Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    EXCLUSIVO-Executivos da Huawei tinham ligações com empresa no centro de processo criminal dos EUA

    Placeholder - loading - 15/07/2020 REUTERS/Gonzalo Fuentes
    15/07/2020 REUTERS/Gonzalo Fuentes

    Publicada em  

    Por Steve Stecklow e Marcelo Rochabrun

    LONDRES/SÃO PAULO (Reuters) - Uma obscura empresa registrada em Hong Kong está no centro do processo criminal norte-americano contra a chinesa Huawei Technologies e sua vice-presidente financeira.

    Autoridades dos Estados Unidos alegam que a fabricante de equipamentos de telecomunicações usou a empresa para contornar sanções econômicas dos EUA ao Irã entre 2007 e 2014. A Huawei disse que vendeu o negócio em 2007 e nega qualquer delito.

    Agora, a Reuters descobriu no Brasil ligações não divulgadas anteriormente entre a Huawei e a empresa, Skycom Tech, que poderia oferecer suporte ao caso dos EUA contra a companhia e Meng Wanzhou, sua vice-presidente financeira e filha de seu fundador. Registros corporativos submetidos no Estado de São Paulo mostram que a Huawei e a Skycom estiveram estreitamente ligadas no Estado por cinco anos depois que a Huawei vendeu suas ações na Skycom em 2007.

    Até o final de 2007, dois outros executivos de alto escalão da Huawei também tinham laços estreitos com a Skycom, como mostram os documentos arquivados no Brasil e em Hong Kong. Ambos os homens - Ken Hu e Guo Ping - atualmente são vice-presidentes da Huawei e se alternam como presidente da empresa. Guo agora tem o papel de presidente.

    O caso é parte de uma campanha global de Washington para controlar o poder da Huawei, uma frente na crescente disputa entre os EUA e a China. Os EUA têm feito lobby com seus aliados para evitar o uso de equipamentos da Huawei em suas redes de telecomunicações móveis de próxima geração, ou redes 5G. Washington argumenta que a China poderia usar a tecnologia para atacar a infraestrutura crítica e comprometer o compartilhamento de inteligência, alegações negadas pela Huawei e pela China.

    A Huawei não quis comentar esta reportagem.

    Até agora, apenas as atividades de negócios da Skycom no Irã receberam atenção pública. Mas os registros da empresa em São Paulo mostram que a Skycom também teve uma presença pouco conhecida no Brasil entre 2002 e 2012.

    Os registros mostram que Hu estava baseado em São Paulo em maio de 2002, quando a Skycom adquiriu uma pequena participação na Huawei Brasil, da qual ele era então gerente. O perfil de Hu no LinkedIn afirma que ele também foi presidente da região da América Latina da Huawei naquela época.

    Mais tarde, Hu deixou o Brasil, mas estabeleceu outro vínculo com a Skycom. Os registros da empresa de Hong Kong mostram que, em 2007, Hu e Guo eram diretores de uma afiliada da Huawei, Hua Ying Management, que era proprietária da Skycom. A Hua Ying transferiu suas ações da Skycom para outra empresa naquele ano. Meng estava listado na época como secretário corporativo de Hua Ying.

    Documentos apresentados por autoridades norte-americanas no processo criminal dos EUA descrevem a transferência de ações como essencialmente uma transação fictícia e que a Huawei continuou a controlar a Skycom como 'uma subsidiária não oficial'.

    Hu, Guo e Meng estão atualmente listados como os três diretores da Hua Ying no registro de empresas de Hong Kong.

    Hu, que também é conhecido como Hu Houkun, e Guo não foram citados no processo dos EUA. Suas ligações com a Skycom e suas atividades no Brasil não foram reportadas anteriormente.

    As estreitas ligações da Huawei com a Skycom no Irã após a suposta venda de 2007 foram documentadas anteriormente pela Reuters. Os documentos brasileiros, arquivados na Junta Comercial do Estado de São Paulo (Jucesp), mostram até que ponto Huawei e Skycom também continuaram estreitamente ligadas no Brasil por mais cinco anos.

    Por exemplo, em julho de 2008, as duas acionistas da Huawei Brasil na época - a Skycom e uma afiliada da Huawei chamada Huawei Tech Investment - nomearam cada uma a mesma pessoa chinesa para representá-las na Huawei Brasil. Os documentos também mostram que Meng, então integrante dos conselhos de administração de ambas as sociedades, autorizou as indicações.

    Durante a década da Skycom como acionista da Huawei Brasil até 2012, a Skycom sempre foi representada na empresa brasileira por pessoas que também representavam os interesses da Huawei, mostram os documentos.

    Escrito por Reuters

    Últimas Notícias

    1. Home
    2. noticias
    3. exclusivo executivos da …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.