alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE acordoparis

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Bolsonaro diz que Brasil deixará Acordo de Paris se não forem aceitas mudanças

    Bolsonaro diz que Brasil deixará Acordo de Paris se não forem aceitas mudanças

    (Reuters) - O presidente eleito Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira que o Brasil vai deixar o Acordo de Paris se não forem aceitas mudanças que seu governo pretende apresentar, em uma nova ameaça sobre a participação do país no pacto global sobre as mudanças climáticas.

    'Nós vamos sugerir mudanças no Acordo de Paris. Se não mudar, saímos fora', disse Bolsonaro em transmissão ao vivo numa rede social.

    'Quantos países não assinaram esse acordo? Muitos países importantes não assinaram, outros saíram. Por que o Brasil tem que dar uma de politicamente correto e permanecer num acordo possivelmente danoso à nossa soberania? A nossa soberania jamais estará em jogo', acrescentou.

    O Acordo de Paris foi aprovado por 195 países em 2015 e tem como uma de suas principais metas reduzir a emissão de gases do efeito estufa, de forma a evitar o aquecimento global. Em junho do ano passado, os Estados Unidos saíram do acordo por decisão do presidente Donald Trump.

    Admirador do presidente norte-americano, Bolsonaro disse durante a campanha eleitoral que poderia retirar o Brasil do pacto. Desde que foi eleito, já afirmou que pode seguir no acordo se forem cumpridas certas condições.

    O futuro ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse à Reuters que o Brasil deve permanecer no Acordo de Paris, mas, em linha com o discurso de Bolsonaro, ressaltou que o mundo também precisa respeitar a autonomia do país para estabelecer suas políticas ambientais. [nL1N1YG0BY]

    Na transmissão desta quarta-feira, Bolsonaro prometeu o fim do que chama de multas ambientais indiscriminadas e disse que se for preciso irá propor mudanças da legislação ao Congresso para que a política ambiental não atrapalhe o progresso do país.

    COAF

    Bolsonaro voltou a dizer que vai pagar a conta se tiver cometido algum erro no caso da movimentação financeira atípica de um ex-assessor do filho Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), que é deputado estadual e senador eleito.

    Relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) mostrou movimentação de 1,2 milhão de reais do ex-assessor Fabrício Queiroz. O próprio Bolsonaro já reconheceu que há depósitos de Queiroz na conta da futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

    'Eu não sou investigado, meu filho Flávio não é investigado e, pelo que me consta, nosso ex-assessor será ouvido pela Justiça na semana que vem, onde a gente espera obviamente que ele dê esclarecimentos', disse Bolsonaro em transmissão ao vivo em uma rede social.

    'Se algo estiver errado, seja comigo, com meu filho, com Queiroz, que paguemos a conta deste erro. Não podemos comungar com erro de ninguém.'

    No sábado, o presidente eleito explicou os depósitos na conta da mulher em função de um empréstimo que havia feito a Queiroz e afirmou estar disposto a responder se cometeu um erro em não declarar essa operação no Imposto de Renda.

    'Eu já o socorri financeiramente em outras oportunidades. Nessa última agora houve um acúmulo de dívida e ele resolveu me pagar... em 10 cheques de 4 mil reais. Eu não botei na minha conta porque tenho dificuldade para ir em banco e deixei para minha esposa', disse Bolsonaro no fim de semana.

    'Se errei (em não ter declarado o dinheiro recebido de Queiroz), eu arco minha responsabilidade junto ao fisco', acrescentou.

    O presidente eleito lamentou o episódio na transmissão e reafirmou seu compromisso no combate à corrupção, uma de suas principais bandeiras na campanha eleitoral.

    (Por Alexandre Caverni, em São Paulo)

    0

    0

    30

    5 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Bolsonaro diz que não vai tirar Brasil de acordo de Paris sobre clima

    Bolsonaro diz que não vai tirar Brasil de acordo de Paris sobre clima

    RIO DE JANEIRO (Reuters) - O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, disse nesta quinta-feira que não vai retirar o Brasil do Acordo de Paris sobre mudanças climáticas, caso vença o segundo turno da eleição presidencial no próximo domingo, e disse que pode recorrer à ONU para tentar um solução para os refugiados venezuelanos no país.

    Bolsonaro disse que o Brasil poderia atingir as metas do Acordo de Paris sem aderir ao pacto, mas que o país continuará como signatário.

    “Poderia estar buscando essas metas não estando em acordo nenhum... o Brasil não sai; fica no Acordo de Paris“, disse ele a jornalistas na casa do empresário Paulo Marinho. O Brasil comprometeu-se a cortar as emissões de gases do efeito estufa em 37 por cento até 2025 abaixo dos níveis de 2005, e possivelmente em 43 por cento até 2030.

    No início de setembro, o presidenciável do PSL chegou a dizer que poderia retirar o Brasil do acordo, argumentando que as premissas previstas no pacto afetariam a soberania nacional.

    Na casa do empresário, Bolsonaro recebeu uma faixa preta de dois veteranos do jiu jitsu num ato que simbolizou a vitória do capitão da reserva contra a morte após ser alvo de um ataque a facada em Minas Gerais.

    O presidenciável declarou que vai dar um ippon na corrupção, ideologia e violência caso seja eleito no domingo.

    SEM GUERRA

    Em entrevista coletiva no Rio de Janeiro, Bolsonaro, que lidera com folga as pesquisas de intenção de voto, também disse que não quer uma guerra com a Venezuela ou com qualquer outro país e declarou que, se eleito, buscará a Organização das Nações Unidas (ONU) para tratar da questão dos refugiados venezuelanos.

    ”Ninguém quer fazer guerra com ninguém não... temos que buscar maneiras, talvez junto à ONU, de criar ali áreas e campos de refugiados. Roraima não suporta a quantidade de venezuelanos que está entrando lá“, afirmou ele.

    Sobre a redução na vantagem sobre o presidenciável petista Fernando Haddad na pesquisa Ibope, quando a diferença caiu de 18 para 14 pontos percentuais, o candidato do PSL argumentou que a alteração foi uma oscilação dentro da margem de erro.

    Ainda assim, voltou a fazer um apelo para seus apoiadores. 'Não está garantida minha eleição no próximo domingo... peço aos meus eleitores e outros que não aceitem provocações.“

    (Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

    0

    0

    26

    7 M

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. acordoparis

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.