Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Hiroshima marca 75 anos da bomba atômica em cerimônia reduzida

    Placeholder - loading - news single img
    Lista com nomes de mortos na guerra é entregue ao prefeito de Hiroshima, Kazumi Matsui, por representante das famílias das vítimas da bomba atômica, no Parque da Paz Kyodo/via REUTERS

    Publicada em  

    Por Elaine Lies

    TÓQUIO (Reuters) - Os sinos tocaram em Hiroshima, nesta quinta-feira, para o 75º aniversário do primeiro ataque com bomba atômica do mundo, com cerimônias reduzidas devido à pandemia de coronavírus e o prefeito da cidade fazendo um apelo para que as nações rejeitem o egoísmo nacionalista e se unam para enfrentar todas as ameaças.

    Embora milhares de pessoas geralmente lotem o Parque da Paz, no centro da cidade japonesa, para rezar, cantar e oferecer origamis de papel como símbolos da paz, a entrada foi muito limitada e apenas sobreviventes e suas famílias puderam comparecer à cerimônia.

    A cidade disse que a importância do aniversário do bombardeio que matou 140.000 pessoas antes do final de 1945 havia motivado a decisão de realizar a cerimônia, apesar da disseminação do vírus, com rígidas medidas de precaução.

    “Em 6 de agosto de 1945, uma única bomba atômica destruiu nossa cidade. Rumores da época diziam que ‘nada cresceria aqui por 75 anos’”, disse o prefeito Kazumi Matsui.

    “E mesmo assim, Hiroshima se recuperou e se tornou um símbolo da paz.”

    Às 8h15, em 6 de agosto de 1945, o avião de guerra Enola Gay lançou a bomba, apelidada de “Little Boy” (menininho) e destruiu a cidade com população estimada em 350.000 pessoas. Milhares milhares de pessoas morreram posteriormente de ferimentos ou doenças relacionadas à radiação.

    Na quinta-feira, enquanto as cigarras se agitavam no forte calor do verão, e o Sino da Paz ressoava, o público respeitou um momento de silêncio no instante exato em que a bomba explodiu.

    “A pandemia de gripe de 1918, um século atrás, tirou dezenas de milhões de vidas e aterrorizou o mundo porque as nações que travavam a Primeira Guerra Mundial não conseguiram se reunir para enfrentar a ameaça juntas”, acrescentou Matsui.

    “O crescimento subsequente do nacionalismo levou à Segunda Guerra Mundial e às bombas atômicas. Não podemos permitir que esse passado doloroso se repita. A sociedade civil precisa rejeitar o nacionalismo egocêntrico e se unir contra todas as ameaças.”

    O primeiro-ministro Shinzo Abe compareceu à cerimônia, como normalmente faz, mas o número de visitantes estrangeiros foi menor. O público total foi reduzido a menos de um décimo do habitual, com cadeiras espaçadas e pessoas usando máscaras.

    Matsui fez um apelo para que o Japão ratifique o pacto da Organização das Nações Unidas de 2017 banindo armas nucleares, mas Abe evitou qualquer referência direta, dizendo que o Japão precisa “ser uma ponte entre as nações” para abolir armas nucleares.

    ((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447702)) REUTERS AC

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. hiroshima marca 75 anos da …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.