alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASILANTENA 1

    Para CEO da Petrobras, greve não afeta produção; ANP vê riscos adiante

    Placeholder - loading - news single img
    Presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, em coletiva de imprensa no Rio de Janeiro 08/05/2019 REUTERS/Sergio Moraes

    Publicada em  

    Atualizada em  

    Por Rodrigo Viga Gaier

    RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras não registrou perdas na produção apesar da greve iniciada em 1º de fevereiro, já que conta com equipes de contingência nas unidades, reiterou nesta sexta-feira o presidente da companhia, Roberto Castello Branco.

    Segundo ele, o plano de contingência da empresa para lidar com greve vai durar o tempo que for necessário.

    'Nenhuma gota de petróleo deixou de ser produzida (por conta da greve)', afirmou ele a jornalistas, ao deixar um evento realizado em hotel no Rio de Janeiro.

    Na quinta-feira, Castello Branco já havia tranquilizado a população e o mercado, afirmando que a produção não foi afetada.

    Ele disse acreditar também no bom senso dos empregados, já que considera 'política' a motivação da greve convocada pelos sindicatos.

    A afirmação foi feita após o diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Décio Oddone, ter enviado carta ao Tribunal Superior do Trabalho (TST) alertando sobre um risco de eventual desabastecimento de combustíveis no Brasil com a greve dos petroleiros.

    À Reuters, o diretor da ANP Aurélio Amaral disse nesta sexta-feira que, se a greve durar mais 10 dias, o fornecimento poderia começar a ficar comprometido.

    Questionado sobre o prazo para algum problema começar a aparecer, ele respondeu: 'Uns 10 a 15 dias, mais ou menos, muito difícil prever, depende das condições de segurança'.

    Amaral destacou que há um limite para que as equipes de contingência atuem sem que a produção e o refino sejam afetados.

    'É uma possibilidade, as equipes de contingência têm um limite. Se não houver produção, a Petrobras terá de baixar carga das refinarias, e aí diminui a produção e a de derivados vai cair por consequência', disse ele.

    A Petrobras, por sua vez, afirma que as unidades seguem operando em condições adequadas de segurança, com equipes de contingência formadas por empregados que não aderiram à greve, e contratações temporárias autorizadas pela Justiça.

    A companhia informou também está contratando empresas com experiência na operação e manutenção de unidades de produção de petróleo e gás offshore, para suprimento de mão de obra especializada e certificada para atuar em suas plataformas próprias enquanto durar o movimento grevista.

    A estatal lembrou ainda em nota que está realizando o desconto dos dias não trabalhados dos empregados que aderiram ao movimento grevista.

    'O desconto será realizado porque não houve a contraprestação do serviço, ou seja, os empregados não realizaram o trabalho para o qual são contratados.'

    A Federação Única dos Petroleiros --que representa os 13 sindicatos que aprovaram a greve-- afirmou na quinta-feira que, apesar de decisões judiciais que buscaram restringir a paralisação, o movimento atingiu 113 unidades da empresa, em 13 Estados do país, com mais de 20 mil petroleiros mobilizados.

    (Com reportagem adicional de Roberto Samora)

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. ceo da petrobras nenhuma gota …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.