alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE suzano

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Terceiro suspeito de participação em massacre em Suzano é liberado após prestar depoimento

    Terceiro suspeito de participação em massacre em Suzano é liberado após prestar depoimento

    Por Laís Martins

    SÃO PAULO (Reuters) - Um jovem suspeito de ser um terceiro envolvido no massacre em Suzano que deixou 10 mortos na quarta-feira foi liberado pela Justiça após prestar depoimento nesta sexta-feira, numa decisão que acatou parecer do Ministério Público, mas contrariou a posição da Polícia Civil, que queria que o menor fosse apreendido por afirmar ter provas de seu envolvimento no caso.

    Em nota, o Ministério Público de São Paulo informou que colheu depoimento do jovem nesta sexta e pediu novas diligências à polícia e que, se for o caso, pedirá sua internação. A Polícia Civil, no entanto, disse que a apuração já conta com indícios sólidos contra o adolescente e que ele solto é um perigo para a sociedade.

    'O MPSP informa ter ouvido, nesta sexta-feira, o terceiro jovem supostamente envolvido nos fatos que resultaram na morte de dez pessoas em Suzano. Informa ainda ter requisitado a realização de diligências complementares por parte das autoridades policiais para, posteriormente, se for o caso, pedir a sua internação, como determina o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente)', informou o MP paulista em nota.

    O delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo, Ruy Ferraz Fontes, no entanto, disse que a polícia pediu a internação do menor por entender que ele pode representar perigo à sociedade caso continue solto.

    O adolescente é suspeito de ter participado do planejamento do massacre de quarta-feira junto com os dois atiradores, um de 17 anos e outro de 25, que cometeram suicídio na escola após matarem oito pessoas.

    'Ele tinha ligação direta com todo o planejamento, ajudou a iniciar a execução e não participou da ação. É muito perigoso, do nosso ponto de vista, deixá-lo neste momento em liberdade. Ele pode, e já disse em depoimento que queria ter participado e queria fazer isso', disse o delegado-geral, acrescentando que o suspeito também era estudante da escola Raul Brasil.

    Uma fonte a par das investigações, que pediu para não ser identificada, disse à Reuters sob condição de anonimato que a Polícia Civil queria a internação do menor por 45 dias e que existem 'provas robustas' do envolvimento dele no massacre. Essa fonte disse ainda que o jovem tinha proximidade com o atirador mais jovem, que, na investigação, é tido como “mentor intelectual dos ataques”.

    O massacre ocorreu na manhã de quarta-feira, quando os assassinos entraram na escola estadual Raul Brasil e atacaram alunos que estavam no pátio durante o horário do lanche. Duas funcionárias também estão entre as vítimas fatais. Antes disso, eles mataram o dono de uma locadora de veículos, que era tio de um deles.

    Os dois assassinos eram ex-alunos da instituição, e uma fonte policial afirmou que eles planejavam o ataque há um ano e meio, sob a intenção de atrair popularidade e chamar mais atenção do que o massacre de Columbine, nos Estados Unidos, no qual 15 pessoas morreram em 1999, incluindo os dois executores do crime.

    Na quinta-feira, a polícia realizou diligências nas residências dos autores e em uma lan house onde os jovens costumavam se encontrar, e apreenderam diversos objetos entre computadores, tablets e anotações, que auxiliarão nas buscas pela motivação do crime, segundo a Secretaria da Segurança Pública de SP.

    Os corpos da maioria das vítimas do ataque em Suzano foram sepultados na quinta-feira no Cemitério Municipal de São Sebastião. O corpo do dono da locadora de carros foi enterrado no Cemitério Colina dos Ipês. A família de um dos estudantes mortos optou por uma cerimônia reservada.

    A coordenadora pedagógica da escola foi a última a ser sepultada. O enterro ocorreu na manhã desta sexta-feira, quando um dos filhos da vítima, que mora na China, chegou ao país.

    (Reportagem adicional de Débora Moreira, no Rio de Janeiro, e Eduardo Simões, em São Paulo)

    0

    0

    98

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Em meio a desespero e tiros, vizinhos abrigaram alunos de escola em Suzano

    Em meio a desespero e tiros, vizinhos abrigaram alunos de escola em Suzano

    Por Laís Martins

    SUZANO (Reuters) - Quando os primeiros tiros foram disparados dentro da escola estadual Raul Brasil, em Suzano, nesta quarta-feira, muitos vizinhos abriram seus portões, deparando-se com estudantes que pulavam o muro da escola e corriam desesperados.

    Foi na casa de alguns desses vizinhos que alguns alunos da escola se refugiaram --muitos em estado de choque-- do massacre realizado dentro do colégio por dois ex-alunos e que deixou 9 mortos --incluindo os dois agressores que cometeram suicídio. Uma décima vítima foi morta em uma locadora de carros da cidade antes de os criminosos entraram na escola. Outras 10 pessoas ficaram feridas.

    'Escutei muita gritaria, abri o portão no momento e me deparei com a cena das crianças pulando o muro”, contou a dona de casa Marilene Gonçalves, de 51 anos.

    Marilene, que estava no quintal de sua casa na hora dos primeiros disparos, abrigou na sua casa um estudante que foi baleado no queixo depois de vê-lo pulando o muro.

    “Ele não conseguia falar nada, mas eu dei o celular na mão dele e ele digitou, todo trêmulo, todo sujo, para falar com a mãe dele”, explicou, acrescentando que o jovem estava desesperado pela namorada, que não conseguiu pular o muro.

    Foi também no fundo da oficina de pintura de carros de José Santana, na mesma rua da escola, que outras oito jovens buscaram refúgio.

    “Ouvi o primeiro, o segundo e o terceiro tiro. Foram muitos, muito altos”, disse o pintor de carros de 68 anos.

    Segundo relataram os vizinhos, a polícia chegou rapidamente, cerca de cinco minutos após os primeiros tiros. Eles estimam que o tiroteio não durou mais de 10 minutos.

    Muitos outros moradores do quadrilátero ao redor da escola tiveram a mesma ação de abrigar os estudantes. A escola, explicam, ocupa um lugar de carinho no bairro.

    Além de ser uma escola referência de Suzano, cidade que fica a cerca de 50 quilômetros de São Paulo, muitos moradores também estudaram ali, há muitas décadas.

    “Eu cresci ali, estudei ali minha vida toda. Tem uma parte de mim ali, uma parte da minha história”, disse o publicitário Igor Ribeiro, de 42 anos.

    Ele, que mora a uma quadra da escola, correu para o local assim que ouviu os primeiros disparos e chegou ainda em tempo de ver os estudantes correndo.

    Os autores do massacre estudaram na escola e, segundo o secretário de Educação de São Paulo, Rossieli Soares, o mais novo deles, o de 17 anos, estava em processo de retornar.

    O fato de ser conhecido por funcionários, avaliou Soares, pode ter facilitado sua entrada na escola.

    'Tem algo na origem que precisa ser analisado. Precisamos pensar o que estamos fazendo com os nossos jovens', disse Rossieli.

    O prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi (PR), anunciou que disponibilizou um ginásio esportivo da cidade caso os familiares da vítima optem por realizar um velório coletivo para as vítimas do massacre.

    (Edição de Eduardo Simões)

    0

    0

    53

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Dois encapuzados matam 8 antes de se matarem em massacre em Suzano

    Dois encapuzados matam 8 antes de se matarem em massacre em Suzano

    Por Laís Martins e Eduardo Simões

    SUZANO (Reuters) - Dois jovens encapuzados mataram sete pessoas em uma escola em Suzano, na Grande São Paulo, e posteriormente se mataram ao se deparar com a polícia, informaram autoridades nesta quarta-feira, acrescentando que os assassinos eram ex-alunos da instituição e ainda mataram uma outra pessoas mais cedo.

    No episódio, a segunda tragédia com múltiplos mortos por armas de fogo em três meses no Estado e que intensificou o debate entre críticos e defensores do porte de armas, os criminosos usaram um revólver calibre 38, uma besta, um arco e flecha e uma machadinha, segundo a polícia.

    Duas das vítimas morreram já no hospital.

    Uma fonte policial com conhecimento das investigações, disse que as apurações indicam que os dois jovens, um de 17 e o outro de 25 anos, planejavam o ataque há um ano e meio e tinham a intenção de chamar mais atenção do que o massacre na escola de Columbine, nos Estados Unidos, no qual 15 pessoas foram mortas em 1999, incluindo os dois assassinos.

    O secretário de Segurança Pública de São Paulo, general João Camilo Pires de Campos, disse que os assassinos primeiro balearam o dono de uma locadora de carros, que era tio de um dos criminosos, e roubaram um veículo. Depois, foram à escola e, após entrarem pela porta da frente, dispararam contra a coordenadora pedagógica do colégio e outra funcionária, além de cinco alunos.

    Não está claro como os dois assassinos morreram, se um deles matou o outro e depois suicidou-se, ou se um deles suicidou-se primeiro e, na sequência, o outro pegou a arma e também se matou.

    O secretário de Educação de São Paulo, Rossieli Soares, disse que o autor mais jovem do massacre, que deixou a escola alvo do ataque no ano passado, chegou ao local dizendo que iria à secretaria para retomar os estudos.

    Inicialmente a Polícia Militar havia informado que seis alunos foram mortos no massacre, mas a informação foi retificada pelo secretário.

    'Esse dia de hoje é um dos dias mais tristes da minha vida. Lamentavelmente duas pessoas --um maior de idade e um menor de idade--, antigos alunos deste colégio, fizeram uma ação preliminar em uma locadora onde atiraram em um senhor... roubaram um Onyx branco e seguiram para esta escola', disse o secretário.

    A polícia investiga agora as motivações dos autores do massacre. Foram feitas buscas nas casas dos assassinos e cerca de 20 pessoas já foram ouvidos pela polícia. A fonte com conhecimento das investigações disse que o dono da locadora pode ter sido morto como queima de arquivo, pois teria conhecimento de que os jovens planejavam o ataque.

    Segundo informações do governo de São Paulo, outras 11 pessoas feridas estavam hospitalizadas.

    O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), visitou o local do massacre pela manhã e decretou luto oficial de três dias no Estado.

    'É a cena mais triste que já assisti em toda minha vida, e fico muito triste que um fato como esse ocorra em nosso país e aqui em São Paulo', disse Doria a jornalistas no pátio da escola.

    O massacre também deixou chocados os moradores que vivem nos arredores da escola.

    'Eu cresci ali, estudei ali minha vida toda. Tem uma parte de mim ali, uma parte da minha história', disse o publicitário Igor Ribeiro, de 42 anos, que mora na lateral da escola Raul Brasil.

    'Estava sentado aqui na varanda lendo e ouvi os estouros. Até pensei que fosse bombinha, mas logo vi as viaturas e a correria. Fui correndo e cheguei junto com as viaturas e logo já vi os corpos na entrada, muito sangue no chão, tinham três corpos. Os alunos ainda estavam saindo desesperados', disse.

    Em dezembro do ano passado, um atirador abriu fogo na Catedral Metropolitana de Campinas (SP), matando cinco pessoas no total. O atirador se suicidou após os disparos. [nL1N1YH1I8]

    Já em abril de 2011, um homem armado invadiu uma escola no Rio de Janeiro e disparou contra estudantes, matando 12 alunos antes de ser atingido pela polícia e cometer suicídio.

    SOLIDARIEDADE

    O episódio em Suzano gerou repercussão no mundo político, e a Câmara dos Deputados encerrou sua sessão plenária desta quarta-feira em razão do massacre.

    O presidente Jair Bolsonaro expressou sua solidariedade às famílias das vítimas por meio de um post no Twitter.

    'Presto minhas condolências aos familiares das vítimas do desumano atentado ocorrido hoje na Escola Professor Raul Brasil, em Suzano, São Paulo. Uma monstruosidade e covardia sem tamanho. Que Deus conforte o coração de todos!'

    O massacre em Suzano também intensificou o debate sobre partidários do armamento da população e defensores do desarmamento.

    O senador Major Olimpio (PSL-SP) criticou o Estatuto do Desarmamento durante reunião da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa e disse que a tragédia poderia ter sido evitada se houvessem pessoas com armas regulares no local.

    'Se houvesse um cidadão com uma arma regular dentro da escola, professor, um servente ou policial aposentado que trabalha lá, ele poderia ter minimizado o tamanho da tragédia', disse o parlamentar.

    Já o coronel da reserva da PM de São Paulo e ex-secretário nacional de Segurança Pública, José Vicente da Silva Filho, afirmou que armar os funcionários pode gerar outras tragédias.

    “Quanto mais armas existirem, mais tragédias como essas vão acontecer', disse. 'Funcionários armados sem o preparo que o policial tem pode colocar ainda mais gente na linha de fogo. Pode criar outras situações de tragédia como essa. Imagina se um aluno tem um bronca com um funcionário, ou se existe um bate-boca entre aluno e professor”, avaliou.

    (Reportagem de Laís Martins, em Suzano, e Eduardo Simões, em São Paulo; Reportagem adicional de Pedro Fonseca e Débora Moreira, no Rio de Janeiro; Leonardo Benassatto, em Suzano; e Lisandra Paraguassu, em Brasília)

    1

    1

    86

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Suzano vai avaliar incorporação de caminhões após tabela de frete

    Suzano vai avaliar incorporação de caminhões após tabela de frete

    SÃO PAULO (Reuters) - A Suzano Papel e Celulose vai aguardar posicionamento do Supremo Tribunal Federal sobre a legalidade da aprovação pelo governo de Michel Temer da tabela de fretes, e analisa eventual incorporação de caminhões próprios para lidar com os consequentes aumentos no custo de transporte de insumos e produtos aos clientes.

    'Obviamente, a nossa visão é que fretes não deveriam ter uma tabela. Não entendemos que qualquer processo de definição de preços pelo governo seja adequado...Vamos avaliar incorporação de caminhões', disse o presidente-executivo da Suzano, Walter Schalka, em teleconferência com jornalistas nesta quinta-feira.

    Segundo ele, os caminhões que prestam serviços à empresa pertencem a caminhoneiros e as carretas de transporte são da empresa.

    'Entendemos que deve haver um processo de decisão judicial e vamos aguardar a decisão para definirmos qual nossa política', disse o executivo.

    A lei que institui a tabela de fretes foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, após sanção do presidente Michel Temer.

    Segundo a companhia, a greve dos caminhoneiros no final de maio impactou 105 mil toneladas de sua produção, das quais 25 mil toneladas de papel, que foi alvo de anúncio de elevação de preços entre 9 e 14 por cento pela empresa no país em julho.

    O presidente Michel Temer

    Questionado sobre possibilidade de reajustes nos preços da celulose, o diretor da área, Carlos Aníbal, afirmou que o mercado global segue 'balanceado', com a oferta sendo reprimida por eventos não planejados, como a greve dos caminhoneiros, e a demanda em todos os mercados em elevação.

    A Suzano divulgou mais cedo que prejuízo de 1,85 bilhão de reais para o segundo trimestre, que foi impactado por efeitos cambiais decorrentes do financiamento para o pagamento da incorporação da rival maior Fibria.

    (Por Alberto Alerigi Jr.)

    0

    0

    29

    9 M

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. suzano

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.