alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Um novo estudo mostrou que a idade do pai também afeta a saúde do feto

    Para especialista, atenção não deve ser apenas para a idade da mãe quando se pensa em uma gravidez.

    Por Letícia Furlan

    Placeholder - loading - news single img

    Um novo estudo publicado na revista britânica BMJ sugere que os homens também podem ter relógios biológicos dignos de atenção quando eles pretendem ter filhos. Bebês nascidos de pais mais velhos, diz o artigo, podem ser mais suscetíveis a problemas de saúde, incluindo parto prematuro, baixo peso ao nascer e problemas respiratórios.

    E as mulheres que têm filhos com homens mais velhos também podem aumentar os riscos para a saúde - particularmente o diabetes gestacional.

    "Do ponto de vista evolucionário, estamos acostumados a nos reproduzir no final da adolescência, aos 20 e poucos anos", diz o co-autor do estudo Dr. Michael Eisenberg, diretor de medicina reprodutiva masculina e cirurgia do Centro Médico da Universidade de Stanford. "Qualquer coisa além disso pode ter algum risco biológico potencial associado a ele."

    Apesar de nossas raízes evolutivas, as mulheres americanas estão cada vez mais tendo bebês mais tardiamente, em parte porque muitos estão buscando carreiras e educação antes de iniciar as famílias. A idade paterna parece estar seguindo o mesmo padrão. Entre 1972 e 2015, a idade média da paternidade aumentou de 27,4 para 30,9 anos, e a porcentagem de pais com mais de 40 anos aumentou para cerca de 9 por cento, segundo um estudo de 2017.

    Muito riscos têm sido associados a uma gravidez tardia – como maior probabilidade de parto prematuro, baixo peso ao nascer, diabetes gestacional e pressão alta para a mãe, os quais podem afetar o desenvolvimento infantil e levar a complicações. Eisenberg e seus colegas decidiram, então, determinar se perigos semelhantes se aplicavam aos pais mais velhos.

    Usando dados do Sistema Nacional de Estatísticas Vitais, eles analisaram os mais de 40 milhões de nascidos vivos que ocorreram nos EUA entre 2007 e 2016. Depois de contabilizar informações como a idade da mãe e a saúde dos pais, os pesquisadores notaram uma associação entre a idade paterna e a probabilidade de problemas de saúde materna e infantil. Associações significativas começaram a surgir por volta dos 45 anos, e os dados sugerem que quanto mais velho o pai, maiores os riscos.

    Em comparação com bebês nascidos de homens com idades entre 25 e 34 anos, bebês com pais com mais de 45 anos tenderam a pesar menos e tiveram uma chance 14 por cento maior de parto prematuro. Bebês nascidos de homens com mais de 55 anos também tenderam a pontuar mais baixo no teste de Apgar, uma medida da saúde do recém-nascido que avalia, entre outras coisas, a frequência cardíaca, respiração e reflexos. Esses bebês também tiveram um risco 10 por cento maior de precisar de assistência respiratória e uma chance 28 por cento maior de serem admitidos na unidade de terapia intensiva neonatal, descobriram os pesquisadores.

    As mulheres com parceiros com mais de 45 anos também tiveram uma probabilidade 28 por cento maior de desenvolver diabetes gestacional, comparadas às mulheres com idades entre 25 e 34 anos, diz o estudo.

    O novo estudo reúne pesquisas anteriores que vincularam maior idade paterna a problemas de saúde mental e comportamental em crianças, como autismo, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade e transtorno bipolar. Embora as razões para essas associações, bem como aquelas detalhadas no novo artigo, não estejam totalmente claras, elas podem ter algo a ver com mutações genéticas espontâneas que ocorrem ao longo da vida de um homem, sugere a pesquisa.

    Os homens estão continuamente produzindo esperma, explica Eisenberg, o que significa que suas células estão constantemente se dividindo e se renovando. Ocasionalmente, esse processo dá errado, levando a aproximadamente duas mutações genéticas aleatórias a cada ano. Quanto mais velho um homem é, mais dessas mutações ele acumula com o tempo, e maiores são suas chances de transmitir uma mutação prejudicial, diz Eisenberg. Os homens mais velhos também podem ter experimentado mais mudanças epigenéticas, ou modificações no DNA causadas pelo ambiente ou estilo de vida, do que os homens mais jovens, acrescenta.

    Eisenberg salienta que o risco absoluto de problemas de saúde infantil ainda é pequeno, mesmo que a probabilidade aumente com a idade paterna. Ele compara as probabilidades de comprar bilhetes de loteria: suas chances aumentam se você comprar duas, mas ainda é um pouco difícil.

    Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

    1. Home
    2. noticias
    3. um novo estudo mostrou que a

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.