Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Grupo hoteleiro português cancela construção de resort em área reivindicada por tribo na Bahia

    Placeholder - loading - Indígenas das etnias pataxó e tupinambá protestam em frente ao STF, em Brasília 16/10/2019 REUTERS/Adriano Machado
    Indígenas das etnias pataxó e tupinambá protestam em frente ao STF, em Brasília 16/10/2019 REUTERS/Adriano Machado

    Publicada em  

    Por Victoria Waldersee e Anthony Boadle

    LISBOA/BRASÍLIA (Reuters) - Uma tribo indígena que vem lutando há 15 anos para preservar terras de onde retira sua alimentação conseguiu uma vitória, na segunda-feira, quando a pressão pública fez com que o grupo hoteleiro português Vila Galé cancelasse os planos de construir um resort de luxo no litoral da Bahia.

    Com uma população de 4.631 indígenas, a tribo Tupinambá de Olivença luta desde 2003 para que sua terra seja declarada como reserva. A Fundação Nacional do Índio (Funai) aprovou o pedido em 2009, e a Justiça decidiu unanimemente em favor aos tupinambás em 2016.

    No entanto, a tribo ainda precisa da assinatura final do Ministério da Justiça e do presidente Jair Bolsonaro para que o status de proteção do território se torne oficial. Apesar dos múltiplos pedidos, nada foi feito desde 2016.

    Na semana passada, o Conselho Nacional de Direitos Humanos demandou que o governo Bolsonaro acelere a demarcação final da terra Tupinambá, localizada na Mata Atlântica no sul da Bahia.

    O presidente ainda não manifestou qualquer decisão sobre o caso específico, mas declarou em diversas ocasiões que não pretende conceder mais territórios para grupos indígenas, alegando que há 'muita terra para poucos indígenas'.

    O Vila Galé informou que um empresário local ofereceu-lhe o terreno em 2018. Representantes dos governos municipal e estadual aprovaram o projeto, assim como o Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur). O grupo hoteleiro anunciou o projeto em seu site, indicando que a inauguração estava prevista para 2021.

    O CEO da companhia, Jorge Rebelo de Almeida, insistentemente negou a existência de qualquer presença indígena no local em questão, uma alegação reiterada por um comunicado divulgado à imprensa portuguesa na segunda-feira.

    'No local e em um raio de muitos quilômetros, não havia nem há qualquer tipo de ocupação/utilização, nem sinais de qualquer atividade extrativista por parte de quem quer que seja. Não existe qualquer reserva indígena decretada para esta área, nem previsão de a vir a ser”, afirmou o comunicado.

    A pressão sobre o segundo maior grupo hoteleiro de Portugal cresceu após um documento divulgado pelo The Intercept em 27 de outubro, no qual a Embratur manifestava 'interesse no encerramento do processo de demarcação de terras indígenas' da tribo Tupinambá de Olivença na área de construção do hotel, que traria 200 milhões de reais e geraria cerca de 2 mil empregos diretos e indiretos.

    Em resposta ao documento e às pressões políticas, públicas e da imprensa portuguesa, a companhia insistiu que aguardaria até a decisão final do Ministério da Justiça e de Bolsonaro.

    No comunicado de segunda-feira, entretanto, a companhia informou que abandonaria o projeto por não querer que seu hotel siga em frente 'com a iminência de um 'clima de guerra'', que classifica como 'injusto' e 'sem fundamento'.

    De acordo com a Constituição brasileira, que garante o direito indígena sobre as terras ancestrais, e um decreto presidencial de 1996, qualquer construção em território já demarcado pela Funai pode ser confiscada sem compensação.

    'Este projeto de hotel é totalmente ilegal. O direito dos índios à terra independe da sua demarcação', disse Juliana Batista, advogada do Instituto Socioambiental, uma organização não governamental que defende os direitos indígenas. Ela acrescentou que autoridades locais seguiram adiante e licenciaram o projeto do hotel sem envolver agências federais.

    Escrito por Reuters

    Últimas Notícias

    Placeholder - loading - Imagem da notícia 'Tonight United': Duran Duran lança música em parceria com Giorgio Moroder

    'Tonight United': Duran Duran lança música em parceria com Giorgio Moroder

    Esta sexta-feira, 24 de setembro, já começou com várias novidades no mundo da música e isso inlui o lançamento de 'Tonight United', sendo esse o novo single de Duran Duran em parceria com o rei do disco, Giorgio Moroder. A canção faz parte de  'Future Past', décimo quinto dsico de estúdio da banda. 
     
    Em nota, Simon Le Bond, vocalista do grupo, declarou: "“Giorgio Moroder, Duran Duran ... isso é música para um mundo que está se reunindo”. 
     
    Um dos motivos para 'Tonight United' ter sido divulgada hoje, é que a canção é a música tema do festival 'Global Citizen' - que acontece neste sáabdo (25), em Londres, e será transmitido ao vivo pelo YouTube do evento. Clique aqui para acessar o canal do show.  
     
    Veja o vídeo oficial da música: 
     
     
    “Quando entramos em estúdio pela primeira vez no final de 2018, eu estava tentando persuadir os caras de que tudo o que precisávamos fazer era escrever duas ou três faixas para um EP. Quatro dias depois, com o núcleo de mais de 25 canções fortes, que todas mereciam desenvolvimento, percebi que estaríamos nisso por um longo tempo, mas isso foi antes de Covid-19. Então, aqui estamos nós em 2021 com nosso 15º álbum de estúdio e nos esforçando ao máximo", afirmou Le Bond.  
     
    As demais faixas do disco também contém parcerias com grandes artistas da indútria musical, como Mark Ranson, Lykke Li, To Love, CHAI, Graham Coxon do Blur e Mick Grason - tecladiscta de David Bowie. 
     
    'Future Past' estará disponível em sua versão compelta a partir do dia 22 de outubro deste ano. Confira as músicas foram publicadas, até o momento:
     
     
    Veja mais:
     
    Shows lendários de Bruce Springsteen ganham data de lançamento
     
    Genesis inicia turnê de despedida 'The Last Domino Tour?' na Inglaterra

    4 H
    1. Home
    2. noticias
    3. grupo hoteleiro portugues …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.