alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE pf

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia PF cumpre 54 mandados de prisão, apreende aviões e sequestra fazendas em operação contra narcotráfico

    PF cumpre 54 mandados de prisão, apreende aviões e sequestra fazendas em operação contra narcotráfico

    (Reuters) - A Polícia Federal cumpre nesta quinta-feira 54 mandados de prisão além de apreensão de 47 aeronaves e o sequestro de 13 fazendas com mais de 10 mil cabeças de gado em uma operação para desarticular uma vasta rede de narcotráfico especializada em remessas aéreas para o Brasil, os Estados Unidos e a Europa, informou a corporação em nota.

    Segundo a PF, a investigação, que teve início há dois anos, apontou que a quadrilha transportou mais de 9 toneladas de cocaína em, no mínimo, 23 voos que carregavam uma média de 400 quilos da droga por viagem entre meados de 2017 e 2018.

    'Mais de 400 policiais federais dão cumprimento aos mandados. A ação de hoje contou com o apoio da Força Aérea Brasileira (FAB) e do Grupamento de Rádio Patrulha Aérea da Polícia Militar de Goiás', disse a PF em nota, acrescentando que os mandados foram cumpridos em Tocantins, Goiás, Paraná, Pará, Roraima, São Paulo, Ceará e no Distrito Federal.

    'Os investigados devem responder, na medida de suas participações, por tráfico transnacional de drogas, associação para o tráfico, financiamento ao tráfico, organização criminosa, lavagem de dinheiro e atentado contra a segurança do transporte aéreo', acrescenta a nota.

    A 4ª Vara Federal de Palmas (TO) também deferiu o bloqueio de contas bancárias de cerca de 100 pessoas e empresas que estariam envolvidas e pediu a inclusão de seis pessoas no Sistema de Difusão Vermelha da Interpol.

    A operação recebeu o nome de Flak, expressão que era utilizada pelos países aliados durante a Segunda Guerra Mundial para se referirem à artilharia antiaérea alemã, disse a Polícia Federal.

    (Por Débora Moreira, no Rio de Janeiro, e Marcelo Rochabrun, em São Paulo)

    0

    0

    26

    21 H

    Placeholder - loading - Imagem da notícia PF chega a prender presidente da CNI em apuração sobre contratos de R$400 mi com Turismo e Sistema S

    PF chega a prender presidente da CNI em apuração sobre contratos de R$400 mi com Turismo e Sistema S

    BRASÍLIA/SÃO PAULO (Reuters) - A Polícia Federal prendeu temporariamente o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, no âmbito da operação Fantoche, que apura irregularidades em contratos que somam 400 milhões de reais firmados com o Ministério do Turismo e com o Sistema S.

    Andrade foi liberado no final do dia.

    'Após depoimento do presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, na Polícia Federal de Brasília, a delegada da PF do Recife solicitou ao Juiz Federal de Pernambuco para revogar a prisão, que atendeu o pedido. O presidente da CNI foi liberado no início da noite, disse a CNI em nota.

    A PF informou que 10 pessoas foram presas na operação.

    De acordo com a PF, um grupo de empresas do mesmo núcleo familiar atuou desde 2002 executando contratos firmados por meio de convênios com a pasta e com o Sistema S.

    'A atuação do grupo consistia na utilização de entidades de direito privado, sem fins lucrativos, para justificar celebração de contratos e convênios diretos com o ministério e unidades do Sistema S. Tais contratos, em sua maioria, voltados à execução de eventos culturais e de publicidade superfaturados e/ou com inexecução parcial, sendo os recursos posteriormente desviados em favor do núcleo empresarial por intermédio de empresas de fachada', disse a PF.

    'Estima-se que o grupo já tenha recebido mais de 400 milhões de reais decorrentes desses contratos', acrescentou a PF sobre a operação, realizada em parceria com o Tribunal de Contas da União (TCU).

    A corporação disse que 213 agentes foram mobilizados, assim como 8 auditores do TCU, para o cumprimento de 40 mandados de busca e apreensão e 10 de prisão temporária em Pernambuco, Minas Gerais, São Paulo, Paraíba, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Alagoas.

    (Por Ricardo Brito e Eduardo Simões)

    0

    0

    6

    2 D

    Placeholder - loading - Imagem da notícia PF cumpre novos mandados de busca em investigação sobre propina da J&F a Aécio

    PF cumpre novos mandados de busca em investigação sobre propina da J&F a Aécio

    (Reuters) - A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira nova fase da operação que investiga o senador Aécio Neves (PSDB-MG) por suspeita de recebimento de propina da holding J&F para cumprir mandados de busca e apreensão em endereços de Belo Horizonte ligados ao parlamentar.

    De acordo com a PF, a segunda fase da operação Ross cumprirá três mandados de busca e apreensão expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a pedido da Polícia Federal para ampliar as investigações sobre 'recebimento de vantagens indevidas por parte de um senador da República, solicitadas a um grande grupo empresarial do ramo frigorífico, entre os anos de 2014 e 2017'.

    A Polícia Federal não identifica os alvos das operações por nome em cumprimento a uma regra interna.

    A primeira fase da operação Ross foi deflagrada em 11 de dezembro para investigar Aécio e mais cinco parlamentares por recebimento de propina de 130 milhões de reais da J&F, controladora da processadora de carne JBS.

    De acordo com a Procuradoria-Geral da República, o grupo empresarial teria repassado cerca de 130 milhões de reais que foram distribuídos a parlamentares de pelo menos três legendas.

    A defesa de Aécio disse, quando da primeira fase da operação, que o senador sempre esteve à disposição para prestar esclarecimentos e apresentar documentos necessários às investigações, e que executivos da JBS tentam transformar 'doações feitas a campanhas do PSDB, e devidamente registradas na Justiça Eleitoral, em algo ilícito para, convenientemente, tentar manter os generosos benefícios de seus acordos de colaboração'.

    Não foi possível fazer contato com a defesa do senador nesta quinta-feira.

    A J&F disse que não vai comentar a nova fase da operação, mantendo a postura adotada nas maioria das ações deflagradas pelas autoridades com base nas delações de seus executivos.

    (Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

    0

    0

    10

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia PF faz buscas em investigação sobre propina de R$58 milhões da J&F para Kassab

    PF faz buscas em investigação sobre propina de R$58 milhões da J&F para Kassab

    RIO DE JANEIRO (Reuters) - Agentes da Polícia Federal foram às ruas nesta quarta-feira em São Paulo e no Rio Grande do Norte para cumprir 8 mandados de busca e apreensão em investigação contra o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, por suspeita de recebimento de 58 milhões de reais em propina paga pela holding J&F entre 2010 e 2016.

    De acordo com a Procuradoria-Geral da República (PGR), os delatores da J&F Wesley Batista e Ricardo Saud relataram que Kassab recebeu pagamentos mensais de 350 mil reais da empresa controladora da JBS entre 2010 e 2016 para colocar sua influência a favor do grupo, totalizando 30 milhões de reais.

    Outros 28 milhões de reais foram pagos ao Diretório Nacional do PSD, na época presidido por Kassab, para garantir o apoio da legenda ao PT na eleição nacional de 2014, acrescentou a PGR.

    'Segundo um dos colaboradores, todos os valores repassados eram provenientes de uma espécie de conta-corrente de vantagem indevida vinculada ao PT, que teria autorizado os pagamentos', disse a PGR em comunicado.

    'Neste caso, o repasse foi operacionalizado por meio de doações oficiais de campanha e outros artifícios como a quitação de notas fiscais falsas. Também há registro da entrega de dinheiro em espécie'.

    Os mandados de busca e apreensão foram determinados pelo relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Alexandre de Moraes, a pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

    Um carro da PF estacionou no início da manhã em frente ao prédio de Kassab em São Paulo para cumprir um dos mandados, de acordo com imagens da GloboNews.

    O ministro disse, por meio de nota de sua assessoria, que está à disposição das autoridades para prestar esclarecimentos, e que todos os seus atos seguiram a legislação.

    'O ministro confia na Justiça brasileira, no Ministério Público e na imprensa, sabe que as pessoas que estão na vida pública estão corretamente sujeitas à especial atenção do Judiciário, reforça que está sempre à disposição para quaisquer esclarecimentos que se façam necessários, ressalta que todos os seus atos seguiram a legislação e foram pautados pelo interesse público', afirmou.

    Kassab, que é presidente licenciado do PSD, foi prefeito de São Paulo de 2006 a 2013. Ele também atuou como ministro das Cidades durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), antes de assumir o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações do governo Michel Temer (MDB).

    O ministro já foi anunciado como futuro chefe da Casa Civil do governador eleito de São Paulo, João Doria (PSDB).

    Segundo a Polícia Federal, parte dos recursos pagos de forma irregular teria sido encaminhada para a campanha de um candidato ao Governo do Rio Grande do Norte e a um deputado federal, ambos eleitos. O governador do RN eleito em 2014 foi Robinson Faria, do PSD, que deixará o cargo no final deste ano.

    'Suspeita-se que os valores eram recebidos por empresas, através da simulação de serviços que não foram efetivamente prestados e para os quais foram emitidas notas fiscais falsas', disse a PF, acrescentando que são investigados os crimes de corrupção passiva e falsidade ideológica eleitoral.

    Procurada, a J&F disse que não vai comentar a nova operação da PF.

    O PT não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

    Não foi possível fazer contato com representantes de Robinson Faria.

    (Por Pedro Fonseca; Reportagem adicional de Lisandra Paraguassu, em Brasília)

    0

    0

    14

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Moro diz que PF terá autonomia, vai ressaltar foco no crime organizado e corrupção

    Moro diz que PF terá autonomia, vai ressaltar foco no crime organizado e corrupção

    BRASÍLIA (Reuters) - O futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, disse nesta segunda-feira que a Polícia Federal terá autonomia no governo de Jair Bolsonaro, mas acrescentou que irá ressaltar o foco na atuação contra o crime organizado e a corrupção.

    Em rápida entrevista, Moro anunciou a subprocuradora-geral de República Maria Hilda Marsiaj para comandar a Secretaria Nacional de Justiça.

    'A PF terá autonomia para fazer seu trabalho. O máximo que farei é estressar a necessidade de focar no crime organizado e no crime de corrupção', disse Moro.

    O ministro ressaltou ainda que, ao terminar de nomear os principais nomes da sua equipe, sua expectativa é que o Ministério da Justiça tenha condições de agir com eficiência em todas as áreas, mas principalmente nessas duas.

    Moro afirmou que a subprocuradora, que trabalha hoje na 4ª região, em Porto Alegre foi escolhida pela 'independência, integridade e eficiência'. Marsiaj terá que deixar a carreira no Ministério Público Federal para assumir a Secretaria Nacional de Justiça, já que a legislação impede procuradores, assim como juízes, de ocuparem cargos públicos a menos que renunciem à carreira --como fez Moro.

    De acordo com o futuro ministro, a SNJ, que já cuida de vários setores --inclusive imigração, cooperação jurídica internacional e da análise de nomes a serem indicados pelo presidente e tribunais federais e superiores-- irá abarcar também a coordenação de registros sindicais, com a extinção do Ministério do Trabalho.

    BATTISTI

    O ministro comentou ainda a decisão de extradição do italiano Cesare Battisti, assinada na última sexta-feira pelo presidente Michel Temer, e afirmou ser 'acertada'.

    'Na minha avalição, o asilo que foi concedido a ele anos atrás foi um asilo com motivações político-partidárias. Em boa hora isso foi revisto', disse o futuro ministro. 'Não se pode tratar a cooperação jurídica internacional por critérios político-partidários, a decisão é acertada. Lamentavelmente essa pessoa se encontra foragida'.

    A extradição de Battisti era há muito tempo solicitada pela Itália. O ex-guerrilheiro enfrenta pena de prisão perpétua em seu país natal, onde foi condenado por quatro assassinatos cometidos na década de 1970, quando pertencia ao grupo Proletários Armados pelo Comunismo. Ele escapou da prisão em 1981 e morou na França antes de seguir ao Brasil para evitar ser extraditado para a Itália.

    Desde então, Battisti quase foi extraditado em 2010, mas recebeu o status de asilado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva no final de seu mandato.

    Em outubro do ano passado, Battisti foi detido em Corumbá (MS), cidade próxima à fronteira com a Bolívia, carregando dólares e euros em espécie, numa indicação de que poderia estar planejando uma fuga do país, o que levou a Itália a reiterar seu pedido ao governo brasileiro pela extradição.

    Battisti, no entanto, foi solto por ordem da Justiça e respondia ao processo em liberdade, sob algumas medidas restritivas.

    (Reportagem de Lisandra Paraguassu)

    0

    0

    19

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia PF investiga Aécio e mais 5 parlamentares por propina de R$130 milhões da J&F

    PF investiga Aécio e mais 5 parlamentares por propina de R$130 milhões da J&F

    RIO DE JANEIRO (Reuters) - O senador Aécio Neves (PSDB-MG) e dois deputados federais foram alvos nesta terça-feira de mandados de busca e apreensão cumpridos pela Polícia Federal como parte de investigação sobre pagamento de vantagens indevidas da holding J&F a diversos políticos por meio do senador, em valores que se aproximam de 130 milhões de reais.

    Os mandados judiciais foram expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, informou a Procuradoria-Geral da República em comunicado. Segundo a PGR, as medidas cautelares são sigilosas e os nomes dos alvos não serão divulgados, mas agentes da PF fizeram buscas em endereços de Aécio e de pessoas ligadas a ele no Rio de Janeiro e em Minas Gerais.

    A PGR também fez uma referência a Aécio ao afirmar, em comunicado, que o senador investigado teria prometido favorecimentos ao grupo empresarial em um eventual governo presidencial entre 2015 e 2018, além de influência junto ao governo estadual de Minas Gerais com o objetivo de viabilizar a restituição de créditos tributários.

    Aécio foi derrotado no 2º turno da eleição presidencial de 2014 por Dilma Rousseff (PT), e antes foi governador de MG por dois mandatos entre 2003 e 2010.

    'Ao todo, o grupo econômico (J&F) teria repassado cerca de 130 milhões de reais que foram distribuídos a parlamentares de pelo menos três legendas', disse a PGR no comunicado, acrescentando que as investigações são decorrentes de informações prestadas em colaboração premiada por diretores da J&F.

    Segundo a PGR, o objetivo das cautelares é reunir provas do pagamento de 'vantagens indevidas por parte do Grupo Empresarial J&F a políticos por meio do senador'.

    A defesa de Aécio disse em nota que o senador sempre esteve à disposição para prestar esclarecimentos e apresentar documentos necessários às investigações. A nota diz ainda que os executivos da JBS tentam transformar 'doações feitas a campanhas do PSDB, e devidamente registradas na Justiça Eleitoral, em algo ilícito para, convenientemente, tentar manter os generosos benefícios de seus acordos de colaboração'.

    'A correta e isenta investigação vai apontar a verdade é a legalidade das doações feitas', disse o advogado Alberto Zacharias Toron.

    A Polícia Federal informou que no total foram expedidos pelo Supremo 24 mandados de busca e apreensão e 48 intimações para depoimentos a serem cumpridos em Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Tocantins, São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Amapá, Rio Grande do Norte e na Bahia.

    'Suspeita-se que os valores eram recebidos através da simulação de serviços que não eram efetivamente prestados e para os quais eram emitidas notas fiscais frias', disse a PF em comunicado.

    Segundo a PF, os recursos ilegais teriam sido utilizados para a obtenção de apoio político e também para fins da campanha presidencial de 2014.

    De acordo com a Polícia Federal, outros cinco parlamentares são suspeitos de envolvimento no esquema, sendo dois senadores e três deputados federais.

    Em nota, a assessoria do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) afirmou que o parlamentar desconhece o motivo pelo qual teve seu nome envolvido nessa história. 'Em toda sua trajetória, ele nunca tratou de qualquer assunto ilícito com ninguém.'

    O Solidariedade afirmou em nota que o partido já apoiava Aécio desde 2013, mas ressaltou que o deputado Paulinho da Força 'se colocou à disposição da justiça para prestar quaisquer esclarecimentos'.

    'A acusação absurda de compra de apoio do partido Solidariedade para a candidatura à Presidência de Aécio Neves, em 2014, beira o ridículo. Desde a sua criação, em 2013, o Solidariedade já apoiava o candidato Aécio Neves por acreditar em seus projetos para o país', diz a nota.

    Os demais políticos investigados são, segundo a TV Globo, o senador Agripino Maia (DEM-RN) e os deputados Benito Gama (PTB-BA) e Cristiane Brasil (PTB-RJ).

    Não foi possível localizar de imediato representantes desses parlamentares.

    A ação desta terça-feira, chamada operação Ross, é um desdobramento da Operação Patmos, uma fase da Lava Jato deflagrada em maio de 2017 que teve como base a delação de executivos da J&F. À época, Aécio chegou a ser afastado do exercício parlamentar em decorrência da investigação.

    Procurada, a J&F disse que não vai se pronunciar sobre a nova operação.

    (Por Pedro Fonseca; Reportagem adicional de Gram Slattery)

    0

    0

    31

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Moro anuncia Maurício Valeixo como novo diretor-geral da Política Federal

    Moro anuncia Maurício Valeixo como novo diretor-geral da Política Federal

    BRASÍLIA (Reuters) - O futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, indicou nesta terça-feira o delegado Maurício Valeixo para a direção geral da Polícia Federal e a delegada Érika Marena para a chefia do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional do Ministério da Justiça.

    Ambos os delegados já fazem parte atualmente da equipe de transição do governo de Jair Bolsonaro.

    Valeixo é atualmente superintendente da Polícia Federal no Paraná e substituirá Rogério Galloro, nomeado no início de março deste ano. Responsável pelas ações da operação Lava Jato em Curitiba, Valeixo já foi diretor de Inteligência da PF e diretor do departamento de combate ao crime organizado.

    Já Érika Marena participou de parte do início das investigações da operação Lava Jato - foi a responsável por dar o nome à operação - e foi a chefe das investigações na operação Ouvidos Moucos, que ficou marcada pelo suicídio do reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, Luiz Carlos Cancillier de Olivo, três meses depois de ter sido preso na operação.

    Cancillier deixou um bilhete em que apontava a prisão pela PF como responsável pelo suicídio. Marena foi alvo de uma investigação interna pela PF e foi absolvida.

    'A delegada tem minha plena confiança. O que aconteceu em Florianópolis foi uma tragédia, toda minha solidariedade à família, mas foi um infortúnio no âmbito da investigação. A delegada não tem responsabilidade', defendeu Moro ao ser questionado pelo caso.

    Moro disse ainda que planeja convidar o atual diretor-geral da PF para algum cargo na estrutura do Ministério da Justiça. Galloro era secretário Nacional de Justiça antes de ser chamado para a chefia da PF no lugar de Fernando Segóvia, demitido depois de, em entrevista à Reuters, afirmar que o inquérito dos Portos, em que o presidente Michel Temer é investigado, seria arquivado.

    O futuro ministro da Justiça afirmou também que todos os nomes envolvidos nas investigações da Lava Jato com quem trabalhou podem ser considerados para cargos no governo, inclusive Márcio Anselmo, primeiro delegado da Lava Jato.

    'Eu sempre afirmei que seria um tolo se não aproveitasse pessoas que trabalharam comigo, especialmente no âmbito da operação Lava Jato, porque já provaram sua integridade e sua eficiência', disse Moro ao anunciar os primeiros nomes da sua equipe.

    Ainda de acordo com o novo ministro, o foco principal da PF em sua gestão será o combate à corrupção e ao crime organizado.

    (Por Lisandra Paraguassu)

    2

    0

    45

    3 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia PF prende Joesley Batista e ex-ministros da Agricultura em novo desdobramento da Lava Jato

    PF prende Joesley Batista e ex-ministros da Agricultura em novo desdobramento da Lava Jato

    Por Pedro Fonseca e Ricardo Brito

    RIO DE JANEIRO/BRASÍLIA (Reuters) - A Polícia Federal prendeu nesta sexta-feira o empresário Joesley Batista, um dos controladores da JBS, e os ex-ministros Antonio Andrade e Neri Geller em um desdobramento da operação Lava Jato que investiga uma suposta organização criminosa que atuava no Ministério da Agricultura e na Câmara dos Deputados com pagamento de propina a agentes públicos e políticos.

    As propinas pagas aos agentes públicos e políticos no âmbito do esquema foram estimadas em mais de 22 milhões de reais, de acordo com a Receita Federal, que participa da investigação ao lado da PF.

    A prisão de Joesley, que já havia sido detido em setembro do ano passado no âmbito da Lava Jato acusado de omitir informações de acordo de delação premiada fechado com a Procuradoria-Geral da República, ocorreu na casa do executivo em São Paulo.

    O advogado do empresárioo, André Callegari, disse em nota que 'causa estranheza o pedido de sua prisão no bojo de um inquérito em que ele já prestou mais de um depoimento na qualidade de colaborador e entregou inúmeros documentos de corroboração'. O advogado ressaltou que a prisão é temporária e que o empresário vai prestar todos os esclarecimentos.

    Em comunicado sem citar os nomes dos alvos da operação, a Polícia Federal disse que a ação visa cumprir 63 mandados judiciais de busca e apreensão e 19 mandados de prisão temporária, todos expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

    Além de Joesley, também foi preso o executivo da holding J&F Ricardo Saud, que também fora preso no ano passado acusado de romper o acordo de delação premiada. Os dois estavam em liberdade desde março, quando tiveram a prisão revogada pelo Justiça.

    'Durante as apurações, houve clara comprovação de que empresários e funcionários do grupo investigado --inicialmente atuando em colaboração premiada com a PF-- teriam praticado atos de obstrução de Justiça, prejudicando a instrução criminal, com o objetivo de desviar a PF da linha de apuração adequada ao correto esclarecimento dos fatos', disse a PF em nota oficial.

    Os executivos foram responsáveis pelo mais polêmico acordo de colaboração na gestão do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, que envolveu diversos políticos e culminou em duas denúncias criminais contra o presidente Michel Temer.

    EX-MINISTROS DA AGRICULTURA

    Também foram presos na operação desta sexta-feira o vice-governador de Minas Gerais e ex-ministro da Agricultura Antonio Andrade (MDB) e o deputado federal eleito Neri Geller (PP-MT), que também foi ministro da Agricultura, conforme lista de presos confirmada pela Reuters por uma fonte com acesso à decisão do TRF-1.

    Procurados pela Reuters, representantes de Andrade e de Geller não estavam disponíveis de imediato para comentar.

    De acordo com a Polícia Federal, o esquema investigado consistia no pagamento de propina a servidores públicos e agentes políticos que atuavam direta ou indiretamente no Ministério da Agricultura (Mapa) em 2014 e 2015, durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff.

    'A Polícia Federal apurou a atuação de uma organização criminosa na Câmara dos Deputados e no Mapa, integrada por empresários e executivos de um grande grupo empresarial do ramo de processamento de proteína animal', disse a PF em comunicado.

    'Esse grupo dependia de normatizações e licenciamentos do Mapa e teria passado a pagar propina a funcionários do alto escalão do Ministério em troca de atos de ofício, que proporcionariam ao grupo a eliminação da concorrência e de entraves à atividade econômica, possibilitando a constituição de um monopólio de mercado'.

    A chamada operação Capitu foi deflagrada com base na delação premiada do empresário Lúcio Bolonha Funaro, apontado pela PGR como operador do ex-presidente da Câmara do Deputados Eduardo Cunha, que se encontra preso também no âmbito da Lava Jato.

    Segundo a PF, houve por parte do grupo empresarial investigado o financiamento ilegal de campanha de um deputado federal para a Presidência da Câmara em troca de atendimento dos interesses corporativos do grupo no Ministério da Agricultura.

    Duas grandes redes varejistas de Minas Gerais que não foram identificadas também participaram diretamente do esquema, por meio de seus controladores e diretores, de acordo com a Receita Federal.

    (Reportagem adicional de Ana Mano, em São Paulo)

    1

    0

    468

    3 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia PF faz buscas em investigação sobre pagamento de propina de R$4 mi a Jucá

    PF faz buscas em investigação sobre pagamento de propina de R$4 mi a Jucá

    (Reuters) - A Polícia Federal foi às ruas nesta quinta-feira para cumprir nove mandados de busca e apreensão no Estado de São Paulo como parte de investigação sobre suspeita de pagamento de propina no valor de 4 milhões de reais ao senador Romero Jucá (MDB-RR) pela Odebrecht para viabilizar a edição de uma resolução do Senado em 2012.

    A ação foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, no âmbito do inquérito 4382, que investiga Jucá com base nas delações de executivos da Odebrecht, incluindo o ex-presidente da empresa Marcelo Odebrecht.

    No total foram expedidos 9 mandados de busca e apreensão, sendo 7 na capital paulista, 1 em Santos e 1 em Campo Limpo Paulista, informou a PF em nota oficial.

    Documento disponível no site do STF que detalha o inquérito citado pela PF na operação afirma que, segundo o Ministério Público Federal, a empresa petroquímica Braskem --uma sociedade entre Odebrecht e Petrobras-- tinha interessa na aprovação da Resolução 72 do Senado, que consistiria em limitar a chamada “Guerra dos Portos”.

    Foi então combinado o pagamento da vantagem indevida no valor de 4 milhões de reais a Jucá pelo chamado setor de Operações Estruturadas da Odebrecht em troca de apoio à empresa na tramitação da medida, de acordo com inquérito.

    Em nota, a assessoria de Jucá afirmou que ele 'já prestou todas as informações sobre a resolução da uniformização da alíquota de ICMS que foi aprovada no Senado' e que 'tem cobrado reiteradamente o andamento das investigações para que tudo possa ser esclarecido o mais rápido possível'.

    A Odebrecht, também em nota, disse que 'continua colaborando com a Justiça e reafirma o seu compromisso de atuar com ética, integridade e transparência”.

    (Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

    0

    0

    18

    3 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia PF prende presidente da Codesp em operação contra corrupção no Porto de Santos

    PF prende presidente da Codesp em operação contra corrupção no Porto de Santos

    (Reuters) - A Polícia Federal prendeu nesta quarta-feira o presidente da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), empresa que administra o Porto de Santos, José Alex Oliva, como parte de operação que investiga esquema de corrupção e fraudes em contratos do terminal e da Secretaria de Portos do Ministério dos Transportes que somam 80 milhões de reais.

    Apesar de também investigar irregularidades no Porto de Santos, a chamada operação Tritão não tem ligação, ao menos por enquanto, com as investigações do inquérito dos Portos que tem o presidente Michel Temer como um dos alvos, de acordo com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal.

    'Segundo a PF, por ora, não há conexão entre essa investigação e a Operação Skala, que tramita no STF sob a relatoria do ministro (Roberto) Barroso', disse o MPF em publicação no Twitter. A operação Skala, deflagrada em março, chegou a prender temporariamente dois amigos de Temer, o coronel aposentado da Polícia Militar de São Paulo João Baptista Lima Filho e o advogado José Yunes.

    A ação deflagrada nesta quarta-feira prendeu o presidente da Codesp na casa do empresário no Rio de Janeiro. No total foram expedidos sete mandados de prisão contra pessoas suspeitas de participação no esquema tanto pelo lado da Codesp como de empresas de tecnologia vencedoras de contratos fraudados, segundo as autoridades.

    Além das prisões, foram expedidos 21 mandados de busca e apreensão nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Ceará, além do Distrito Federal.

    'A investigação apura a atuação de uma organização criminosa, que por meio de corrupção, formou cartel e fraudou licitações em contratos de Informática no Porto de Santos e na Secretaria de Portos do Ministério dos Transportes. Os contratos fraudados somam 80 milhões de reais', disse o MPF em comunicado.

    Segundo o MPF, as fraudes ocorreram principalmente em serviços de digitalização de documentos e dragagem.

    Em nota separada, a Polícia Federal disse que as investigações começaram em setembro de 2016 devido a um vídeo 'no qual um assessor do presidente da Codesp confessava a prática de diversos delitos ocorridos no âmbito daquela empresa'.

    O procurador do MPF em São Paulo Thiago Lacerda disse, segundo publicações no Twitter do MPF, que a ação desarticulou 'uma das maiores organizações criminosas já instaladas no Porto de Santos', e que as fraudes na Codesp 'impactaram na rentabilidade do Porto de Santos'.

    Além do MPF e da PF, também participam das investigações a Controladoria Geral da União (CGU), o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Receita Federal.

    A Codesp não respondeu de imediato a um pedido de comentário sobre a investigação, assim como o Ministério dos Transportes, Portes e Aviação Civil.

    (Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

    0

    0

    20

    3 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia PF faz operação para investigar violação de sigilo do voto e incitação de homicídio na eleição

    PF faz operação para investigar violação de sigilo do voto e incitação de homicídio na eleição

    (Reuters) - A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira operação de combate a crimes relacionados às eleições deste ano, como casos de violação de sigilo do voto e de incitação de homicídio, com nove ações simultâneas sendo realizadas pelo país após monitoramento de redes sociais, informou a PF.

    A chamada operação Olhos de Lince faz parte das atividades realizadas pelo Centro Integrado de Comando e Controle Eleitoral.

    Como parte das ações, foram emitidos quatro mandados de busca e apreensão nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, e estão sendo preenchidos cinco Termos Circunstanciados de Ocorrência, com a intimação dos investigados nos Estados de Minas Gerais, Pernambuco e Rio Grande do Sul, segundo a PF.

    As ações são resultado do trabalho da Polícia Federal no acompanhamento de redes sociais 'com o objetivo de identificar e de evitar possíveis crimes eleitorais e ameaças aos candidatos que concorrem ao pleito', e contaram com métodos de reconhecimento facial para identificar suspeitos.

    'Para a identificação dos investigados foram utilizadas técnicas de reconhecimento facial, que por meio de critérios científicos permitem a realização de análises e comparações das características faciais tais como cicatrizes, manchas e proporções, possibilitando a identificação de forma técnica e precisa dos suspeitos', afirmou a Polícia Federal em nota.

    Logo após o primeiro turno da eleição em 7 de outubro, a PF deflagrou uma operação para investigar e coibir crimes relacionados a vídeos que circularam nas redes sociais. No dia do pleito circulou um vídeo em que um eleitor denunciava suposta fraude no sistema de urnas eletrônicas, e outro vídeo que também circulou nas redes mostrava uma pessoa pressionando os dígitos da urna eletrônica com uma arma.

    (Reportagem de Maria Clara Pestre, no Rio de Janeiro)

    0

    0

    29

    4 M

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. pf

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.