alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE empresarios

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Setores empresariais apresentam a Bolsonaro pautas para aceleração do crescimento

    Setores empresariais apresentam a Bolsonaro pautas para aceleração do crescimento

    Por Rodrigo Viga Gaier

    RIO DE JANEIRO (Reuters) - Uma coalizão empresarial se reuniu com candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, nesta segunda-feira e apresentou uma agenda para retomada do crescimento da economia, já de olho no cenário de vitória do capitão da reserva, que lidera as pesquisas de opinião.

    Representantes dos setores siderúrgico, de máquinas e equipamentos, construção civil, químico e têxtil, além de comércio exterior e integrantes das indústrias de petróleo, gás e energia participaram do encontro, realizado na residência do presidenciável, em um condomínio do Rio de Janeiro.

    'Fomos mais para nos colocar à disposição para ajudar o Brasil voltar a andar', disse o consultor da área de petróleo e gás, Adriano Pires, que participou do encontro. 'Mas falamos também da importância de se manter o calendário de leilões (de áreas de petróleo e gás) e que a tarifa de energia está muito cara no Brasil', disse ele em entrevista à Reuters.

    A coalizão quer um encontro com Paulo Guedes, indicado por Bolsonaro para comandar o ministério da Fazenda, logo na primeira semana após a eleição de domingo, na expectativa de que Bolsonaro seja eleito.

    O porta voz do grupo, o presidente-executivo do Instituto Aço Brasil (IABr), Marco Polo Lopes, disse que a agenda para o crescimento do Brasil inclui reformas tributária e previdenciária, ajuste fiscal e abertura progressiva do Brasil ao comércio exterior mediante contrapartidas.

    'Fomos falar com ao que tudo indica que será o futuro presidente, como indicam as pesquisas. Falamos dos temas prioritários para botar a roda para girar e gerar crescimento, emprego e bem estar', disse Lopes à Reuters.

    'Foi um encontro excelente e a ideia é que tão logo passe a eleição a gente possa sentar com Paulo Guedes e interagir...Os motores da economia seriam a construção civil, que gera muito emprego, e a exportação, que está com capacidade enorme para operar lá fora', acrescentou.

    Em nota à imprensa, o presidente-executivo da associação de fabricantes de máquinas e equipamentos (Abimaq), José Velloso, também defendeu 'isonomia competitiva do setor produtivo' e afirmou que o próximo governo 'tem que ter a clara noção de que o aumento da desigualdade social e da violência, a polarização da sociedade, o alto desemprego e o crescente desalento de nossa juventude não podem ser enfrentados sem a retomada do crescimento sustentado'.

    Mais cedo, pesquisa CNT/MDA indicou que Bolsonaro mantém grande vantagem sobre o adversário Fernando Haddad (PT) no segundo turno da disputa eleitoral. Com 57 por cento dos votos válidos, Bolsonaro firma-se como favorito para o pleito de domingo. Haddad obteve, segundo a pesquisa, 43 por cento dos votos válidos, quando se exclui os brancos e nulos.

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Haddad diz que Bolsonaro tentou fraudar eleição e que 2º turno deveria ser entre ele e Ciro

    Haddad diz que Bolsonaro tentou fraudar eleição e que 2º turno deveria ser entre ele e Ciro

    Por Eduardo Simões e Pedro Belo

    SÃO PAULO (Reuters) - O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, disse nesta quinta-feira que o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, tentou fraudar a eleição usando recursos de caixa 2 para enviar mensagens contra ele no WhatsApp e que, por isso, o segundo turno da eleição presidencial deveria ser entre ele e o candidato do PDT, Ciro Gomes.

    Haddad citou uma testemunha, que teria sido mencionada pela revista Piauí, que teria afirmado que o ex-capitão do Exército pediu pessoalmente que empresários financiassem o disparo em massa de mensagens pelo WhatsApp para difamar e caluniar a candidatura petista na reta final do primeiro turno da disputa presidencial.

    'Eu acho que o segundo turno tem que se dar entre mim e o Ciro. É isso que a legislação prevê, porque ele fraudou, tentou fraudar a eleição. Felizmente não deu o primeiro turno, porque se dá no primeiro turno, ia tudo para debaixo do tapete', disse Haddad a jornalistas em São Paulo.

    Bolsonaro disse em sua conta no Twitter que 'apoio voluntário é algo que o PT desconhece e não aceita', e que o partido de seu adversário no segundo turno da eleição presidencial não está sendo prejudicado por 'fake news', mas pela verdade, uma vez que 'roubaram o dinheiro da população'.

    O presidenciável do PSL publicou os tuítes após Haddad afirmar que irá à Justiça Eleitoral para impedir o presidenciável do PSL de 'violentamente agredir a democracia', ao comentar a reportagem da Folha.

    No Twitter, Bolsonaro disse ainda que o PT sempre fez política 'comprando consciências', e acusou o partido de ter mergulhado o país no caos.

    Mais cedo, em entrevista coletiva, Haddad havia dito que testemunhas relataram que Bolsonaro havia pedido pessoalmente a empresários durante um jantar que eles financiassem o envio em massa de mensagens contra a candidatura petista pelo WhatsApp. Mais tarde, entretanto, ele esclareceu que a testemunha havia sido citada pela revista Piauí.

    'Ele estava no jantar pedindo recursos para o WhatsApp, todo mundo sabe disso, a Piauí sabe disso', disse Haddad. 'Saiu publicado pela imprensa, ou vocês desmentem a Piauí? Pode falar que eles mentiram. Agora, estou me baseando numa informação publicada numa revista que eu suponho que seja séria.'

    Na entrevista coletiva de mais cedo, Haddad disse que eventuais investigações podem chegar à quantia de 'centenas de milhões de reais despejados ilegalmente' na campanha de Bolsonaro e fez um alerta de que o PT rastreará empresários que eventualmente estejam envolvidos no caso para que sejam responsabilizados criminalmente.

    'Vamos mobilizar toda a legislação em vigor, nós entendemos isso como uma prática de crime continuado, portanto hoje esse crime está sendo cometido, talvez, venhamos a pedir prisões em flagrante ou preventivas para que tenhamos nos próximos dez dias alguma normalidade democrática depois da devastação que foi a última semana do primeiro turno', disse Haddad, visivelmente irritado, durante a entrevista.

    Na edição desta quinta-feira, o jornal Folha de S. Paulo revela que empresários têm bancado a compra de distribuição de mensagens contra o PT por WhatsApp, em uma prática que se chama pacote de disparos em massa de mensagens, e estariam preparando uma ação para a próxima semana, antes do segundo turno.

    Na entrevista pela tarde, o petista voltou a defender a prisão de empresários envolvidos no suposto esquema de envio de notícias falsas pela campanha de Bolsonaro.

    'O importante agora é prender os empresários que com caixa 2 financiaram o bolsonaro numa campanha de difamação, isso é o que vocês têm que cobrir hoje', disse Haddad aos jornalistas.

    Mais cedo, o petista disse que, independentemente do resultado do segundo turno da eleição, marcado para o dia 28 de outubro, irá 'até as últimas consequências' em busca de reparação para o que afirmou ser calúnia e difamação que sofreu e afirmou que a campanha do PT também irá recorrer à missão de observadores eleitorais da Organização dos Estados Americanos (OEA).

    'Nós vamos levar ao conhecimento da Justiça todos os indícios, alguns que estão nos chegando agora de reuniões que ele... de viva voz pediu apoio via WhatsApp, ou seja, ele próprio em jantares com empresários fez um pedido para que a atuação fosse feita dessa maneira, de forma ilegal', disse o presidenciável petista.

    'Evidentemente, no que me diz respeito, a luta pela minha dignidade extrapola o 28 de outubro, porque eu vou buscar reparação dos ataques que ele me fez via internet, porque ele patrocinou com dinheiro sujo uma campanha de difamação e isso não tem prazo para acabar, eu vou buscar reparação até as últimas consequências.'

    O petista cobrou um posicionamento do WhatsApp e disse que, se a empresa, controlada pelo Facebook, tiver algum compromisso com valores, tomará providências.

    “O WhatsApp pode ajudar, se quiser. O WhatsApp pode fingir que não é com ele, mas pode ajudar, se quiser. Se tiver compromisso com valores, se essa empresa tiver algum compromisso com valores, vai tomar providências em relação a matéria de hoje, e vai procurar evitar o que aconteceu em relação à última semana do primeiro turno”, afirmou.

    Haddad também fez um alerta duro a empresários que eventualmente tenham financiado o envio em massa de mensagens ofensivas a ele pelo aplicativo.

    “Eu estou prevenindo esses empresários, eles vão ser rastreados, nós vamos rastreá-los e, independentemente do resultado eleitoral. Nós vamos chegar à autoria deste crime. É um alerta que fica: parem o crime, parem de cometer crime. Isso é crime.”

    O WhatsApp, por meio da assessoria de imprensa, informou que ainda não tem um posicionamento específico sobre esse caso.

    (Reportagem adicional de Taís Haupt)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Haddad diz que campanha de Bolsonaro pediu e recebeu 'dinheiro sujo' de empresários para mensagens no WhatsApp

    Haddad diz que campanha de Bolsonaro pediu e recebeu 'dinheiro sujo' de empresários para mensagens no WhatsApp

    Por Eduardo Simões

    SÃO PAULO (Reuters) - O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, disse nesta quinta-feira que sua campanha sabia que havia 'dinheiro sujo' na campanha do candidato do PSL, Jair Bolsonaro, e que tem testemunhas que afirmam que o ex-capitão do Exército pediu pessoalmente que empresários financiassem o disparo em massa de mensagens pelo WhatsApp contra o petista.

    Em entrevista coletiva, Haddad disse que eventuais investigações podem chegar à quantia de 'centenas de milhões de reais despejados ilegalmente' na campanha de Bolsonaro e fez um alerta de que o PT rastreará empresários que eventualmente estejam envolvidos no caso para que sejam responsabilizados criminalmente.

    'Vamos mobilizar toda a legislação em vigor, nós entendemos isso como uma prática de crime continuado, portanto hoje esse crime está sendo cometido, talvez, venhamos a pedir prisões em flagrante ou preventivas para que tenhamos nos próximos dez dias alguma normalidade democrática depois da devastação que foi a última semana do primeiro turno', disse Haddad, visivelmente irritado, durante a entrevista.

    'Nós calculamos em centenas de milhares de mensagens encaminhadas para os eleitores falsas, todas falsas, nenhuma verdadeira, para orientar o voto na direção do adversário, em qualquer lugar do mundo isso seria um escândalo de proporções avassaladoras poderia se dar até em cassação da candidatura com a chamada do terceiro colocado para disputar o segundo turno', afirmou.

    Na edição desta quinta-feira, o jornal Folha de S. Paulo revela que empresários têm bancado a compra de distribuição de mensagens contra o PT por WhatsApp, em uma prática que se chama pacote de disparos em massa de mensagens, e estariam preparando uma ação para a próxima semana, antes do segundo turno.

    Haddad disse que, independentemente do resultado do segundo turno da eleição, marcado para o dia 28 de outubro, irá 'até as últimas consequências' em busca de reparação para o que afirmou ser calúnia e difamação que sofreu e afirmou que a campanha do PT também irá recorrer à missão de observadores eleitorais da Organização dos Estados Americanos (OEA).

    'Nós vamos levar ao conhecimento da Justiça todos os indícios, alguns que estão nos chegando agora de reuniões que ele... de viva voz pediu apoio via WhatsApp, ou seja, ele próprio em jantares com empresários fez um pedido para que a atuação fosse feita dessa maneira, de forma ilegal', disse o presidenciável petista.

    'Evidentemente, no que me diz respeito, a luta pela minha dignidade extrapola o 28 de outubro, porque eu vou buscar reparação dos ataques que ele me fez via internet, porque ele patrocinou com dinheiro sujo uma campanha de difamação e isso não tem prazo para acabar, eu vou buscar reparação até as últimas consequências.'

    O petista cobrou um posicionamento do WhatsApp e disse que, se a empresa, controlada pelo Facebook, tiver algum compromisso com valores, tomará providências.

    “O WhatsApp pode ajudar, se quiser. O WhatsApp pode fingir que não é com ele, mas pode ajudar, se quiser. Se tiver compromisso com valores, se essa empresa tiver algum compromisso com valores, vai tomar providências em relação a matéria de hoje, e vai procurar evitar o que aconteceu em relação à última semana do primeiro turno”, afirmou.

    Haddad também fez um alerta duro a empresários que eventualmente tenham financiado o envio em massa de mensagens ofensivas a ele pelo aplicativo.

    “Eu estou prevenindo esses empresários, eles vão ser rastreados, nós vamos rastreá-los e, independentemente do resultado eleitoral. Nós vamos chegar à autoria deste crime. É um alerta que fica: parem o crime, parem de cometer crime. Isso é crime.”

    Em mensagem no Twitter na tarde desta quinta-feira, Bolsonaro afirmou que apoio voluntário é 'algo que o PT desconhece e não aceita'.

    'Sempre fizeram política comprando consciências. Um dos ex-filiados de seu partido de apoio, o PSOL, tentou nos assassinar. Somos a ameaça aos maiores corruptos da história do Brasil', escreveu.

    O WhatsApp, por meio da assessoria de imprensa, informou que ainda não tem um posicionamento específico sobre esse caso.

    (Com reportagem de Pedro Belo, reportagem adicional de Taís Haupt)

    LER NOTICIA

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. empresarios

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.