que prestigiar e fortalecer os órgãos de controle.”

    O procurador-geral de Justiça frisou que as apurações fluíram no mesmo ritmo, e negou que o foco tenha se voltado a Flávio Bolsonaro.

    Segundo reportagens do Jornal Nacional, da TV Globo, o Coaf identificou 48 depósitos de 2 mil reais entre junho e julho de 2017 e um pagamento de pouco mais de 1 milhão de reais de um título bancário da Caixa Econômica Federal na conta de Flávio Bolsonaro.

    O senador eleito afirmou em entrevista no fim de semana que o título foi referente à compra de um imóvel na zona sul do Rio de Janeiro, e que os depósitos de 2 mil reais são referentes, em parte, a dinheiro recebido em espécie pela venda do mesmo imóvel.

    Além da movimentação na conta do próprio senador, o jornal O Globo destacou no domingo que o ex-assessor dele Fabrício Queiroz chegou a movimentar em sua conta, além de 1,2 milhão de reais já divulgados, outros 5,8 milhões de reais, totalizando 7 milhões de reais em três anos.

    Gussem destacou que na esfera cível, além de Flávio Bolsonaro todos os outros 26 deputados citados no relatório do Coaf também são investigados. Os parlamentares podem ter incorrido no crime de improbidade administrativa, que prevê no limite a perda dos direitos políticos.

    Na esfera penal, as investigações sobre o caso Fabrício Queiroz foram suspensas pelo STF, a pedido de Flávio.

    Durante o fim de semana, as investigações conduzidas pelo MP foram criticadas. Ao mesmo tempo que disse à Reuters que o caso Flávio Bolsonaro não tem nada a ver com o governo, o vice-presidente da República, general da reserva Hamilton Mourão disse ao jornal O Globo que existe 'sensacionalismo' e 'direcionamento' nas investigações.

    “O MP não tem vinculação com nenhum segmento político; o MP é defensor da ordem jurídica e o Estado democrático”, disse Gussem. “Essa manifestação do vice-presidente nós respeitamos mas ela em nada interfere no nosso trabalho e no nosso atuar.”

    O procurador criticou a falta de transparência da Alerj, que não tem um cadastro de funcionários e servidores ligados a cada gabinete parlamentar. Segundo ele, o MP está encaminhando uma recomendação para que a Assembléia e as câmaras municipais adotarem normas de transparência.

    (Reportagem de Rodrigo Viga Gaier; Edição de Alexandre Caverni)

    0

    0

    13

    4 S

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Mudança no tom do Copom, sem menção a alta de juros, não foi acidente, diz Ilan

    Mudança no tom do Copom, sem menção a alta de juros, não foi acidente, diz Ilan

    Por Marcela Ayres

    BRASÍLIA (Reuters) - A retirada da menção a eventual início gradual de subida nos juros dos comunicados mais recentes do Banco Central não foi acidente, ressaltou nesta quinta-feira o presidente da autoridade monetária, Ilan Goldfajn, apontando que a assimetria do balanço de riscos de fato diminuiu, mas que o BC está atento sobretudo às tendências para tomar seus próximos passos.

    Em meio à lenta inflação e uma retomada econômica que segue sem fôlego expressivo, o BC apontou na semana passada que a conjuntura econômica prescreve política monetária estimulativa, ou seja, com taxas de juros abaixo da taxa estrutural. Por isso, decidiu manter a Selic em seu piso histórico de 6,5 por cento.

    Mas a autoridade monetária excluiu menção que estava presente em comunicações anteriores, de que 'esse estímulo começará a ser removido gradualmente caso o cenário prospectivo para a inflação no horizonte relevante para a política monetária e/ou seu balanço de riscos apresentem piora'.

    'De fato a retirada (da frase) ocorreu, não foi um acidente, não foi que a gente esqueceu. E o fato de a gente retirar claramente dá um sinal da nossa assimetria. A assimetria caiu, diminuiu, está correto isso, então de fato essa interpretação é correta', disse Ilan.

    Questionado se o atual quadro abre espaço para uma queda adicional dos juros básicos, Ilan respondeu que o BC precisa de cautela, perseverança e serenidade, para que o cenário volátil -- seja de um lado, seja de outro -- não afete sua percepção.

    'Tanto para diminuída, quanto para subida (dos juros), nós temos que olhar ao longo do tempo a tendência', afirmou.

    'Quando a pergunta do mercado, dos analistas, era por que não tinha que apertar (os juros), conjuntura volátil, o câmbio estava depreciando, a pergunta era outra. E acho que nos ajudou ter essa serenidade e olhar para a frente, olhar a tendência ao invés de olhar o curto prazo. Então isso vale para um lado e vale para o outro também', acrescentou.

    Em relação à atuação recente do BC no mercado de câmbio, com anúncios de leilão de linha, o presidente do BC afirmou que ela é mais pautada por uma questão sazonal, para dar liquidez em períodos em que há pressão maior por questões de remessas de lucros e dividendos. Ele pontuou ainda que o BC optou pelo mesmo caminho -- e volumes ofertados -- no fim do ano passado.

    Durante a coletiva, ele reforçou que apesar de o BC ter aumentado em seu balanço o risco do nível de ociosidade elevado produzir trajetória prospectiva para a inflação abaixo do esperado, também vendo chances menores de frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas econômicas, o risco altista ligado ao cenário internacional segue forte.

    'Não estamos vendo redução do risco externo. O risco externo está elevado e continua elevado. Ao longo do ano nós tivemos um risco maior para economias emergentes, eu acho que agora temos um risco um pouco mais global', disse ele, citando preocupações sobre como a economia mundial vai se comportar.

    'Isso se soma àqueles conflitos comerciais que nós temos observado ao longo do ano, o último deles foi a disputa Estados Unidos e China que ainda está em andamento', completou.

    (Por Marcela Ayres)

    0

    0

    10

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Brasil emite alerta da Interpol por funcionário da Petrobras de Houston em nova fase da Lava Jato

    Brasil emite alerta da Interpol por funcionário da Petrobras de Houston em nova fase da Lava Jato

    RIO DE JANEIRO (Reuters) - Um funcionário da Petrobras que participou de suposto esquema de corrupção envolvendo gigantes de comercialização de combustíveis permanece na mesma função em escritório da petroleira em Houston, nos EUA, e foi emitido alerta vermelho da Interpol, disse a jornalistas nesta quarta-feira o delegado Filipe Pace, da Polícia Federal.

    Em uma nova fase da operação da Lava Jato, o Ministério Público Federal informou nesta quarta-feira que as companhias Vitol, Trafigura, Glencore e outras são suspeitas de pagamento de propina a funcionários da Petrobras em um esquema na área de trading da brasileira com pagamentos ilegais de 31 milhões de dólares.

    Há suspeitas de que as três gigantes internacionais efetuaram pagamentos de propinas para intermediários e funcionários da Petrobras entre 2011 e 2014 nos montantes, respectivamente, de 5,1 milhões de dólares, 6,1 milhões de dólares e 4,1 milhões de dólares relacionados a mais de 160 operações de compra e venda de derivados de petróleo e aluguel de tanques para estocagem.

    Durante coletiva de imprensa, a procuradora Jerusa Burmann Viecili, integrante da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, pontuou que o suposto esquema de corrupção pode continuar existindo, uma vez que intermediários identificados têm visitas recentes registradas em prédio da empresa no Brasil.

    Além do funcionário de Houston, segundo o delegado, há um outro da ativa suspeito que trabalha na petroleira no Rio de Janeiro.

    De acordo com o delegado, há farta documentação nos autos de que executivos de Trafigura e Vitol participavam de esquema de propinas na Petrobras.

    (Por Pedro Fonseca)

    0

    0

    19

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Bolsonaro ironiza Haddad e chama petista de 'fantoche' e 'camaleão'

    Bolsonaro ironiza Haddad e chama petista de 'fantoche' e 'camaleão'

    RIO DE JANEIRO (Reuters) - O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, criticou e ironizou o adversário no segundo turno da disputa presidencial, o petista Fernando Haddad, ao chamá-lo de fantoche e pau mandado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso em Curitiba.

    O ex-capitão do Exército também chamou o adversário de 'camaleão' por conta da mudança na logomarca da campanha do petista, com a adoção do verde, amarelo e azul em vez do tradicional vermelho.

    Em entrevista coletiva no Rio de Janeiro, o candidato do PSL negou que seja um candidato de extrema-direita, e cutucou o adversário ao dizer que Haddad se moveu para a direita pela mudança na imagem da campanha do petista.

    'Você é um fantoche, um pau mandado e age como um camaleão', disse Bolsonaro na entrevista, após encontro com parlamentares em um hotel na zona oeste do Rio.

    'As cores do PT agora são verde e amarelo, vi o Haddad falando em família e Deus. Fico com vergonha, porque cumpre a risca o que Lula manda ele falar. Haddad não é de esquerda é de direita', disse ele mudando o tom de voz como se fosse um ventríloquo.

    Na entrevista, em que houve vaias por parte de seguidores de Bolsonaro a uma repórter do jornal Folha de S.Paulo e ao veículo --interrompidas apenas com a intervenção do presidente do PSL, Gustavo Bebianno, que defendeu a liberdade de imprensa-- o ex-capitão disse que apoia a imprensa livre.

    Sobre os casos de violência que teriam sido cometidos por simpatizantes, Bolsonaro afirmou que não tolera crime nenhum.

    'Se por ventura foi uma pessoa que votou em mim, dispenso esse tipo de voto. Cometeu crime, vai ter que pagar', disse.

    'Meu pessoal não está disseminando o ódio, até porque quem levou a facada fui eu', frisou ele, lembrando do ataque que sofreu no início de setembro durante evento de campanha em Juiz de Fora (MG).

    Bolsonaro acrescentou que, se for eleito, invasão de propriedade privada no Brasil será tratada como crime e tipificada como 'terrorismo'.

    No caso das relações comerciais, Bolsonaro, declarou que não vai abandonar o Mercosul, mas que não pretende atuar no bloco com o viés político que, de acordo com o candidato, foi usado nos governos do PT.

    'O Mercosul tem seu valor, mas foi deturpado e desfigurado pelo PT e não podemos nos prender por questões ideológicas... não faremos negócios por questões ideológicas', finalizou o candidato do PSL.

    (Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

    0

    0

    46

    4 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Conversas com mercado não estão no radar por enquanto, diz Haddad

    Conversas com mercado não estão no radar por enquanto, diz Haddad

    Por Lisandra Paraguassu

    SÃO PAULO (Reuters) - Conversas com representantes do mercado financeiro não estão no radar por enquanto, disse à Reuters nesta quarta-feira o candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, depois de uma entrevista à imprensa estrangeira.

    Haddad admitiu à Reuters que empresas de ratings e investimentos tem procurado a campanha, mas essas conversas não estão na sua agenda por enquanto.

    'Sim, temos sido procurados. Mas não vamos conversar agora', disse o candidato.

    Fontes ouvidas pela Reuters, no entanto, afirmam que essas conversas com representantes do mercado estão no horizonte, mas não de imediato. Haddad ainda não designou um interlocutor para fazer essa ponte e a preocupação mais imediata do candidato, pessoalmente, é assegurar as alianças políticas e sociais para esse segundo turno da campanha.

    A avaliação da coordenação de campanha do PT é que o mercado financeiro já fez sua escolha e não há nada que o partido faça nesse momento que vá mudar essa imagem. Na terça-feira, diante da insistência de jornalistas sobre quais sinais o partido daria ao mercado, o ex-ministro e senador eleito Jaques Wagner, um dos coordenadores da campanha, afirmou que o PT não tem como interferir se o mercado já escolheu seu candidato.

    'Vai dizer quem quer, mas vai conviver com quem foi eleito. O candidato do mercado é o do PSL, nós vamos provar que o candidato do povo é Haddad e o mercado vai se curvar', disse Wagner.

    O próprio Haddad afirmou, na entrevista a correspondentes estrangeiros, que o mercado financeiro já havia declarado sua preferência por Bolsonaro em função das políticas liberais prometidas pelo guru financeiro do candidato do PSL, Paulo Guedes, que prometem lucro fácil e rápido.

    'Todo establishment brasileiro apoia a candidatura de extrema-direita. Aqui o mercado financeiro tem preferência pelo candidato de extrema-direita, em virtude do seu programa de venda do patrimônio nacional, basicamente pensando em lucro rápido e de curto prazo. Estão de olho na Petrobras, no Banco do Brasil, na Caixa Econômica Federal. Então nós temos que fazer um alerta do risco', disse Haddad.

    Ainda quando estava como coordenador do programa de governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e depois, como seu vice, o petista participou de rodadas de conversas com diverso bancos, investidores e agências de risco. A avaliação de ambos os lados foi positiva.

    No entanto, pesa contra Haddad o partido e alguns pontos do seu programa, como a intenção de taxar bancos que não diminuírem o chamado spread bancário. Ao mesmo tempo, o fato de Bolsonaro apontar Paulo Guedes, um homem de mercado e liberal, como seu futuro ministro e o homem com todas as respostas econômicas, anima o mercado financeiro.

    Durante a entrevista, ao ser questionado sobre as diferenças na política econômica dos dois candidatos, Haddad voltou a vincular as idéias de Bolsonaro ao atual governo, de Michel Temer.

    'A política do Paulo Guedes é aprofundar a agenda Temer. É o Temer piorado', disse.

    Haddad também voltou a dizer que, ao contrário do adversário, não colocará no Ministério da Fazenda alguém do mercado financeiro, mas um empresário ligado à produção.

    'O que eu posso assegurar é que o Ministério da Fazenda no meu governo não vai ser ocupado por um banqueiro. Ministério da Fazenda tem que ser ocupado por alguém comprometido com a produção, com o emprego', afirmou.

    Como a Reuters mostrou na terça-feira, Haddad fala de um perfil, mas não pretende anunciar nomes para a equipe, nem mesmo o de ministro da Fazenda, antes da eleição. A avaliação no PT é que falar em nomes pode agradar o mercado, mas alienar boa parte da base petista --ou vice-versa--, além de parecer 'salto alto'.

    O candidato petista não quis comentar a denúncia contra o assessor econômico de Bolsonaro, Paulo Guedes, alegando não conhecer o teor.

    “Não li a denúncia e não vou me manifestar porque não sei da solidez dela. Não vou falar mal de alguém só porque surgiu a oportunidade”, disse.

    0

    0

    23

    4 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Justiça Eleitoral diz que vídeo em que urna 'auto completa' voto é falso

    Justiça Eleitoral diz que vídeo em que urna 'auto completa' voto é falso

    (Reuters) - A Justiça Eleitoral afirmou que vídeos e mensagens que circulam em redes sociais mostrando que votos são processados antes de o eleitor terminar de digitar são falsos.

    Mais cedo, a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber, disse que o Ministério Público Federal e a Polícia Federal haviam sido acionados para averiguar uma suposta ocorrência envolvendo uma urna que impedia eleitores de escolherem outros candidatos a presidente da República.

    Em vídeo nas redes sociais, o candidato a senador pelo Rio de Janeiro Flávio Bolsonaro (PSL), filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), disse que uma urna não deixava o eleitor concluir seu voto para presidente em Bolsonaro, com o sistema remetendo a escolha para o adversário petista, Fernando Haddad.

    'A Justiça Eleitoral esclarece que um vídeo que circula na internet no qual a urna, supostamente, 'autocompleta' o voto para presidente... é falso. Os vídeos não mostram o teclado da urna, onde uma pessoa digita o restante do voto. Não existe a possibilidade de a urna autocompletar o voto do eleitor, e isso pode ser comprovado pela auditoria de votação paralela', disse o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais.

    Durante coletiva de imprensa em Brasília, Rosa Weber destacou que o TSE ainda está 'aprendendo' a lidar com as chamadas fake news, 'porque o fenômeno não é de fácil compreensão, não é de fácil prevenção, mas o TSE está atento'.

    Ela, porém, ressaltou que o sistema eletrônico de urnas é confiável.

    'Hoje temos um sistema ágil, seguro e que nos inspira a maior confiança... Se ocorrer alguma fraude, algum dia, poderá ser constatada. O sistema eletrônico permite que, numa hipótese de fraude, sejam constatadas as pegadas, ficam marcas que nos permitem chegar e fazer a apuração', disse.

    Na mesma coletiva, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou que 'não há qualquer improviso no processo eleitoral'.

    'Pelo contrário, houve um preparo intenso do Tribunal Superior Eleitoral, da Procuradoria Geral Eleitoral e de todos os órgãos envolvidos na realização dessas eleições', frisou.

    PROBLEMAS

    Até as 14h, 964 urnas, de um total de 454,4 mil apresentaram defeito no país e precisaram ser trocadas, segundo dados da TSE divulgados pela Agência Brasil.

    Os Estados que registraram o maior número de urnas com defeito foram Minas Gerais (252), Rio de Janeiro (123), Pernambuco (83) e São Paulo (78).

    (Por José Roberto Gomes, em São Paulo)

    0

    0

    41

    4 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Blocão formaliza apoio a Alckmin e busca nome para vice com desistência de Josué Gomes

    Blocão formaliza apoio a Alckmin e busca nome para vice com desistência de Josué Gomes

    Por Maria Carolina Marcello e Lisandra Paraguassu

    BRASÍLIA (Reuters) - O pré-candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, recebeu formalmente o apoio do chamado blocão --formado por PP, DEM, PR, PRB e SD-- nesta quinta-feira, mas sem uma definição do nome que vai compor a chapa presidencial como candidato a vice.

    O empresário Josué Gomes, que foi indicado pelo grupo para ser o vice do tucano, recusou o convite, alegando motivos pessoais.

    Logo após o anúncio do apoio, em um hotel em Brasília, Alckmin disse que não há pressa para a definição do vice, já que a convenção do PSDB será realizada apenas em 4 de agosto, e que a escolha do nome será uma decisão coletiva.

    'Agora vamos nos debruçar na questão do vice', disse o ex-governador de São Paulo, comentando que acabava de receber formalmente o apoio do grupo de partidos.

    'O vice é uma decisão coletiva, não temos pressa, temos até o dia 4 de agosto, que é a data da convenção', disse. Alckmin afirmou não ter preferências, mas reconheceu que a escolha deverá complementar a chapa.

    Os líderes do blocão, no entanto, se reuniram em seguida na casa do presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), já para tratar do assunto.

    Sem consenso para indicar um vice após a desistência de Josué, os líderes do blocão decidiram nessa reunião designar o presidente do DEM e prefeito de Salvador, Antônio Carlos Magalhães Neto, para negociar com o candidato tucano o novo nome para o cargo.

    Além dos cinco partidos do blocão, Alckmin também já tem acertado o apoio de PTB, PSD, PPS e PV. Segundo ACM Neto, as conversas irão incluir todos esses partidos.

    'Vamos tratar agora de critérios e perfis, não vai se tratar agora deste ou daquele nome. O que importa é buscar um nome que agregue', disse ACM Neto a jornalistas.

    A negativa de Josué para a vaga chegou por carta aos presidentes dos partidos logo depois do evento no hotel. O empresário elogia a decisão dos partidos de apoiar Alckmin como 'lúcida e acertada'.

    'Estou convicto... de que os partidos unidos neste momento em favor de um Brasil melhor indicarão candidato a vice-presidente capaz de agregar muito mais força eleitoral e conhecimento político do que eu para o cumprimento da importante missão', afirmou Josué na carta.

    MAIA DESISTE

    Integrantes do blocão dizem que o vice não pode vir do DEM, porque o partido ficaria com muito espaço na coligação, uma vez que a legenda já tem a promessa da manutenção de Rodrigo Maia na presidência da Câmara dos Deputados por mais um período de dois anos.

    Maia não participou do evento para o anúncio formal de apoio a Alckmin, mas teve uma carta lida pelo presidente do DEM, na qual abriu mão oficialmente de sua postulação à Presidência da República.

    'Arquivo, momentaneamente, a pretensão presidencial que vislumbrei para marcharmos juntos, em 2018, com o projeto que estamos construindo em torno de Geraldo Alckmin', afirmou Maia na carta.

    O presidenciável tucano defendeu um 'esforço conciliatório' para ganhar as eleições e governar o país e argumentou que a democracia, a economia e as conquistas sociais se fortalecem quando o país busca a 'pacificação'.

    'Essa não é uma tarefa para uma pessoa ou um partido, é uma tarefa coletiva', disse o tucano, em discurso após a formalização do apoio.

    0

    0

    33

    6 M

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. coletiva

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.