Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Conclusão parcial da PF em 2º inquérito é de que Adélio agiu sozinho e sem mandante

    Placeholder - loading - news single img
    Adélio Bispo de Oliveira é escoltado por policiais federais em Juiz de Fora 08/09/2018 REUTERS/Ricardo Moraes

    Publicada em  

    Por Ricardo Brito

    BRASÍLIA (Reuters) - A Polícia Federal concluiu que Adélio Bispo de Oliveira, autor confesso do atentado à faca do então candidato a presidente Jair Bolsonaro, durante a campanha eleitoral de 2018, agiu sozinho e sem mandantes para cometer o crime, disse Reuters nesta quinta-feira fonte com conhecimento direto sobre o relatório parcial do segundo inquérito que investigou o caso.

    A conclusão parcial da PF, que foi encaminhada para a Justiça Federal em Juiz de Fora (MG), contraria o que Bolsonaro tem dito em entrevistas públicas, de que outras pessoas tiveram envolvimento no crime. O presidente sempre se queixou das investigações do caso -- no mês passado, por exemplo, defendeu novas apurações.

    Até o momento, a PF não encontrou nada que indique a participação de terceiros no crime, segundo a fonte. Ainda está pendente, de acordo com a fonte, autorização para a quebras de sigilo bancário de advogados no caso.

    O advogado de Adélio Zanone Oliveira Junior disse à Reuters que concorda com as conclusões da PF, de que o autor da facada agiu sozinho. Segundo ele, Adélio está em sofrimento mental e vive outra realidade. 'Se existisse alguma coisa, a polícia já teria descoberto', disse.

    Em nota, a 3ª Vara Federal de Juiz de Fora informou apenas que, formalmente, 'o inquérito está tramitando entre a Polícia Federal e o MPF (Ministério Público Federal)'.

    'Com efeito, o Judiciário não tem quaisquer informações sobre as apurações realizadas pela Polícia Federal, nada podendo esclarecer a esse respeito', destacou.

    O primeiro inquérito do caso foi encerrado ainda em 2018 e levou à denúncia de Adélio. Em maio do ano passado, contudo, a Justiça Federal concluiu que Adélio tem uma doença mental e não poderia ser punido criminalmente com uma eventual pena de prisão. Posteriormente a Justiça determinou que ele fosse internado por tempo indeterminado.

    A investigação sobre os supostos mandantes continuou sendo feita em outro inquérito, com as conclusões parciais sendo divulgadas agora.

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. conclusao parcial da pf em 2 …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.