alexametrics
Conectando

    Os brasileiros estão entre os que têm a menor média de horas de sono; perdemos apenas para os japoneses e cingapurianos.

    Com teste rápido, você pode verificar se está com déficit de sono

    Por Redação, antena 1

    Placeholder - loading - news single img

    Organizações mundiais da saúde consideram que dormir de sete a oito horas por dia é a média considerada ideal. No entanto, na correria do cotidiano, isso nem sempre é possível para boa parte da população.

    Um estudo publicado na revista Science Advances mostrou que os brasileiros estão entre aqueles com as noites mais curtas de sono do mundo: nós dormimos uma média de 7 horas e 36 minutos por noite. Só perdemos para os japoneses e cingapurianos.

    O especialista em sono Nathaniel Kleitman, da Universidade de Chicago, criou um teste que qualquer um pode fazer em casa para descobrir se tem déficit de sono.

    O teste ajuda a medir a duração do período de latência (intervalo entre estar acordado e cair no sono). Ele deve ser feito nas primeiras horas da tarde, com o auxílio de uma colher e uma bandeja de metal.

    Em um quarto silencioso, você deve se deitar e segurar uma colher na mão na beira da cama. Logo abaixo, sobre o chão, deve ficar uma bandeja de metal. É importante marcar o horário antes de fechar os olhos.

    Ao dormir, a colher deve cair e fazer barulho sobre a bandeja, o que irá despertá-lo. Quando isso acontecer, você deve voltar a olhar para o relógio e ver quanto tempo se passou.

    Se você dormir antes de cinco minutos após fechar os olhos, isso quer dizer que você tem um sério déficit de sono. Se ocorrer em dez minutos, é um sinal de “certa falta de sono”. Se ficar acordado por ao menos 15 minutos, isso quer dizer que você está dormindo o suficiente.

    A falta de sono pode afetar a nossa memória e como lidamos com nossas emoções. Durante a etapa do sono profundo, o cérebro transforma a memória de curto prazo em lembranças de longo prazo. Desse jeito, cria-se mais espaço para a memória de curto prazo do dia seguinte.

    E a fase do sono REM (“movimento rápido dos olhos”) é o único momento em que eliminamos do cérebro uma substância relacionada com o estresse, a noradrenalina. Isso nos permite manter a calma enquanto nosso cérebro processa as atividades do dia, ajudando-nos a assimilar as experiências emocionais que vivemos. Por isso, quando não temos horas suficientes de sono REM, nos sentimos mais estressados e ansiosos.

    Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.