Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Indicado para Saúde, Queiroga diz que a política de ação contra pandemia é do governo e não do ministro

    Placeholder - loading - news single img
    Cardiologista Marcelo Queiroga, conversa com jornalistas em Brasília 16/03/2021 REUTERS/Ueslei Marcelino

    Publicada em  

    Atualizada em  

    Por Lisandra Paraguassu

    BRASÍLIA (Reuters) - No dia seguinte a sua indicação para o cargo de ministro da Saúde, o cardiologista Marcelo Queiroga afirmou nesta terça-feira que a política de saúde é do governo do presidente Jair Bolsonaro e cabe ao ministério executar as medidas e que irá dar continuidade às ações planejadas por Eduardo Pazuello.

    'O governo está trabalhando. As políticas públicas estão sendo colocadas em prática. O ministro Pazuello anunciou todo o cronograma da vacinação. A política é do governo Bolsonaro. A política não é do ministro da Saúde. O ministro da Saúde executa a política do governo', disse Queiroga a jornalistas ao chegar para sua primeira reunião no ministério.

    'Ministro Pazuello tem trabalhado arduamente para melhorar as condições sanitárias do Brasil e eu fui convocado pelo presidente Bolsonaro para dar continuidade a esse trabalho.'

    O nome de Queiroga foi anunciado na noite de segunda-feira por Bolsonaro, em substituição a Pazuello. A informação de que o ministro deixaria o cargo surgiu no final de semana mas, ao mesmo tempo em que o general negava que tivesse pedido para sair, o presidente fazia contatos com a cardiologista Ludhmila Hajjar, indicada por, entre outros, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e Queiroga, apresentado pelo senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), seu filho.

    A nomeação de Queiroga deve sair na quarta-feira no Diário Oficial, mas o futuro ministro iniciou nesta terça já as reuniões de transição no ministério.

    Questionado sobre temas como o uso de cloroquina e lockdown, que costumam afastar Bolsonaro de boa parte da comunidade científica, Queiroga se recusou a responder. Afirmou que suas posições são públicas e o necessário hoje é uma 'união nacional'.

    'O presidente está muito preocupado com essa situação, ele tem pensado nisso diuturnamente e vamos buscar soluções. Não tem vara de condão para solucionar os problemas da saúde pública', disse.

    Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, no domingo --quando seu nome começou a circular como possível ministro-- Queiroga afirmou ser contra o uso da cloroquina.

    'A própria Sociedade Brasileira de Cardiologia não recomendou o uso dela nos pacientes, e nem eu sou favorável porque não há consenso na comunidade científica”, disse.

    Já na noite de segunda, em entrevista a TV CNN, reafirmou que o medicamento não seria parte de sua estratégia, mas que médicos tem autonomia para prescrevê-la.

    Já sobre Lockdown, Queiroga afirmou que essa não pode ser uma política de governo e só é aplicado em situações extremas.

    'Não pode ser política de governo fazer lockdown. Tem outros aspectos da economia para serem olhados', afirmou.

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. indicado para saude queiroga …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.