alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE pdt

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Ciro ataca aliança entre PT e PSB e anuncia carta ao povo para pedir tranquilidade

    Ciro ataca aliança entre PT e PSB e anuncia carta ao povo para pedir tranquilidade

    RIO DE JANEIRO (Reuters) - O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, classificou nesta sexta-feira a aliança do PSB com o PT que deixou os socialistas em posição de neutralidade nas eleições presidenciais como um ato desleal e traiçoeiro, mas disse que é preciso manter a cabeça fria para dar continuidade a seu projeto eleitoral.

    O pedetista afirmou que enxerga a aproximação do PT ao PSB como uma tentativa de enfraquecer sua candidatura, e anunciou que vai publicar ainda nesta sexta-feira nas redes sociais uma carta ao povo pedindo por tranquilidade em um momento de aparente turbulência.

    'É preciso muito calma nessa hora... Evidente que nossa gente e nossa militância ficaram muito frustradas e irritadas com a forma desleal e traiçoeira com a qual aparentemente fomos tratados', disse Ciro a jornalistas após participar da convenção estadual do PDT no Rio de Janeiro, no centro da cidade.

    'Mas eu que tenho a cabeça fora da linha d'água, estou ponderando e pedindo muita calma nessa hora', acrescentou.

    A escolha do PSB pela neutralidade na eleição presidencial em acordo firmado com o PT deixou o pedetista isolado e sem um partido importante que poderia ser um forte aliado na corrida presidencial de outubro.

    Ciro chegou a dizer logo após a decisão do PSB que a neutralidade não era uma surpresa, e que sabia que estava 'marcado para morrer' por PT, PSDB e MDB.

    O pedetista disse entender a aproximação entre PT e PSB como uma manobra dos petistas contra a sua candidatura. Com a inviabilidade da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso desde abril, o PT ficou enfraquecido na disputa e decidiu minar a sua candidatura, segundo Ciro.

    'Todos sabem que não deixarão o Lula ser candidato, as estruturas não permitirão, e o que está em jogo na burocracia do PT é uma grande enganação', disse.

    'Querem criar uma comoção nacional para que o dia que ele for declarado inelegível para escolher outro poste. A questão é: o Brasil aguenta outro poste?', disse ele, ao se referir implicitamente à ex-presidente Dilma Rousseff. 'A única coisa que justifica esse gesto é eles acharem que eu sou uma grande ameaça de afirmar uma alternativa de renovação do campo progressista brasileiro', acrescentou.

    Apesar da decisão do PSB, Ciro afirmou que pretende manter o apoio ao candidato socialista Márcio França, que é candidato à reeleição ao governo de São Paulo.

    'Se depender de mim manteremos (o apoio), porque considero Márcio França o melhor para São Paulo', afirmou.

    Durante seu discurso na sede do PDT do Rio de Janeiro, Ciro atacou ainda o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, que lidera as pesquisas de opinião de voto nos cenários sem a presença de Lula.

    'O problema do Bolsonaro, com todo carinho, é que ele é um boçal e inexperiente', disse.

    (Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Cid evita falar sobre adesão de blocão a Alckmin, mas minimiza impacto em candidatura de Ciro

    Cid evita falar sobre adesão de blocão a Alckmin, mas minimiza impacto em candidatura de Ciro

    Por Lisandra Paraguassu e Ricardo Brito

    BRASÍLIA (Reuters) - Coordenador da campanha de Ciro Gomes à Presidência, o ex-governador Cid Gomes afirmou nesta sexta-feira, na chegada à convenção do PDT que vai confirmar a candidatura de seu irmão, que não fala sobre 'possibilidades', ao ser questionado sobre a adesão do blocão ao tucano Geraldo Alckmin, mas minimizou o impacto ao dizer que a estratégia sempre foi buscar alianças 'progressistas'.

    'Não posso, não devo falar sobre possibilidades, o dia que tiver uma coisa acertada eu falo', afirmou Cid ao chegar à convenção. 'A gente sempre teve muito claramente definida nossa estratégia que é buscar o apoio do PSB, dos partidos progressistas e pensar em governar o Brasil', acrescentou.

    Na quinta-feira, o blocão, formado por DEM, PR, PRB, Solidariedade e PP, decidiu, em uma série de reuniões, fechar o apoio ao candidato tucano, em uma reviravolta causada por um contra-ataque do PSDB, mas também pela entrada no grupo do PR que, depois de desistir de aliança com Jair Bolsonaro (PSL), dava preferência ao tucano.

    Cid confirmou que o partido continua esperando uma aliança com o PSB que, segundo ele, seria mais alinhada com o perfil de Ciro.

    'Daria moldura à candidatura do Ciro, aquela que ele gostaria de ter, de um candidato progressista, um candidato popular, que trabalha pelo povo brasileiro de fato. Qualquer partido, que seja do arco progressista ou não, que se disponha a apoiar esses princípios será bem-vindo', afirmou.

    Cid defendeu o irmão candidato das principais razões apontadas pelo blocão para desistir da aliança: a dificuldade de controlar a língua e questões econômicas divergentes.

    'Sinceramente acho que o povo brasileiro não tolera mais a falsidade, o discurso da promessa fácil. O Ciro tem tido uma postura franca e sincera e às vezes isso desagrada alguns. Mas Ciro continua do jeito que é: franco, sincero e apaixonado por resolver os problemas do país', defendeu.

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia PDT vê crescer chances de apoio de blocão a Ciro

    PDT vê crescer chances de apoio de blocão a Ciro

    Por Lisandra Paraguassu e Ricardo Brito

    BRASÍLIA (Reuters) - A duas semanas do prazo limite para os partidos fecharem suas coligações, cresceram as chances de o pedetista Ciro Gomes conseguir arrebanhar para sua candidatura o chamado blocão, que reúne os principais partidos do chamado centro político. Ainda dividido, no entanto, o grupo só pretende anunciar sua decisão na próxima semana.

    O presidente do PDT, Carlos Lupi, disse nesta quarta-feira à Reuters que as conversas com o blocão --composto por DEM, Solidariedade, PRB, PR, PP e PHS-- têm avançado nos últimos dias e, mesmo partidos que antes estavam reticentes em apoiar Ciro, como o PRB, têm dado sinais de mudança.

    'O centrão está caminhando para vir', disse o presidente do PDT, ao ressalvar que a expectativa dele é que um acerto mesmo com o grupo só seja anunciado na próxima semana.

    'Se tenho chances de pegar o candidato que hoje é de centro-esquerda, tem experiência, foi governo e com isso posso impedir o PT ganhar e posso estar com esse cara para ganhar do Bolsonaro, que ninguém quer...', analisou Lupi. 'Então, não é nem pelas nossas qualidades, desculpe, que o Ciro tem algumas, mas é porque nós passamos ser a opção mais plausível. Esse pessoal é muito pragmático.'

    Integrantes do grupo confirmam que as negociações estão avançando e existe uma chance real de o bloco ir unido com o PDT, mas que não existe ainda nada certo.

    'Não dá para falar que vai ou não vai, mas está bem encaminhado', disse o presidente do Solidariedade, deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SP), ao destacar que haverá uma conversa na noite desta quarta, ou na quinta-feira, entre líderes do bloco, que poderá definir a posição do grupo.

    Paulinho avalia que o recuo do PR, que planejava inicialmente fechar uma aliança com o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, é mais um indício de que o grupo poderá marchar junto com Ciro em outubro.

    Presidente do PRB, o ex-ministro Marcos Pereira confirmou à Reuters que as negociações avançaram, mas não há definição e há ainda muitas dificuldades para o partido aceitar a aliança.

    'Avançou, mas é muito incipiente ainda. Não há nada concreto', disse. 'Continua com muitas dificuldades, não é simples.'

    Pereira explica que, se o PR se unir ao grupo e indicar o empresário Josué Gomes --filho do falecido ex-vice-presidente José Alencar-- para ser vice de Ciro, a situação melhora um pouco.

    'Ainda vamos ter que trabalhar muito a bancada, mas dá um pouco mais de conforto. Se o PR não vier, a gente vai ter muito mais dificuldade.'

    O ex-governador do Ceará Cid Gomes, irmão de Ciro, disse ter conversado pessoalmente dias atrás com Valdemar Costa Neto em busca do apoio do PR e que o cacique disse-lhe na ocasião que a legenda estava inclinada a fechar com Bolsonaro.

    Contudo, o acordo do PR com o pré-candidato do PSL posteriormente refluiu e a cúpula do PDT voltou a investir num acordo com a legenda.

    Segundo Cid, seu irmão trabalha para garantir um acordo a fim de conquistar, além do tempo de rádio e TV, governabilidade no Congresso.

    'O Ciro tem sido assim muito disciplinado no compromisso de colocar as coisas antes e pensar sempre no dia seguinte', destacou ele.

    O PRB é o partido que tem, até agora, as maiores dificuldade de fechar uma aliança com Ciro Gomes. A sigla quer adaptações na pauta econômica do candidato e também a garantia de Ciro de que não vai interferir em pautas legislativas caras à base evangélica do partido, como aborto ou questões homoafetivas.

    Em uma reunião no sábado, em São Paulo, o pedetista teria aceitado não interferir nas pautas legislativas e que aceitaria sugestões nas questões econômicas. 'Mas aí vem essa bomba que está em toda imprensa hoje, essa carta para a Embraer...', disse Pereira.

    O partido desistiu na semana passada de seu candidato próprio, o empresário Flavio Rocha e agora tenta decidir se vai em conjunto com o blocão ou fecha apoio a Geraldo Alckmin, mesmo com o tucano em baixa nas pesquisas. Nesta quarta, Marcos Pereira se reuniu também com o candidato do MDB, Henrique Meirelles.

    Dentro do DEM, que hoje capitaneia as discussões com Ciro, há uma tendência maior de apoio ao pedetista.

    LER NOTICIA

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. /
    3. noticias
    4. /
    5. tags
    6. /
    7. pdt
    8. /

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.