alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE exclusivo

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia EXCLUSIVO-Trump diz que China está 'de volta ao mercado' por soja dos EUA

    EXCLUSIVO-Trump diz que China está 'de volta ao mercado' por soja dos EUA

    Por Roberta Rampton e Jeff Mason

    WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na terça-feira que a China está comprando uma 'enorme quantidade' de soja norte-americana e que negociações comerciais com Pequim já estão sendo feitas por telefone, acrescentando que são aguardadas mais reuniões entre autoridades dos dois países.

    Trump disse à Reuters em uma entrevista que o governo chinês está 'de volta ao mercado' para comprar soja dos EUA depois de uma trégua em 1º de dezembro na guerra comercial envolvendo Washington e Pequim.

    Operadores em Chicago, no entanto, disseram não ter visto nenhuma evidência de uma retomada de tais compras após a imposição de uma tarifa de 25 por cento sobre a soja dos EUA em julho.

    'Acabei de ouvir hoje que eles estão comprando enormes quantidades de soja. Eles estão começando, apenas começando agora', afirmou Trump na entrevista.

    Trump também disse acreditar que a China reduzirá em breve as tarifas dos automóveis norte-americanos para 15 por cento, em relação aos atuais 40 por cento.

    'Eu acho que eles estão querendo fazer isso imediatamente, muito rapidamente', disse.

    Um funcionário do governo Trump disse à Reuters que o plano da China para cortar as tarifas de automóveis foi esboçado em um telefonema entre o vice-premiê chinês, Liu He, o representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, e o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin.

    VENDAS DA SOJA ATENDIDAS

    Os dados do governo dos EUA não mostram nenhuma venda de soja para a China desde julho, quando Pequim impôs tarifas sobre o fornecimento de oleaginosas dos EUA em retaliação aos impostos dos EUA sobre produtos chineses.

    Traders vêm observando atentamente por sinais de confirmação de uma retomada das compras chinesas de soja dos EUA, particularmente depois que Trump tuitou na manhã de terça-feira que 'conversas muito produtivas' estavam acontecendo com a China. 'Preste atenção em alguns anúncios importantes!', acrescentou.

    Os futuros de soja na Bolsa de Chicago avançaram na terça-feira, com a esperança de que novos acordos fossem assinados em breve, mas não havia sinais de aumento de atividade nos mercados à vista, disseram operadores.

    As normas do Departamento de Agricultura dos EUA exigem que os exportadores relatem imediatamente as vendas de 100 mil toneladas ou mais de uma commodity em um único dia.

    No ano passado, a China comprou cerca de 60 por cento das exportações de soja dos EUA em transações avaliadas em mais de 12 bilhões de dólares. Com as exportações perdidas, os preços da soja caíram para o menor patamar em uma década, sobrecarregando os fazendeiros norte-americanos, um importante eleitorado dos Trump.

    Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, pediram uma trégua temporária em sua guerra comercial em 1º de dezembro. Trump concordou em adiar por 90 dias o aumento previsto para 1º de janeiro nas tarifas sobre produtos chineses enquanto os dois lados negociam o aumento das compras chinesas de produtos agrícolas dos EUA, entre outros pontos.

    Trump disse na terça-feira que essas negociações já estavam acontecendo por telefone.

    'Provavelmente teremos outra reunião. E talvez uma reunião das principais pessoas de ambos os lados', disse Trump. 'Se for necessário, vou ter outra reunião com o presidente Xi, de quem gosto muito e com quem me dou muito bem.'

    Trump não ofereceu nenhum cronograma para novas reuniões face a face entre autoridades americanas e chinesas.

    Ele disse que esperaria para aumentar as tarifas sobre produtos chineses para 25 por cento, de 10 por cento, até que se torne evidente se os Estados Unidos e a China podem fazer um acordo.

    (Reportagem adicional de Tom Polansek e Michael Hirtzer, em Chicago)

    0

    0

    11

    1 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia EXCLUSIVO-Trump diz que Fed não deveria elevar juros, mas chama Powell de 'bom homem'

    EXCLUSIVO-Trump diz que Fed não deveria elevar juros, mas chama Powell de 'bom homem'

    Por Roberta Rampton e Jeff Mason

    WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou na terça-feira que será um erro se o Federal Reserve elevar a taxa de juros quando se reunir na próxima semana, como esperado, dando continuidade às críticas ao banco central dos Estados Unidos.

    'Acho que seria insensato, mas o que posso dizer', disse Trump à Reuters em entrevista.

    Trump afirmou que precisa da flexibilidade de taxa de juros mais baixa para sustentar a economia dos EUA em meio à batalha comercial conta a China, e potencialmente contra outros países.

    'É preciso entender, estamos disputando algumas batalhas e estamos vencendo. Mas preciso de expansão também', disse ele.

    Trump escolheu Jerome Powell como chairman do Fed, mas tem se oposto repetidamente a ele desde que Powell assumiu o comando do banco central norte-americano em fevereiro. Em agosto, Trump disse à Reuters que não estava 'animado' com as altas de juros promovidas por Powell.[nL2N1VB1DG]

    Trump adotou um posicionamento mais conciliatório em seus comentários sobre Powell nesta terça-feira, mas ainda criticou as políticas de seu escolhido para o cargo de maior poder do Fed.

    'Acho que ele é um bom homem. Acho que ele está tentando fazer o que acha melhor. Eu discordo dele', disse Trump. 'Acho que ele está sendo muito agressivo, na verdade, agressivo até demais'.

    Quando questionado sobre se ele está preocupado que possa haver uma recessão quando estiver concorrendo à reeleição em 2020, Trump apontou que outros fatores no mundo podem afetar a economia, incluindo os planos britânicos de deixar a União Europeia, conhecidos como Brexit, e a instabilidade na França.

    'Bem, você tem problemas no mundo, como o Brexit, como a França - um grande problema na França. É chocante ver o que está acontecendo em Paris', disse Trump, fazendo referência aos protestos contra o governo e seu colega francês, Emmanuel Macron.

    0

    0

    7

    1 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia EXCLUSIVO-Petrobras pode desinvestir mais US$20 bi a partir de agora até 2019, diz fonte

    EXCLUSIVO-Petrobras pode desinvestir mais US$20 bi a partir de agora até 2019, diz fonte

    Por Marta Nogueira e Alexandra Alper

    RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras poderá obter mais 20 bilhões de dólares, de agora até o próximo ano, caso sejam realizadas as vendas de todos os projetos já anunciados para desinvestimentos, afirmou à Reuters uma fonte com conhecimento do assunto nesta terça-feira, em um sinal de que a companhia espera manter o ritmo de seu robusto plano de negociações apesar de recentes dificuldades.

    Nos últimos três anos, a estatal realizou cerca de 20 bilhões de dólares em vendas de ativos e parcerias, a partir do programa traçado para reduzir uma enorme dívida, acrescentou a fonte, na condição de anonimato.

    Dentre os acordos que poderão ser concluídos neste ano está a venda da refinaria Pasadena, no Texas, para a Chevron, embora o negócio não deva recuperar o enorme investimento feito pela empresa no ativo, envolvido no escândalo de corrupção, segundo a fonte.

    A Reuters publicou na semana passada que negociações estavam em curso com a petroleira norte-americana.

    A planejada venda de gasodutos no Nordeste, da subsidiária TAG, seria também importante para atingir aquele montante projetado para ser realizado até 2019. A esperada venda da fatia em empresa que a Petrobras tem na África também deve agregar montante bilionário na conta.

    Procurada, a Petrobras não comentou o assunto imediatamente.

    A fonte também apontou que poderá ser concluído até o fim de dezembro o processo de venda dos polos de petróleo em águas rasas de Enchova e Pampo, localizados no Estado do Rio de Janeiro.

    Anteriormente, a Petrobras confirmou que a Ouro Preto Óleo e Gás havia apresentado a melhor proposta na fase vinculante do processo de venda de Enchova e Pampo.

    A Ouro Preto recebeu apoio da companhia de private equity EIG Global Energy Partners, conforme reportado pela Reuters em julho.

    Uma segunda fonte confirmou à Reuters nesta terça-feira que um acordo para a venda dos polos poderá ser alcançado ainda neste ano.

    Com a maior dívida global para uma petroleira listada em bolsa, a Petrobras traçou um plano de arrecadar 21 bilhões de dólares no biênio 2017-2018, com vendas de ativos e parcerias.

    Em meio aos esforços, a empresa reduziu a dívida líquida de 100,4 bilhões de dólares em 2015 para 73,7 bilhões de dólares no fim do segundo trimestre deste ano.

    O resultado foi alcançado mesmo em meio a resistências encontradas em sindicatos e tribunais.

    TAG

    No entanto, a empresa não deverá atingir a meta projetada para o biênio 2017-2018 caso não conclua a venda bilionária da rede de gasodutos TAG neste ano, segundo a fonte.

    A negociação da TAG, unidade de gasodutos no Nordeste, foi suspensa por uma decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski, que exigiu que vendas de subsidiárias por estatais sejam aprovadas antes pelo Congresso. Para vender, a empresa precisa derrubar a decisão do tribunal.

    A Petrobras também tem buscado maneiras de aumentar a produção em áreas maduras, vendendo uma participação de 25 por cento em seu importante campo de Roncador, na Bacia de Campos, para a norueguesa Equinor.

    Na mesma linha, a empresa também abriu uma concorrência e convidou as gigantes Schlumberger, Baker Hughes (da GE) e Halliburton para um possível acordo de compartilhamento de produção para um campo terrestre. Um acordo representaria um novo caminho para a Petrobras impulsionar a produção de campos maduros sem perder o controle ou arriscar o capital, em parceria com um dos maiores provedores de serviços de petróleo do mundo.

    Mas o negócio não deverá acontecer até o primeiro trimestre de 2019, disse a fonte. Outra pessoa familiarizada com o assunto disse que um acordo neste ano é possível, mas mais provável para o próximo ano. Apesar dos contratempos, a empresa não deve deixar de bater a meta de alavancagem de 2,5 vezes Ebitda/dívida líquida, traçada para o fim deste ano.

    A Petrobras, segundo já foi informado recentemente por diretores, deverá anunciar seu Plano de Negócios e Gestão 2019-2023 em dezembro.

    (Edição de Roberto Samora)

    0

    0

    12

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia EXCLUSIVO-EIG e Warburg Pincus participam de ofertas por campos maduros da Petrobras

    EXCLUSIVO-EIG e Warburg Pincus participam de ofertas por campos maduros da Petrobras

    Por Alexandra Alper e Carolina Mandl

    RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - As gigantes de private equity Warburg Pincus e EIG Global Energy estão na disputa por dois conjuntos de campos maduros de petróleo em águas rasas colocados à venda pela Petrobras, disseram cinco fontes à Reuters, enquanto tentam conquistar presença no maior produtor de petróleo da América Latina.

    Duas pessoas familiarizadas com o processo disseram que os campos à venda, localizados nos polos de Enchova e Pampo, na Bacia de Campos, devem atrair propostas de cerca de 1 bilhão de dólares, contribuindo com o plano bilionário de desinvestimentos da Petrobras.

    A EIG Global Energy Partners se uniu à petroleira brasileira Ouro Preto para disputar os polos Enchova e Pampo, em um acordo em que a firma de private equity deverá prover capital para o investimento, de acordo com duas fontes. Não estava claro como a oferta seria estruturada.

    Enquanto isso, o Goldman Sachs também fará o financiamento para a aquisição, disseram as fontes.

    A Trident Energy, uma empresa do portfólio de investimentos da Warburg Pincus especializada em ativos maduros de petróleo, também fez uma oferta por ambos os polos, disseram duas fontes. Em 2016, a Warburg Pincus investiu 500 milhões de dólares na Trident.

    Uma vitória de qualquer grupo representaria a estreia tanto da EIG quanto da Trident no negócio de produção de petróleo no Brasil.

    O gestor de ativos alternativo Carlyle também estudou participar da licitação, mas optou por não fazer uma proposta.

    Não está claro se a Petrobras recebeu outras ofertas além das de Ouro Preto e Trident para esses polos.

    Nos últimos meses, as principais petroleiras do mundo investiram bilhões de dólares para arrematar blocos de petróleo em águas profundas brasileiras, diante de um declínio de reservas globais e do potencial do pré-sal no país.

    Pequenas empresas especializadas em campos maduros de petróleo muitas vezes são melhores do que as gigantes do petróleo para cortar custos na extração e, algumas delas, aperfeiçoaram sua expertise em extrair mais produto deles.

    Eu acho que é normal os private equities se interessarem , disse Edmar Almeida, pesquisador de economia e energia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), observando que as áreas ainda têm uma produção relativamente forte e podem ver suas taxas de recuperação melhoradas.

    A novidade é que estes fundos estavam pouco entusiasmados com o Brasil, depois do problema com a OGX, Petra e HRT , disse ele, citando a derrocada da OGX, do empresário Eike Batista, que assustou investidores em petroleiras menores no Brasil, depois de abalar a confiança dos mercados com promessas não concretizadas. A volta seria uma boa novidade.

    A venda dos polos de campo maduros, localizados no Estado do Rio de Janeiro, também faria sentido financeiro para a Petrobras, a companhia petrolífera mais endividada do mundo, que busca levantar 21 bilhões de dólares com a venda de ativos no biênio 2017-2018.

    No entanto, sindicatos de petroleiros da Petrobras têm se posicionado contra às vendas de campos da empresa e algumas tentativas feitas pela gestão da empresa chegaram a encontrar resistência dos tribunais.

    Segundo a Petrobras, o polo Enchova, que inclui os campos Marimba, Enchova, Bonito, Enchova Oeste Bicudo e Pirauna, tem 32 poços produzindo 25.100 barris de óleo equivalente por dia.

    Já o polo de Pampo, que engloba os campos de Badejo, Pampo, Linguado e Trilha, tem 27 poços produzindo 13.500 barris de óleo equivalente por dia. A Petrobras está vendendo os direitos dos campos até 2025. Tanto a Enchova quanto a Pampo começaram a produzir nos anos 80.

    Trident, EIG e Carlyle não responderam imediatamente a um pedido de comentários. Petrobras, Ouro Preto e Goldman Sachs se recusaram a comentar o assunto.

    0

    0

    34

    6 M

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. exclusivo

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.