Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Dólar reduz queda ante real com temores fiscais compensando BC mais agressivo

    Placeholder - loading - Dólar cai mais de 1% contra real após alta de juros agressiva 26/03/2015.  REUTERS/Gary Cameron/File Photo
    Dólar cai mais de 1% contra real após alta de juros agressiva 26/03/2015. REUTERS/Gary Cameron/File Photo

    Publicada em  

    Atualizada em  

    Por Luana Maria Benedito

    SÃO PAULO (Reuters) - O dólar passava a oscilar entre estabilidade e leve queda contra o real nesta quinta-feira, depois de bater na casa de 5,11 reais na mínima do dia, com incertezas domésticas ofuscando o posicionamento mais agressivo do Banco Central do Brasil na reunião de política monetária da véspera.

    Às 13:59, o dólar recuava 0,11%, a 5,1835 reais na venda.

    A moeda norte-americana foi negociada em queda por boa parte da manhã, chegando a cair 1,5% na mínima intradiária, alcançada por volta das 10h40, a 5,1108 reais na venda. A partir das 11h30, o dólar começou a se afastar das mínimas do pregão, e, pouco depois das 13h, foi a 5,1935 reais no pico do dia, alta de 0,09%.

    O movimento desta quinta-feira refletia a oposição entre dois fatores conflitantes: de um lado, pressionando a moeda norte-americana, a notícia de elevação intensa dos juros básicos pelo BC. Do outro, favorecendo a busca pela segurança do dólar, o clima tenso no front fiscal.

    COPOM AGRESSIVO

    O BC elevou a taxa Selic em 1 ponto percentual na quarta-feira, a 5,25% ao ano, indicando que deve repetir a dose em setembro diante das pressões inflacionárias. Para domá-las, o BC também apontou que a necessidade agora é de uma taxa básica de juros acima do patamar neutro, ou seja, em nível suficiente para desaquecer a economia.

    'Foi a maior alta de juros desde 2003', relembrou Felipe Steiman, gerente comercial da B&T Câmbio, atribuindo a desvalorização acentuada do dólar vista na parte da manhã à elevação dos juros.

    Um maior diferencial de juros entre o Brasil e países de economias avançadas tende a beneficiar o real, principalmente devido a estratégias de 'carry trade'. Elas consistem na tomada de empréstimos em moeda de país de juro baixo e compra de contratos futuros de uma divisa de juro maior (como o real), de forma que o investidor ganha com a diferença de taxas.

    INCERTEZAS PESAM

    Embora deva receber apoio do Banco Central mais 'hawkish', ou duro com a inflação, o real ainda pode ser pressionado pelo cenário fiscal doméstico, agitado recentemente pela intenção do governo de alterar a dinâmica de pagamento de precatórios.

    Uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para parcelamento dos precatórios irá prever a constituição de um fundo alimentado com recursos que terão destinação carimbada e ficarão fora do teto de gastos.

    Críticos avaliam que ela representa uma maneira criativa de o governo aumentar substancialmente os gastos em ano eleitoral ao adotar uma espécie de calote para o pagamento de dívidas --visão que a equipe econômica rechaça.

    'Em véspera de ano eleitoral, o mercado fica com medo de que governo esteja postergando (o pagamento da) dívida, fica com um pé atrás', explicou Steiman. Segundo ele, esse receio limitava o desempenho do real nesta manhã.

    Sidnei Nehme, economista e diretor-executivo da NGO Corretora, compartilha das preocupações sobre o ruído fiscal, mas também alertou em nota para o movimento de alta dos preços no Brasil. Segundo ele, num cenário de inflação mais aquecida do que a elevação do juro, o ambiente para operações de 'carry trade' ficaria inseguro.

    A meta oficial de inflação para este ano é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos. Considerado uma prévia da inflação oficial, o IPCA-15 subiu 0,72% em julho, a maior alta para o mês desde 2004, com o acumulado em 12 meses passando a 8,59%.

    Enquanto isso, no exterior, as expectativas dos investidores giravam em torno do importante relatório de emprego do Departamento do Trabalho dos Estados Unidos, que será divulgado na sexta-feira. 'O 'payroll' oferecerá um bom sinal sobre como está a recuperação da economia norte-americana e trará pistas sobre quando o Federal Reserve vai apertar sua política monetária', disse Steiman, da B&T.

    Na quarta-feira, o dólar spot teve variação negativa de 0,03%, a 5,1890 reais na venda.

    Escrito por Reuters

    Últimas Notícias

    1. Home
    2. noticias
    3. dolar cai mais de 1 contra …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.