alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE ataque

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Ataque a faca deixa 1 morto na Austrália; Estado Islâmico reivindica autoria

    Ataque a faca deixa 1 morto na Austrália; Estado Islâmico reivindica autoria

    Por Tom Westbrook e Sonali Paul

    MELBOURNE (Reuters) - Um homem ateou fogo a uma caminhonete carregada de cilindros de gás no centro da cidade australiana de Melbourne nesta sexta-feira e esfaqueou três pessoas, deixando um morto, antes de ser baleado pela polícia, no que está sendo tratado como um ataque terrorista.

    A caminhonete, que estava repleta de cilindros de gás para churrasqueira, ficou em chamas na movimentada rua Bourke enquanto o motorista, nascido na Somália, esfaqueava transeuntes e atacava policiais.

    Os cilindros não explodiram e o fogo foi apagado em 10 minutos, quando o ataque também já havia acabado.

    Em publicação em seu site de notícias, o Estado Islâmico reivindicou responsabilidade pelo ato. Sem fornecer evidências, o grupo disse que um de seus combatentes conduziu um ataque a faca em Melbourne nesta sexta-feira, no qual uma pessoa morreu e duas ficaram feridas.

    'Ainda estamos tentando entender se ele ateou fogo no veículo e depois saiu do carro ou se ele saiu do carro e então o veículo pegou fogo', disse o comissário de polícia do Estado de Victoria, Graham Ashton, a repórteres.

    Vídeo publicado no Twitter e transmitido na televisão mostrava um homem apontando uma faca a dois policiais no movimentado centro da cidade, enquanto um carro queimava no fundo.

    Em seguida, um dos policiais atirou contra o homem e então caiu no chão segurando o peito, segundo o vídeo. Outras imagens mostraram duas vítimas esfaqueadas estiradas no chão e sangrando.

    O agressor morreu em um hospital, assim como uma das vítimas, disse Ashton. 'Com base no que sabemos sobre esse indivíduo, estamos tratando isso como um incidente terrorista', disse sobre o agressor.

    A polícia não identificou o responsável pelo ataque, mas Ashton disse que o homem era conhecido da polícia e de serviços de inteligência devido a associações familiares.

    Todas as vítimas eram homens, disse Ashton, se recusando a identificá-las porque a polícia ainda está entrando em contato com as famílias.

    Ashton disse que não há mais uma ameaça ao público, mas que a segurança será reforçada em eventos planejados para o final de semana.

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Rússia inicia investigação de terrorismo após ataque suicida de adolescente

    Rússia inicia investigação de terrorismo após ataque suicida de adolescente

    Por Andrew Osborn e Maria Kiselyova

    MOSCOU (Reuters) - A Rússia iniciou uma investigação sobre um possível ato de terrorismo depois que um adolescente de 17 anos se explodiu no saguão de um prédio do Serviço Federal de Segurança (FSB) no norte do país.

    O Comitê Investigativo da Rússia disse que o jovem não identificado detonou uma bomba caseira no saguão do FSB, o principal serviço de segurança e inteligência da Rússia, na cidade de Arkhangelsk, e morreu na hora.

    Investigadores disseram ter descoberto que o adolescente era um morador da cidade, que se situa cerca de 1 mil quilômetros ao norte de Moscou, mas não informaram seu nome.

    Três funcionários do FSB ficaram feridos na explosão, disse o Comitê Investigativo em um comunicado.

    O órgão divulgou o que disse ser uma imagem de circuito interno do suicida no saguão do edifício. A imagem mostra um jovem com a mão direita dentro de uma sacola que está segurando com a mão esquerda.

    Fotos publicadas por testemunhas em redes sociais após a detonação mostram o que parece ser um corpo estendido no chão diante das pesadas portas de madeira da entrada do prédio do FSB.

    O porta-voz do Comitê Investigativo disse que a investigação ficará a cargo de Moscou e que o principal investigador da Rússia, Alexander Bastrykin, quer que os motivos do agressor e outros detalhes sejam estabelecidos o mais cedo possível.

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia ANÁLISE-Atentado a Bolsonaro eleva incerteza em corrida presidencial e põe campanhas em compasso de espera

    ANÁLISE-Atentado a Bolsonaro eleva incerteza em corrida presidencial e põe campanhas em compasso de espera

    Por Eduardo Simões e Maria Carolina Marcello

    SÃO PAULO/BRASÍLIA (Reuters) - O atentado com uma faca na quinta-feira contra o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, lança ainda mais incerteza sobre a mais imprevisível disputa pela Presidência da República desde a redemocratização, e coloca em compasso de espera as campanhas dos demais candidatos que vinham centrando ataques no postulante do PSL, o líder da disputa.

    Analistas ouvidos pela Reuters avaliam que o ataque contra o capitão da reserva, durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG) que o levou a passar por uma cirurgia de emergência ainda na quinta, pode gerar uma comoção que beneficie Bolsonaro eleitoralmente.

    Lembram, no entanto, que o candidato do PSL é uma figura controversa, com elevado patamar de rejeição segundo as pesquisas de intenção de voto, e terá um tempo limitado até as eleições para consolidar seu discurso após o ataque.

    'Um evento como esse pode significar uma virada? Pode. Mas tudo depende da narrativa que vai ser construída a partir daí', disse à Reuters o cientista política Creomar de Souza, da Universidade Católica de Brasília.

    'Eu acredito que nas próximas semanas, o que a gente vai ter que se atentar com muita calma é como a campanha do Bolsonaro vai internalizar o fato, que tipo de narrativa eles vão construir a partir desse fato e como os concorrentes vão internalizar a questão', acrescentou.

    Na avaliação de Carlos Melo, cientista político do Insper, é provável que o episódio renda votos a Bolsonaro, especialmente entre eleitores que pendiam para o militar da reserva, mas que ainda estavam constrangidos em assumir essa posição. Ele ressalta, entretanto, que o tamanho deste crescimento é incerto.

    'Não vejo, porém, como e por que eleitores que antes o rejeitavam passem automaticamente a apoiá-lo. Não se deve confundir a solidariedade natural de momentos assim com a automática transferência de votos. É plenamente possível repudiar o atentado e ao mesmo tempo rejeitar o candidato', disse.

    Após o atentado, e depois de Bolsonaro passar por uma cirurgia de emergência que pode impedi-lo de fazer campanha até o primeiro turno, marcado para daqui a um mês --o tempo mínimo de internação segundo os médicos é de uma semana a 10 dias--, aliados e filhos do candidato do PSL têm afirmado que o episódio o levará a vencer já no primeiro turno.

    O analista Danilo Gennari, sócio da Distrito Relações Governamentais, acha difícil prever os efeitos do caso na eleição, ao mesmo tempo em que vê potencial para Bolsonaro consolidar sua força entre os já 'convertidos'. Isso porque o atentado não deve ajudar o candidato do PSL entre críticos de declarações polêmicas que fez recentemente, como a de que iria 'fuzilar a petralhada do Acre'.

    'Por outro lado, pode dificultar um pouco ele a ampliar votos onde ele ainda não tinha. Eu arriscaria dizer que a gente vai ter pouco variação nos votos dele que podem ser creditadas a isso', disse Gennari.

    Diante de um episódio tão imprevisível e de um cenário ainda muito nebuloso, todos os olhos dos envolvidos na eleição e daqueles que a acompanham deverão estar voltados ao levantamento que o Datafolha fará e divulgará na próxima segunda-feira sobre a corrida presidencial.

    CAMPANHAS RIVAIS

    Além de mirar no candidato do PSL, a facada desferida em Bolsonaro por um homem que foi preso e confessou o crime na própria quinta-feira também teve impactos nas campanhas dos rivais do deputado.

    Os principais adversários de Bolsonaro repudiaram o atentado, criticaram a violência na política, desejaram pronto restabelecimento do candidato do PSL e cancelaram suas agendas de campanha para esta sexta, feriado do Dia da Independência.

    Bolsonaro era alvo constante de ataques da campanha do candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, que nesta semana, antes do atentado, disse que o candidato do PSL é o mais despreparado entre os postulantes ao Palácio do Planalto, e que faria o possível para impedir sua eleição.

    O candidato do PDT, Ciro Gomes, disse, também nesta semana e antes do ataque, que eleger Bolsonaro seria um suicídio coletivo, e a postulante da Rede, Marina Silva, teve duro embate com Bolsonaro em um debate televisivo recentemente, de olho no eleitorado feminino, onde o militar da reserva enfrenta dificuldade.

    Após o ataque contra a vida de Bolsonaro, no entanto, o tom dos adversários contra o candidato do PSL deverá ser modulado e as campanhas agora devem estar em compasso de espera.

    'Eles (adversários) estão tentando ver o que está acontecendo, olhando mapa de palavra na internet, tentando fazer algum levantamento, alguma pesquisa, para saber para onde a campanha vai', disse Creomar de Souza, que aponta a estratégia de Alckmin como a com maior potencial de ter a estratégia revista.

    'Como é que você vai fazer campanha batendo no Bolsonaro, tendo em vista que ele sofreu um atentado? Isso pode pegar muito mal. Nesse exato momento. Eu imagino que a equipe do Alckmin, por exemplo, que tinha modulado uma estratégia de desconstruir o discurso de violência do Bolsonaro, está tendo que às pressas refazer material.'

    Já a campanha de Bolsonaro, na avaliação do cientista político da Universidade Católica de Brasília, terá o desafio de fazer escolhas corretas para transformar o atentado em impulso eleitoral ao candidato do PSL.

    'Na verdade, a bola está com a campanha do Bolsonaro. Agora é saber se eles vão conseguir jogar o jogo', disse.

    (Reportagem adicional de Brad Brooks)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia REPERCUSSÃO-Presidenciáveis repudiam ataque a Jair Bolsonaro (PSL)

    REPERCUSSÃO-Presidenciáveis repudiam ataque a Jair Bolsonaro (PSL)

    BRASÍLIA (Reuters) - Candidatos à Presidência da República repudiaram o ataque a faca nesta quinta-feira contra o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), em Juiz de Fora (MG).

    Os candidatos pediram investigação e defenderam que a disputa se dê no campo de ideias e nas urnas, assim como o candidato a vice-presidente pelo PT, Fernando Haddad, que deve assumir a cabeça de chapa diante da inelegibilidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

    Confira, a seguir, o que disseram os adversários de Bolsonaro na disputa pelo Palácio do Planalto:

    MARINA SILVA (REDE)

    'A violência contra o candidato Jair Bolsonaro é inadmissível e configura um duplo atentado: contra sua integridade física e contra a democracia. Neste momento difícil que atravessa o Brasil, é preciso zelar com rigor pela defesa da vida humana e pela defesa da vida democrática e institucional do nosso País. Este atentado deve ser investigado e punido com todo rigor. A sociedade deve refutar energicamente qualquer uso da violência como manifestação política.'

    CIRO GOMES (PDT)

    'Acabo de ser informado em Caruaru, Pernambuco, onde estou, que o deputado Jair Bolsonaro sofreu um ferimento a faca. Repudio a violência como linguagem política, solidarizo-me com meu opositor e exijo que as autoridades identifiquem e punam o ou os responsáveis por esta barbárie.'

    GERALDO ALCKMIN (PSDB)

    'Esperamos que o candidato se recupere rapidamente. Política se faz com diálogo e convencimento, jamais com ódio. Qualquer ato de violência é deplorável. Esperamos que a investigação sobre o ataque ao deputado Jair Bolsonaro seja rápida, e a punição, exemplar.'

    FERNANDO HADDAD (PT)

    'Repudio totalmente qualquer ato de violência e desejo pronto restabelecimento a Jair Bolsonaro.'

    'A pessoa tem lá suas idiossincrasias, seu temperamento, mas nós democratas precisamos garantir um processo pacífico, reforçar os valores democráticos. Não se pode entrar em provocação de jeito nenhum, sob nenhum pretexto. Deus me livre, que horror isso', disse Haddad em entrevista ao site Congresso em Foco e ao canal My News.

    ALVARO DIAS (PODE)

    'Eu repudio todo e qualquer ato de violência. Por isso a violência nunca deve ser estimulada. Eu não estimulo'

    JOÃO AMOÊDO (NOVO)

    'É lamentável e inaceitável o que aconteceu com o Jair Bolsonaro. Independentemente de divergências políticas, não é possível aceitar nenhum ato de violência.

    Que o agressor sofra as devidas punições. Meus votos de melhoras para o candidato.'

    HENRIQUE MEIRELLES (MDB)

    'Desejo pronta recuperação a Jair Bolsonaro. Lamento todo e qualquer tipo de violência. O Brasil precisa encontrar o equilíbrio e o caminho da paz. Temos que ter serenidade para apaziguar a divisão entre os brasileiros.'

    GUILHERME BOULOS (PSOL)

    'Soube agora do que ocorreu com Bolsonaro em Minas. A violência não se justifica, não pode tomar o lugar do debate político. Repudiamos toda e qualquer ação de ódio e cobramos investigação sobre o fato.'

    (Reportagem de Maria Carolina Marcello)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Polícia busca explicação para ataque em torneio de videogame na Flórida

    Polícia busca explicação para ataque em torneio de videogame na Flórida

    (Reuters) - A polícia da Flórida buscava nesta segunda-feira uma explicação para o terceiro massacre a tiros no Estado norte-americano nos últimos dois anos, resultado da ação de um atirador que deixou dois mortos e 11 feridos em Jacksonville durante um torneio de videogame e depois se matou.

    Testemunhas disseram à mídia local que o atirador, identificado pela polícia como David Katz, de 24 anos, de Baltimore, era um jogador inconformado que se revoltou por ter perdido na competição de videogame no domingo. Não ficou claro se ele conhecia suas vítimas.

    Embora a polícia não as tenha identificado, familiares disseram à WJAX, filiada de Jacksonville da rede de televisão CBS, que os dois mortos são Eli Clayton e Taylor Robertson, ambos competidores do torneio.

    O jornal Miami Herald também as identificou dizendo que Robertson tinha 27 anos e era de Ballard, na Virgínia Ocidental, e Clayton tinha 22 anos e era de Woodland Hills, na Califórnia.

    Robertson, que era pai e marido, venceu o torneio no ano passado, e Katz fora o campeão no ano anterior, disse o Herald, citando parentes e amigos que se manifestaram na internet.

    O gabinete do xerife de Jacksonville informou que 11 pessoas foram feridas por disparos e que ao menos outras duas foram atingidas fugindo do local.

    A polícia disse que Katz se matou e que seu corpo foi encontrado junto com os de suas duas vítimas no The Landing, complexo de restaurantes, compras e entretenimento do centro de Jacksonville.

    O xerife da cidade, Mike Williams, não quis comentar as possíveis razões para o ataque no domingo.

    Policiais e agentes do FBI foram à casa de classe alta de Katz no bairro de South Baltimore na noite de domingo, disseram várias reportagens, inclusive uma do Baltimore Sun.

    A polícia apreendeu o veículo de Katz, estacionado perto do local do torneio. O massacre ocorreu durante uma eliminatória regional do torneio online Madden 19, um jogo de futebol americano, no GLHF Game Bar dentro de um restaurante da rede Chicago Pizza, segundo o site do estabelecimento.

    Os vencedores da competição vão à final em Las Vegas e disputam um prêmio de 165 mil dólares.

    O ataque mais recente aconteceu em meio a um debate sobre as leis de controle de armas nos Estados Unidos que ganhou fôlego com o massacre de 17 pessoas em uma escola secundário de Parkland, na Flórida, em fevereiro.

    Dois anos atrás um atirador matou 49 pessoas no clube noturno Pulse, em Orlando.

    O presidente dos EUA, Donald Trump, foi informado e está monitorando a situação em Jacksonville, informou a Casa Branca.

    (Por Joey Roulete em Jacksonville, Flórida; Suzannah Gonzales, em Chicago; Devika Krishna Kumar e Maria Caspani, em Nova York; Donna Owens, em Baltimore; e Rich McKay, em Atlanta)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Atirador mata 2 pessoas em torneio de videogame na Flórida

    Atirador mata 2 pessoas em torneio de videogame na Flórida

    Por Joey Roulette

    JACKSONVILLE, Flórida (Reuters) - Um jogador de videogame matou duas pessoas e feriu várias outras no domingo ao abrir fogo com uma arma durante um torneio que estava sendo transmitido pela internet em Jacksonville, no Estado norte-americano da Flórida, no domingo, disse a polícia.

    O xerife de Jacksonville, Mike Williams, identificou o atirador como David Katz, de 24 anos, de Baltimore, e disse que ele estava na cidade para a competição de videogame. Ele não quis falar sobre o que provocou o terceiro massacre a tiros na Flórida nos últimos dois anos.

    Williams disse que Katz se matou após o ataque, e que seu corpo foi encontrado junto com os de suas duas vítimas. O gabinete do xerife informou que 11 pessoas foram feridas por disparos, e que ao menos outras duas foram atingidas fugindo do local.

    Dezenas de ambulâncias e viaturas da polícia foram ao The Jacksonville Landing, complexo de restaurantes, compras e entretenimento do centro da cidade, depois que vários tiros foram ouvidos na tarde ensolarada de domingo.

    O ataque ocorreu durante uma eliminatória regional do torneio online Madden 19 no GLHF Game Bar, dentro de um restaurante Chicago Pizza, segundo o site do estabelecimento.

    A mídia local disse que o atirador participou do torneio e perdeu, e depois disso parece ter alvejado outros jogadores e se matou em seguida.

    (Reportagem adicional de Suzannah Gonzales, em Chicago; Devika Krishna Kumar e Maria Caspani, em Nova York; e Donna Owens, em Baltimore)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Polícia espanhola trata tentativa de ataque com faca como ato terrorista

    Polícia espanhola trata tentativa de ataque com faca como ato terrorista

    MADRI (Reuters) - Um homem armado com uma faca se lançou contra um policial gritando 'Alá é grande' em uma delegacia perto de Barcelona nesta segunda-feira, no que a polícia espanhola descreveu como um ato terrorista, e foi morto a tiros.

    Segundo a polícia, o homem entrou na delegacia de Cornellà, na região da Catalunha, pouco antes das 4h da manhã, pedindo informações.

    Em seguida, ele teria se lançado contra um policial segurando uma faca. O agressor, identificado apenas como morador de Cornellà, foi morto a tiros.

    'De qualquer maneira que você veja isso, foi um ataque com faca contra um policial (por um homem que) gritou 'Alá é grande' e outras coisas que foram impossíveis de compreender', disse o chefe da polícia investigativa regional, Rafel Comas, em coletiva de imprensa.

    'Por enquanto, estamos tratando isso como um ataque terrorista', acrescentou.

    O agressor 'queria se matar', disse a polícia em publicação no Twitter. Comas não confirmou reportagens da mídia espanhola que alegaram que o agressor seria um argelino de 29 anos, dizendo apenas que ele estava no país 'há anos'.

    Não há evidências que liguem o ataque a qualquer célula terrorista, disse Comas, acrescentando que a Espanha manterá seu alerta de segurança no nível 4, um abaixo do nível máximo, que indica que um ataque é iminente.

    Também nesta segunda-feira, três pessoas ficaram feridas quando um carro subiu em uma calçada na cidade de Casetas, no que uma porta-voz do governo disse posteriormente estar sendo tratado como um acidente.

    As duas pessoas que estavam dentro do carro fugiram do local, mas foram detidas em seguida.

    (Reportagem de Isla Binnie; Reportagem adicional de Rodrigo de Miguel e Carlos Ruano)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Turquia prende 2 suspeitos de atirar contra embaixada dos EUA em Ancara

    Turquia prende 2 suspeitos de atirar contra embaixada dos EUA em Ancara

    Por Ece Toksabay e Tulay Karadeniz

    ANCARA (Reuters) - Autoridades turcas prenderam dois homens suspeitos de atirar contra a embaixada dos Estados Unidos na capital Ancara, nesta segunda-feira, em um ataque que coincide com o aumento das tensões entre os dois países-membros da Otan pelo julgamento de um pastor norte-americano na Turquia.

    Ninguém ficou ferido no ataque, que o porta-voz do presidente turco, Tayyip Erdogan, classificou como uma tentativa de 'criar o caos'. O Ministério das Relações Exteriores turco disse que aumentou a segurança para a embaixada e outras missões e funcionários dos EUA na Turquia.

    Os agressores dispararam seis tiros contra o portão de segurança da embaixada de um veículo branco em movimento por volta de 5h30 da manhã (horário local), e três balas atingiram uma porta de ferro e uma janela, de acordo com o governo local de Ancara.

    De acordo com outra nota do governo, dois homens na casa dos 30 anos foram detidos e um veículo e uma pistola foram apreendidos. Os homens confessaram o ataque, acrescentou o governo de Ancara, afirmando que ambos tinham antecedentes criminais e suas ligações estavam sendo investigadas.

    A embaixada está fechada nesta semana devido ao feriado que marca o festival islâmico Eid al-Adha.

    'Podemos confirmar que um incidente de segurança aconteceu na embaixada dos Estados Unidos no início desta manhã. Não temos relatos de qualquer ferido e estamos investigando os detalhes', disse o porta-voz da embaixada, David Gainer. 'Agradecemos à Polícia Nacional da Turquia por sua rápida resposta'.

    Imagens da emissora Haberturk mostraram policiais inspecionando uma das entradas da embaixada, onde danos aparentemente causados por tiros podiam ser vistos em uma janela.

    'Essa é uma clara tentativa de criar caos', disse o porta-voz de Erdogan, Ibarahim Kalin. 'A Turquia é um país seguro e todas as missões internacionais estão sob a garantia das leis'.

    No passado, a embaixada dos Estados Unidos em Ancara e o consulado em Istambul já foram alvo de ataques militantes e enfrentaram diversas ameaças de segurança.

    As relações entre Turquia e Estados Unidos têm se tornado cada vez mais tensas nas últimas semanas, com aumento de tarifas aplicadas em parte devido ao julgamento do pastor cristão norte-americano Andrew Brunson.

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Homem preso após suposto ataque perto de Parlamento britânico é identificado pela polícia

    Homem preso após suposto ataque perto de Parlamento britânico é identificado pela polícia

    Por Sarah Young

    LONDRES (Reuters) - O homem detido por suspeita de realizar um ataque terrorista do lado de fora do Parlamento britânico na terça-feira chama-se Salih Khater, um cidadão britânico de origem sudanesa, disse uma fonte de segurança europeia à Reuters nesta quarta-feira.

    A polícia acredita que um motorista atropelou deliberadamente pedestres e ciclistas, deixando três feridos, antes de se chocar com uma barreira de proteção do lado de fora do Parlamento durante o horário de pico da manhã de terça-feira.

    O motorista de 29 anos foi preso por policiais armados no local momentos após o incidente. Agora, ele está sendo interrogado por suspeita de elaborar atos de terrorismo e também por suspeita de tentativa de assassinato, embora a polícia tenha dito que ele não está cooperando com os detetives.

    A fonte disse à Reuters que Khater é de Birmingham, no centro da Inglaterra, e que não era conhecido pelos serviços de segurança antes do incidente de terça-feira.

    Mais tarde, a polícia de Londres confirmou saber a identidade do suspeito, dizendo que ele é originalmente do Sudão, mas sem divulgar seu nome.

    Em comunicado, a polícia disse que oficiais ainda estavam realizando buscas em um endereço na cidade de Birmingham, mas que já haviam encerrado suas investigações em duas outras propriedades em Birmingham e Nottingham, também no centro da Inglaterra.

    'A prioridade da equipe de investigação continua sendo entender a motivação por trás desse incidente', disse.

    Em pronunciamento pouco após o incidente, o chefe do combate ao terrorismo da polícia britânica disse que dada à localização icônica e ao método utilizado, parecia que o incidente havia sido 'um ato deliberado' e que, portanto, estava sendo tratado como uma ação terrorista.

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Ataque do Taliban contra posto militar afegão mata dezenas de membros das forças de segurança

    Ataque do Taliban contra posto militar afegão mata dezenas de membros das forças de segurança

    Por Abdul Qadir Sediqi

    CABUL (Reuters) - Um ataque do Taliban a um posto militar na província de Baghlan, no norte do Afeganistão, matou nesta quarta-feira 44 policiais e soldados afegãos, informaram autoridades provinciais, à medida que os insurgentes mantêm a pressão sobre as forças do governo.

    O ataque, que ocorreu enquanto a cidade central de Ghazni se esforça para se recuperar de cinco dias de intensos combates, ressaltou o quanto os insurgentes têm pressionado as forças de segurança locais.

    O Ministério da Defesa confirmou o incidente na manhã desta quarta-feira, mas não deu detalhes. Autoridades da região disseram que 9 policiais e 35 soldados foram mortos no mais recente ataque de uma série que matou dezenas de membros das forças de segurança em todo o país.

    O porta-voz da Taliban, Zabiullah Mujahid, disse que o grupo atacou uma base militar e dois postos de controle em Baghlan, matando 70 membros das forças de segurança afegãs e tomando veículos blindados e munição.

    A Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão pediu que os combates parem, dizendo que cerca de 150 civis foram mortos em Ghazni, onde o hospital público está superlotado e o fornecimento de água e eletricidade foi cortado.

    'O extremo sofrimento humano causado pelos combates em Ghazni destaca a necessidade urgente de que a guerra no Afeganistão termine', disse o principal funcionário da ONU no Afeganistão, Tadamichi Yamamoto, em um comunicado.

    O Taliban, que lançou seu ataque Ghazni na sexta-feira e lutou contra forças afegãs apoiadas por ataques aéreos dos EUA no meio da cidade por dias, disse que seus combatentes se retiraram para evitar mais destruição.

    'Eles estavam enfrentando uma grave escassez de alimentos e água potável, uma vez que o fornecimento de energia também foi suspenso há dois dias', disse por telefone um comandante do Taliban, que não quis se identificar.

    (Reportagem adicional de Jibran Ahmad em Peshawar)

    LER NOTICIA

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. ataque

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.