alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE italia

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Battisti desembarca na Itália para cumprir pena por assassinatos

    Battisti desembarca na Itália para cumprir pena por assassinatos

    ROMA (Reuters) - O ex-guerrilheiro italiano Cesare Battisti chegou a Roma nesta segunda-feira após ser expulso da Bolívia, seu último esconderijo, quase quatro décadas após ter fugido de uma prisão italiana.

    Battisti, de 64 anos, foi condenado à revelia à prisão perpétua por seu envolvimento em quatro assassinatos --dois policiais, um joalheiro e um açougueiro-- nos anos 1970 como membro do grupo de extrema-esquerda Proletários Armados pelo Comunismo.

    O governo italiano comemorou a volta de Battisti. O ministro do Interior, Matteo Salvini, de extrema-direita, agradeceu ao presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, por prometer extraditar Battisti, o que o levou a fugir para a Bolívia.

    'Com ao menos quatros assassinados em sua consciência,(Battisti) viveu muito bem entre Paris e Rio de Janeiro por muitos anos, graças também à cumplicidade de governos estrangeiros', disse Salvini em entrevista à TV estatal RAI.

    Salvini e o ministro da Justiça, Alfonso Bonafede, aguardaram a chegada de Battisti no aeroporto Ciampino, em Roma. Battisti desembarcou escoltado por policiais e sorriu ao caminhar pela pista.

    Battisti foi preso no sábado na cidade boliviana de Santa Cruz de la Sierra por uma equipe da Interpol.

    Depois de fugir em 1981, ele morou na França e mudou-se para o Brasil para evitar a extradição. Battisti, que tem um filho brasileiro de 5 anos, morou no Brasil com o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

    No entanto, o presidente Jair Bolsonaro havia prometido devolver Battisti à Itália.

    (Reportagem de Antonio Denti e Angelo Amante)

    0

    0

    13

    1 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Battisti é extraditado para Itália após ser preso na Bolívia

    Battisti é extraditado para Itália após ser preso na Bolívia

    Por Stephen Jewkes

    MILÃO (Reuters) - O ex-guerrilheiro italiano Cesare Battisti, condenado por assassinato e que fugiu da prisão há quase quatro décadas, foi extraditado para a Itália após ser preso na Bolívia, informaram autoridades no domingo.

    A extradição de Battisti foi confirmada em nota pelo governo do Brasil, onde Battisti morou por vários anos até fugir recentemente para a Bolívia.

    'O governo brasileiro se congratula com as autoridades bolivianas e italianas e com a Interpol pelo desfecho da operação de prisão e retorno de Battisti à Itália. O importante é que Cesare Battisti responda pelos graves crimes que cometeu. O Brasil contribui assim para que se faça justiça', disseram os Ministério das Relações Exteriores e da Justiça e Segurança Pública em nota conjunta.

    Battisti, de 64 anos, foi preso no sábado na cidade boliviana de Santa Cruz de la Sierra por uma equipe da Interpol.

    Ele foi condenado à prisão perpétua na Itália por envolvimento em quatro assassinatos na década de 1970 como membro de um grupo armado de extrema-esquerda.

    Depois de fugir em 1981, ele morou na França e mudou-se para o Brasil para evitar a extradição. Battisti, que tem um filho brasileiro de 5 anos, morou no Brasil com o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

    No entanto, o presidente Jair Bolsonaro, que assumiu o cargo neste mês, prometeu devolver Battisti à Itália. Em dezembro, um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) ordenou a prisão de Battisti, mas a essa altura ele havia desaparecido novamente.

    (Reportagem adicional de Lisandra Paraguassu em Brasília, Marcelo Rochabrun em São Paulo e Danny Ramos na Bolívia)

    0

    0

    15

    1 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia UE fecha acordo com Itália sobre Orçamento para 2019

    UE fecha acordo com Itália sobre Orçamento para 2019

    BRUXELAS (Reuters) - A Comissão Europeia fechou um acordo com o governo italiano sobre o Orçamento do país para 2019, que não é o ideal, mas suspende medidas disciplinares por parte da União Europeia contra a Itália, disse o vice-presidente da Comissão, Valdis Dombrovskis.

    'A solução não é a ideal. Ela ainda não oferece uma solução de longo prazo para os problemas econômicos da Itália. Mas nos permite evitar um procedimento disciplinar por déficit excessivo neste estágio', disse Dombrovskis em uma coletiva de imprensa em Bruxelas.

    Ele acrescentou que a decisão poderia ser revisada em janeiro, se a Itália não aplicar integralmente o acordo feito com Bruxelas.

    A Itália se comprometeu em reduzir seu déficit nominal para o próximo ano para 2,04 por cento do Produto Interno Bruto, de 2,4 por cento anteriormente planejado.

    O déficit estrutural mais importante, no entanto, que exclui itens extraordinários e variações do ciclo de negócios, não mudará em 2019 em relação aos níveis de 2018.

    Segundo as regras da UE, a Itália deveria reduzir o déficit estrutural em 0,6 por cento do PIB, mas propôs em seu projeto original de Orçamento de 2019 um aumento de 1,2 por cento, segundo a Comissão.

    O acordo sem previsão de mudança não é o ideal, disse Dombrovskis, mas permitiu que a Comissão desistisse dos planos de iniciar uma ação disciplinar que poderia acabar em multas.

    (Por Jan Strupczewski and Francesco Guarascio)

    0

    0

    15

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Itália pode reduzir meta de déficit para aplacar parceiros da UE

    Itália pode reduzir meta de déficit para aplacar parceiros da UE

    Por Giuseppe Fonte e Steve Scherer

    ROMA (Reuters) - A coalizão governista da Itália pode reduzir a meta de déficit do orçamento do próximo ano para 2 por cento do Produto Interno bruto para evitar um processo disciplinar da Comissão Europeia, disseram duas fontes do governo nesta segunda-feira.

    O movimento desencadeou uma recuperação nos mercados financeiros, mas não ficou claro se a revisão para baixo será suficiente para satisfazer a Comissão Europeia.

    A meta no esboço orçamentário é agora de 2,4 por cento do PIB, muito maior do que o objetivo de 0,8 por cento determinado pelo governo anterior, levando parceiros europeus a ameaçarem com uma repreensão formal e multas.

    Os líderes de ambos os partidos na coalizão do governo, formado pelo movimento anti-establishment 5-Estrelas e pela Liga, de direita, sinalizaram que estão abertos a reduzir a meta de déficit antes de uma reunião para discutir a medida marcada para esta segunda-feira.

    A reunião, que outra fonte do governo disse que irá ocorrer às 16h30 (horário de Brasília), pode levar ao fim do impasse com Bruxelas que afetou os mercados financeiros preocupados com a sustentabilidade da dívida da Itália e a uma prolongada disputa com seus parceiros da União Europeia.

    Desde a apresentação do projeto de orçamento há dois meses, os dois líderes dos partidos da coalizão se recusaram repetidamente a ceder seus planos de gastos.

    A Comissão Europeia tem pedido uma redução do déficit estrutural que se ajuste ao ciclo econômico e a medidas pontuais.

    Nesta segunda-feira, Matteo Salvini, líder da Liga, disse que Bruxelas ofereceu 'feedback positivo' sobre os planos de redução da meta.

    Nesta segunda-feira, o economista-chefe do Banco Central Europeu (BCE), Peter Praet, disse que o aumento dos custos de empréstimos ofuscará qualquer das possíveis vantagens econômicas do aumento dos gastos em violação das regras da UE no ano que vem.

    Salvini, que também é vice-premiê e ministro do Interior, disse no domingo que 'ninguém está amarrado' à meta de 2,4 por cento.

    Nesta segunda-feira, o vice-primeiro-ministro Luigi Di Maio, que lidera o 5-Estrelas, afirmou que desde que as medidas no orçamento fiquem inalteradas, a redução da meta de orçamento não é um problema.

    'O importante é que o orçamento contenha as metas que estabelecemos', disse Di Maio. 'Então se as negociações significarem que o déficit tem que ser reduzido um pouco, para nós não é importante.'

    1

    1

    13

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Itália pode reduzir meta de déficit para aplacar parceiros da UE

    Itália pode reduzir meta de déficit para aplacar parceiros da UE

    Por Giuseppe Fonte e Steve Scherer

    ROMA (Reuters) - A coalizão governista da Itália pode reduzir a meta de déficit do orçamento do próximo ano para 2 por cento do Produto Interno bruto para evitar um processo disciplinar da Comissão Europeia, disseram duas fontes do governo nesta segunda-feira.

    O movimento desencadeou uma recuperação nos mercados financeiros, mas não ficou claro se a revisão para baixo será suficiente para satisfazer a Comissão Europeia.

    A meta no esboço orçamentário é agora de 2,4 por cento do PIB, muito maior do que o objetivo de 0,8 por cento determinado pelo governo anterior, levando parceiros europeus a ameaçarem com uma repreensão formal e multas.

    Os líderes de ambos os partidos na coalizão do governo, formado pelo movimento anti-establishment 5-Estrelas e pela Liga, de direita, sinalizaram que estão abertos a reduzir a meta de déficit antes de uma reunião para discutir a medida marcada para esta segunda-feira.

    A reunião, que outra fonte do governo disse que irá ocorrer às 16h30 (horário de Brasília), pode levar ao fim do impasse com Bruxelas que afetou os mercados financeiros preocupados com a sustentabilidade da dívida da Itália e a uma prolongada disputa com seus parceiros da União Europeia.

    Desde a apresentação do projeto de orçamento há dois meses, os dois líderes dos partidos da coalizão se recusaram repetidamente a ceder seus planos de gastos.

    A Comissão Europeia tem pedido uma redução do déficit estrutural que se ajuste ao ciclo econômico e a medidas pontuais.

    Nesta segunda-feira, Matteo Salvini, líder da Liga, disse que Bruxelas ofereceu 'feedback positivo' sobre os planos de redução da meta.

    Nesta segunda-feira, o economista-chefe do Banco Central Europeu (BCE), Peter Praet, disse que o aumento dos custos de empréstimos ofuscará qualquer das possíveis vantagens econômicas do aumento dos gastos em violação das regras da UE no ano que vem.

    Salvini, que também é vice-premiê e ministro do Interior, disse no domingo que 'ninguém está amarrado' à meta de 2,4 por cento.

    Nesta segunda-feira, o vice-primeiro-ministro Luigi Di Maio, que lidera o 5-Estrelas, afirmou que desde que as medidas no orçamento fiquem inalteradas, a redução da meta de orçamento não é um problema.

    'O importante é que o orçamento contenha as metas que estabelecemos', disse Di Maio. 'Então se as negociações significarem que o déficit tem que ser reduzido um pouco, para nós não é importante.'

    1

    0

    8

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Itália mantém projeções de crescimento e déficit em orçamento revisado e caminha para disputa com a UE

    Itália mantém projeções de crescimento e déficit em orçamento revisado e caminha para disputa com a UE

    Por Jan Strupczewski

    BRUXELAS (Reuters) - A Itália reapresentou seus planos orçamentários para o próximo ano à Comissão Europeia com as mesmas premissas de crescimento e déficit do projeto que foi rejeitado no mês passado por quebrar as regras da União Europeia, mas com a dívida caindo, mostrou o novo plano.

    A previsão de queda da dívida, que a Itália planeja atingir usando fundos equivalentes a 1 por cento do Produto Interno Bruto vindos de privatizações, vai lidar com uma das principais preocupações da Comissão sobre o projeto anterior - de que a dívida pública não cairia conforme o exigido pelas regras da UE.

    Mas os planos orçamentários revisados ainda planejam elevar seu déficit estrutural, que exclui as oscilações cíclicas e pontuais, em 0,8 por cento do PIB para o próximo ano, em vez de reduzí-lo em 0,6 por cento do PIB conforme exigido pelas regras da UE.

    Isto, juntamente com o que a Comissão considera ser uma projeção irrealisticamente alta sobre o crescimento, ainda coloca Roma em rota de colisão com a Comissão, que deve dar um parecer sobre o projeto revisado em 21 de novembro.

    'Ao mesmo tempo em que impulsionou seu plano de privatização e se comprometeu a reduzir os gastos excessivos, o governo italiano não alterou suas metas de déficit. Isso provavelmente levará a Comissão Europeia a recomendar um procedimento de infração', disse o economista do Morgan Stanley Daniele Antonucci.

    As regras fiscais da UE exigem que governos altamente endividados, como a Itália, reduzam seu déficit estrutural e sua dívida a cada ano.

    A Comissão Europeia, que é responsável pela aplicação das regras, tinha a opção de dar início a medidas disciplinares contra Roma por não reduzir sua dívida com rapidez suficiente no projeto anterior.

    Mas agora Roma projeta que sua dívida pública caia para 129,2 por cento do PIB em 2019, para 127,3 por cento em 2020 e para 126,0 por cento em 2021, dos 130,9 por cento esperados por Roma este ano.

    A Comissão previu na semana passada que a dívida da Itália ficaria em 131,1 por cento do PIB este ano e não esperava muita mudança para esse nível até 2020.

    A Itália manteve suas estimativas de crescimento de 1,5 por cento em 2019, 1,6 por cento em 2020 e 1,4 por cento em 2021, mesmo que a Comissão projete expansão de 1,2 or cento no próximo ano.

    2

    0

    15

    3 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Comissão Europeia rejeita plano orçamentário da Itália para 2019

    Comissão Europeia rejeita plano orçamentário da Itália para 2019

    ESTRASBURGO (Reuters) - A Comissão Europeia rejeitou nesta terça-feira a proposta orçamentária da Itália para 2019 porque o plano infringe as regras da União Europeia de forma 'nunca vista antes', e pediu que Roma envie uma nova proposta dentro de três semanas ou enfrente medida disciplinares.

    Os rendimentos dos títulos italianos saltaram depois que o braço executivo da União Europeia usou pela primeira vez o poder obtido durante a crise de dívida soberana em 2013, que permite a devolução de um plano orçamentário de um país da zona do euro que viole as regras.

    Depois de se recuperar recentemente de um colapso da dívida grega que quase destruiu a moeda única, a UE está preocupada com outra possível crise se a Itália, que está altamente endividada, perder a confiança do mercado.

    A Comissão já lidou com a França, Espanha, Portugal e governos italianos anteriores que quebraram as regras fiscais da UE, mas nenhuma dessas violações foi tão grande quanto o último plano de orçamento italiano, disse a Comissão.

    'Hoje, pela primeira vez, a Comissão foi obrigada a pedir para que um país da zona do euro revise seu plano orçamentário', disse o vice-presidente da Comissão para o Euro, Valdis Dombrovskis, em entrevista coletiva.

    'O governo italiano está aberto e intencionalmente indo contra os compromissos que assumiu', disse Dombrovskis.

    Os rendimentos dos títulos italianos de 10 anos de referência subiram com a notícia para 3,57 por cento no pregão da tarde, de 3,42 por cento atingidos na manhã desta terça-feira.

    Roma terá agora que enviar um novo plano de orçamento que reduza o déficit estrutural, que exclui as variações pontuais e os ciclos econômicos, em 0,6 por cento do PIB, em vez de aumentá-lo em 0,8 por cento, como previa o plano atual, disse a Comissão.

    ITÁLIA DESAFIADORA

    Em uma carta enviada à Comissão na segunda-feira, a Itália reconheceu que seu plano de orçamento viola as regras da UE, mas insistindo que ainda seguirá em frente com ele. O vice-primeiro-ministro Luigi Di Maio respondeu à rejeição da Comissão apelando por 'respeito' aos italianos.

    'Este é o primeiro orçamento italiano que a UE não aprova. Não estou surpreso. Este é o primeiro orçamento italiano que foi escrito em Roma e não em Bruxelas', disse Di Maio no Facebook.

    O vice-primeiro-ministro Matteo Salvini disse que o governo está convencido de que 'está certo'.

    Uma porta-voz do ministério da Economia em Roma defendeu o orçamento expansionista e disse que a Itália manteve sua posição de que a única maneira de reduzir a dívida pública seria estimulando o crescimento econômico.

    A Itália tem a segunda maior relação dívida/PIB na UE depois da Grécia, com 131,2 por cento em 2017, e os maiores custos de dívida na Europa. Mas acredita que gastos adicionais por meio de um déficit maior estimularia o crescimento, ajudando a reduzir a relação dívida/PIB.

    A Comissão acredita que as hipóteses de crescimento da Itália são excessivamente otimistas, tornando questionável o plano de redução da dívida.

    'A experiência tem mostrado repetidamente que déficits fiscais e dívidas maiores não trazem um crescimento duradouro. E o endividamento excessivo torna sua economia mais vulnerável à crises futuras', disse Dombrovskis.

    A menos que Roma mude as previsões de déficit, a Comissão disse que iniciará medidas disciplinares, chamadas de Procedimento por Déficits Excessivos.

    Sob as leis da UE, a Itália deve reduzir sua dívida pública a cada ano em 1/20 da diferença entre 60% do PIB e seu tamanho atual, contados em média em três anos.

    O procedimento de déficit excessivo pode levar a multas de até 0,2 por cento do PIB caso Roma ignore as recomendações para reduzir o déficit e a dívida.

    (Por Jan Strupczewski)

    0

    0

    15

    4 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Comissão Europeia rejeita plano orçamentário da Itália para 2019

    Comissão Europeia rejeita plano orçamentário da Itália para 2019

    ESTRASBURGO (Reuters) - A Comissão Europeia rejeitou nesta terça-feira a proposta orçamentária da Itália para 2019 porque o plano infringe as regras da União Europeia de forma 'nunca antes vista', e pediu para que Roma envie uma nova proposta dentro de três semanas ou enfrente medida disciplinares.

    Esta é a primeira vez que o braço executivo da União Europeia usa o poder obtido durante a crise de dívida soberana em 2013, que permite a devolução de um plano orçamentário de um país da zona do euro que viole as regras.

    'Hoje, pela primeira vez, a Comissão foi obrigada a pedir para que um país da zona do euro revise seu plano orçamentário', disse o vice-presidente da Comissão para o Euro, Valdis Dombrovskis, em entrevista coletiva.

    'Mas não vemos outra alternativa senão pedir que o governo italiano o faça. Adotamos um parecer que dá à Itália no máximo três semanas para apresentar um projeto de revisão do plano orçamentário para 2019', disse Dombrovskis.

    A Comissão disse que a revisão do orçamento que espera receber da Itália deve estar de acordo com a recomendação dos ministros das Finanças da UE feita em 13 de julho.

    Em julho, ministros da UE pediram para que Roma reduzisse seu déficit estrutural, que exclui as variações pontuais e os ciclos econômicos, em 0,6 por cento do PIB. O plano que foi rejeitado pela Comissão aumentava esse déficit em 0,8 por cento do PIB.

    A Itália enviou uma carta à Comissão na segunda-feira, reconhecendo que seu plano de orçamento viola as regras da UE, mas insistindo que ainda seguirá em frente com ele.

    'O governo italiano está aberto e intencionalmente indo contra os compromissos que assumiu', disse Dombrovskis.

    Ele disse que a Itália registrou a segunda maior dívida em relação ao PIB na UE, de 131,2 por cento, em 2017 e os maiores custos de serviço da dívida na Europa.

    'As despesas com juros da Itália se mantiveram em 2017 em torno de 65,5 bilhões de euros, ou 3,8 por cento do PIB, o que equivale de maneira geral ao volume de recursos públicos destinado à educação', disse a Comissão. A Itália acredita que sua medida de gastos adicionais deve impulsionar o crescimento econômico, ajudando a reduzir a relação dívida/PIB.

    Mas a Comissão disse que as expectativas de crescimento na proposta orçamentária eram excessivamente otimistas, o que também tornou a redução da dívida da Itália questionável.

    'A experiência tem mostrado repetidamente que déficits fiscais e dívidas maiores não trazem um crescimento duradouro. E o endividamento excessivo torna sua economia mais vulnerável à crises futuras', disse Dombrovskis.

    'Portanto, se a política fiscal mais frouxa afetar a confiança, ela pode realmente ter o efeito oposto ao crescimento', disse ele.

    Dombrovskis observou que, a menos que Roma mude o seu plano de orçamento nas próximas 3 semanas, a Comissão está disposta a abrir um processo disciplinar contra o país, chamado Procedimento por Déficit Excessivo, baseado na falta de progressos na redução da dívida - uma obrigação na lei da UE.

    'Em maio, a Comissão Europeia não propôs a abertura de um Procedimento de Déficit Excessivo relacionado à dívida, principalmente por causa do amplo cumprimento por parte da Itália de seus compromissos', disse Dombrovskis sobre a decisão que pode acarretar em multas.

    'Os planos atuais são uma mudança material, que pode exigir uma reavaliação dessa conclusão. O próximo passo está agora no lado do governo italiano', disse ele.

    (Por Jan Strupczewski)

    0

    0

    19

    4 M

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. italia

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.