Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Economia da zona do euro se recupera com força; inflação fica acima da meta do BCE

    Placeholder - loading - Cafés e restaurantes franceses reabrem a clientes em Paris 19/05/2021.  REUTERS/Sarah Meyssonnier
    Cafés e restaurantes franceses reabrem a clientes em Paris 19/05/2021. REUTERS/Sarah Meyssonnier

    Publicada em  

    Por Philip Blenkinsop

    BRUXELAS (Reuters) - A economia da zona do euro cresceu mais rápido do que o esperado no segundo trimestre, saindo da recessão provocada pela pandemia da Covid-19 conforme as medidas para conter o vírus são relaxadas, enquanto a inflação superou em julho a meta de 2% do Banco Central Europeu.

    A agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat, informou nesta sexta-feira que sua estimativa inicial para o Produto Interno Bruto dos 19 países que usam o euro foi de crescimento de 2,0% na comparação trimestral e de 13,7% na base anual.

    Economistas consultados pela Reuters esperavam expansões de 1,5% e 13,2% respectivamente.

    Entre os destaques ficaram as terceira e quarta maiores economias da zona do euro, Itália e Espanha, com crescimentos trimestrais respectivamente de 2,7% e 2,8%. A economia de Portugal, dependente do turismo, expandiu 4,9%.

    A zona do euro sofreu duas recessões técnicas --definida como dois trimestres de contração -- desde o início de 2020, com as contenções devido ao coronavírus pesando mais recentemente entre o fim de 2020 e início de 2021.

    O PIB da zona do euro foi pressionado em grande parte nos três primeiros meses do ano pela fraqueza na Alemanha, onde o lockdown a partir de novembro conteve o consumo privado.

    A maior economia da Europa voltou a crescer no segundo trimestre, mas a uma taxa trimestral de 1,5% que ficou abaixo do esperado.

    A economia francesa, segunda maior da zona do euro, expandiu 0,9%, pouco acima da expectativa, com o terceiro lockdown sendo relaxado a partir de maio.

    No entanto, muitos países da zona do euro estão enfrentando novas ondas de infecções com a variante Delta, mais transmissível.

    A Eurostat também informou que a inflação da zona do euro acelerou a 2,2% em julho, taxa mais elevada desde outubro de 2018, de 1,9% em junho e acima da expectativa de economistas de 2,0%.

    Os preços da energia foram de novo o maior peso, com alta de 14,1% na comparação anual.

    Sem os componentes voláteis de energia e alimentos não processados, ou que o Banco Central Europeu chama de núcleo da inflação, os preços subiram 0,9% na base anual, o mesmo que em junho. Economistas esperavam avanço de 0,7%.

    Os dados não devem preocupar as autoridades do BCE, que já alertaram sobre um aumento temporário na inflação e deixaram claro que não irão ajustar a política monetária já que os fatores pontuais devem desaparecer no próximo ano.

    (Reportagem adicional de Balasz Koranyi em Frankfurt)

    Escrito por Reuters

    Últimas Notícias

    1. Home
    2. noticias
    3. economia da zona do euro se …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.