Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    CPI da Covid convoca Queiroga e ex-ministros da Saúde para depor na semana que vem

    Placeholder - loading - news single img
    Relator da CPI da Covid, Renan Calheiros, dá entrevista em Brasília enquanto é observado pelo vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues 27/04/2021 REUTERS/Adriano Machado

    Publicada em  

    Atualizada em  

    Por Lisandra Paraguassu e Maria Carolina Marcello

    BRASÍLIA (Reuters) - A CPI da Covid aprovou nesta quinta-feira a convocação do atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e dos ex-titulares da pasta Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello, além do presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, e pediu uma série de informações, inclusive sobre a atuação do governo em relação ao chamado tratamento precoce contra a Covid-19.

    O ministro e os ex-ministros serão ouvidos na próxima semana, em ordem cronológica pela época em que estavam no cargo, iniciando com Mandetta e Teich na terça-feira, enquanto a quarta será reservada para Pazuello e a reunião de quinta será usada para ouvir Queiroga e Barra Torres.

    A reunião chegou a ser suspensa, após acirramento dos ânimos diante da defesa, por parte de senadores governistas, da aprovação automática de todos os requerimentos de informações e da citação pelo relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), de que alguns desses requerimentos foram elaborados no Palácio do Planalto, conforme apontou matéria do jornal O Globo.

    'Eu já conheci muitas tropas de choque, mas esta é a primeira que recorre ao STF em uma questão já decidida e é a primeira que recebe por meio eletrônico requerimentos feitos do governo para registrar aqui', disse Renan durante embate com os senadores Marcos Rogério (DEM-RO) e Ciro Nogueira (PP-PI), que chegou a dizer que Renan tinha 'medo' de alguns requerimentos.

    O relator referiu-se ainda a mais uma tentativa da base do governo de tirá-lo da relatoria da CPI com uma ação apresentada no Supremo Tribunal Federal. Uma primeira ação, apresentada pela deputada Carla Zambelli (PSL-SP), teve decisão favorável na primeira instância mas foi derrubada pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

    'Não vamos chegar a lugar nenhum, isso nunca deu certo. Deixa a comissão trabalhar e cumprir o seu trabalho. Não temos como continuar dessa forma, atrasando, atrasando, atrasando', criticou Renan.

    Após a pausa, no entanto, os parlamentares retornaram com um acordo e decidiram chancelar os pedidos de dados e informação. As demais convocações e solicitações de depoimentos serão analisadas posteriormente.

    Entre os requerimentos que devem ser analisados na próxima semana está o de convocação do ex-secretário de Comunicação da Presidência Fábio Wajngarten, que responsabilizou Pazuello pelo atraso na aquisição de vacinas pelo governo em entrevista recente.

    Renan pretendia aprovar nesta quinta a convocação de Wajngarten, mas a análise deste requerimento acabou adiada por pressão dos senadores governistas que compõem a comissão.

    Entre os requerimentos aprovados pela CPI, parte significativa com pedidos de informações ao Ministério da Saúde, estão os que solicitam dados sobre as medidas adotadas para o distanciamento social e quarentenas, sobre distribuição de recursos a Estados e municípios, indicação de medicamentos sem eficácia comprovada e contratos e convênios feitos com Estados e municípios, além da atuação em relação à imunização da população.

    Um dos pedidos de informação requisita à pasta que envie 'cópia de todos os documentos, produzidos no Ministério ou sob sua guarda, que recomendem, avalizem, incentivem ou tolerem, direta ou indiretamente, o uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid-19, ainda que para uso preventivo da doença ou logo após os primeiros sintomas, inclusive documentos e informações produzidas por aplicativos de informática como o TrateCov, desenvolvido pelo próprio ministério'.

    Durante a pandemia, o Ministério da Saúde manteve no ar aplicativo que indicava o uso de medicamentos como cloroquina, ivermectina e azitromicina, sem eficiência comprovada contra a Covid-19 e que podem provocar efeitos colaterais graves.

    Também foram solicitadas informações às autoridades de saúde do Amazonas e de Manaus sobre pedido de auxílio, equipamentos e insumos ao ministério, assim como as respostas recebidas, e material coletado pela CPI das Fake News que tenham relação com a pandemia.

    Os pedidos requerem ainda documentos à Pfizer, ao Facebook do Brasil, à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ao Ministério de Relações Exteriores e à Secretaria de Comunicação da Presidência da República, entre várias outras instituições, segundo o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

    CAMINHO A SER SEGUIDO

    Além do debate sobre a votação de requerimento de informação, a primeira reunião da CPI, instalada na terça-feira, foi marcada também por discussões dos senadores governistas com o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), e questões de ordem levantadas por parlamentares alinhados ao Executivo, tratadas como tentativas de evitar o início dos trabalhos da comissão.

    Em entrevista coletiva após o encerramento da reunião desta quinta, Randolfe alertou que ele, Renan e Aziz não iriam permitir 'qualquer tipo de interferência externa' na comissão.

    O vice-presidente da CPI afirmou ainda que Renan deve apresentar um plano de trabalho na próxima semana, mas ponderou que os requerimentos já aprovados nesta quinta indicam um caminho a ser seguido e contemplam a ideia de atuação do relator.

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. cpi da covid convoca queiroga …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.