alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE principal

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Guaidó faz apelo para militares deporem se juntarem a esforço para derrubar Maduro na Venezuela romperem com Maduro provoca confrontos

    Guaidó faz apelo para militares deporem se juntarem a esforço para derrubar Maduro na Venezuela romperem com Maduro provoca confrontos

    Por Vivian Sequera e Angus Berwick

    CARACAS (Reuters) - O líder da oposição venezuelana Juan Guaidó fez nesta terça-feira seu apelo mais contundente para que os militares o ajudem a depor o presidente Nicolás Maduro, e episódios de violência irromperam em protestos antigoverno no momento em que a Venezuela atinge um novo pico de crise depois de anos de caos político e econômico.

    Grupos militares que acompanhavam Guaidó se chocaram com soldados que apoiam Maduro em um comício nos arredores da base aérea de La Carlota, em Caracas, mas o incidente teve vida curta e não pareceu ser parte de uma tentativa imediata da oposição de tomar o poder através da força militar.

    Guaidó disse em tuítes que iniciou a 'fase final' de sua campanha para derrubar Maduro, conclamando os venezuelanos e as Forças Armadas a apoiá-lo antes dos protestos planejados para o 1º de Maio.

    'O momento é agora!', escreveu. 'O futuro é nosso: o povo e as Forças Armadas unidas para pôr um fim' ao tempo de Maduro no governo.

    Dezenas de milhares de pessoas faziam uma passeata em Caracas para apoiar Guaidó nesta terça-feira e confrontaram o batalhão de choque na avenida Francisco Fajardo. Um veículo blindado da Guarda Nacional avançou sobre manifestantes que atiravam pedras e o atingiam.

    O ministro da Defesa, Vladimir Padrino, classificou as cenas de instabilidade mais recentes como um 'movimento golpista', mas várias horas após o anúncio de Guaidó ainda não havia nenhum sinal de atividades militares anti-Maduro. Mais tarde Guaidó deixou um comício que realizava com apoiadores militares na base aérea.

    O doutor Maggi Santi, do centro de saúde Salud Chacao, no leste da capital, disse que os incidentes desta terça-feira deixaram 36 feridos, a maioria atingidos por balas de chumbo ou borracha.

    Diversas iniciativas da oposição de afastar o socialista Maduro do poder por meio de grandes protestos e clamores para que os militares atuem não surtiram efeito até o momento.

    Ainda nesta terça-feira, Maduro disse que conversou com líderes militares e que eles lhe mostraram 'sua lealdade total'.

    'Nervos de aço!', escreveu Maduro no Twitter. 'Eu peço uma mobilização popular máxima para assegurar a vitória da paz. Nós

    vamos ganhar!'

    O movimento foi o gesto mais ousado de Guaidó até agora para persuadir os militares a se insurgirem contra o presidente --e, se falhar, pode ser vista como um indício de que ele carece do apoio que diz ter. Ele também pode estimular as autoridades, que já o privaram da imunidade parlamentar de que gozava como líder da Assembleia Nacional e iniciaram várias investigações a seu respeito, a prendê-lo.

    Os Estados Unidos estão entre os cerca de 50 países que reconhecem Guaido como presidente legítimo da Venezuela e impuseram sanções para tentar desalojar Maduro, que, segundo eles, foi reeleito no ano passado em uma eleição fraudulenta.

    'O que quer que aconteça agora, não deixaremos que nos parem. Nosso processo caminha passo a passo, de acordo com nossa Constituição. Continuamos a defender a não-violência', disse Guaidó à emissora internacional alemã Deutsche Welle em entrevista divulgada nesta terça-feira.

    ((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447702)) REUTERS AC

    0

    0

    21

    2 S

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Bolsonaro assina decreto que autoriza compra de até 4 armas, com exceções

    Bolsonaro assina decreto que autoriza compra de até 4 armas, com exceções

    Por Maria Carolina Marcello

    BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta terça-feira o decreto que flexibiliza as regras para posse de armas no país, uma de suas principais bandeiras de campanha e em sintonia com a chamada bancada da bala no Congresso, que o apoiou na disputa presidencial.

    Redigido pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública e finalizado na Casa Civil, o novo decreto facilita o reconhecimento da chamada “efetiva necessidade” para a posse de armas, amplia a lista de casos em que ela será permitida --como morar em área rural ou em cidades com elevados índices de violência--, e ainda aumenta o prazo para renovação da autorização de posse de arma de 5 para 10 anos.

    “O que estamos fazendo aqui nada mais é do que restabelecer um direito definido nas urnas por ocasião do referendo de 2005”, disse o presidente em referência à consulta popular realizada naquele ano sobre a proibição da venda de armas de fogo, que foi rejeitada na ocasião.

    “O povo decidiu por comprar armas e munições e nós não podemos negar o que o povo quis naquele momento. Em toda a minha andança pelo Brasil ao longo dos últimos anos, a questão da arma sempre estava na ordem do dia”, afirmou Bolsonaro.

    Promessa de campanha reiterada pelo presidente pouco antes de assumir o cargo, o texto facilita a posse de arma de fogo ao explicitar, em um novo dispositivo, uma lista de pessoas com direito à posse de arma.

    Segundo Bolsonaro, havia um “grande problema” na legislação referente ao que era considerado “efetiva necessidade” de posse de arma. “Isso beirava a subjetividade”, disse o presidente, após assinar o decreto.

    Agora, de acordo com o texto assinado nesta terça, “presume-se a veracidade dos fatos e das circunstâncias afirmadas na declaração de efetiva necessidade” para a posse, a ser examinada pela Polícia Federal.

    Ao listar os casos em que a “efetiva necessidade estará presente” --agentes públicos (inclusive os inativos), militares e inativos, residentes em área rural, residentes em áreas urbanas consideradas violentas, e donos de estabelecimentos comerciais ou industriais, além de colecionadores, atiradores e caçadores devidamente registrados no Comando do Exército--, o decreto facilita o acesso às armas e amplia o rol de pessoas com direito à posse.

    As novas regras trazidas pelo decreto consideram que serão consideradas áreas urbanas com elevados índices de violência para conferir o direito à posse aquelas “localizadas em unidades federativas com índices anuais de mais de dez homicídios por cem mil habitantes, no ano de 2016, conforme os dados do Atlas da Violência 2018, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública”.

    O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, explicou que, com o decreto, o cidadão terá direito à posse de armas caso cumpra todos os requisitos e apresente toda a documentação exigida, primeira vez, segundo o ministro, que a palavra do cidadão será considerada de 'boa fé' em relação ao governo.

    Essa é uma mudança, disse o ministro, porque até o momento a Polícia Federal e os demais órgãos competentes têm de verificar a veracidade das informações apresentadas pelo cidadão.

    O decreto também autoriza a aquisição de até quatro armas de fogo de uso permitido dentro dos parâmetros estabelecidos pelo documento, de acordo com uma cópia divulgada logo após a assinatura.

    Apesar do limite de quatro armas, o texto acrescenta que não fica excluída “a caracterização da efetiva necessidade se presentes outros fatos e circunstâncias que a justifiquem, inclusive para a aquisição de armas de fogo de uso permitido em quantidade superior a esse limite, conforme legislação vigente”.

    Bolsonaro afirmou que na legislação anterior “você poderia comprar meia dúzia de armas, mas na prática não podia comprar nenhuma”.

    “Com a legislação atual pode comprar até quatro, e preenchendo requisitos, o cidadão de bem com toda a certeza poderá fazer uso dessas armas, com a possibilidade ainda —tudo bem costurado pelo ministro Sérgio Moro—, sim, se tiver que comprar mais armas tendo em vista o número de propriedades rurais, por exemplo... o cidadão pode, comprovando então, obter uma maior quantidade de armas”, afirmou.

    O decreto exige ainda que o interessado na posse declare ter cofre ou local seguro com tranca para o armazenamento da arma em residências habitadas por crianças, adolescentes ou pessoa com deficiência metal.

    PORTE

    Trechos da legislação para a posse de armas podem ser alterados por meio de decreto, como ocorreu, mas as regras para o porte precisam passar pelo Congresso Nacional. O porte só é permitido em alguns casos, como a integrantes das Forças Armadas, das polícias, agentes penitenciários e trabalhadores da área de segurança. Para obter o porte, é exigida a demonstração de sua efetiva necessidade por exercício de atividade profissional de risco ou ameaça à integridade física.

    Onyx disse que o porte de armas será alvo de medidas a serem adotadas pelo governo nos próximos meses.

    O decreto não exclui a exigência de o comprador da arma ter 25 anos ou mais, comprovar inexistência de inquérito policial ou processo criminal, capacidade técnica e aptidão psicológica, residência fixa e ocupação lícita.

    O decreto prevê ainda a renovação automática da autorização de posse por dez anos. Segundo o presidente, o governo deve editar uma medida provisória para recadastrar aqueles que perderam o prazo para regularizar sua situação encerrado em 2009.

    No início do ano, em entrevista ao SBT, o presidente também disse que pretende abrir o mercado brasileiro para fabricantes de armas estrangeiras. Esse movimento foi mencionado novamente nesta terça-feira por Onyx.

    As ações preferenciais da fabricante brasileira de armas Taurus, depois de ter acumulado alta de mais de 100 por cento nos primeiros dias do ano, recuavam fortemente nesta tarde, com muitos investidores aproveitando para realizar lucros.

    Nos primeiros nove meses de 2018, a Taurus registrou receita líquida 623,5 milhões de reais, com um prejuízo consolidado de 44,6 milhões de reais.

    As vendas líquidas de armas no período totalizaram 613,6 milhões de reais, alta de 17,4 por cento sobre os primeiros nove meses de 2017, com as vendas nos mercados interno e externo registrando aumentos de 73 e 10,4 por cento, respectivamente, segundo o balanço da empresa.

    POLÊMICA

    Pesquisa Datafolha realizada em dezembro de 2018 apontou que 61 por cento dos entrevistados concordam com a proibição da posse de armas por representar ameaças à vida de outras pessoas. Outros 37 por cento disseram acreditar que possuir uma arma legalizada deveria ser um direito do cidadão para se defender.

    Para o diretor-executivo da ONG Viva Rio, o antropólogo Rubem César Fernandes, a medida assinada por Bolsonaro nesta terça-feira pode levar a um aumento na violência.

    “Eu acho que aumentar o número de armas na sociedade num ambiente como esse não é sadio, acho que vai fazer mal, vai aumentar a violência”, afirmou em entrevista à Reuters TV.

    “A arma em si não faz violência, mas em um ambiente tão tenso, cheio de conflitos, pequenos e grandes conflitos, onde todo dia a gente vê cenas de violência armada no Brasil, urbanas, então o uso da arma fica muito na cabeça das pessoas, as pessoas sonham com isso, entra no dia-a-dia, não é uma coisa extraordinária.”

    A oposição já anunciou iniciativas para tentar barrar os efeitos da medida do governo Bolsonaro.

    O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), afirmou nesta tarde que o partido vai ao Supremo Tribunal Federal (STF) para questionar o decreto. Em outra frente, a bancada do PSOL vai apresentar um projeto de decreto legislativo para sustar os efeitos da medida logo no retorno dos trabalhos do Congresso.

    (Reportagem adicional de Ricardo Brito, em Brasília, e Sérgio Queiroz, no Rio de Janeiro)

    0

    0

    35

    4 M

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. principal

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.