alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Estudos esclarecem a crise da meia-idade e elencam seus pontos positivos

    Essa fase da vida é temida por muitos, mas estudos comprovam que ela pode trazer muitos ganhos.

    Placeholder - loading - news single img
    Senhor caminhando na praia (Foto: Pixabay)

    2468

    Publicada em  

    A meia-idade é frequentemente vista como um ponto crítico da vida. Uma colina foi escalada e a vista do outro lado é perturbadora. Como o escritor francês Victor Hugo disse: "quarenta é a velhice da juventude" e "cinquenta a juventude da velhice".

    Estudos mostram que a grande maioria das pessoas acredita na chamada "crise da meia idade" e quase metade dos adultos com mais de 50 anos afirma ter tido uma. Mas será que ela realmente existe? Uma matéria da rede norte-americana CNN reuniu alguns estudos para abordar o assunto.

    Há boas evidências de que um declínio na meia-idade na satisfação com a vida é real. Pesquisas populacionais normalmente mostram que mulheres e homens relatam a menor satisfação nesse período da vida. A pesquisa australiana HILDA (Household, Income and Labour Dynamics in Australia) localiza a menor satisfação com a vida aos 45 anos, e o Australian Bureau of Statistics destaca a faixa etária de 45 a 54 anos como a mais sombria.

    A meia-idade pode ser deslocadora para alguns, mas isso não é uma regra. Psicologicamente falando, as coisas tendem a melhorar. Se houver uma pequena queda na maneira como as pessoas avaliam sua vida - mesmo que objetivamente não seja pior do que antes - isso é compreensível. Nossa atenção muda do tempo passado para o tempo restante, e isso requer um processo de ajuste.

    Quando ela acontece?

    Os conceitos de meia-idade são elásticos e mudam à medida que envelhecemos. Um estudo descobriu que os adultos mais jovens acreditam que a meia-idade se estende do início dos anos 30 aos 50, enquanto os adultos acima de 60 anos o consideram que se estende do final dos anos 30 aos meados dos 50.

    Em um estudo nos EUA, um terço das pessoas na faixa dos 70 anos se definiu como meia-idade. Esta pesquisa vai de encontro com a constatação de que pessoas de meiaidade tendem a se sentir uma década mais jovens que a certidão de nascimento.

    Por mais que definamos a meia-idade, as crises se concentram nesse período? Um estudo sugere que não. Em vez disso, indica que crises autorrelatadas simplesmente se tornam cada vez mais comuns à medida que envelhecemos. Entre os participantes do estudo na faixa dos 20 anos, 44% relataram uma crise, em comparação com 49% na faixa dos 30 anos e 53% na faixa dos 40 anos.

    Em outro estudo, quanto mais velhos os participantes, mais velhos eles relataram que a crise da meia-idade ocorreu. Pessoas com mais de 60 anos se lembraram delas com 53 anos, enquanto aquelas com 40 anos dataram delas para 38.

    O que os teóricos pensavam

    O psicanalista Elliot Jaques, que cunhou o termo "crise da meia idade" em 1965, achou que isso refletia o reconhecimento crescente da mortalidade de alguém. "A morte", escreveu ele, "em vez de ser uma concepção geral, ou um evento experimentado em termos da perda de outra pessoa, torna-se uma questão pessoal".

    A principal conquista da meia-idade, segundo Jaques, é ir além do idealismo juvenil para o que ele chamou de "pessimismo contemplativo" e "renúncia construtiva". Ele argumentou que a meia-idade foi quando atingimos a maturidade, superando nossa negação da morte e destrutividade humana.

    Explicações menos profundas também foram oferecidas para a insatisfação na meia-idade. É quando os filhos saem da casa da família, caracterizando também a “síndrome do ninho vazio”. As doenças crônicas costumam aparecer pela primeira vez e as perdas se aceleram. As demandas no local de trabalho podem estar chegando ao auge.

    Mas pode haver algo ainda mais básico e biológico. Chimpanzés e orangotangos não são conhecidos por sofrer de medo existencial, síndrome do ninho vazio ou estresse no trabalho. E ainda assim, eles mostram o mesmo mergulho na meia-idade no bem-estar que seus primos humanos.

    Um estudo constatou que os chimpanzés com mais de 20 anos e os orangotangos em meados dos 30 apresentaram o humor mais baixo, menor prazer em atividades sociais e a menor capacidade de atingir seus objetivos. Os pesquisadores especularam que esse padrão pode refletir alterações relacionadas à idade nas estruturas cerebrais associadas ao bem-estar, semelhantes entre as espécies de primatas.

    Meia-idade como época de crescimento, não crise

    Os episódios de crise podem não estar intimamente ligados a eventos adversos da vida. A pesquisa geralmente falha em mostrar conexões claras entre adversidades e crises autoproclamadas.

    Um estudo constatou que a crise da meia-idade não estava associada a um divórcio recente, perda de emprego ou morte de um ente querido, e estava ligada principalmente a um histórico de depressão.

    A ideia de que a meia-idade é um período de melancolia psicológica também é desmentida pelas evidências da pesquisa. Não obstante a curva de satisfação com a vida em forma de U, a maioria das mudanças durante a meia-idade é positiva.

    Considere a mudança de personalidade, por exemplo. Um estudo longitudinal que acompanhou milhares de americanos entre 41 e 50 anos descobriu que eles se tornaram menos neuróticos e autoconscientes com a idade. Essas mudanças de personalidade não estavam relacionadas à experiência de adversidade da vida dos adultos: a resiliência, não a crise, era a norma.

    Outro estudo que acompanhou uma amostra de mulheres de 43 a 52 anos mostrou que elas tendem a se tornar menos dependentes e autocríticas e mais confiantes, responsáveis ??e decisivas à medida que envelhecem. Essas mudanças não estavam relacionadas ao status da menopausa das mulheres ou às experiências de ninhos vazios.

    Outras pesquisas contam uma história semelhante. Em geral, as mudanças psicológicas durante a meia-idade são positivas. A personalidade se torna mais estável, enquanto as emoções positivas, em média, aumentam gradualmente ao longo da vida.

    Mesmo as crises de meia-idade autorreferidas podem ter um lado positivo. Um estudo mostrou que quanto mais crises as pessoas relatavam, mais empáticas elas eram em relação aos outros.

    1. Home
    2. noticias
    3. estudos esclarecem a crise da …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.