Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Discurso de desrespeito a ordens judiciais jamais será de estadista, diz Celso de Mello

    Placeholder - loading - news single img
    Ministro do STF Celso de Mello 01/02/2017 REUTERS/Adriano Machado

    Publicada em  

    Por Ricardo Brito

    BRASÍLIA (Reuters) - O ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta terça-feira considerar como 'inconcebível e surpreendente' que haja no Estado quem diga que vai desrespeitar ordens judiciais, destacando que esse discurso jamais será de um estadista, um dia após o presidente Jair Bolsonaro ter dito em entrevista que as Forças Armadas não aceitarão “um julgamento político para destituir um presidente democraticamente eleito”.

    'É inconcebível e surpreendente, senhora presidente, que ainda subsista, na intimidade do aparelho de Estado, um inaceitável resíduo autoritário que insiste, de modo atrevido, em dizer que poderá desrespeitar o cumprimento de ordens judiciais, independentemente de valer-se, como cabe a qualquer cidadão, do sistema recursal previsto pela legislação processual!', disse Celso de Mello, se dirigindo à presidente da 2ª Turma do STF, Cármen Lúcia.

    'Esse discurso jamais será de um estadista, pois estadistas respeitam a ordem democrática e submetem-se, incondicionalmente, ao império da Constituição e das leis da República!!!', completou ele.

    Na véspera, Bolsonaro praticamente repetiu o teor de uma nota divulgada na noite de sexta-feira.

    “Nós, militares das Forças Armadas, e eu também sou militar, somos os verdadeiros responsáveis pela democracia em nosso país”, disse Bolsonaro em entrevista à rádio e TV BandNews, segunda-feira.

    “Nós jamais cumpriríamos ordens absurdas, mas também jamais aceitaríamos um julgamento político para destituir um presidente democraticamente eleito”, acrescentou o presidente.

    Essa declaração, assim como a nota de sexta —que foi assinada também pelo vice-presidente Hamilton Mourão e pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo—, vem em meio ao julgamento pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) das primeiras duas ações contra a chapa Bolsonaro-Mourão, vitoriosa em 2018 .

    Sem citar nominalmente Bolsonaro, Celso de Mello disse ser preciso 'resistir com as armas legítimas da Constituição e das leis da República'.

    'Sem juízes independentes, senhora presidente e senhores ministros, jamais haverá cidadãos livres', destacou.

    Celso de Mello é o relator do inquérito que investiga se o presidente cometeu crime ao tentar mudar o comando da Polícia Federal, conforme acusação feita pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro. Ele é um dos principais alvos das críticas de Bolsonaro e apoiadores.

    ATENTADO

    Em fala antes do decano, Cármen Lúcia expressou preocupação sobre o atual cenário político. Criticou quem não se preocupa com a convivência democrática e fez, indiretamente, um desagravo após o prédio do STF ter sido alvo de um ataque com fogos de artifício na noite do sábado.

    'Atentados contra instituições, contra juízes e contra cidadãos que pensam diferentes voltam-se contra todos, contra o país. A nós cabe manter a tranquilidade, mas principalmente a coragem e a dignidade de continuar a honrar a Constituição, cumprindo a obrigação que nos é expressamente imposta de guardá-la para garantir a sua aplicação a todos e por todos', disse.

    Para Cármen Lúcia, a Constituição não é um artifício e direitos não são de menor importância, mas sim conquistas.

    'Que não se cogite que uma ação de uns poucos conduzirá resultado diferente do que é a convivência democrática. Que não se cogite que se instalará algum temor ou fraqueza nos integrantes da magistratura brasileira. Tribunal é presente, está presente', reforçou.

    O ministro Edson Fachin disse subscrever 'por inteiro' as palavras de Cármen Lúcia e disse que há a 'necessidade imprescindível de sair da crise sem sair da democracia'.

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. discurso de desrespeito a …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.