alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE ir

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Paulo Guedes concordou em estudar atualização da tabela do IR, diz porta-voz

    Paulo Guedes concordou em estudar atualização da tabela do IR, diz porta-voz

    BRASÍLIA (Reuters) - O porta-voz da Presidência, general Otávio do Rêgo Barros, informou nesta segunda-feira que o ministro da Economia, Paulo Guedes, concordou em estudar uma atualização da tabela do Imposto de Renda pela inflação, como deseja o presidente Jair Bolsonaro, para ser implementada 'no devido momento'.

    Em entrevista à rádio Bandeirantes, no último domingo, o presidente afirmou que já havia pedido a mudança ao ministro e que seria implementada este ano. A tabela não é corrigida desde 2016.

    'O presidente identifica acreditar que é possível que a inflação deste ano de 2019 possa ser considerada na elaboração da tabela do IR no ano que vem', disse o porta-voz, complementando que o assunto foi tratado nesta segunda em audiência do presidente com o ministro da Fazenda.

    Fontes da área econômica, no entanto, disseram à Reuters que não há espaço fiscal para atualização da tabela do IR.

    O porta-voz comentou ainda sobre a decisão dos Estados Unidos de aumentar as tarifas de importação de produtos chineses, o que levou à queda das bolsas em todo mundo, inclusive no Brasil.

    Segundo o general, o presidente espera que os dois países, principais parceiros comerciais brasileiros, 'resolvam suas diferenças' e que mesmo eventuais benefícios para os produtos brasileiros em um momento inicial, no longo prazo podem se transformar em danos para todos.

    (Reportagem de Lisandra Paraguassu)

    0

    0

    21

    1 S

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Bolsonaro anuncia aumento do IOF e fala em redução de maior alíquota do IR para 25%

    Bolsonaro anuncia aumento do IOF e fala em redução de maior alíquota do IR para 25%

    BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro disse que a alíquota do IOF será elevada para compensar a prorrogação de benefícios fiscais às Regiões Norte e Nordeste no fim do ano passado, ao mesmo tempo que afirmou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, pode anunciar nesta sexta-feira uma redução na alíquota do Imposto de Renda.

    'Foi assinado decreto nesse sentido (elevação do IOF), mas para quem tem aplicações lá fora, para poder cumprir uma exigência do projeto aprovado como pauta-bomba, contra nossa vontade', disse o presidente a jornalistas após cerimônia de transmissão de cargo ao novo comandante da Aeronáutica, na Base Aérea de Brasília.

    'Infelizmente fui obrigado a tomar essa decisão. Se eu sanciono sem isso, eu incorro na Lei de Responsabilidade Fiscal', explicou, acrescentando que a elevação no IOF será 'uma fração mínima'. Segundo ele, 'não haverá mais majoração da carga tributária.'

    Sobre o IR, ele disse que a alíquota mais alta, hoje em 27,5 por cento, passaria para 25 por cento.

    A declaração de que o teto da tributação sobre a renda será mais baixo que o atualmente existente vem após o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, ter defendido uma redução das alíquotas do IR para empresas e para pessoas físicas, mas também a criação de alíquotas adicionais para os detentores de rendas maiores.

    (Reportagem de Lisandra Paraguassu e Anthony Boadle)

    0

    0

    53

    4 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Em entrevista, Bolsonaro chama proposta de Paulo Guedes para Imposto de Renda de 'ousada'

    Em entrevista, Bolsonaro chama proposta de Paulo Guedes para Imposto de Renda de 'ousada'

    (Reescreve o 4º parágrafo para esclarecer que candidato disse que terá alta até fim do mês)

    BRASÍLIA (Reuters) - O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, classificou nesta segunda-feira como 'ousada' a proposta do seu principal assessor econômico, Paulo Guedes, para a mudança na forma de cobrança do Imposto de Renda para pessoa física.

    Em entrevista à rádio Jovem Pan no hospital Albert Einstein, Bolsonaro detalhou a sugestão do economista, que é isentar do pagamento do IR para as pessoas que ganham até cinco salários mínimos e que acima desse valor seria cobrado uma alíquota única de 20 por cento.

    O candidato admite que a proposta --que não está fechada e ainda poderá ser alterada-- levaria a União a perder arrecadação, mas isso daria um 'gás' na economia.

    'A proposta do Paulo Guedes para o Imposto de Renda eu até falei para ele, 'você está sendo ousado'. A proposta dele é o seguinte: quem ganha até cinco salários mínimos, não paga Imposto de Renda e dali para a frente uma alíquota única de 20 por cento. A União perderia arrecadação sim, mas o gás que você daria às empresas, aos comerciantes, produtores rurais para empregar gente, desonerando a folha de pagamento, compensa e muito', explicou.

    O candidato disse que a Inglaterra fez um plano semelhante ao sugerido por Guedes 20 anos atrás e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, também adotou a mesma estratégia.

    Internado desde o dia 6 e após passar por cirurgias para se recuperar do ataque a faca que sofreu, Bolsonaro afirmou que vai ter alta médica até dia 30 deste mês. Ele admitiu, no entanto, que mesmo após deixar o hospital não vai fazer campanha na rua, mas deverá, a partir do dia 1º de outubro, fazer transmissões ao vivo em redes sociais.

    Bolsonaro disse que, se eleito, vai adotar a competência como critério para a composição do seu ministério, não indicações partidárias. Destacou, por exemplo, que o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que é um dos principais articuladores da sua campanha, é um ótimo nome para comandar a Casa Civil, não por sua filiação partidária, mas pela competência.

    ATENTADO

    O candidato do PSL --que tem liderado as pesquisas de intenção de voto ao Palácio do Planalto-- disse não acreditar que o autor do ataque a facadas contra ele, Adélio Bispo de Oliveira, tenha agido sozinho. Essa é a principal linha de apuração da Polícia Federal, que conduz investigação sobre o caso.

    O presidenciável afirmou que Adélio foi cumprir uma missão e levantou questionamentos sobre a investigação conduzida pela PF. Ele insinuou que o delegado da PF que atua no caso parece que age para 'abafar' a apuração.

    'Realmente o depoimento (do delegado da PF) é para abafar o caso. Eu lamento o que eu ouvi ele falando, dá a entender que age, em parte, como uma defesa do criminoso. Isso não pode acontecer. Não quero que inventem um responsável, longe disso', disse ele, ao argumentar que a investigação do mesmo caso conduzida pela Polícia Civil de Juiz de Fora (MG), onde ocorreu o atentado, está 'bem mais avançada' que a da PF.

    O candidato disse que foi vítima de um atentado político com o objetivo de tirá-lo da disputa presidencial. Comparou a estocada à faca que sofreu a um soco ou a uma pedrada e que 'aconteceu vários milagres' para estar vivo. Citou que, por questão de milímetros, o golpe não atingiu veias que não lhe dariam 'condições de resistir'.

    Bolsonaro afirmou que sempre havia esse temor de ser alvo de um ataque e que isso cresceu à medida que ele registrou um aumento nas pesquisas de intenção de voto. Disse que seu maior temor era deixar a filha de 7 anos.

    Segundo o presidenciável, se eleito, vai trabalhar para igualar a pena de tentativa de assassinato à de um assassinato e que buscará acabar com o regime de progressão de pena. Ele rebateu a alegação de que seu discurso inflamado teria levado ao ataque.

    'Exatamente ao contrário, sou vítima daquilo que combato', disse. 'Prefiro a cadeia cheia de vagabundo do que o cemitério cheio de inocente', completou.

    RISCO

    O candidato do PSL também rebateu as alegações de críticos de que ele representaria um risco à democracia. Afirmou que, em vez disso, ele é um risco aos 'esquemas' de quem faz essas afirmações.

    Bolsonaro destacou que não vai haver indicações políticas para o BNDES e que as estatais consideradas ociosas serão todas privatizadas, ressalvando na entrevista que o Banco do Brasil BBAS3.SA e Caixa, por serem consideradas por ele estratégicas, estão 'fora de cogitação'.

    (Reportagem de Ricardo Brito)

    0

    0

    177

    7 M

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. ir

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.