alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE crise

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Premiê britânica luta para sobreviver a crise provocada por acordo do Brexit

    Premiê britânica luta para sobreviver a crise provocada por acordo do Brexit

    Por Guy Faulconbridge e Costas Pitas

    LONDRES (Reuters) - A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, iniciou a sexta-feira lutando pela sobrevivência no cargo, uma vez que um esboço de acordo para a separação britânica da União Europeia provocou a renúncia de ministros do primeiro escalão e um motim em seu partido.

    Mais de dois anos depois de o Reino Unido votar pela desfiliação da UE, ainda não está claro como, em que termos ou mesmo se o país deixará o bloco tal como planejado em 29 de março de 2019.

    May, que assumiu o cargo em meio ao tumulto resultante do referendo de 2016, procurou negociar um acordo para o Brexit que garanta a separação mais suave possível para o Reino Unido.

    Mas o ministro do Brexit, Dominic Raab, renunciou na quinta-feira em repúdio ao plano do governo, derrubando a libra esterlina, e parlamentares do próprio Partido Conservador da premiê tentaram contestar sua liderança abertamente e lhe disseram com todas as letras que o acordo não passará no Parlamento.

    Nesta sexta-feira um ouvinte de um programa da rádio LBC pediu à premiê, que prometeu continuar no posto, que 'se retire respeitosamente', mas ela não respondeu de imediato a essa parte da pergunta.

    'Ainda não nomeei um novo secretário para o Brexit, mas é claro que o farei ao longo do próximo dia ou algo assim', disse May quando indagada se ofereceu o emprego a Michael Gove, ministro de seu governo que é defensor enfático do Brexit.

    Gove não comentou quando foi indagado diante de sua casa se apoiaria May. Segundo a rede BBC, a premiê lhe ofereceu a vaga, mas ele recusou.

    A libra, que vem oscilando ao sabor das notícias do Brexit desde o referendo, estava cotada em 1,2783 dólar nesta sexta-feira.

    O Brexit lançará a quinta maior economia do mundo no desconhecido, e muitos temem que ele divida o Ocidente, já às voltas com a Presidência atípica de Donald Trump e uma postura cada vez assertiva da Rússia e da China.

    O desfecho continua incerto em meio ao pior tumulto político desde a crise do canal de Suez, em 1956, na qual o Reino Unido foi obrigado pelos Estados Unidos a retirar suas tropas do Egito.

    Entre os cenários possíveis estão May conseguir aprovar seu acordo, perder o emprego, o Reino Unido deixar o bloco sem acordo ou até outro referendo.

    Para romper com a UE nos termos de seu acordo, May precisaria do apoio de cerca de 320 dos 650 parlamentares.

    A rede Sky disse que arregimentadores de voto do governo foram chamados ao Parlamento, já que uma contestação é iminente. Se uma moção de confiança for convocada, May precisará de uma maioria simples dos votos totais para vencer.

    (Reportagem adicional de Andrew MacAskill, Andy Bruce e Michael Holden)

    1

    1

    14

    3 S

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Êxodo de venezuelanos se aproxima de momento de crise, diz agência da ONU

    Êxodo de venezuelanos se aproxima de momento de crise, diz agência da ONU

    GENEBRA/CARACAS (Reuters) - O êxodo de imigrantes da Venezuela está se aproximando de um 'momento de crise' comparável aos acontecimentos envolvendo refugiados no Mediterrâneo, disse a agência para imigração da ONU nesta sexta-feira.

    Números cada vez maiores de venezuelanos estão fugindo da crise econômica e instabilidade política que abala a Venezuela, ameaçando sobrecarregar países vizinhos, incluindo o Brasil. Autoridades da região irão se encontrar em Bogotá na próxima semana para buscar uma solução.

    Neste mês, Equador e Peru tornaram mais rígidas as regras para venezuelanos cruzarem a fronteira, exigindo passaportes válidos em vez de somente carteiras de identidade. No Brasil, moradores da cidade de Pacaraima, em Roraima, forçaram centenas de venezuelanos a fugirem de volta para a Venezuela.

    Descrevendo esses casos como sinais de alerta, o porta-voz da Organização Internacional para Migração da ONU (OIM), Joel Millman, disse que financiamento e meios para administrar o êxodo precisam ser mobilizados.

    'Isso está se tornando um momento de crise que nós vimos em outras partes do mundo, especificamente no Mediterrâneo', disse o porta-voz em coletiva de imprensa.

    Na quinta-feira, a OIM e o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur) pediram que países da América Latina facilitem a entrada de venezuelanos.

    O porta-voz do Acnur, Andrej Mahecic, disse nesta sexta-feira que governos na região estão fazendo esforços 'louváveis', mesmo que algumas capacidades de recepção e serviços estejam sobrecarregadas.

    Mas 'algumas imagens preocupantes' têm surgido na região na última semana. 'Essas aumentam o estigma daqueles que são forçados a fugir, e também colocam em risco os esforços para sua integração', disse.

    O ministro da Informação da Venezuela, Jorge Rodríguez, disse nesta sexta-feira que um novo pacote de medidas econômicas destinadas a combater a hiperinflação vai convencer os venezuelanos que deixaram o país a retornar.

    Na segunda-feira, o país-membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) cortou cinco zeros dos preços e atrelou a moeda do país a uma obscura criptomoeda apoiada pelo Estado. Críticos classificaram o plano como inadequado diante da inflação, que chegou a 82 mil por cento em julho e deve chegar a 1 milhão por cento neste ano.

    'A conclusão é que os venezuelanos vão voltar e, além disso, nós os convidamos a voltar porque precisamos deles para esse plano de recuperação', disse Rodríguez em entrevista coletiva.

    (Reportagem de Stephanie Nebehay, em Genebra, e de Vivian Sequera, em Caracas)

    0

    0

    39

    3 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Cruz Vermelha alerta sobre risco de crise alimentar na Coreia do Norte devido a onda de calor

    Cruz Vermelha alerta sobre risco de crise alimentar na Coreia do Norte devido a onda de calor

    Por Stephanie Nebehay

    GENEBRA (Reuters) - Uma onda de calor na Coreia do Norte fez com que plantações de arroz, milho e outras culturas secassem nos campos, 'com efeitos potencialmente catastróficos' para os norte-coreanos, disse a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRC) nesta sexta-feira.

    A maior rede de auxílio para desastres no mundo advertiu sobre o risco de uma 'crise de segurança alimentar completa' no país, afirmando que a situação preocupante foi exacerbada pelas sanções internacionais impostas devido aos programas nuclear e de mísseis da Coreia do Norte.

    Em comunicado divulgado em Genebra, a IFRC disse que não chove na Coreia do Norte desde o início de julho e que temperaturas chegaram a uma média de 39 graus Celsius por todo o país, cujo nome oficial é República Popular Democrática da Coreia (RPDC). A próxima chuva é prevista para o meio de agosto, acrescentou.

    A população de 25 milhões de pessoas já está estressada e vulnerável com taxas de desnutrição infantil que podem piorar, disse.

    'Isso ainda não é classificado como uma seca, mas arroz, milho e outras plantações já estão murchando nos campos, com efeitos potencialmente catastróficos para a população da RPDC', disse Joseph Muyamboit, gerente de programa da organização em Pyongyang.

    'Nós não podemos deixar essa situação se tornar uma crise de segurança alimentar completa. Nós sabemos que períodos anteriores de seca interromperam o fornecimento de alimento até o ponto em que causou sérios problemas de saúde e de desnutrição pelo país', disse.

    0

    0

    17

    4 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Arábia Saudita suspende novos negócios com Canadá após pedido por libertação de ativistas

    Arábia Saudita suspende novos negócios com Canadá após pedido por libertação de ativistas

    Por Aziz El Yaakoubi e David Ljunggren

    RIAD/OTTAWA (Reuters) - A Arábia Saudita suspendeu novos negócios e investimentos com o Canadá depois que o governo canadense cobrou Riad a libertar ativistas da sociedade civil que estão presos, no mais recente gesto de repúdio do maior exportador mundial de petróleo às críticas ocidentais a seu histórico de direitos humanos.

    O reino do Golfo Pérsico também convocou de volta seu embaixador e deu 24 horas para o embaixador canadense deixar o país, informou um comunicado do Ministério de Relações Exteriores saudita emitido na noite de domingo, acrescentando que mantém 'seus direitos de adotar novas ações'.

    O anúncio veiculado pela estatal Agência de Imprensa Saudita pegou diplomatas em Riad de surpresa, disse à Reuters uma fonte a par da situação, observando que tanto o embaixador saudita quanto o canadense estavam de licença

    'Toda a comunidade diplomática ficou surpresa com a medida', disse a fonte.

    Não ficou claro de imediato que efeito a medida terá, se tiver, no comércio anual bilateral de quase 4 bilhões de dólares e em um contrato de defesa de 13 bilhões de dólares firmado em 2014 entre os dois países.

    O comunicado saudita disse que sua chancelaria foi informada de que a chancelaria e a embaixada canadenses exortaram a Arábia Saudita a 'libertar imediatamente' ativistas da sociedade civil.

    Nenhuma autoridade do Ministério de Relações Exteriores do Canadá estava disponível para comentar de imediato.

    O Barein, vizinho e aliado de Riad, disse horas mais tarde que está ao lado do reino na crise política, sem explicar se também cortará laços comerciais com o Canadá.

    'O reino do Barein afirma sua solidariedade total com o reino da Arábia Saudita... contra qualquer um que tente minar sua soberania', disse o Ministério de Relações Exteriores barenita no Twitter.

    Na quarta-feira, a Human Rights Watch disse que a Arábia Saudita prendeu as defensoras dos direitos das mulheres Samar Badawi e Nassima al-Sadah, as vítimas mais recentes de uma onda de repressão do governo contra ativistas, clérigos e jornalistas. Mais de uma dúzia de defensoras dos direitos das mulheres foram visadas desde maio.

    O Canadá disse na sexta-feira estar 'gravemente preocupado' com as prisões de ativistas da sociedade civil e defensoras dos direitos das mulheres na Arábia Saudita, inclusive Samar, irmã do blogueiro dissidente preso Raif Badawi.

    0

    0

    35

    4 M

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. crise

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.