alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Dólar chega a superar R$4 com volatilidade na Argentina e receios sobre EUA-China

    Placeholder - loading - news single img
    Mulher conta notas de dólares 28/08/2018 REUTERS/Marcos Brindicci

    4540

    Publicada em  

    Atualizada em  

    Por José de Castro

    SÃO PAULO (Reuters) - O dólar começou a semana em forte alta, superando durante os negócios a marca psicológica dos 4 reais pela primeira vez desde o fim de maio, na esteira de notável aversão a risco no exterior e do surto de volatilidade nos mercados argentinos após a vitória da oposição em eleições primárias.

    O dólar à vista fechou em alta de 1,06%, a 3,9837 reais na venda.

    É o maior patamar para um encerramento desde 28 de maio (4,0242 reais).

    Na máxima do pregão, o dólar spot bateu 4,0140 reais.

    Na B3, o dólar futuro de maior liquidez tinha alta de 0,91%, a 3,9845 reais.

    O câmbio doméstico sentiu o aumento da volatilidade no mercado argentino, onde o peso desabou cerca de 30% no pior momento do dia, para uma nova mínima recorde, diante de receios de que o futuro governo possa adotar políticas econômicas heterodoxas.

    A correlação de 200 dias entre real e peso argentino tem estado em torno de 0,68, nas máximas desde o começo do ano. Quanto mais próximo de 1, mais os dois ativos tendem a oscilar na mesma direção.

    A instabilidade no mercado argentino tende a afetar o brasileiro uma vez que o país vizinho é importante destino das exportações brasileiras de manufaturados, cujas quedas podem impactar negativamente o já lento crescimento econômico doméstico.

    Mas o dólar se fortaleceu de forma generalizada ante emergentes, diante dos receios em torno da guerra comercial entre chineses e norte-americanos. A fuga de risco beneficiou o iene e derrubou Wall Street.

    'Esperamos que a incerteza continue elevada em agosto conforme o próximo capítulo da guerra (comercial) entre EUA e China se desenrola', disseram estrategistas do Bank of America em nota a clientes. 'A América Latina parece ser a região mais exposta dentre os emergentes', acrescentaram.

    Em meio às incertezas, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, repetiu que o Brasil tem posição cambial 'sólida' e está preparado para enfrentar crises.

    O país tem quase 389 bilhões de dólares em reservas cambiais, com 68,9 bilhões de dólares em swaps cambiais de posse do mercado.

    (Edição de Isabel Versiani)

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. apos superar r4 dolar bate …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.