alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE tesouro

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Tesouro assumirá mais risco Selic em 2018 em resposta a condições adversas de mercado

    Tesouro assumirá mais risco Selic em 2018 em resposta a condições adversas de mercado

    Por Marcela Ayres

    BRASÍLIA (Reuters) - O Tesouro Nacional anunciou nesta quarta-feira que assumirá mais risco ligado à Selic em 2018, emitindo mais títulos que flutuam com a taxa básica que o inicialmente previsto, em resposta a condições adversas do mercado, catapultadas por incertezas no cenário externo e eleições presidenciais no Brasil.

    Em revisão do Plano Anual de Financiamento (PAF) deste ano, o Tesouro ampliou a fatia fixada como meta para a participação de títulos atrelados à Selic na dívida pública federal para 33 a 37 por cento, ante 31 a 35 por cento antes. As bandas para os demais papéis, bem como para o estoque total da dívida, permaneceram inalteradas.

    'Revisão do PAF é um instrumento de atuação do Tesouro', afirmou o subsecretário da Dívida Pública, José Franco Morais.

    Em coletiva de imprensa, ele justificou que o quadro recente tem levado a maior grau de aversão ao risco por parte dos investidores. Num ano mais volátil que o normal, prosseguiu, a Letra Financeira do Tesouro (LFT) passou a ser o principal instrumento de financiamento da dívida pública brasileira.

    Franco também apontou que o custo dos títulos prefixados aumentou sensivelmente, a cerca de 12,5 por cento para um papel de 10 anos, razão pela qual o Tesouro também tem preferência maior, no momento, por emitir títulos flutuantes que pagam taxa Selic.

    Esses papéis pós-fixados são mais demandados por investidores quando há percepção de aumento do risco, sentimento que vem se intensificando diante da imprevisibilidade na corrida presidencial e a temores quanto ao compromisso com reformas econômicas por parte do candidato eleito.

    Esses títulos tiram previsibilidade para a dívida, já que flutuam com os juros. Por isso, o governo busca diminuir sua representatividade no longo prazo a 20 por cento.

    Franco reconheceu que, quando o Tesouro emite mais LFTs, assume esse risco de taxa de juros. Por outro lado, defendeu que a investida hoje envolve um peso menor.

    'No passado, o impacto de eventual aumento da Selic sobre a dívida era maior porque havia parcela grande do crédito que era direcionado. Me refiro principalmente ao crédito de programas especiais de bancos públicos', disse.

    'Com mudança para TLP (nova taxa de juros dos empréstimos do BNDES), espera-se que eventuais aumentos da taxa Selic não sejam necessários para compensar a parcela do crédito direcionado. Ao ocorrer isso, o impacto sobre a dívida acaba sendo menor', completou.

    Questionado sobre novas atuações diretas no mercado, com oferta de leilões extraordinários, Franco respondeu que o Tesouro não tem previsão de iniciativas desta natureza, mas que segue atento às condições de mercado.

    Nesta quarta-feira, o Tesouro divulgou ainda que pode reduzir a oferta global de títulos no ano, o que implicaria rolagem menor da dívida em 2018.

    'O Tesouro sempre persegue esse objetivo de rolar toda sua divida. Mas ele tem flexibilidade, e o colchão de liquidez dá essa flexibilidade, de em momentos de maior turbulência, de maior volatilidade, ou em momentos em que os custos ficam mais altos, de eventualmente optar por fazer uma redução, uma rolagem um pouco menor', afirmou o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Luis Felipe Vital.

    Atualmente, este colchão está acima de 600 bilhões de reais, e deve ser acrescido de 165 bilhões de reais, referentes ao lucro contábil do Banco Central no primeiro semestre.

    Desde 2001, o Tesouro só fez outras revisões no PAF em 2008, 2015 e 2016 -- anos de crise e forte volatilidade nos mercados. Por norma de regimento interno, essa revisão é feita em abril ou agosto. Perguntado sobre a razão de ter sido divulgada em setembro desta vez, Franco respondeu que o Tesouro viu 'deterioração sensível no mercado internacional, principalmente, e incertezas no cenário doméstico que permanecem'.

    DÍVIDA PÚBLICA

    O Tesouro também passou a ver uma dívida bruta mais alta neste ano, a 77 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), ante 75,6 por cento na estimativa anterior, numa alta de 3 pontos percentuais sobre o nível de 2017.

    A evolução será influenciada por menor expectativa para a economia neste ano, disse o Tesouro, apontando ainda a influência de uma taxa de câmbio maior. O governo, que começou 2018 prevendo um crescimento de 3 por cento do PIB, agora vê uma expansão de 1,6 por cento para a atividade.

    A deterioração ressalta o descasamento entre receitas e despesas do país, que prossegue forte a despeito do compromisso assumido pelo governo do presidente Michel Temer de implementar reformas estruturais e controlar a explosiva trajetória da dívida. Para 2019, a expectativa é que ela chegue a 78,7 por cento do PIB, subindo a 80,1 por cento em 2020.

    (Por Marcela Ayres, com reportagem adicional de Mateus Maia)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Governo central tem déficit primário de R$11 bi em maio, melhor que o esperado

    Governo central tem déficit primário de R$11 bi em maio, melhor que o esperado

    BRASÍLIA (Reuters) - O governo central (Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social) registrou déficit primário de 11,024 bilhões de reais em maio, cifra melhor que o esperado diante do quadro de despesas em queda, mas que tende a ficar pior após a greve dos caminhoneiros e que levou o governo a usar boa parte de sua folga fiscal para atender o pleito da categoria.

    O resultado divulgado nesta quinta-feira pelo Tesouro é o melhor para maio desde 2015, quando houve déficit primário de 8,553 bilhões de reais e veio melhor que o esperado em pesquisa Reuters com analistas, de rombo de 12,1 bilhões de reais no mês passado.

    Em maio de 2017, o rombo primário havia sido de 29,387 bilhões de reais. Segundo o Tesouro, o dado de agora foi influenciado positivamente pela antecipação do pagamento de precatórios (9,5 bilhões de reais) e resgate de 3,5 bilhões de reais do Fundo Soberano.

    Ajuste fiscal no Brasil vai cada vez mais depender da dinâmica das despesas obrigatórias , afirmou a jornalistas o secretário do Tesouro, Mansueto de Almeida Jr. Isso significa mudar regras, seja benefícios ligados a Previdência, gastos com pessoal ou subsídios , acrescentou.

    Para 2018, a meta do governo central é de déficit primário de 159 bilhões de reais, sendo que nos 12 meses até maio, o rombo estava em 106,2 bilhões de reais.

    O resultado foi influenciado por receitas líquidas, que somaram 87,759 bilhões de reais em maio, com alta real (descontada a inflação) de 9,8 por cento. No mês passado, houve pagamento de dividendos da Caixa Ecônomica Federal (2,8 bilhões de reais) e do Banco de Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (1,5 bilhão de reais).

    As despesas tiveram queda real de 7,2 por cento em maio sobre um ano antes, a 102,283 bilhões de reais.

    O Tesouro informou ainda que o rombo da Previdência chegou a 15,096 bilhões de reais no mês passado, queda real de 18,6 por cento sobre maio de 2017, enquanto Tesouro e BC registraram juntos superávit primário de 4,072 bilhões de reais.

    O governo vem reiterando a viabilidade da meta fiscal deste ano, mas a tarefa ficou mais difícil após a greve dos caminhoneiros em maio, que causou forte desabastecimento no país e afetou a atividade econômica e a arrecadação.

    Além disso, o governo arcou com custo fiscal de mais de 15 bilhões de reais para atender a demanda da categoria e conseguir reduzir o preço do diesel.

    Os economistas pioraram muito as expectativas para o déficit primário do governo central neste ano, segundo o relatório Prisma Fiscal divulgado pelo Ministério da Fazenda. Pela mediana, a projeção subiu a 151,192 bilhões de reais, contra 138,543 bilhões de reais anteriormente.

    Pesquisa Focus do BC, que ouve uma centena de economistas todas as semanas, mostra que a estimativa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) do país neste ano estava em torno de 1,5 por cento, depois de ter chegado a 3 por cento alguns meses antes.

    O Tesouro divulgou ainda que a margem de insuficiência para o cumprimento da regra de ouro é de 102,5 bilhões de reais em 2018, levando em consideração recursos repassados pelo BNDES, 27,5 bilhões de reais do fundo soberano, 17,4 bilhões do Fundo Nacional de Desenvolvimento (FND), entre outros.

    O governo trabalha com outras medidas que assegurarão o cumprimento da regra de ouro em 2018, que incluem outros pagamentos antecipados do BNDES , trouxe o Tesouro em nota.

    A regra de ouro impede que o governo emita dívida para bancar despesas de custeio, como salários.

    (Por Mateus Maia)

    LER NOTICIA

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. tesouro

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.