alexametrics
Conectando

    Bebês aprendem a perseverar visualizando o esforço dos adultos, revela estudo

    Experimento do MIT revela que Crianças de um ano tem a capacidade de compreender que o esforço , geralmente, pode trazer o sucesso.

    Por Redação

    Placeholder - loading - news single img

     

    Estudo norte-americano aponta que esconder as frustrações das crianças não é a melhor saída, pois Bebês aprendem a perseverar observando os adultos. E com isso, podem começar a repetir o comportamento dos mais velhos.

    Ou seja, pesquisa evidencia que ao ver um adulto dando a volta por cima os pequenos ficam mais suscetíveis a tentar copiar essa ação.

    Para concluir o estudo foi necessária  a observação de mais de 200 bebês, que tinham entre 13 e de 18 meses de vida. As crianças assistiram adultos resolvendo dois problemas distintos. No primeiro, os mais velhos tinham que tirar um sapo de borracha de um compartimento. No segundo, havia uma chave de vaquinha presa em um objeto.

    Parte dos bebês visualizou os adultos solucionando a situação, em até 30 segundos. Já a outra metade viu os participantes tentando resolver o desafio sem sucesso por até 30 segundos, apenas após esse período é que conseguiram superar a dificuldade e solucionar o embaraço.

    Depois dessa observação, os bebês receberam dos pesquisadores uma caixinha musical. O brinquedo era composto por dois botões principais: um deles aparentava ser o que ligava o aparelho, mas não tinha funcionalidade nenhuma. Já o outro, que ficava oculto, era na verdade o botão que ao apertar iniciaria uma música infantil.  

    Sendo assim, os pesquisadores testavam o brinquedo próximo as crianças, para que eles pudessem ver que tudo estava dentro dos conformes. Os cientistas não davam nenhum indício sobre o truque. Já, os bebês tinham dois minutos para tentar fazer o objeto funcionar.

    As crianças que viram os adultos perseverando mais, repetiram esse comportamento. Em média, os pequenos que pertenciam ao primeiro grupo apertaram o botão “falso” duas vezes mais do que a outra equipe. Esses bebês tentavam solucionar o problema por conta própria quase o dobro de vezes, quando comparado com o segundo grupo. Depois, pediam ajuda, ou algumas, vezes, ou até, jogavam o brinquedo longe, mostrando que desistiram da tarefa.


    De acordo com os cientistas, os bebês os quais adultos mantiveram algum contato se saíram melhor, ou seja, quando os mais velhos os chamavam pelo nome, conversaram, ou até mesmo olhavam em direção aos pequenos. Isso foi um fator motivacional para que as crianças se saíssem mais bem sucedidas.

    O estudo aponta que esconder as frustrações das crianças não é uma boa saída, pois é benéfico para o crescimento do indivíduo visualizar o esforço necessário para a conquista de objetivos.

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.