alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Remédios para dormir podem trazer consequências a curto e longo prazo

    Segundo especialistas ouvidos pela revista norte-americana Time, os idosos são os mais prejudicados.

    Por Letícia Furlan

    Placeholder - loading - news single img

    Um estudo recente publicado no American Journal of Geriatric Psychiatry constatou que cerca de um em cada três adultos com idades entre 65 e 80 anos usa remédios pelo menos ocasionalmente para dormir – e aqueles de venda livre, como o Benadryl e o Tylenol PM, são os preferidos.

    Especialistas dizem que isso é preocupante por várias razões. Estudos associaram o uso regular e a longo prazo de medicamentos para o sono vendidos sem receita médica a alguns efeitos colaterais potencialmente graves.

    "Muitos auxiliares de sono de venda livre - como Benadryl e Tylenol PM - contêm difenidramina", diz o Dr. Donovan Maust, co-autor do estudo recente e professor assistente de psiquiatria da Michigan Medicine. Difenidramina é uma droga anticolinérgica, o que significa que bloqueia a atividade de uma substância química do cérebro chamada acetilcolina, que desempenha um papel na ativação muscular e também em funções cerebrais como estado de alerta, aprendizagem e memória, diz Maust.

    Como resultado desse efeito de bloqueio, esses medicamentos podem causar constipação, confusão e outros efeitos colaterais, que, segundo Maust, podem afetar mais os idosos. Por estas razões, a Sociedade Geriátrica Americana considerou essas drogas “geralmente inapropriadas” para a faixa etária.

    Os efeitos colaterais delas também podem desencadear uma “cascata de prescrição”, diz Jennifer Schroeck, farmacêutica clínica do Departamento de Assuntos de Veteranos do Oeste dos Estados Unidos e co-autora de uma revisão de 2016 publicada na revista Clinical Therapeutics sobre a segurança do sono ajuda entre os adultos mais velhos.

    Por exemplo, em homens com complicações na próstata, drogas anticolinérgicas podem levar à retenção urinária, ou problemas de esvaziamento completo da bexiga, diz Schroeck. Um homem que esteja enfrentando esse problema não pode atribuí-lo ao remédio que está tomando à noite para dormir, e se ele não menciona ao seu médico, ele pode receber uma nova medicação para tratar seus problemas urinários. "Essa nova droga pode ter efeitos colaterais também, então, algo mais é adicionado para gerenciar esses", diz ela. Dessa forma, os medicamentos que o paciente está tomando - e seus muitos efeitos colaterais - podem aumentar rapidamente.

    Há também crescente preocupação com outro risco mais sério associado a esses medicamentos. "Outra preocupação para a qual as evidências estão crescendo é que o uso a longo prazo parece aumentar o risco de demência - e quanto mais uso, maior o risco", diz Maust.

    Um estudo de 2015 publicado na JAMA Internal Medicine descobriu que, em um período de 10 anos, as pessoas que tomavam regularmente a quantidade de difenidramina encontrada em duas cápsulas de Benadryl ou duas de Tylenol Extra Strength aproximadamente uma vez a cada duas semanas apresentavam risco significativamente aumentado de demência. Para os indivíduos que tomaram esses medicamentos cerca de uma vez a cada três dias (ou mais), os riscos de demência aumentaram em 54 por cento em comparação com pessoas que não os tomaram.

    Mas a relação com a demência não é de fato comprovada. Um estudo mais recente do Reino Unido apresentou apenas links “experimentais”, e seus autores afirmaram que são necessárias mais pesquisas. "Mas a única maneira de 100 por cento atribuir um problema de saúde a um tratamento específico é por meio de um estudo randomizado", diz Maust, referindo-se a um experimento em que um grupo de pessoas recebe uma droga e outra não.

    "Há novos relatórios de efeitos colaterais que saem anualmente", diz Kari Mergenhagen, um farmacêutico clínico e instrutor adjunto da Universidade de Buffalo. Dores de cabeça, tontura, náusea, vômitos e alucinações são algumas das preocupações de curto prazo associadas aos hipnóticos - uma classe de medicamentos prescritos destinados a induzir o sono.

    Mergenhagen diz que é muito difícil para os pesquisadores descobrir os riscos a longo prazo associados ao uso regular dessas drogas. Um estudo observacional publicado em 2012 no BMJ analisou dados de registros médicos eletrônicos de mais de 30 mil adultos e o uso de hipnóticos comuns, incluindo zolpidem (vendido sob a marca Ambien e outros), temazepam (Restoril), eszopiclone (Lunesta), zaleplon (Sonata) e outros barbituratos, benzodiazepinas e anti-histamínicos sedativos. Os pesquisadores descobriram que aqueles que receberam mais de 132 doses dessas drogas hipnóticas por ano - ou seja, os pacientes que tomavam pelo menos a cada dois ou três dias - tiveram um aumento de 35 por cento no risco de câncer e um salto de cinco vezes no risco de morte em comparação com aqueles não os tomavam. Mesmo as pessoas que tomavam esses medicamentos com moderação - como uma vez a cada poucas semanas - tinham maior probabilidade de morrer do que aquelas que não as tomavam.

    Os autores do estudo tentaram controlar as condições médicas pré-existentes e outros fatores que poderiam explicar por que as pessoas que tomavam esses medicamentos morreram ou desenvolveram câncer em taxas mais altas do que os não usuários. As drogas também estavam associadas a acidentes de carro, quedas e depressão - tudo isso poderia explicar os elevados riscos de mortalidade. Mas os riscos permaneceram. Os autores também encontraram associações entre o uso de hipnóticos e tipos específicos de câncer - notavelmente, linfomas e cânceres de pulmão, cólon e próstata -, mas não ofereceram mecanismos de causa e efeito que pudessem explicar os vínculos. Pesquisas mais recentes, tanto em pessoas quanto em animais, mostraram ligações mais preliminares com o câncer.

    Mesmo pondo de lado os riscos potenciais e os efeitos colaterais, as pílulas para dormir não são uma solução eficaz a longo prazo para a insônia. "A verdadeira questão é, por que você não está dormindo?", Diz Schroeck. Muitos adultos mais velhos podem tomar remédios para dormir porque a dor, os problemas nervosos ou outros problemas de saúde os mantêm acordados à noite, diz ela. Para essas pessoas, uma pílula para dormir está impedindo-as de encontrar um remédio verdadeiro para a doença.

    Mesmo para os adultos mais jovens que não conseguem dormir por causa do estresse, preocupações financeiras ou outras fontes de ansiedade que são mais difíceis de tratar, as pílulas para dormir são uma solução ruim, diz ela. "Terapia comportamental cognitiva deve sempre ser a primeira linha de tratamento", diz ela. Outros especialistas concordam que a terapia cognitivo-comportamental para insônia - que pode incluir estratégias como estabelecer uma rotina de sono consistente, restringir propositalmente o tempo gasto na cama ou praticar meditação baseada na atenção plena - é a melhor maneira de curar a insônia.

    Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

    1. Home
    2. noticias
    3. remedios para dormir podem …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.