alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE cristina

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Bolsonaro volta a criticar possibilidade de Cristina Kirchner comandar mais uma vez a Argentina

    Bolsonaro volta a criticar possibilidade de Cristina Kirchner comandar mais uma vez a Argentina

    Por Lisandra Paraguassu

    BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar, nesta sexta-feira, a possibilidade de a ex-presidente argentina Cristina Kirchner vencer a eleição prevista para outubro deste ano e o que isso representaria para o país vizinho.

    Durante discurso na cerimônia de formatura do Instituto Rio Branco no Itamaraty, com os novos diplomatas brasileiros, Bolsonaro disse, sem citar o nome da ex-presidente, que ninguém quer uma nova Venezuela no sul da América do Sul.

    'Além da Venezuela, a preocupação de todos nós deve voltar-se um pouco mais ao sul agora na Argentina, por quem poderá voltar a comandar aquele país', disse Bolsonaro no início do discurso. 'Não queremos, acho que o mundo todo não quer, uma outra Venezuela mais ao sul do nosso continente.'

    Em entrevista após o evento, Bolsonaro explicou que a Argentina enfrenta uma forte crise econômica e as últimas pesquisas apontam a liderança da ex-presidente Cristina Kirchner nas próximas eleições presidenciais.

    Na noite de quinta-feira, em uma transmissão ao vivo, Bolsonaro já havia abordado esse tema, argumentando que a ex-presidente argentina é ligada aos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, assim como ao ex-presidente venezuelano Hugo Chávez e ao atual mandatário daquele país, Nicolás Maduro.

    'Se isso voltar, com toda a certeza a Argentina vai entrar numa situação semelhante à da Venezuela', disse Bolsonaro na quinta-feira.

    Mais tarde, questionado se as declarações do presidente não eram uma intromissão em assuntos internos de outro país, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse que a intenção do governo brasileiro é ajudar no desenvolvimento econômico do vizinho.

    'Na medida que a gente possa contribuir para que a Argentina retome o crescimento e saia dessa situação complicada que estão vivendo, isso pode ter um impacto político, mas é lá deles', afirmou, esclarecendo que não se trata de um apoio direto ao atual presidente, Mauricio Macri.

    'O presidente deixou bem claro a preocupação dele com o que o retorno do regime anterior poderia significar para toda região com base na experiência que a gente viveu', explicou.

    'Falar em apoio acho que não é a questão, mas é esse nosso compromisso de achar uma pauta, temos uma pauta muito intensa com o governo Macri.'

    De acordo com Araújo, 'no momento', a situação de Argentina e Venezuela são diferentes, mas que a Venezuela chegou a atual condição por 'decisões péssimas de um regime péssimo'.

    'Então tudo que a gente não quer para os irmãos de qualquer país é algo que possa apontar nessa linha', disse.

    VENEZUELA

    Já em relação à Venezuela, Bolsonaro afirmou nesta sexta que é preciso que as 'fissuras' na base das Forças Armadas daquele país cheguem ao topo ou o presidente Nicolás Maduro não cairá, e destacou que o Brasil não pretende abrir diálogo com o atual governo porque Maduro não iria ceder ao que seria proposto.

    'A gente espera que essa fissura que está na base do Exército vá para cima. Não tem outra maneira. Se você não enfraquecer o Exército da Venezuela, o Maduro não cai', afirmou Bolsonaro a jornalistas no Itamaraty.

    Ao ser questionado se o Brasil mandaria emissários para tentar conversar com os militares ou com o próprio presidente venezuelano, negou.

    'Acho que não tem o que conversar com ele. O que queremos no meu entender ele não vai querer', afirmou.

    Depois da tentativa frustrada do autoproclamado presidente interino da Venezuela Juan Guaidó de derrubar o governo de Maduro, a avaliação do governo brasileiro é que Guaidó não conseguiu aglutinar em torno de si os altos escalões das Forças Armadas.

    As 'fissuras na base', citadas por Bolsonaro e outros membros do seu governo, mostram uma tendência nos escalões mais baixos e mais suscetíveis à crise econômica do país de apoiar Guaidó, mas que ainda não se refletiram entre os generais.

    Em seu discurso no Itamaraty, o presidente também fez um apelo aos novos diplomatas para que trabalhem para um Brasil aberto aos grandes fluxos econômicos e para defenderem a democracia e a liberdade.

    Bolsonaro lembrou aos diplomatas: 'Quando os senhores falham entramos nós, das Forças Armadas. E confesso que torcemos muito para que vocês não falhem.'

    Mais tarde, na entrevista, esclareceu que a declaração não se referia à Venezuela ou a uma situação concreta.

    'Eles (diplomatas) que nos evitam entrar em guerra, muito simples. Quando acaba a saliva entra a pólvora. Não queremos isso. Temos que tentar a solução dos conflitos de forma pacífica', afirmou.

    0

    0

    47

    2 S

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Bolsonaro diz que Maduro não cai sem envolvimento de generais venezuelanos e Brasil não vai dialogar

    Bolsonaro diz que Maduro não cai sem envolvimento de generais venezuelanos e Brasil não vai dialogar

    Por Lisandra Paraguassu

    BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira que é preciso que as 'fissuras' na base das Forças Armadas da Venezuela cheguem ao topo ou o presidente Nicolás Maduro não cairá, e destacou que o Brasil não pretende abrir diálogo com o atual governo porque Maduro não iria ceder ao que seria proposto.

    'A gente espera que essa fissura que está na base do Exército vá para cima. Não tem outra maneira. Se você não enfraquecer o Exército da Venezuela, o Maduro não cai', afirmou Bolsonaro a jornalistas, após evento no Itamaraty.

    Ao ser questionado se o Brasil mandaria emissários para tentar conversar com os militares ou com o próprio presidente venezuelano, negou.

    'Acho que não tem o que conversar com ele. O que queremos no meu entender ele não vai querer', afirmou.

    Depois da tentativa frustrada do autoproclamado presidente interino da Venezuela Juan Guaidó de derrubar o governo de Maduro, a avaliação do governo brasileiro é que Guaidó não conseguiu aglutinar em torno de si os altos escalões das Forças Armadas.

    As 'fissuras na base', citadas por Bolsonaro e outros membros do seu governo, mostram uma tendência nos escalões mais baixos e mais suscetíveis à crise econômica do país de apoiar Guaidó, mas que ainda não se refletiram entre os generais.

    ARGENTINA

    Durante a entrevista no Itamaraty, o presidente, no entanto, repetiu que sua maior preocupação no momento é a situação na Argentina.

    Bolsonaro voltou a criticar a possibilidade de a ex-presidente argentina Cristina Kirchner vencer a eleição prevista para outubro deste ano no país vizinho.

    Pouco antes, durante discurso na cerimônia de formatura do Instituto Rio Branco, com os novos diplomatas brasileiros, Bolsonaro afirmou, sem citar o nome da ex-presidente, que as preocupações agora devem se voltar à Argentina e que ninguém quer uma nova Venezuela no sul da América do Sul.

    Na entrevista, Bolsonaro explicou que a Argentina enfrenta uma forte crise econômica e as últimas pesquisas apontam a liderança da ex-presidente Cristina Kirchner nas próximas eleições presidenciais.

    Na noite de quinta-feira, em uma transmissão ao vivo, Bolsonaro argumentou que a ex-presidente argentina é ligada aos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, além do ex-presidente venezuelano Hugo Chávez e o atual mandatário daquele país, Nicolás Maduro.

    'Se isso voltar, com toda a certeza a Argentina vai entrar numa situação semelhante à da Venezuela', disse Bolsonaro na quinta-feira.

    Nesta sexta, o presidente também fez um apelo aos novos diplomatas do Itamaraty para que trabalhem para um Brasil aberto aos grandes fluxos econômicos e para defenderem a democracia e a liberdade.

    Ao começar seu discurso, Bolsonaro lembrou aos diplomatas: 'Quando os senhores falham entramos nós, das Forças Armadas. E confesso que torcemos muito para que vocês não falhem.'

    Mais tarde, na entrevista, esclareceu que a declaração não se referia à Venezuela ou a uma situação concreta.

    'Eles (diplomatas) que nos evitam entrar em guerra, muito simples. Quando acaba a saliva entra a pólvora. Não queremos isso. Temos que tentar a solução dos conflitos de forma pacífica', afirmou.

    0

    0

    46

    2 S

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner é indiciada por acusações de corrupção

    Ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner é indiciada por acusações de corrupção

    Por Scott Squires

    BUENOS AIRES (Reuters) - A ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner foi indiciada nesta segunda-feira por acusações de que seu governo aceitou propinas de construtoras em troca de contratos para obras públicas, de acordo com um documento divulgado por um juiz federal.

    O Departamento de Justiça da Argentina busca determinar se Cristina Kirchner comandou uma ampla rede de corrupção que envolvia políticos e empresários durante seus dois mandatos como presidente, de 2007 a 2015.

    O escândalo de corrupção irrompeu em agosto quando um jornal local publicou cadernos mantidos por um motorista do ex-ministro do Planejamento de Cristina. Os cadernos catalogavam bolsas de dinheiro suspostamente entregues a escritórios do governo e à casa da ex-presidente e de seu falecido marido, o ex-presidente Néstor Kirchner.

    Um porta-voz de Cristina Kirchner não respondeu imediatamente um pedido de comentário.

    Como senadora, Cristina possui imunidade de prisão, embora não tenha imunidade para julgamento.

    O juiz federal Claudio Bonadio, que comanda a investigação, pediu para que ela sofra impeachment, uma ação que é pouco provável de receber o apoio necessário para passar numa votação no Senado.

    “É necessário continuar esta investigação até que tenhamos esclarecido completamente como estes pagamentos ilegais eram estruturados, ao menos no que diz respeito às autoridades que eram parte do antigo Ministério do Planejamento e aos empresários associados a elas”, diz o documento de acusação.

    O escândalo envolveu dezenas de ex-autoridades e empresários do setor de construção, abalando confiança em uma indústria já enfraquecida por uma economia em crise, cortes do governo em obras públicas e taxas de juros de 60 por cento.

    Embora Cristina Kirchner já tenha sido indiciada por outras acusações, ela ainda possui amplo apoio popular e deve concorrer à Presidência novamente no ano que vem.

    (Reportagem de Eliana Raszewski, Nicolas Misculin e Scott Squires)

    0

    0

    12

    8 M

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. cristina

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.