Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Clima pesa no Congresso em relação ao governo e cresce pressão por CPI da pandemia

    Placeholder - loading - news single img
    Manifestante protesta contra o presidente Jair Bolsonaro em Brasília 19/03/2021 REUTERS/Ueslei Marcelino

    Publicada em  

    Por Maria Carolina Marcello e Ricardo Brito

    BRASÍLIA (Reuters) - Impactado pela morte do líder do PSL no Senado, Major Olimpio (PSL-SP), e assustado com a iminência da crise sanitária nos Estados com escassez de leitos e medicamentos para tratamento de pacientes da Covid-19, o Congresso mostrou sinais de piora no clima com o governo do presidente Jair Bolsonaro e aumentou a pressão por uma CPI.

    Com o clima mais pesado, parlamentares cobram ação mais eficaz do governo no enfrentamento à pandemia, mesmo após a troca de comando no Ministério da Saúde e a edição da medida provisória que autoriza o pagamento do auxílio emergencial a partir de abril.

    Nesse cenário, cresce a demanda por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar a gestão federal da saúde, como um instrumento de pressão para que o governo atue no enfrentamento à crise. A possibilidade, entretanto, ainda é tida como um último recurso pelos que de fato têm o poder de fazê-la caminhar, segundo duas fontes consultadas pela Reuters.

    No Senado, por exemplo, um requerimento para criação de CPI já superou as 27 assinaturas necessárias para abertura da comissão, mas a instalação depende que o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), leia o requerimento em plenário. Segundo as fontes, Pacheco, por ter um perfil mais ponderado, tem tentado se utilizar de todas as alternativas à mão antes de partir para a CPI.

    O vice-presidente da Câmara, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), tem defendido que este não é o momento para a instalação de uma CPI, por considerar que apenas traria mais uma distração para uma pasta já em dificuldades de gestão. 'CPI no auge da pandemia é um erro', disse ele à Reuters.

    Em contraponto, o vice-presidente da Câmara tem sido duro nas exigências para que o governo se organize e disse em um tuíte que espera respostas 'rápidas e efetivas' do futuro ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

    Por ora, ainda que abalada pelos últimos dias, a relação do governo com sua base no Congresso se mantém, na avaliação da senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA). Numeroso grupo de parlamentares que ficou conhecido como centrão ainda apoia Bolsonaro, mesmo não tendo sua indicação para a pasta da Saúde atendida -- eles haviam sugerido o nome da médica Ludhmila Hajjar.

    'Há uma realidade. Não há dúvida, o presidente da República tem uma base muito mais ampla do que ele tinha antes. Mas é uma base muito frágil. Eu acho que se ele cai na opinião pública, ele automaticamente cai dentro do Congresso Nacional, até porque o Congresso Nacional é um reflezo da sociedade brasileira', avaliou a senadora.

    COMOÇÃO

    Mesmo antes da notícia sobre a morte de Olimpio, o clima já pesava de tal forma no Senado que a reunião de líderes na quinta-feira, tradicionalmente destinada à discussão da pauta para a semana seguinte, foi encerrada sem uma definição. Dois senadores chegaram a chorar, na conversa do colegiado, num misto de indignação, espanto e condolências em relação aos recordes de vítimas da Covid-19no país, segundo relato do líder da Minoria na Casa, Jean Paul Prates (PT-RN).

    'A maioria (dos líderes) está consciente de que nós vivemos uma tragédia. Estamos com o país à deriva. É hora de a gente dar um basta a essa mortandade. Nós precisamos corrigir o rumo do país com urgência. A CPI da Covid-19, entre outras coisas, não pode ser mais adiada', defendeu o senador, que lamentou a morte do colega, a quem disse admirar, apesar das discordâncias políticas e ideológicas.

    Outra parlamentar a defender a criação da CPI é a senadora Simone Tebet (MDB-MS), líder da bancada feminina no Senado. Em carta aberta, a senadora defendeu que Bolsonaro prepare, com o Ministério da Saúde, um plano nacional urgente de enfrentamento à pandemia.

    'Audiência pública não basta. Comissão de acompanhamento da Covid do Senado é importante, mas não suficiente. De pouco adianta apenas acompanhar quem navega à deriva. É preciso, urgente, uma mudança de rumos', disse Tebet, em referência às medidas já tomadas pelo Senado.

    O requerimento de criação da CPI foi apresentado em fevereiro, mas Pacheco considerou, na ocasião, mais adequado ouvir o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em uma audiência pública no plenário da Casa.

    O ministro compareceu ao Senado, onde também foi criada uma comissão de acompanhamento das ações do governo, a que Tebet se refere. A líder disse, ainda, que a Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado prepara uma moção de apelo por ajuda internacional, mas avalia que a iniciativa, embora necesssária, é insuficiente.

    'A 'CPI da Pandemia' surge no horizonte do momento como um instrumento de pressão, para que o aoverno aja com rapidez, coordenação e vontade', disse a senadora, na carta.

    Também na quinta-feira, ainda antes da notícia da morte de Olimpio, o presidente do Senado, que já vinha cobrando do governo medidas de enfrentamento à crise, afirmou em incisiva publicação no Twitter que a situação exigia a coordenação do presidente da República, ações do Ministério da Saúde e colaboração entre os Poderes e as esferas federais.

    Pacheco informou os colegas que pretende organizar uma ampla reunião de articulação de combate à pandemia envolvendo os três Poderes, representantes de Estados, Municípios e ainda de entidades. A ideia era que a conversa pudesse contar com a presença de Bolsonaro, mas ainda não havia definição sobre dia ou lista de presença para essa reunião de coordenação.

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. clima pesa no congresso em …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.