Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Casos confirmados de coronavírus no Brasil chegam a 428; mortes sobem para 4

    Placeholder - loading - news single img
    Mulher utiliza máscara de proteção contra coronavírus no hospital Sancta Maggiore, em São Paulo, onde já houve morte por coronavírus 17/03/2020 REUTERS/Rahel Patrasso

    Publicada em  

    Por Gabriel Araujo

    SÃO PAULO (Reuters) - O número de casos confirmados do novo coronavírus no Brasil chegou a 428 nesta quarta-feira, aumento de 137 em relação à véspera, de acordo com uma plataforma online do Ministério da Saúde para contagem dos registros.

    São Paulo continua sendo o Estado com maior número de infecções confirmadas, 240, crescimento de 76 na comparação com terça-feira. O Rio de Janeiro vem a seguir, com 45 casos. [nL1N2BB29T]

    O ministério contabiliza ainda quatro mortes em decorrência do coronavírus, todas em São Paulo. A primeira delas foi revelada na terça-feira, e a Secretaria de Saúde paulista atualizou o número com mais três óbitos no início da noite desta quarta-feira. [nL1N2BB34K]

    No Brasil, 16 Estados e o Distrito Federal já registraram casos confirmados da doença. Os municípios de São Paulo e Rio de Janeiro possuem ocorrências de transmissão comunitária.

    Enquanto isso, os casos suspeitos da doença chegaram a 11.278, ante 8.819 verificados na véspera, quando houve um salto de mais de 300% por causa de uma alteração nos mecanismos de contagem do ministério, que passaram a ser automatizados. [nL1N2BA24Q]

    A maior parte dos suspeitos, 5.334, também está em São Paulo.

    O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou em entrevista coletiva na terça-feira esperar que o país atinja o pico da doença entre abril e junho, prevendo de 60 a 90 dias de 'muito estresse', antes de o surto perder fôlego até outubro. [nL1N2BA2RE]

    No mundo, o coronavírus já infectou cerca de 180 mil pessoas, matando perto de 7.500, ainda segundo dados do ministério.

    (Edição de José de Castro)

    Escrito por Reuters

    Vulcão Nyiragongo: Crianças esperam reencontrar famílias

    Transcrito: 
    Centenas de milhares de pessoas fugiram após a erupção do vulcão Nyiragongo. Naomi perdeu de vista a família no meio do caos. Ela jamais esquecerá o momento em que o céu ficou vermelho.
     
    Naomi (criança deslocada): ”Disse à minha mãe: ’Olha, mãe, o vulcão entrou em erupção.’ Nós saímos e muitos estavam a fugir. Foi aí que nos perdemos uns dos outros. Eu estava apavorada. Estava a tremer. Não conseguia sequer correr para casa.”
     
    Muitas das 400 mil pessoas que fugiram vieram para a cidade de Sake. De acordo com a ONU, há quase mil crianças desaparecidas. Bahati Batitsie trabalha como voluntário para a Cruz Vermelha. Ate agora, ele e os colegas conseguiram encontrar as famílias de 700 crianças. Bahati tem 6 filhos e acolhe outras 3 crianças. São muitas bocas para alimentar.
     
    Bahati Batitsie Fidel (Voluntário da Cruz Vermelha): “Eu sacrifico o pouco que tenho, o que Deus me deu. É assim que alimento as crianças, mas é uma luta.”
     
    Muitas pessoas estão desesperadas. Bebem a água do lago que pode causar cólera. A equipe humanitária tenta oferecer o básico, como farinha.
     
    Bahati Batitsie Fidel (Voluntário da Cruz Vermelha): “As condições de vida são muito más. Não há comida nos mercados. Pessoalmente, não estou a ganhar nada, sou pobre.”
     
    Naomi acha que sabe onde podem estar os seus pais. Mas esse sítio fica longe e o transporte é caro.
     
    Naomi (criança deslocada): ”Depois de encontrar a minha mãe e o meu pai, gostaria de me mudar para cá, porque gosto de aqui estar."

    A brincar sobre a lava de uma antiga erupção. As crianças esperam rever as suas famílias em breve. 
    Veja também:

    1 D

    1. Home
    2. noticias
    3. casos confirmados de …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.