Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    BC fará o que for necessário para garantir inflação na meta em 2022, diz diretor

    Placeholder - loading - Banco Central do Brasil 29/10/2019 REUTERS/Adriano Machado
    Banco Central do Brasil 29/10/2019 REUTERS/Adriano Machado

    Publicada em  

    Atualizada em  

    Por Marcela Ayres e Isabel Versiani

    BRASÍLIA (Reuters) - O diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra, afirmou nesta terça-feira que o BC está engajado em fazer a inflação chegar ao centro da meta em 2022 e 2023 e fará o que for necessário para tanto.

    Serra lembrou que a indicação do BC é de que fará outro ajuste tempestivo nos juros na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em setembro, sendo que no momento este nível de aperto, de elevação de 1 ponto percentual, é visto como 'bem adequado'.

    'O BC tem a ferramenta, que é a taxa de juros, e o compromisso de garantir o seu mandato legal para a inflação no seu horizonte relevante', disse Serra durante live promovida pelo banco Goldman Sachs.

    Em ata divulgada nesta manhã, o BC afirmou que, para que as projeções de inflação fiquem em torno das metas para 2022 e 2023, são necessárias elevações de juros 'subsequentes e sem interrupção' para acima do nível considerado neutro. A Selic foi elevada em 1 ponto percentual este mês, para 5,25%.

    Questionado sobre qual seria o patamar neutro da Selic, Serra afirmou que a taxa mais recente citada pelo BC é 3% (taxa real, que desconsidera a inflação). O BC também já citou como taxa nominal neutra o patamar de 6,5%.

    O diretor destacou que no ano passado a preocupação do BC era fechar o hiato do produto e entregar a inflação no centro da meta em 2021, mas que a autoridade monetária tem se surpreendido a cada ciclo do Copom com condicionantes de inflação acima do esperado, com o reconhecimento de que aumentos de preços em commodities têm sido mais persistentes do que no passado.

    O cenário se torna mais desafiador neste momento de reabertura da economia em que já se vê alguns sinais de recomposição de preços no setor de serviços, disse o diretor.

    'Seria muito ruim se esse ajuste de preços relativos que aconteceu em 12 meses --onde comercializáveis subiram muito forte e não-comercializáveis/serviços ficaram bastante bem comportados-- esse ajuste de preços fosse revertido com serviços e não-comercializáveis como um todo acelerando e convergindo para o pedaço da inflação que está mais alta, é essa atenção que a gente precisa ter', afirmou.

    Ele frisou que, historicamente, a inflação de serviços é mais inercial do que a de alimentos e bens, dando mais condições para se prever o comportamento dos preços nos 12 meses à frente, mas que o Copom não fez uma avaliação recente para entender se a crise trouxe mudanças a essa tendência.

    ATIVIDADE

    Serra destacou que a projeção do BC para o crescimento do PIB este ano, de 4,6%, está menos otimista do que a do mercado, que aponta para alta acima de 5%, e defendeu cautela nas estimativas para os trimestres à frente.

    'Acho que uma coisa é você fazer a recuperação da atividade após as restrições de mobilidade', afirmou.

    'Daqui para frente eu não acho que a gente descobriu que o crescimento potencial é muito mais alto. Acho que a gente deve ser muito mais cauteloso nas projeções de crescimento para frente.'

    Escrito por Reuters

    Últimas Notícias

    1. Home
    2. noticias
    3. bc fara o que for necessario …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.