Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Estudo indica ressonância magnética para mulheres com tecido mamário denso

    Um dos desafios, no entanto, é evitar os falsos positivos nestes exames.

    Placeholder - loading - news single img
    Exame para diagnóstico do câncer de mama (Foto: Science Photo Libra - Getty)

    Publicada em  

    Embora haja controvérsia sobre quando as mulheres devem começar a fazer mamografias, todos os especialistas concordam que a triagem é um primeiro passo importante na detecção de câncer de mama e no tratamento precoce.

    Mas, segundo reportagem da revista TIME, para algumas mulheres, isso não é suficiente. Para aproximadamente 40% das mulheres com tecido mamário denso, e especialmente 10% com tecido extremamente denso, as células cancerígenas são mais difíceis de detectar. Além disso, o tecido mamário mais grosso em si também é um fator de risco para o desenvolvimento de câncer.

    Houve um debate entre especialistas sobre se essas mulheres deveriam fazer exames adicionais, além das mamografias. Um novo estudo publicado no New England Journal of Medicine fornece os dados mais fortes ainda para apoiar a inclusão da triagem por ressonância magnética nas mamografias para mulheres com tecido mamário extremamente denso.

    Estudos anteriores compararam taxas de câncer de mama em mulheres que fazem apenas mamografias com taxas naquelas que fazem mamografias e ressonância magnética, mas não ficou claro que os tumores identificados nesses conjuntos de dados eram realmente câncer. Isso ocorre porque alguns cânceres de mama são o que os especialistas consideram um estágio pré-canceroso, conhecido como carcinoma ductal in situ, o que significa que eles podem não crescer ou progredir para a doença.

    Isso levou alguns médicos a se preocupar com o potencial diagnóstico em excesso de câncer de mama, o que pode levar ao tratamento excessivo de lesões que podem nunca se transformar em tumores de fato. A Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA, que tenta encontrar respostas para questões controversas de saúde, concluiu que não há evidências suficientes para aconselhar as mulheres sobre os benefícios ou malefícios da adição de outros testes de câncer de mama em cima das mamografias.

    No novo estudo, Carla van Gils, professora de epidemiologia clínica do câncer no University Medical Center Utrecht, tentou abordar essa preocupação, concentrando-se em quantos cânceres reais a combinação de mamografia e ressonância magnética pode ajudar a detectar em mulheres com tecido mamário denso.

    Carla e sua equipe estudaram mais de 40.000 mulheres com tecido mamário extremamente denso, que foram aleatoriamente designadas para a triagem apenas com mamografia ou mamografia e ressonância magnética.

    Cada mulher no estudo foi rastreada uma vez no período de dois anos (seguindo as diretrizes da Holanda que exigem mamografias a cada dois anos para mulheres acima de 50 anos). Carla e sua equipe analisaram quantos cânceres invasivos foram detectados entre os exames, o que serve como uma medida da eficácia da ressonância magnética na detecção do que os pesquisadores chamam de câncer de intervalo - aqueles diagnosticados após uma mamografia negativa e antes da próxima mamografia. "Se pudermos evitar isso, sabemos que pelo menos estamos prevenindo tumores clinicamente relevantes", diz a estudiosa, "e não apenas diagnosticando demais". Eles descobriram que a taxa desses cânceres em mulheres recebendo os dois tipos de imagem era de 2,5 por 1.000 rastreios, em comparação com 5 em 1.000 para as mulheres que estão apenas fazendo mamografias.

    A ideia é que a suplementação de mamografias com ressonância magnética na triagem inicial levou à detecção precoce, o que por sua vez contribuiu para diminuir as taxas de câncer durante uma segunda triagem, porque presumivelmente as mulheres estão consultando seus médicos quando são encontrados crescimentos suspeitos.

    Os dados não confirmam que a combinação de mamografias e ressonâncias magnéticas pode levar a menos mortes por câncer de mama; isso é algo que será estudado nos próximos anos. Mas documentar a redução no câncer detectado entre os exames é um primeiro passo importante para mostrar o valor da RM suplementar para mulheres com tecido mamário extremamente denso. Ele também apoia o raciocínio por trás de uma lei aprovada no início deste ano nos EUA, exigindo que os relatórios de mamografia incluam uma avaliação da densidade do tecido mamário das mulheres, além de uma explicação de por que isso pode dificultar a interpretação dos resultados da mamografia.

    Carla observa que os resultados de seu estudo ainda não são robustos o suficiente para recomendar que todas as mulheres com tecido mamário denso (mesmo aquelas com tecido mamário extremamente denso) façam ressonância magnética além dos exames regulares de mamografia. Ela afirma que diminuir as taxas de falsos positivos nestes exames ainda é um desafio.

     

    1. Home
    2. noticias
    3. estudo indica ressonancia …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.