alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE preso

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Ex-governador do Paraná Beto Richa é preso pela terceira vez

    Ex-governador do Paraná Beto Richa é preso pela terceira vez

    (Reuters) - O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) foi preso nesta terça-feira no âmbito de uma investigação do Ministério Público do Paraná que investiga desvios em repasses para a construção de escolas no Estado, na terceira em vez que o político é preso em seis meses.

    De acordo com o MP paranaense, o ex-governador (2011 a 2018) foi detido ao lado de outras duas pessoas em operação deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), em desdobramento da operação Quadro Negro.

    A defesa de Richa afirmou que a determinação de prisão 'não traz qualquer fundamento', uma vez que os fatos são antigos e que todos os esclarecimentos necessários foram feitos. Segundo o advogado de Richa, Guilherme Brenner Lucchesi, 'as fraudes e desvios cometidos em obras de construção e reforma de colégios da rede pública de ensino foram descobertos e denunciados pela própria gestão do ex-governador'.

    Essa é a terceira prisão de Richa desde setembro do ano passado, quando ele foi preso pela primeira vez no âmbito de investigação do MP por suspeita de direcionamento de licitação e pagamento de propina em programa para recuperar e modernizar estradas rurais paranaenses.

    Após ser solto por determinação do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), Richa voltou a ser preso em janeiro, desta vez em decorrência de investigação da operação Lava Jato sobre recebimento de propina. Ele havia sido novamente solto no início de fevereiro, dessa vez por ordem do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

    (Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

    0

    0

    18

    1 D

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Ex-tesoureiro do Vaticano é condenado a 6 anos de prisão por abusos sexuais de meninos de coral

    Ex-tesoureiro do Vaticano é condenado a 6 anos de prisão por abusos sexuais de meninos de coral

    Por Sonali Paul

    MELBOURNE (Reuters) - O cardeal George Pell, ex-tesoureiro do Vaticano, foi condenado a 6 anos de prisão, nesta quarta-feira, por abusar sexualmente de dois meninos de um coral de Melbourne nos anos 1990, e ficará registrado como criminoso sexual pelo resto da vida.

    O juiz Peter Kidd, chefe do tribunal do condado de Vitória e que pronunciou a sentença ao vivo pela televisão, disse haver uma possibilidade concreta de que Pell, estando com 77 anos, passe o resto da vida na prisão.

    O cardeal, que foi um dos principais assessores do papa Francisco, é o católico mais graduado a ser condenado por abuso sexual infantil.

    Sua queda leva ao cerne da administração papal um escândalo de abusos que vem destruindo a credibilidade da Igreja nos Estados Unidos, Chile, Austrália e outros lugares nas últimas três décadas.

    'Em minha opinião, sua conduta foi permeada por uma arrogância surpreendente', disse Kidd ao comunicar a pena depois de Pell ser condenado por cinco acusações de abusos sexuais de duas crianças.

    'Vista como um todo, considero sua culpabilidade moral nos dois episódios alta', disse ele à sala de tribunal lotada.

    Pell, que compareceu à corte sem um colarinho de padre pela primeira vez durante o caso, não mostrou emoção durante a audiência de atribuição de pena, que durou mais de uma hora. Ele insiste ser inocente e entrou com um recurso que deve ser ouvido em junho.

    Os delitos contra dois meninos de 13 anos aconteceram após missas de domingo no final de 1996 e no início de 1997 em uma sala e um corredor da Catedral de São Patrício de Melbourne, onde Pell era arcebispo.

    Uma das vítimas morreu em 2014. A outra, que depôs e foi interrogada no julgamento, emitiu uma declaração por meio de seu advogado dizendo que tem dificuldade em encontrar consolo no veredicto no momento.

    'Ser testemunha de um caso criminal não tem sido fácil. Estou fazendo o melhor para preservar a mim mesmo e à minha família', disse a vítima, que não pode ser identificada por causa de uma lei australiana que protege a identidade de vítimas de abusos sexuais.

    Durante o julgamento, a vítima descreveu como Pell se expôs aos meninos, acariciou e masturbou seus órgãos genitais e forçou um deles a praticar sexo oral no cardeal.

    Um júri considerou Pell culpado de quatro acusações de atos indecentes e uma de penetração sexual. Ele corria o risco de enfrentar um máximo de 10 anos de prisão por cada acusação.

    0

    0

    13

    1 S

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Aliado de longa data de Trump é preso em investigação de procurador especial Mueller

    Aliado de longa data de Trump é preso em investigação de procurador especial Mueller

    Por Nathan Layne e Susan Heavey

    WASHINGTON (Reuters) - Roger Stone, um aliado de longa data e assessor de campanha do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi preso nesta sexta-feira, acusado de obstrução, manipulação de testemunhas e de fazer declarações falsas, de acordo com o indiciamento de um grande júri tornado público pelo escritório do procurador especial Robert Mueller.

    Stone, que afirmava repetidamente em entrevistas que provavelmente seria indiciado, deve comparecer a um tribunal federal em Fort Lauderdale, Flórida, ainda nesta sexta-feira, segundo o escritório de Mueller.

    Ele tem passado por minuciosa análise devido a seu apoio a Trump durante a campanha presidencial de 2016, quando insinuou que teve acesso a informações obtidas por hackers que poderiam envergonhar democratas, incluindo a adversária de Trump na disputa pela Casa Branca, Hillary Clinton.

    Stone, que foi indiciado na quinta-feira, enfrenta uma acusação de obstrução de procedimento oficial, cinco acusações por fazer declarações falsas e uma acusação de manipulação de testemunhas, de acordo com o escritório do procurador especial.

    De acordo com o indiciamento, Stone falou com autoridades da campanha de Trump sobre o que era chamado de Organização 1, e sobre “informações que poderia ter tido que seriam prejudiciais à campanha de Clinton”.

    A Organização 1 se enquadra em descrições do Wikileaks, destinado a publicar informações confidenciais fornecidas por fontes anônimas.

    Stone também foi “contatado por graduadas autoridades da campanha de Trump para questionar sobre futuras divulgações” da “Organização 1”, de acordo com o indiciamento.

    Além disso, Stone “tomou passos para obstruir” investigações de comitês de inteligência da Câmara dos Deputados e do Senado sobre a interferência da Rússia na eleição presidencial de 2016, segundo procuradores.

    Stone “enviou e recebeu diversos emails e mensagens de texto durante a campanha de 2016 nos quais ele discutiu a Organização 1, sua liderança, e sua posse de emails hackeados”.

    Stone ainda possuía diversas dessas comunicações quando deu falso testemunho sobre elas, afirmaram procuradores no indiciamento.

    Ele também tentou convencer uma testemunha a prestar depoimento falso e a omitir informações das investigações parlamentares, segundo o indiciamento.

    O senador Mark Warner, o principal democrata do Comitê de Inteligência do Senado, não tinha comentário de imediato, de acordo com assessor. Representantes dos líderes dos dois comitês parlamentares que interrogaram Stone não puderam ser encontrados de imediato para comentar.

    (Reportagem de Susan Heavey, Nathan Layne, Mark Hosenball e Ginger Gibson)

    0

    0

    11

    1 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Beto Richa é preso na 58ª fase da operação Lava Jato

    Beto Richa é preso na 58ª fase da operação Lava Jato

    Por Ricardo Brito

    BRASÍLIA (Reuters) - A Justiça do Paraná atendeu pedido de procuradores da força-tarefa da operação Lava Jato e determinou a prisão preventiva do ex-governador Beto Richa (PSDB), citando na decisão indícios suficientes de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

    O tucano foi preso em casa às 7h nesta sexta-feira, informou a Justiça Federal do Paraná.

    O juiz substituto Paulo Sergio Ribeiro também atendeu a pedido para apreensão de celulares de Richa e quebra de sigilo dos dados armazenados nos aparelhos.

    As decisões também valem para o contador Dirceu Pupo Ferreira.

    'De acordo com as investigações, o ex-governador Beto Richa

    foi beneficiário de pelo menos 2,7 milhões de reais em propinas

    pagas em espécie pelas concessionárias de pedágio do Paraná e

    por outras empresas que mantinham interesses no governo',

    afirmou o Ministério Público Federal do Paraná em comunicado.

    'A prisão se mostrou imprescindível em razão da recente

    tentativa comprovada de obstrução das investigações pelos

    envolvidos. A apuração demonstrou que, em agosto de 2018, a fim

    de impedir que o esquema fosse descoberto, Dirceu Pupo Ferreira,

    agindo a mando de Beto Richa, procurou um dos corretores de

    imóveis que intermediou a negociação de salas comerciais e

    solicitou que, caso fosse intimado a depor pela investigação,

    ocultasse a existência de pagamentos em espécie por fora',

    acrescentou o MPF.

    A defesa de Richa afirmou, em nota oficial, que os fatos que levaram à prisão do ex-governador são antigos e foram devidamente esclarecidos por ele. Segundo a defesa, o pedido se lastreia em 'ilações do MPF, exclusivamente suportadas em falsas e inverídicas informações prestadas em sede de colaboração premiada, por criminosos confessos'.

    'Em síntese, a prisão se baseia em fatos absolutamente requentados, carentes de qualquer comprovação e sobre os quais o Supremo Tribunal Federal já decidiu, no sentido de que os mesmos não justificam a decretação de prisão', acrescentou.

    O PSDB disse, também em nota, que prefere aguardar os desdobramentos das investigações, mas reiterou 'seu apoio e confiança na Justiça brasileira, na expectativa de que o ex-governador Beto Richa consiga provar sua inocência'.

    No ano passado, em meio à campanha eleitoral, Richa chegou a ser alvo numa investigação estadual sobre suspeita de envolvimento em um esquema de superfaturamento de contratos para manutenção de estradas rurais em troca de propina. Posteriormente foi solto por ordem do Supremo Tribunal Federal, mas não conseguiu se eleger senador pelo Paraná.

    (Reportagem adicional de Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

    0

    0

    21

    1 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Polícia dos EUA prende jornalista de TV estatal do Irã, diz emissora

    Polícia dos EUA prende jornalista de TV estatal do Irã, diz emissora

    DUBAI (Reuters) - A polícia norte-americana prendeu uma jornalista nascida nos Estados Unidos que trabalha para a rede de televisão iraniana Press TV, reportou a emissora estatal do Irã nesta quarta-feira.

    Segundo a Press TV, Marziyeh Hashemi foi detida no aeroporto internacional de St. Louis-Lambert, no Missouri, no domingo, e está sendo mantida sob custódia em Washington. Nenhuma acusação formal foi feita contra a repórter.

    Autoridades do FBI não estavam disponíveis de imediato para comentar o caso.

    Marziyeh, âncora de TV e documentarista, estava nos Estados Unidos para visitar sua família, afirmou a Press TV, e pôde ligar para sua filha dois depois de ser presa.

    De acordo com a emissora iraniana, Marziyeh se chamava Melanie Franklin nos Estados Unidos e mudou de nome após se converter para o islã.

    A jornalista afirmou estar sendo impedida de cumprir o código de vestuário islâmico na prisão e que só recebeu refeições contendo porco, o que é proibido pelo islã, segundo a Press TV.

    A única coisa que comeu durante os últimos dois dias foi um “pacote de biscoito”, disse Marziyeh, de acordo com a emissora iraniana.

    A Reuters não pôde verificar de maneira independente os relatos sobre o tratamento à jornalista.

    Marziyeh vivia no Irã há mais de uma década, reportaram diversas mídias iranianas.

    A jornalista já produziu diversas reportagens sobre a discriminação de mulheres, muçulmanos e afro-americanos nos Estados Unidos.

    (Reportagem de Parisa Hafezi e Bozorgmehr Sharafedin; Reportagem adicional de Andrew Hey em Taos, Novo Mexico)

    0

    0

    11

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Ghosn tem nova ordem de prisão por suspeita de empurrar prejuízo de US$16,6 mi para Nissan

    Ghosn tem nova ordem de prisão por suspeita de empurrar prejuízo de US$16,6 mi para Nissan

    Por Kiyoshi Takenaka

    TÓQUIO (Reuters) - Procuradores japoneses apresentaram um novo pedido de prisão para o ex-presidente do conselho de administração da Nissan Carlos Ghosn, nesta sexta-feira, por suspeita de ter empurrado para a Nissan um prejuízo de 16,6 milhões de dólares em investimentos particulares, minimizando as chances de o executivo ser solto sob pagamento de fiança.

    Os procuradores também fizeram buscas na residência de Ghosn em Tóquio nesta sexta-feira, de acordo com a emissora TV Asahi.

    O novo acontecimento em uma saga que abalou a indústria automobilística global, em especial a aliança da Nissan com a francesa Renault, ocorre um dia após um tribunal de Tóquio ter rejeitado um pedido dos procuradores para renovar a prisão de Ghosn.

    A decisão do tribunal havia aberto a possibilidade de o empresário ser solto nesta sexta-feira sob pagamento de fiança, mas a nova ordem de prisão significa que ele deve permanecer detido em Tóquio por pelo menos mais 10 dias.

    Ghosn está preso desde o mês passado, inicialmente por suspeita de fraude fiscal.

    O advogado do executivo, Motonari Otsuru, não estava disponível para comentar a decisão desta sexta-feira.

    Segundo a emissora pública japonesa NHK, o ex-chefe da Nissan prometeu restaurar seu nome no tribunal após um mês na detenção.

    'As coisas como estão são absolutamente inaceitáveis', teria dito Ghosn ao seu advogado. 'Eu quero ter minha posição ouvida e restaurar minha honra no tribunal.'

    Foi o primeiro comentário de Ghosn desde sua prisão em 19 de novembro por supostamente omitir cerca de metade de seu rendimento em um período de cinco anos a partir de 2010. Ele foi posteriormente acusado por supostamente cometer o mesmo crime nos últimos três anos.

    (Reportagem de Kiyoshi Takenaka, Ritsuko Ando, Tim Kelly, Linda Sieg e Malcolm Foster; Reportagem adicional de Gilles Guillaume em Paris)

    0

    0

    12

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia PF prende governador Luiz Fernando Pezão por esquema de corrupção no RJ

    PF prende governador Luiz Fernando Pezão por esquema de corrupção no RJ

    Por Pedro Fonseca

    RIO DE JANEIRO (Reuters) - O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB), foi preso pela Polícia Federal nesta quinta-feira por suspeita de receber ao menos 39 milhões de reais em propina em valores atualizados, em mais um desdobramento das investigações da operação Lava Jato sobre um gigantesco esquema de corrupção no Estado.

    A Procuradoria-Geral da República (PGR), que apresentou a petição ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) que resultou na chamada operação Boca de Lobo, afirmou que Pezão integra o núcleo político de uma organização criminosa que cometeu vários crimes contra a administração pública, com destaque para corrupção e lavagem de dinheiro, ao longo dos últimos anos.

    Segundo a procuradora-geral, Raquel Dodge, o governador assumiu a liderança do esquema de corrupção no Estado após a prisão do ex-governador Sérgio Cabral, que coordenava o esquema anteriormente, e continuou a cometer crimes apesar do andamentos das investigações, em especial a lavagem do dinheiro obtido de forma ilegal.

    'Mesmo depois das prisões já feitas em relação aos que lideravam até recentemente esse esquema criminoso, houve uma nova liderança, e é nessa perspectiva que reponta a atuação do atual governador do Rio de Janeiro, que assume a liderança desse esquema e nele inclui novos atores, o que evidencia que houve uma sucessão com novos participantes sob uma nova liderança', disse Dodge em entrevista coletiva na sede da PGR, em Brasília.

    Além de Pezão, outras oito pessoas tiveram a prisão decretada por envolvimento no esquema, incluindo secretários do governo estadual fluminense, empresários e pessoas ligadas a Pezão. Foram expedidos ainda 30 mandados de busca e apreensão nas cidades do Rio de Janeiro, Piraí, Juiz de Fora, Volta Redonda e Niterói.

    A investigação teve como base acordo de delação premiada de Carlos Miranda, apontado como principal operador do esquema milionário de corrupção comandado por Cabral, de quem Pezão foi secretário de Obras e vice-governador entre 2007 e 2014. Cabral está preso desde novembro de 2016 condenado em diversas ações de corrupção.

    De acordo com a PGR, investigações revelaram que Pezão operou um esquema de corrupção próprio, e o pedido de prisão teve como objetivo interromper a prática de atividade criminosa.

    'A novidade é que ficou demonstrado ainda que, apesar de ter sido homem de confiança de Sérgio Cabral e assumido papel fundamental naquela organização criminosa, inclusive sucedendo-o na sua liderança, Luiz Fernando Pezão operou esquema de corrupção próprio, com seus próprios operadores financeiros”, disse a PGR em comunicado.

    O governador nega as acusações. “Óbvio que eu nego tudo“, disse Pezão, escoltado por agentes da Polícia Federal, antes de deixar a sede da PF em direção a um presídio.

    Para a PGR, a prisão do governador era necessária porque, solto, Pezão poderia dificultar a recuperação de valores desviados, além de dissipar o patrimônio adquirido por meio de prática criminosa.

    Segundo o Ministério Público Federal, há registros documentais do pagamento em espécie a Pezão de mais de 25 milhões de reais no período de 2007 a 2015, o que equivale a pouco mais de 39 milhões de reais em valores atualizados --quantia que foi alvo de sequestro determinado pelo STJ.

    O governo do Rio de Janeiro informou, em nota, que o vice-governador Francisco Dornelles assumiu a chefia do Poder Executivo após a prisão de Pezão, de acordo com a Constituição estadual.

    'O governador em exercício afirma que o Governo do Estado do Rio de Janeiro manterá todas as ações previstas no Regime de Recuperação Fiscal (RRF) e dará prosseguimento aos trabalhos de transição de governo, reiterando o seu maior interesse na manutenção do bom relacionamento com os demais Poderes do Estado', informou o governo.

    Pezão, de 63 anos, tomou posse como governador em abril de 2014 depois que Cabral renunciou ao cargo, e foi reeleito naquele mesmo ano. Em 2016, o governador ficou 6 meses afastado para passar por tratamento de um câncer, e ao retornar negociou um acordo de recuperação fiscal com o governo federal para aliviar a crise financeira atravessada pelo Rio de Janeiro.

    O governador eleito do Rio, Wilson Witzel (PSC), que tomará posse em 1º de janeiro, disse em nota após a prisão de Pezão que a transição não será afetada.

    (Reportagem adicional de Rodrigo Viga Gaier, no Rio de Janeiro, e Ricardo Brito, em Brasília)

    0

    0

    24

    3 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Morador da Flórida é preso em inquérito sobre bombas enviadas a críticos de Trump

    Morador da Flórida é preso em inquérito sobre bombas enviadas a críticos de Trump

    Por Zachary Fagenson e Bernie Woodall

    PLANTATION, Estados Unidos (Reuters) - Agentes do FBI prenderam um morador do Estado norte-americano da Flórida suspeito de ter enviado mais de uma dúzia de pacotes-bomba a críticos destacados do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, dias antes das eleições parlamentares.

    Agentes do FBI usaram DNA e impressão digital para identificar Cesar Sayoc, que foi acusado de cinco crimes, incluindo ameaças contra ex-presidentes, e pode pegar até 48 anos de prisão se for considerado culpado, disse o secretário de Justiça, Jeff Sessions, em entrevista coletiva.

    'Não vamos tolerar essa ilegalidade, especialmente a violência política', declarou Sessions.

    Os agentes que levaram Sayoc sob custódia em Plantation, cidade próxima de Fort Lauderdale, também apreenderam uma van branca repleta de adesivos pró-Trump, o slogan 'A CNN FEDE' e imagens de figuras democratas com miras vermelhas nos rostos.

    Uma fonte das forças de segurança federais disse que a van pertence a Sayoc. Duas testemunhas disseram à Reuters que ouviram uma detonação alta quando ele foi detido no estacionamento de uma loja AutoZone.

    Ao anunciar a prisão feita pelo FBI a uma plateia entusiasmada na Casa Branca, Trump disse que tais 'atos aterrorizantes' são desprezíveis e não têm vez nos EUA.

    'Jamais devemos permitir que a violência política se enraíze na América – não podemos deixar que aconteça', disse ele. 'E estou comprometido a fazer tudo em meu poder, como presidente, para impedi-lo, e impedi-lo já'.

    De acordo com registros públicos, Sayoc é um republicano registrado e foi preso várias vezes ao longo dos anos, uma delas acusado de fazer uma ameaça de bomba.

    Ninguém assumiu responsabilidade pelos pacotes-bomba enviados ao ex-presidente Barack Obama e outros, o que as autoridades descreveram como um ato de terrorismo. O episódio ocorreu a menos de uma quinzena de eleições parlamentares que podem alterar o equilíbrio de poder em Washington.

    Mais quatro pacotes suspeitos foram encontrados nesta sexta-feira, segundo autoridades e reportagens, elevando o total para 14. Nenhum dos artefatos detonou e não há relatos de ferimentos.

    Entre os destinatários dos pacotes descobertos nesta sexta-feira estão Cory Booker, senador norte-americano de Nova Jersey, James Clapper, ex-diretor da Inteligência Nacional, Kamala Harris, senadora democrata da Califórnia, e Tom Steyer, um doador democrata.

    Horas depois de uma autoridade das forças da lei federais dizer que o foco da investigação na Flórida havia se intensificado, a polícia fechou ruas ao redor do estacionamento da loja AutoZone de Plantation onde Sayoc foi preso, e helicópteros sobrevoavam o local.

    Todas as pessoas visadas são difamadas frequentemente por críticos de direita. Os pacotes descobertos mais cedo nesta semana foram endereçados a Obama, Joe Biden (seu ex-vice), Hillary Clinton (ex-secretária de Estado e candidata presidencial), George Soros (bilionário doador do Partido Democrata), Eric Holder (ex-secretário de Justiça), John Brennan (ex-diretor da CIA), Maxine Waters (deputada da Califórnia), e o ator Robert De Niro.

    Os críticos de Trump disseram que a retórica incendiária do presidente contra os democratas e a imprensa criou um clima de violência de motivação política.

    'Se não determos esta obsessão política, este fervor, rancor, ódio, vocês verão isto mais e mais vezes', disse o governador de Nova York, Andrew Cuomo, à rede MSNBC.

    (Reportagem adicional de Gina Cherelus, Gabriella Borter e Peter Szekely em Nova York, Mark Hosenball, Makini Brice, Susan Heavey, Sarah N. Lynch em Washington e Brendan O'Brien em Milwaukee)

    0

    0

    13

    4 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Ex-premiê da Malásia é preso em investigação de corrupção

    Ex-premiê da Malásia é preso em investigação de corrupção

    Por Joseph Sipalan e Rozanna Latiff

    KUALA LUMPUR (Reuters) - Agentes de combate à corrupção na Malásia prenderam o ex-primeiro ministro do país Najib Razak, nesta terça-feira, como parte de uma investigação sobre recursos que desapareceram de um fundo estatal que ele criou há quase uma década, e autoridades disseram que o ex-premiê será acusado oficialmente em um tribunal na quarta-feira.

    Desde uma surpreendente derrota eleitoral para seu ex-mentor Mahathir Mohamad em maio, Najib está proibido de deixar a Malásia e teve milhões de dólares em itens apreendidos em propriedades ligadas a ele como parte de uma investigação sobre o fundo 1Malaysia Development Berhad (1MDB).

    Mahathir, de 92 anos, disse em entrevista à Reuters no mês passado que fraude e suborno com dinheiro estatal estavam entre as acusações que a Malásia pretendia apresentar contra Najib, de 64 anos, acrescentando que tinha um caso quase perfeito contra ele.

    Najib foi preso em investigação sobre a SRC International, uma ex-unidade do 1MDB, segundo uma força-tarefa responsável por investigar o fundo nesta terça-feira. Uma fonte próxima da família de Najib disse que ele deve ser acusado por abuso de poder na SRC.

    Agentes de combate à corrupção prenderam Najib em sua casa após entregar uma ordem de detenção, disseram fontes próximas à família. Um porta-voz de Najib não tinha comentário de imediato, e Najib tem negado repetidamente qualquer irregularidade.

    Fundado por Najib em 2009, o fundo 1MDB está sendo investigado em ao menos seis países por suposta lavagem de dinheiro e corrupção.

    0

    0

    34

    8 M

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. preso

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.