Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1

NOTÍCIAS SOBRE idosos

Veja essas e outras notícias da Antena 1

Placeholder - loading - Imagem da notícia A crise da meia-idade é real?

A crise da meia-idade é real?

A meia-idade é frequentemente vista como um ponto crítico da vida. Uma colina foi escalada e a vista do outro lado é perturbadora. Como o escritor francês Victor Hugo disse: "quarenta é a velhice da juventude" e "cinquenta a juventude da velhice".Estudos mostram que a grande maioria das pessoas acredita na chamada "crise da meia idade" e quase metade dos adultos com mais de 50 anos afirma ter tido uma. Mas será que ela realmente existe? Uma matéria da rede norte-americana LINKreuniu alguns estudos para abordar o assunto.Há boas evidências de que um declínio na meia-idade na satisfação com a vida é real. Pesquisas populacionais normalmente mostram que mulheres e homens relatam a menor satisfação nesse período da vida. A pesquisa australiana HILDA (Household, Income and Labour Dynamics in Australia) localiza a menor satisfação com a vida aos 45 anos, e o Australian Bureau of Statistics destaca a faixa etária de 45 a 54 anos como a mais sombria.A meia-idade pode ser deslocadora para alguns, mas isso não é uma regra. Psicologicamente falando, as coisas tendem a melhorar. Se houver uma pequena queda na maneira como as pessoas avaliam sua vida - mesmo que objetivamente não seja pior do que antes - isso é compreensível. Nossa atenção muda do tempo passado para o tempo restante, e isso requer um processo de ajuste.
Quando ela acontece?
Os conceitos de meia-idade são elásticos e mudam à medida que envelhecemos. Um estudo descobriu que os adultos mais jovens acreditam que a meia-idade se estende do início dos anos 30 aos 50, enquanto os adultos acima de 60 anos o consideram que se estende do final dos anos 30 aos meados dos 50.Em um estudo nos EUA, um terço das pessoas na faixa dos 70 anos se definiu como meia-idade. Esta pesquisa vai de encontro com a constatação de que pessoas de meiaidade tendem a se sentir uma década mais jovens que a certidão de nascimento.Por mais que definamos a meia-idade, as crises se concentram nesse período? Um estudo sugere que não. Em vez disso, indica que crises autorrelatadas simplesmente se tornam cada vez mais comuns à medida que envelhecemos. Entre os participantes do estudo na faixa dos 20 anos, 44% relataram uma crise, em comparação com 49% na faixa dos 30 anos e 53% na faixa dos 40 anos.Em outro estudo, quanto mais velhos os participantes, mais velhos eles relataram que a crise da meia-idade ocorreu. Pessoas com mais de 60 anos se lembraram delas com 53 anos, enquanto aquelas com 40 anos dataram delas para 38.O que os teóricos pensavamO psicanalista Elliot Jaques, que cunhou o termo "crise da meia idade" em 1965, achou que isso refletia o reconhecimento crescente da mortalidade de alguém. "A morte", escreveu ele, "em vez de ser uma concepção geral, ou um evento experimentado em termos da perda de outra pessoa, torna-se uma questão pessoal".A principal conquista da meia-idade, segundo Jaques, é ir além do idealismo juvenil para o que ele chamou de "pessimismo contemplativo" e "renúncia construtiva". Ele argumentou que a meia-idade foi quando atingimos a maturidade, superando nossa negação da morte e destrutividade humana.Explicações menos profundas também foram oferecidas para a insatisfação na meia-idade. É quando os filhos saem da casa da família, caracterizando também a “síndrome do ninho vazio”. As doenças crônicas costumam aparecer pela primeira vez e as perdas se aceleram. As demandas no local de trabalho podem estar chegando ao auge.Mas pode haver algo ainda mais básico e biológico. Chimpanzés e orangotangos não são conhecidos por sofrer de medo existencial, síndrome do ninho vazio ou estresse no trabalho. E ainda assim, eles mostram o mesmo mergulho na meia-idade no bem-estar que seus primos humanos.Um estudo constatou que os chimpanzés com mais de 20 anos e os orangotangos em meados dos 30 apresentaram o humor mais baixo, menor prazer em atividades sociais e a menor capacidade de atingir seus objetivos. Os pesquisadores especularam que esse padrão pode refletir alterações relacionadas à idade nas estruturas cerebrais associadas ao bem-estar, semelhantes entre as espécies de primatas.Meia-idade como época de crescimento, não criseOs episódios de crise podem não estar intimamente ligados a eventos adversos da vida. A pesquisa geralmente falha em mostrar conexões claras entre adversidades e crises autoproclamadas.Um estudo constatou que a crise da meia-idade não estava associada a um divórcio recente, perda de emprego ou morte de um ente querido, e estava ligada principalmente a um histórico de depressão.A ideia de que a meia-idade é um período de melancolia psicológica também é desmentida pelas evidências da pesquisa. Não obstante a curva de satisfação com a vida em forma de U, a maioria das mudanças durante a meia-idade é positiva.Considere a mudança de personalidade, por exemplo. Um estudo longitudinal que acompanhou milhares de americanos entre 41 e 50 anos descobriu que eles se tornaram menos neuróticos e autoconscientes com a idade. Essas mudanças de personalidade não estavam relacionadas à experiência de adversidade da vida dos adultos: a resiliência, não a crise, era a norma.Outro estudo que acompanhou uma amostra de mulheres de 43 a 52 anos mostrou que elas tendem a se tornar menos dependentes e autocríticas e mais confiantes, responsáveis ??e decisivas à medida que envelhecem. Essas mudanças não estavam relacionadas ao status da menopausa das mulheres ou às experiências de ninhos vazios.Outras pesquisas contam uma história semelhante. Em geral, as mudanças psicológicas durante a meia-idade são positivas. A personalidade se torna mais estável, enquanto as emoções positivas, em média, aumentam gradualmente ao longo da vida.Mesmo as crises de meia-idade autorreferidas podem ter um lado positivo. Um estudo mostrou que quanto mais crises as pessoas relatavam, mais empáticas elas eram em relação aos outros.

4 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Menos pessoas morrem por doenças do coração

Menos pessoas morrem por doenças do coração

Agora, o câncer causa mais mortes entre pessoas de meia-idade em países de alta renda do que as doenças cardiovasculares, sugere um estudo. Mas globalmente, problemas cardíacos e derrames ainda são a principal causa de morte nessa idade.Mas os pesquisadores dizem que as pessoas nos países ricos têm 2,5 vezes mais chances de morrer de câncer do que as doenças cardiovasculares nesta faixa etária. Nos países mais pobres, o inverso é verdadeiro - com doenças cardiovasculares três vezes mais propensas a causarem morte.O estudo, publicado no Lancet, é extraído de um programa de pesquisa global que segue a vida de milhares de pessoas de 21 países.ProgressoPesquisadores liderados por uma equipe da Universidade McMaster do Canadá analisaram o perfil de 160 mil pessoas inscritas no programa, entre 2005 e 2016. Essas pessoas tinham uma idade média de 50 anos no início.Houve mais de 11 mil mortes mortes, com as de países de baixa renda com quase quatro vezes mais probabilidade de morrer do que as de países de alta renda. Em cerca de 2.000 casos, a causa da morte não era clara.Dos outros, as doenças cardiovasculares causaram mais de 40% nos países de renda média e baixa, mas menos de um quarto nos países de renda alta.Os pesquisadores dizem que isso pode ocorrer porque os países mais ricos fornecem mais medicamentos e tratamento. Inclusive, falamos um pouco mais sobre o avanço no tratamento contra o câncer aqui. Jeremy Pearson, da Fundação Britânica do Coração, disse que "um enorme progresso" significa que muitas pessoas estão sobrevivendo a ataques cardíacos e derrames, mas um número crescente está vivendo com "incapacidade e os efeitos debilitantes após" da doença cardiovascular.

4 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Estudo mostra que idosos estão bebendo mais

Estudo mostra que idosos estão bebendo mais

Uma pesquisa feita pela escola de medicina da New York University, nos EUA, cerca de 10% das pessoas com mais de 65 anos bebem excessivamente. Os especialistas alertam que esse hábito pode intensificar diversas outras doenças.Feito em parceria com o Center for Drug Use, a pesquisa foi publicada no “Jornal of the American Geriatrics Society” e mostrou que há um perfil que tende mais ao comportamento: homens, fumantes e usuários de maconha.Complicações Não ter moderação na hora de beber é prejudicial em todas as idades, mas as complicações se intensificam na velhice. O médico Benjamin Han, autor do estudo e professor de geriatria e cuidados paliativos, explica que isso acontece porque os idosos costumam ter mais doenças crônicas e utilizam mais remédios, além do risco aumentado para quedas.“Beber em grande quantidade, mesmo que episodicamente, pode ter um efeito negativo significativo para os mais velhos, por causa da interação com a medicação e o risco de exacerbar as enfermidades existentes”, diz o especialista.O estudoPara chegar à conclusão, os especialistas analisaram os dados de dez mil adultos acima dos 65 anos. Eles participaram de levantamentos nacionais de saúde entre os anos de 2015 e 2017.Segundo o levantamento, a prevalência do uso excessivo de álcool em uma só ocasião no mês anterior foi de pouco mais de 10%. Nos estudos anteriores, de 2005 e 2014, essa taxa ficava entre 7,7% e 9%.DoençasA doença crônica mais comum entre aqueles que bebiam excessivamente, em 41,4% dos casos, era a hipertensão; em seguida, a cardiopatia, em 23%, e diabetes, em 17,7%.Os especialistas afirmam que este tipo de estudo serve de alerta, já que o consumo do álcool pode agravar o quadro dessas doenças. Os pesquisadores acreditam, ainda, que muitos dos idosos não têm noção que o hábito oferece um risco ainda maior em sua idade.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

4 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Animais de estimação podem ser perigoso a idosos

Animais de estimação podem ser perigoso a idosos

Os benefícios para a saúde de ter um animal de estimação - especialmente um cão - estão bem estabelecidos. Foi demonstrado que os donos de caninos têm vidas mais longas e saudáveis, em parte porque cuidar de um cão estimula a atividade física. E animais de estimação de todos os tipos demonstraram diminuir os níveis de estresse de seus donos e melhorar sua saúde mental.Mas uma nova carta de pesquisa publicada na JAMA Surgery vê uma potencial desvantagem da posse destes bichinhos. Entre os adultos mais velhos, as fraturas sofridas durantes os passeios com os peludos são surpreendentemente comuns e crescem com mais frequência, de acordo com a pesquisa.Pesquisadores examinaram dados do Sistema Nacional de Vigilância de Lesões Eletrônicas, nos Estados Unidos. Em 2014, quase 1.700 adultos com 65 anos ou mais foram ao pronto-socorro para tratar de fraturas relacionadas a cães que passeavam com coleiras. Em 2017, esse número subiu para quase 4.500 – e esse número vez crescendo desde 2004.Dr. Jaimo Ahn, professor associado de cirurgia ortopédica na Universidade da Escola de Medicina da Pensilvânia, diz que as razões por trás do aumento são provavelmente positivas, mesmo que o resultado final - mais lesões - não seja.“As pessoas sabem intuitivamente muitos dos benefícios da companhia animal”, escreveu Ahn em um email para a TIME. “Não surpreendentemente, a posse de animais aumentou ao longo do tempo, incluindo entre os idosos, que estão vivendo mais e se esforçando para viver mais saudável.”Ainda assim, a pesquisa sugere que os riscos de posse de animais não devem ser ignorados, especialmente para os mais velhos. "À medida que envelhecemos, devemos considerar os riscos e benefícios da atividade física que desejamos e nos certificarmos de que estamos seguros e cuidadosamente preparados para o desafio", diz Ahn.Caminhar com cães oferece aos idosos uma oportunidade valiosa de avaliar - e, se necessário, melhorar - sua própria força, capacidade de locomoção e bem-estar geral, diz ele, assim como o comportamento de seus cães."Há tantos benefícios da posse de animais de estimação, mas, assim como tudo o mais, há pontos negativos a serem considerados", diz Ahn.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

5 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Uma boa qualidade de sono pode evitar quedas

Uma boa qualidade de sono pode evitar quedas

Cientistas ingleses constataram que uma noite de sono ruim pode atrapalhar a postura e o equilíbrio das pessoas. Os pesquisadores acreditam que os resultados servem como alerta principalmente para os idosos, um dos grupos que mais sofrem com quedas e com noites mal dormidas. As descobertas foram publicadas na revista especializada Scientific Reports.Leandro Pecchia, pesquisador da Escola de Engenharia da Universidade de Warwick, analisou um grupo de 20 jovens adultos saudáveis que foram submetidos à avaliação de equilíbrio e de sono durante dois dias consecutivos. Foram utilizados sensores vestíveis de última geração para o monitoramento do sono dos voluntários em casa. Depois, eles foram avaliados, em laboratório, por meio de testes de equilíbrio.A constatação foi que apenas uma única noite de sono perturbada diminuiu o controle de postura dos participantes. Os indivíduos com deterioração de curto prazo na quantidade e na qualidade do sono também exibiram alterações significativas no equilíbrio.“Esses resultados confirmaram nossa hipótese de que mudanças na qualidade do sono e no padrão ao longo de dias consecutivos pode afetar o equilíbrio”, afirma Pechhia. “Os resultados obtidos em voluntários que são sadios são surpreendentes, dada a capacidade que os jovens adultos têm de compensar tais interrupções agudas e de curta duração. Esperaríamos efeitos mais dramáticos se esses experimentos tivessem sido feitos em pessoas mais velhas, cuja vulnerabilidade à interrupção do sono, a hipotensão postural e o risco de quedas são muito maiores”, complementa Francesco Cappuccio, chefe do programa Sleep, Health & Society da Universidade de Warwick, e um dos envolvidos na pesquisa.Atenção aos idososQuando a pessoa está em forma e com boa saúde, após uma noite conturbada o corpo dela é capaz de se adaptar e desenvolver uma estratégia para manter o equilíbrio. Mas o corpo dos idosos podem não responder desta forma. “Essa capacidade é reduzida com o envelhecimento ou quando há outras condições concomitantes”, explica Leandro Pecchia, pesquisador da Escola de Engenharia da Universidade de Warwick.Pessoas internadas também estão entre as mais vulneráveis. Por isso, o cientista britânico acredita que os resultados da pesquisa que liderou podem contribuir para a prevenção a quedas hospitalares. “Pacientes idosos hospitalizados encontram-se em uma condição frágil, dormindo em um ambiente desconhecido, com luz noturna incomum, ruídos de outros pacientes e enfermeiros e, talvez, recebendo mais de uma droga. Acordar para ir ao banheiro pode ser mais desafiador do que podemos imaginar”, afirma.“Um dos problemas na prevenção de quedas é que sabemos que um sujeito frágil vai cair, mas é muito difícil prever quando. Esse é o primeiro passo para encontrar uma solução”.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

5 A

Fique por dentro

de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

  1. Home
  2. noticias
  3. tags
  4. idosos

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.