alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Arrecadação de outubro é de cerca de R$135 bi, diz secretário especial da Receita

    Placeholder - loading - news single img
    15/10/2015 REUTERS/Bruno Domingos

    2550

    Publicada em  

    Atualizada em  

    BRASÍLIA (Reuters) - A arrecadação federal foi de 135 bilhões de reais em outubro, patamar equivalente ao registrado no mesmo mês do ano passado, afirmou nesta quarta-feira o secretário especial da Receita Federal, José Barroso Tostes Neto, citando números preliminares.

    Tostes Neto adiantou os dados em audiência pública na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados, acrescentando que, no acumulado de janeiro a outubro, houve alta real de 1,9% na arrecadação, a cerca de 1,120 trilhão de reais.

    A Receita Federal ainda não marcou data para divulgação oficial da arrecadação de outubro.

    Durante sua participação na audiência, Tostes Neto disse que há 'total abertura e disposição do governo' em dialogar com todos os setores sobre a construção de uma reforma tributária.

    'Vamos começar tão logo a proposta do governo seja encaminhada a essa Casa', afirmou ele, sem inicialmente se comprometer com prazos ou dar detalhes sobre o texto formulado pela equipe econômica.

    Tostes Neto avaliou que tanto a proposta de reforma tributária que tramita na Câmara quanto a que está no Senado têm pontos 'favoráveis e interessantes', destacando que o governo quer construir um consenso em torno 'de tudo de bom que cada uma delas tem'.

    Ele também afirmou que, dentre os desafios da Receita, estão a manutenção dos níveis de arrecadação necessários para o equilíbrio fiscal e a priorização da simplificação tributária.

    O Executivo ainda não enviou ao Congresso nenhuma medida do pacote tributário que pretede encaminhar fatiado.

    Em entrevista recente ao jornal O Estado de S. Paulo, Tostes Neto havia indicado que a reforma do sistema tributário do Brasil seria enviada ao Congresso em quatro etapas, num processo que deve se estender até meados de 2020.

    Na primeira fase, ainda em novembro, o governo deverá enviar um projeto de lei que unifica o PIS e a Cofins (Contribuição para o Financiamento de Seguridade Social).

    A segunda fase, prevista para o início do próximo ano, prevê o encaminhamento da mudança no IPI, enquanto a terceira fase vai se concentrar no Imposto de Renda de pessoas físicas, pontuou o secretário ao Estadão. A última etapa envolverá desoneração da folha de salários das empresas.

    (Por Marcela Ayres)

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. arrecadacao de outubro e de …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.