alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE facebook

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Facebook planeja aumentar checagem de fatos antes de eleições para Parlamento Europeu

    Facebook planeja aumentar checagem de fatos antes de eleições para Parlamento Europeu

    BERLIM (Reuters) - O Facebook planeja ampliar os esforços para combater a desinformação antes da eleição para o Parlamento Europeu em maio e fará uma parceria com a agência de notícias alemã DPA para aumentar a checagem de informações, disse um executivo sênior nesta segunda-feira.

    O Facebook tem estado sob pressão ao redor do mundo desde as eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2016 para impedir o uso de contas falsas e outros tipos de fraude para influenciar a opinião pública.

    No mês passado, a União Europeia acusou o Google, o Facebook e o Twitter de não cumprirem suas promessas de combater a disseminação de notícias falsas antes das eleições europeias, depois de já terem assinado um código de conduta voluntário para evitar uma regulamentação.

    Nesta segunda-feira, o Facebook disse que estava montando um centro de operações que vai funcionar 24 horas por dia com engenheiros, cientistas de dados, pesquisadores e especialistas táticos, além de funcionar coordenadamente com organizações externas.

    'Eles tentarão identificar as ameaças de forma proativa, para que possam agir sobre elas o mais rápido possível', disse Tessa Lyons, chefe de integridade do feed de notícias no Facebook, a jornalistas em Berlim.

    O Facebook também anunciou que está se unindo à maior agência de notícias da Alemanha, a DPA, para verificar a precisão das postagens, além do Correctiv, um coletivo sem fins lucrativos de jornalistas investigativos que vem identificando notícias falsas e notificando a empresa de mídias sociais desde janeiro de 2017.

    O planejamento inclui o treinamento de mais de 100 mil estudantes alemães em alfabetização midiática e procura impedir que a publicidade paga seja usada indevidamente para fins políticos.

    (Por Emma Thomasson)

    0

    0

    8

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Facebook restabelece serviços após falha global

    Facebook restabelece serviços após falha global

    Por Mekhla Raina

    (Reuters) - O Facebook comunicou nesta quinta-feira que restabeleceu os serviços de seu principal aplicativo e do Instagram, depois de sofrer uma grande pane que frustrou usuários de todo o mundo durante cerca de 24 horas.

    A maior rede social do mundo também disse que está cogitando ressarcir anunciantes pela perda de exposição causada pelos problemas, que monitores de panes na internet mostraram ter afetado usuários na Europa, no Japão e nas Américas do Norte e do Sul.

    'Ontem um problema de configuração de servidor dificultou o acesso das pessoas a nossos aplicativos e serviços. Estamos 100 por cento em funcionamento de novo e pedimos desculpas por qualquer inconveniente', disse um porta-voz do Facebook.

    'Ainda estamos investigando o impacto geral deste problema, incluindo a possibilidade de ressarcimento dos anunciantes'.

    A plataforma recebe dezenas de milhões de dólares de renda de anúncios todos os dias.

    Mais cedo, reportagens haviam dito que milhões de usuários foram afetados, e milhares usaram o Twitter na quarta e quinta-feiras para se queixarem com a hashtag #facebookdown.

    O site DownDetector --uma das fontes virtuais mais usadas para se saber a quantidade de panes na rede-- revelou que o número de queixas teve um pico de mais de 12 mil, diminuindo gradualmente para cerca de 180 às 12h (horário de Brasília) desta quinta-feira.

    A BBC e alguns outros veículos de mídia disseram ter sido a pane mais longa da plataforma. A Reuters não conseguiu verificar estas afirmações de imediato, e o Facebook não quis comentar a respeito, limitando-se ao comunicado sobre o restabelecimento dos serviços.

    As ações da empresa caíram quase 2 por cento nesta quinta-feira.

    Separadamente, o New York Times noticiou na quarta-feira que procuradores federais estão realizando uma investigação criminal sobre acordos de dados que o Facebook firmou com mais de 150 empresas de tecnologia, como Amazon e Apple.

    O Facebook é alvo de uma série de ações civis e inquéritos de agências reguladoras a respeito de suas políticas de privacidade, inclusive investigações em andamento da Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos, da Comissão de Títulos e Câmbio dos EUA e de duas agências do Estado de Nova York.

    Um porta-voz da rede social disse que a companhia está cooperando com os investigadores em vários inquéritos federais, sem tratar especificamente do inquérito do grande júri.

    (Por Mekhla Raina, Subrat Patnaik e Munsif Vengattil em Bengaluru)

    0

    0

    36

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Facebook enfrenta segundo dia de pane global de serviços

    Facebook enfrenta segundo dia de pane global de serviços

    Por Mekhla Raina

    (Reuters) - O Facebook enfrentava dificuldades para restaurar plenamente seus serviços nesta quinta-feira, depois que uma pane parcial de 17 horas deixou a maior rede social do mundo inacessível para usuários de várias partes do globo, provocando uma onda de queixas na internet.

    O número de relatos no site de DownDetector --uma das fontes virtuais mais usadas para se saber a quantidade de panes-- teve um pico de quase 12 mil, diminuindo gradualmente para algumas centenas na manhã desta quinta-feira.

    Mas como milhares de usuários se queixaram no Twitter com a hashtag #facebookdown, várias reportagens estimaram milhões de pessoas afetadas.

    A BBC e alguns outros veículos de mídia disseram ter sido a pane mais longa da plataforma. A Reuters não conseguiu verificar estas afirmações de imediato.

    Representantes do Facebook foram ao Twitter para atualizar os usuários sobre os problemas.

    Um porta-voz do Facebook, quando a Reuters lhe pediu mais detalhes, só repetiu o comunicado inicial sobre a pane emitido na quarta-feira, dizendo que a empresa está trabalhando para resolver a questão o mais rápido possível.

    Aplicativos do Instagram, Whatsapp e Facebook não funcionaram durante boa parte da quarta-feira, mas a rede de compartilhamento de fotos disse ter voltado ao ar na manhã desta quinta-feira. O Facebook ainda não forneceu nenhuma atualização sobre seus outros serviços.

    'Estamos de volta', tuitou o Instagram com um GIF de Oprah Winfrey gritando com entusiasmo.

    Usuários de redes sociais de algumas partes dos Estados Unidos e da Europa, assim como do Japão, foram afetados pela interrupção, de acordo com o mapa de panes ao vivo do DownDetector.

    'Galera, não recebi minha dose diária de memes ultrapassados, e acho que é por isso que estou ranzinza. #FacebookDown', tuitou a usuária Mayra Mesina.

    A empresa sediada em Menlo Park, na Califórnia, que recebe a maior parte de sua renda de anúncios, disse à Bloomberg que ainda está investigando o impacto geral, 'incluindo a possibilidade de ressarcimento dos anunciantes'.

    O Facebook ainda disse no Twitter que o problema não tem relação com um ataque distribuído de negação de serviço (DDoS).

    Em um ataque DDoS, hackers usam redes de computadores que controlam para enviar um número tão grande de pedidos de informação de sites que os servidores que os abrigam não conseguem mais administrar o tráfego e os sites se tornam inacessíveis.

    (Por Mekhla Raina e Subrat Patnaik, em Bengaluru)

    0

    0

    39

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Facebook diz que deu a companhias acesso a dados apenas após permissão de usuários

    Facebook diz que deu a companhias acesso a dados apenas após permissão de usuários

    (Reuters) - O Facebook afirmou nesta quarta-feira que não deu acesso a dados pessoais de seus usuários a companhias sem a permissão deles. O comentário veio como resposta à reportagem publicada pelo jornal New York Times na véspera, dizendo que a rede social permitiu que gigantes da tecnologia tivessem um acesso muito maior às informações dos usuários do que ela tinha revelado anteriormente.

    O jornal publicou que o Facebook permitiu que o sistema de busca Bing, da Microsoft, acessasse nomes de praticamente todos os amigos dos usuários da rede social sem seu consentimento, citando registros internos que descrevem acordos de compartilhamento de dados que beneficiaram mais de 150 companhias.

    'Nenhuma destas parcerias deu às companhias acesso à informação sem permissão das pessoas. As parcerias também não violaram nosso acordo de 2012 com a FTC (agência de comércio dos Estados Unidos)', disse Konstantinos Papamiltiadis, diretor de plataformas e programas para desenvolvedores do Facebook.

    O Facebook assinou em 2012 acordo com a FTC depois de acusações de que a companhia estava enganando consumidores ao forçá-los a compartilhar mais informações pessoais do que pretendiam.

    O New York Times também publicou que o Facebook deu a companhias como Netflix NFLX.O e Spotify SPOT.N capacidade de ler mensagens privadas dos usuários e permitiu à Amazon obter nomes e informações de contato dos usuários por meio de seus amigos.

    'Em nenhum momento nós acessamos as mensagens privadas das pessoas no Facebook ou pedimos capacidade para fazer isso', disse um porta-voz da Netflix.

    A Netflix lançou em 2014 um recurso que permitiu aos seus assinantes recomendarem filmes e programas de TV para amigos no Facebook por meio do aplicativo Messenger ou do próprio aplicativo da Netflix. O porta-voz afirmou que a Netflix interrompeu o serviço em 2015 por não ser popular.

    O Facebook afirmou que o acesso destas companhias, conhecidas como parceiros de integração, teve como objetivo ajudar os usuários a acessarem suas contas na rede social ou recursos especiais em dispositivos e plataformas produzidos por outras empresas como Apple, Amazon, Blackberry e Yahoo.

    O recurso também ajudava os usuários a ver recomendações de seus amigos no Facebook em outros aplicativos populares como Netflix e Spotify.

    O Facebook disse que os usuários precisavam acessar suas contas para usar estes recursos oferecidos por empresas como Apple e Amazon.

    A rede social afirmou que interrompeu praticamente todas essas parcerias nos últimos meses, com exceção de Apple e Amazon, que têm em contratos ativos.

    Mais cedo neste mês, um parlamentar britânico divulgou documentos que revelaram que o Facebook ofereceu a algumas companhias, incluindo Netflix e Airbnb, acesso a dados sobre os amigos dos usuários que não havia tornado disponível para a maioria de outros aplicativos em 2015.

    (Por Philip George em Bangalore, Índia, e Gwenaelle Barzic, em Paris)

    0

    0

    19

    5 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Facebook remove 68 páginas e 43 contas ligadas a grupo que apoiaria Bolsonaro

    Facebook remove 68 páginas e 43 contas ligadas a grupo que apoiaria Bolsonaro

    SÃO PAULO (Reuters) - O Facebook anunciou nesta segunda-feira que excluiu da rede social 68 páginas e 43 contas ligadas ao grupo Raposo Fernandes Associados (RFA) que, de acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, usava as páginas para fazer campanha para o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro.

    Em nota em que anunciou a exclusão das contas e das páginas, o Facebook não cita o suposto apoio delas a Bolsonaro e afirmou que a exclusão se deu por conta de violação dos termos de uso da rede social, não pelo seu conteúdo.

    'Hoje, como parte de nossos esforços permanentes para proteger nossa comunidade e nossa plataforma de abusos, o Facebook Inc removeu 68 Páginas e 43 contas associadas ao grupo brasileiro Raposo Fernandes Associados (RFA), por violação de nossas políticas de autenticidade e de spam', informou a rede social, acrescentando que tem atuado 'arduamente para garantir a integridade da plataforma, com especial atenção em períodos eleitorais'.

    Segundo a rede social, as páginas ligadas ao grupo RFA criaram páginas usando contas falsas ou múltiplas contas com os mesmos nomes para publicar uma grande de artigos 'caça-cliques' para direcionar usuários para sites do grupo fora da rede social.

    'Nós baseamos nossa decisão de remover essas Páginas pelo comportamento delas – como o fato de que estavam usando contas falsas e repetidamente publicando spam -, e não pelo conteúdo que estavam postando. Esse comportamento foi detectado no Facebook, e não há sinais de abuso em nossos outros aplicativos', disse o Facebook.

    Neste mês, o jornal O Estado de S. Paulo publicou reportagem baseada em uma investigação em conjunto com a organização internacional de campanhas e mobilização social Avaaz afirmando que as páginas controladas pelo RFA eram uma rede pró-Bolsonaro na rede social que tinha um engajamento no site maior do que o de celebridades mundialmente famosas, como o jogador Neymar e a cantora Madonna.

    (Por Eduardo Simões)

    0

    0

    12

    7 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Facebook detecta violação de segurança que afetou 50 milhões de usuários

    Facebook detecta violação de segurança que afetou 50 milhões de usuários

    (Reuters) - O Facebook descobriu uma violação de segurança que afetou cerca de 50 milhões de contas de usuários, o que poderia permitir que hackers assumissem o controle das contas, informou a empresa nesta sexta-feira.

    A rede social, que tem mais de 2 bilhões de usuários ativos por mês, já corrigiu a vulnerabilidade e informou às autoridades competentes.

    Os invasores roubaram senhas de acesso ao Facebook através do recurso 'ver como', que eles poderiam usar para assumir as contas. O 'ver como' é uma ferramenta que permite aos usuários visualizar como seu perfil é apresentado para outra pessoa.

    'No momento, não temos nenhuma evidência que sugira que essas contas tenham sido comprometidas', disse o presidente-executivo, Mark Zuckerberg, numa publicação no Facebook.

    O Facebook redefiniu as senhas das 50 milhões contas afetadas. Como precaução, a empresa também redefiniu as senhas de outras 40 milhões de contas que usam a opção 'ver como' no último ano.

    Cerca de 90 milhões de pessoas terão que entrar novamente no Facebook ou em um dos aplicativos da empresa, como o Instagram, que usam a mesma senha do Facebook, informou a empresa.

    O Facebook também está desativando temporariamente o recurso 'ver como'.

    A empresa precisa continuar a desenvolver novas ferramentas para tornar suas contas mais seguras e evitar incidentes semelhantes, acrescentou Zuckerberg.

    No início do ano, a rede social se envolveu em um escândalo, após os dados de 87 milhões de usuários serem acessados ??indevidamente pela consultoria política Cambridge Analytica.

    Em 2013, o Facebook também divulgou uma falha de software que expôs 6 milhões de usuários e endereços de email a pessoal não autorizados por um ano, enquanto uma falha técnica em 2008 revelou datas de nascimento confidenciais de 80 milhões de usuários.

    (Por Munsif Vengattil)

    0

    0

    13

    7 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Facebook e Twitter depõem ao Congresso dos EUA sobre influencia política de estrangeiros

    Facebook e Twitter depõem ao Congresso dos EUA sobre influencia política de estrangeiros

    Por Patricia Zengerle

    WASHINGTON (Reuters) - Executivos do Facebook e Twitter defenderam suas empresas no Congresso dos Estados Unidos nesta quarta-feira sobre o que os legisladores veem como um fracasso no combate aos esforços estrangeiros para influenciar a política norte-americana.

    A vice-presidente de operações do Facebook, Sheryl Sandberg, que testemunhou ao lado do presidente-executivo do Twitter, Jack Dorsey, reconheceu ao Comitê de Inteligência do Senado que a empresa demorou a responder aos esforços russos para interferir na eleição norte-americana de 2016 e nas discussões políticas em geral nos EUA, mas insistiu que a empresa está melhorando.

    'Nós removemos centenas de páginas e contas envolvidas em comportamento não autêntico coordenado - o que significa que eles enganaram os outros sobre quem eram e o que estavam fazendo', disse Sandberg.

    Dorsey também descreveu a monitoração mais rígida do Twitter sobre o uso malicioso de sua plataforma, incluindo a notificação à polícia no mês passado de contas que pareciam estar localizadas no Irã. O executivo disse que a empresa suspendeu 770 contas por violar as políticas do Twitter.

    O Facebook, o Twitter e outras empresas de tecnologia estão na defensiva há muitos meses devido à atividade de influência política em suas plataformas, bem como às preocupações com a privacidade do usuário.

    'Infelizmente, o que eu descrevi como 'vulnerabilidade de segurança nacional' e 'risco inaceitável', em novembro, continua sem solução', disse o senador Richard Burr, presidente do comitê.

    Antes da audiência, o presidente norte-americano, Donald Trump, sem dar provas, acusou as próprias redes sociais de interferirem nas eleições de novembro, dizendo ao jornal Daily Caller que as empresas de mídia social são 'superliberais'.

    A audiência pesava nas ações das companhias, com os papéis do Twitter em baixa de quase 5 por cento e os do Facebook cedendo 1,7 por cento por volta das 13:05 (horário de Brasília).

    Executivos das empresas, que repetidamente negaram o viés político, viajaram várias vezes a Washington para testemunhar no Congresso, incluindo 10 horas de depoimento do presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, durante dois dias em abril.

    O Comitê de Inteligência do Senado está estudando os esforços russos para influenciar a opinião pública norte-americana durante a presidência de Trump, depois que as agências de inteligência dos EUA concluíram que entidades apoiadas pelo Kremlin buscaram aumentar suas chances de conquistar a Casa Branca em 2016.

    (Por Patricia Zengerle)

    0

    0

    32

    8 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Facebook e Twitter desmantelam campanhas ligadas ao Irã e à Rússia

    Facebook e Twitter desmantelam campanhas ligadas ao Irã e à Rússia

    Por Paresh Dave e Christopher Bing

    SAN FRANCISCO/WASHINGTON (Reuters) - Facebook, Twitter e Alphabet removeram coletivamente centenas de contas ligadas a uma suposta operação de propaganda iraniana na terça-feira, e o Facebook também desmantelou uma segunda campanha que estaria ligada à Rússia.

    O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, disse que as contas identificadas na plataforma de sua empresa fazem parte de duas campanhas distintas, a primeira do Irã, com alguns laços com a mídia estatal, e a segunda ligada a fontes que Washington identificou anteriormente como dos serviços de inteligência militar russa.

    Autoridades no Irã, onde é feriado para celebrar o festival muçulmano Eid al-Adha, não estavam imediatamente disponíveis para comentar. Moscou nega repetidamente o uso de hackers ou contas falsas nas redes sociais para influenciar as eleições estrangeiras. A embaixada russa em Washington não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

    O movimento do Facebook e outros é a mais recente tentativa das gigantes globais de mídia social para se protegerem contra a interferência política em suas plataformas. As medidas foram tomadas em meio a preocupações com as tentativas estrangeiras de perturbar as eleições dos EUA em novembro.

    Os Estados Unidos acusaram 13 russos no início do ano por supostas tentativas de interferir na política dos EUA, mas a mais recente atividade iraniana, denunciada pela empresa de segurança cibernética FireEye, sugere que o problema pode estar mais difundido.

    'Isso mostra que não é apenas a Rússia que se envolve nesse tipo de atividade', disse Lee Foster, analista de operações de informação da FireEye, à Reuters.

    A FireEye disse que a campanha iraniana usou uma rede de sites de notícias falsas e personagens fraudulentos de mídias sociais fraudulentas espalhadas pelo Facebook, Instagram, Twitter, Google Plus e YouTube, para espalhar narrativas de acordo com os interesses de Teerã.

    A missão iraniana na Organização das Nações Unidas (ONU) não respondeu a um pedido de comentário.

    A atividade foi dirigida a usuários nos Estados Unidos, Grã-Bretanha, América Latina e Oriente Médio até este mês, disse Fireye, e incluiu 'temas anti-sauditas, anti-israelenses e pró-palestinos', bem como a defesa de políticas favorável ao Irã, como o acordo nuclear EUA-Irã.

    A FireEye disse que a atividade iraniana não parece ser 'dedicada' a influenciar as próximas eleições, apesar de alguns das publicações destinadas a usuários dos EUA adotarem 'identidades esquerdistas' e tomarem posições contra o presidente Donald Trump.

    Essa atividade 'poderia sugerir uma tentativa mais ativa de influenciar o discurso político interno dos EUA' está próxima, disse Foster, mas 'nós ainda não vimos isso'.

    0

    0

    32

    9 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Facebook identifica campanha coordenada de influência política em suas plataformas

    Facebook identifica campanha coordenada de influência política em suas plataformas

    (Reuters) - O Facebook identificou uma campanha coordenada de influência política por meio de dezenas de contas não autênticas em sua plataforma antes das eleições de novembro nos Estados Unidos, informou a empresa nesta terça-feira.

    A rede social afirmou que removeu 32 páginas e contas do Facebook e do Instagram por estarem envolvidas em 'comportamento não autêntico coordenado'.

    A empresa disse que ainda está nos estágios iniciais da investigação e ainda não sabe quem está por trás da campanha de influência para as eleições de 2018, que vai determinar se o Partido Republicano mantém o controle do Congresso.

    A vice-presidente de operações do Facebook, Sheryl Sandberg, disse a jornalistas que as tentativas de manipular a opinião pública provavelmente se tornariam mais sofisticadas para evitar o escrutínio da rede social, chamando o movimento de 'corrida armamentista'.

    'Esse tipo de comportamento não é permitido no Facebook porque não queremos que pessoas ou organizações que criam redes de contas enganem os outros sobre quem são ou o que estão fazendo', disse a empresa.

    Mais de 290 mil contas seguiram pelo menos uma das páginas e cerca de 11 mil dólares foram gastos em cerca de 150 anúncios, disse a empresa. As páginas criaram cerca de 30 eventos desde maio de 2017.

    QUESTÕES DIVISIVAS

    O Facebook identificou atividade de influência em torno de pelo menos duas questões, incluindo um protesto em oposição a manifestação 'Unite the Right II', marcada para a próxima semana em Washington. A outra foi a campanha #AbolishICE, contra a política de imigração do presidente Donald Trump. A rede social disse que diria aos usuários que manifestaram interesse no contra-protesto quais ações foram tomadas e porquê.

    O Facebook disse que estava revelando o esforço de influência agora em parte por causa das manifestações. Um evento no ano passado na Carolina do Sul levou à violência de supremacistas brancos.

    Funcionários do Facebook disseram que uma conta conhecida da Agência de Pesquisa da Internet da Rússia foi co-administradora de uma das páginas falsas por sete minutos, mas a empresa não acredita que isso seja evidência suficiente para atribuir a campanha ao governo russo.

    Antes, a empresa já havia dito que 126 milhões de norte-americanos podem ter visto conteúdo político apoiado por russos no Facebook durante um período de dois anos, e que 16 milhões podem ter sido expostos a informações russas no Instagram.

    Um braço de propaganda russo tentou adulterar a eleição de 2016 nos EUA, publicando e comprando anúncios no Facebook, segundo a empresa e as agências de inteligência norte-americanas. Moscou negou envolvimento.

    Nos últimos meses, a empresa tomou medidas para garantir aos legisladores dos EUA e da Europa que a regulamentação adicional é desnecessária. O diretor executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, diz que a empresa tem 20 mil pessoas trabalhando para policiar e proteger o local.

    Os custos associados a esse esforço são parte do motivo pelo qual o Facebook disse na semana passada que espera que suas margens de lucro caiam, um alerta que fez as ações caírem cerca de 25 por cento, a maior perda de valor de mercado da história do mercado de ações nos EUA.

    (Por Munsif Vengattil)

    0

    0

    30

    9 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Facebook retira do ar rede ligada ao MBL antes das eleições

    Facebook retira do ar rede ligada ao MBL antes das eleições

    Por Brad Haynes

    SÃO PAULO (Reuters) - O Facebook retirou do ar nesta quarta-feira uma rede de páginas e contas usadas por membros do grupo ativista de direita Movimento Brasil Livre (MBL), reprimindo o que chamou de uma rede de perfis enganosos antes das eleições de outubro. O Facebook disse em um comunicado que desativou 196 páginase 87 contas no Brasil por sua participação em 'uma rede coordenada que se ocultava com o uso de contas falsas no Facebook, e escondia das pessoas a natureza e a origem de seu conteúdo com o propósito de gerar divisão e espalhar desinformação”.

    O comunicado não identifica as páginas ou usuáriosenvolvidos, e um representante do Facebook se negou a identificá-los. Fontes disseram à Reuters, entretanto, que a rede era administrada por membros importantes do MBL.

    O MBL disse, posteriormente, em comunicado compartilhado no Twitter, que diversos de seus coordenadores haviam sido afetados, confirmando a reportagem da Reuters.

    O grupo ganhou destaque ao liderar protestos em 2016 pelo impeachment da então presidente Dilma Roussefff com um estilo agressivo de política online que ajudou a polarizar o debate no Brasil.

    O comunicado do MBL criticou o Facebook por desativar as contas de diversos coordenadores do grupo sem fornecer explicação, afirmando que alguns dos perfis retirados do ar possuíam nomes e informações verdadeiras dos membros.

    'Mas, como ao contrário do Facebook, liberdade de expressão e democracia são pilares do MBL, iremos utilizar todos os recursos midiáticos, legais e políticos que a democracia nos oferece para recuperar as páginas derrubadas e reverter a perseguição sofrida', disse o grupo.

    O Ministério Público Federal em Goiás pediu explicações ao Facebook sobre a remoção de páginas e perfis de sua rede social, e deu prazo de 48 horas para que 'envie a relação de todas as páginas e perfis removidos e a justificativa fática específica para a exclusão', de acordo com comunicado do MPF.

    O Facebook se negou a comentar o pedido do MPF e as críticas do MBL.

    As páginas desativadas, que juntas tinham mais de meiomilhão de seguidores, variavam de notícias sensacionalistas atemas políticos, com uma abordagem claramente conservadora, comnomes como Jornalivre e O Diário Nacional.

    Ao deturpar o controle compartilhado das páginas, os membros do MBL eram capazes de divulgar suas mensagens coordenadas como se as notícias viessem de diferentes veículos de comunicação independentes, de acordo com as fontes.

    O Facebook disse que retirou a rede do ar no Brasil após uma 'rigorosa investigação' porque os perfis envolvidos eram falsos ou enganadores, violando sua política de autenticidade.

    A rede social tem um conjunto separado de ferramentas para combater a disseminação de notícias falsas com a ajuda de empresas externas de checagem de fatos.

    O Facebook tem enfrentado pressão para combater as contasfalsas e outros tipos de perfis enganosos em sua rede. No ano passado, a empresa reconheceu que sua plataformahavia sido usada para o que chamou de 'operações de informação'que usaram perfis falsos e outros métodos para influenciar aopinião pública durante a eleição norte-americana de 2016, eprometeu combater as fake news. Agências de inteligência dos Estados Unidos afirmam que ogoverno russo realizou uma campanha online para influenciar aseleições no país, e casos de grupos políticos que usam a redesocial para enganar as pessoas têm surgido pelo mundo desdeentão. Não há indicação de envolvimento estrangeiro na rede do MBLtirada do ar nesta quarta-feira, de acordo com as fontes. (Reportagem adicional de Laís Martins)

    0

    0

    46

    9 M

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. facebook

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.