alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Cientistas tentam descobrir o que pode acontecer com o corpo humano no espaço

    Um exame mostrou que alguns genes podem sofrer mudanças estando sob a microgravidade.

    Placeholder - loading - news single img
    Robô em Marte (Foto: Pixabay)

    5035

    Publicada em  

    Com estadas prolongadas no espaço se tornando cada vez mais comuns, os cientistas dizem que é necessário entender melhor os efeitos da microgravidade no coração. Segundo publicação da rede CNN, estudos anteriores mostraram que o voo espacial pode reduzir a frequência cardíaca, diminuir a pressão arterial e aumentar o gasto cardíaco.

    Mas novas pesquisas examinam como a microgravidade (ou gravidade zero) influencia o coração humano no nível celular. "Conseguimos verificar a saúde dos astronautas enquanto estão no espaço e quando estão de volta, mas não tivemos como entender as alterações das células moleculares", disse Joseph C. Wu, da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, e um autor sênior do estudo.

    Na tentativa de responder a isso, os pesquisadores da Universidade de Stanford examinaram a função cardíaca e a expressão gênica nas células cardíacas humanas de três indivíduos. Em vez de vir de biópsias - que é um procedimento muito invasivo - Wu disse que essas células cardíacas foram produzidas pela "reprogramação" de uma pequena amostra de sangue nas células-tronco humanas. As células cardíacas foram então cultivadas a bordo da Estação Espacial Internacional por cinco semanas e meia - o primeiro estudo desse tipo.

    Eles descobriram que a exposição à microgravidade alterou a expressão de 2.635 genes - uma mudança temporária no RNA, que é produzido a partir do DNA -, mas a maioria retornou aos padrões normais de expressão gênica dentro de 10 dias após o retorno à Terra.

    Wu disse que as mudanças observadas foram "sutis", mas estatisticamente significativas. Ele disse que era difícil dizer se as mudanças afetariam o funcionamento do coração.

    "Lembre-se de que nosso estudo durou apenas cinco semanas - é pouco tempo. Não sei quais seriam as alterações genéticas se fossem seis meses", continuou Wu. "Tenho certeza que se você examinasse os astronautas depois de um período mais longo, veria mais mudanças."

    Wu disse estar surpreso com a rapidez com que as células musculares do coração humano foram capazes de se adaptar à microgravidade.

    "Estes estudos podem fornecer informações sobre mecanismos que poderiam benefício de saúde astronauta celular durante vôos espaciais de longa duração, ou estabelecer as bases para Potencialmente novos insights sobre a saúde do coração Melhoria na Terra", eu disse.

    As células cardíacas derivadas de células-tronco foram transportadas para a Estação Espacial Internacional a bordo de uma espaçonave SpaceX como parte de uma missão comercial de reabastecimento em 2017. Uma vez lá, elas foram cultivadas pela astronauta Kate Rubins, que por coincidência havia sido treinada em biologia molecular. Simultaneamente, o mesmo tipo de células foi cultivado na Terra para fins de comparação. O sequenciamento de RNA foi realizado nas células em 4,5 semanas a bordo do ISS e 10 dias após o retorno à Terra.

    Wu e sua equipe estão atualmente trabalhando em um estudo mais sofisticado, que envolve o envio de um pedaço de tecido cardíaco humano 3D, que será mais parecido com um coração humano, para o espaço no próximo ano.

    Quanto ao fato de o corpo humano estar em viagens espaciais de anos - como uma viagem a Marte - Wu não tem certeza.

    "Eu não sei", disse ele. "Eu acho que vai ser muito estressante para o corpo humano, e é por isso que estamos interessados em fazer pesquisas sobre esse tópico muito oportuno".

    1. Home
    2. noticias
    3. cientistas tentam descobrir o …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.